Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

CHAVES

Olhares sobre o "Reino Maravilhoso"

29
Jul18

O Barroso aqui tão perto - Santa Marinha

1600-sta-marinha (39)

montalegre (549)

 

E como hoje é domingo, vamos mais uma vez dar uma voltinha pelo “Barroso aqui tão perto”, pela freguesia de Ferral, mais precisamente, vamos até à aldeia de Santa Marinha, no Barroso que eu apelido de verde e disperso com vistas lançadas para o Gerês.

 

1600-sta-marinha (4)

 

Antigamente defendia que as primeiras impressões, ligadas à aparência, é que valiam. Com o tempo aprendi que não é bem assim, que afinal os pormenores é que têm valor, e a aparência é apenas uma fachada que esconde toda a intimidade. Quero com isto dizer que quando avistei Santa Marinha desde a aldeia vizinha de Pardieiros, gostei do que vi, pequenina e arrumadinha na encosta da serra. Quando cheguei à aldeia, junto ao cemitério, acrescentei mais um ponto ao gosto, não pelo cemitério, que embora até poderá ter certa beleza, não é local que eu aprecie em particular, mas pelo conjunto da pequena capela e cruzeiro.

 

1600-sta-marinha (1)

 

Mas com o aproximar da aldeia, onde ela está mais concentrada, nem por isso estava a gostar do que ia vendo. Fui entrando com ar de quem não iria sair de lá satisfeito, e é aqui que entram os pormenores, o conjunto dos pormenores que fez com que saísse da aldeia a dizer: - Afinal até valeu a pena!. Há por lá pormenores que fazem a diferença,   algumas preciosidades até, e já nem quero falar dos matizes do verde ou das vistas que desde lá se podem lançar. O problema da aldeia, que até nem é problema, está no ela ser dispersa, dificultando uma interpretação no seu todo, principalmente em imagem. Aliás este tipo de povoamento disperso é transversal a toda a freguesia e penso que se deve à forma/modo de aproveitamento agrícola das encostas.

 

1600-sta-marinha (11)

 

Mais uma vez refiro aqui as singularidades do Barroso, este, da freguesia de Ferral mas também o de Cabril a mostrar uma outra cara do Barroso, de povoamento disperso, verde, de montanha, onde praticamente não há terra plana, e a que há, é em socalcos,  onde houve a intervenção humana para aproveitamento da riqueza da terra, que aqui se apresenta fértil, graças à humidade, exposição ao sol e temperatura, em terras que já se encontram a uma cota bem mais baixa que no restante Barroso, entre os 200 e 600 metros de altitude. Isto pelo que pude observar no local, sem qualquer documentação que o valide, mas penso que não andarei longe da verdade.

 

1600-desde-sta-marinha (2)

 

A descrição que faço da entrada da aldeia nada tem a ver com a entrada que irão encontrar se seguirem o itinerário que à frente irei recomendar. Acontece que o itinerário recomendado é para irmos especificamente até Santa Marinha, no entanto, nas minhas idas ao Barroso para fotografar as suas aldeias, nunca ia apenas a uma aldeia, mas a várias, daí ter entrado na aldeia vindo de Ferral, pelo qual o itinerário recomendado até nem passa.  

 

1600-sta-marinha (52)

 

Quem acompanha o blog sabe que esta rubrica sobre o Barroso surgiu para dar a conhecer as suas aldeias,  mas,  simultaneamente, servem como uma proposta, ou um convite para as visitar, principalmente agora em que o dinheiro não abunda para podermos ir à descoberta de outros destinos mais longínquos e caros. Juntar o útil ao agradável, sim, porque o Barroso tem uma série de destinos tão interessantes ou mais ainda que muitos dos que encontramos lá fora. Temos é que entrar nele à sua descoberta, pois continua a ser um tesouro desconhecido da maioria que vive a menos de uma hora de viagem. Mas queria eu dizer, isto se aceitarem esta minha sugestão de visitar a aldeia, que uma vez que vão à aldeia, aproveitem o dia para ver outras aldeias e outros pontos de interesse que ficam no itinerário ou na proximidade desta aldeia, pois seria um desperdício não aproveitar a ocasião.

 

1600-sta-marinha (29)

 

Ainda antes de irmos ao itinerário recomendado e continuando nesta onda de descoberta/promoção do Barroso, uma vez que estamos em tempo de férias de verão, porque não passar por lá uns dias de sol com banhos incluídos, numa das suas cascatas ou albufeiras. Se for como eu, ao qual já passou o gosto de ser lagarto ao sol para além do médico me recomendar sombras, estas também não faltam por lá. Uma proposta para um dia, pois sendo aqui da terrinha (Chaves) poderá ir e vir no mesmo dia, com dormida na nossa caminha. Fica prometido que no próximo domingo deixo aqui um mini roteiro com propostas para algumas albufeiras e cascatas.

 

1600-sta-marinha (26)

 

Vamos então ao itinerário recomendado para chegarmos a Santa Marinha, da freguesia de Ferral, concelho de Montalegre.

 

Pois desta vez apenas recomendamos um itinerário, por sinal um dos nossos preferidos, talvez porque é um dos que nos mostra também os vários matizes do Barroso, para além de passar pela vila de Montalegre, que é sempre interessante.

 

1600-sta-marinha (50)

 

Pois para este itinerário devemos seguir pela estrada do S. Caetano/Soutelinho da Raia. Logo na primeira aldeia de Montalegre, Meixide, devemos tomar a primeira opção de seguir via Vilar de Perdizes ou via Pedrário/Sarraquinhos. Tanto faz, a distância é sensivelmente igual e o destino será sempre o mesmo — Meixedo, mesmo antes de Montalegre. Isto já não é novidade para quem acompanha o blog, mas pode-se dar o caso de alguém vir por aqui a primeira vez ou não ser visita habitual e há sempre que repetir estes pormenores. Pois chegado a Montalegre, que é de paragem obrigatória nem que seja apenas para um café,  seguimos pela M308, em direção ao Campo de Futebol.

 

1600-sta-marinha (48)

 

Tínhamos ficado em Montalegre, já na M308 em direção a Sezelhe que devemos passar e seguir em direção a Paradela do Rio, com passagem por Travassos do Rio, Covelães, Paredes do Rio e Outeiro. Os topónimos têm apelido do Rio por ficarem perto do rio Cávado. Aliás este itinerário entre Montalegre e Santa Marinha é sempre feito na proximidade do Cávado e mais ou menos paralelo ao mesmo, primeiro pela margem esquerda até um pouco antes de Frades, depois pela direita até Outeiro e em Paradela já estamos outra vez na margem esquerda.

 

1600-sta-marinha (74)

 

Já estamos em Paradela, fácil de identificar pela Barragem que tem ao lado. Aliás entre Outeiro e Paradela vamos ter sempre a Barragem ao lado por companhia. Em Paradela não há nada que enganar. Chegado ao largo do cruzeiro, fácil de ver, pois o mesmo serve de rotunda no cruzamento, seguimos em frente, ou seja, na terceira saída da rotunda. Para não ter mesmo dúvidas, atenção às placas indicativas, pois o cruzamento está bem sinalizado. Devemos sair pela estrada cujas placas indiquem Ponteira, Sexta Freita, Covelo do Gerês e Ferral.  Até ao nosso destino, já próximo, não vamos passar por dentro de nenhuma aldeia, ficam todas ao lado, mas devemos passar ao lado de Ponteira e de Sexta Freita, logo a seguir ao desvio para Sexta Freita (mais 2km) vamos encontrar um pequeno conjunto de casas junto à estrada, com uma saída à esquerda para Sacoselo e 200 metros à frente uma saída para a direita, a nossa saída, onde devem estar as placas de Stª Marinha e Covelo do Monte, cinco curvas à frente e estamos em Santa Marinha.

 

Sta-marinha-mapa.jpg

 

 

Curioso que ainda atrás falava em albufeiras e cascatas, pois embora Santa Marinha não tenha nenhuma delas, tem na sua proximidade algumas, mas fiquemos apenas pelas barragens, a da Venda Nova a cerca de 2.5 km, a de Salamonde à mesma distância (2.5Km) e a de Paradela um pouco mais distante, mas mesmo assim próxima, a 7.5km. Tudo distância em linha reta, pois por estrada é um pouco mais.

 

1600-sta-marinha (65)

 

E o que dizem os livros e documentos de Santa Marinha. Vamos lá ver se temos sorte.

 

No livro “Montalegre” encontrámos algumas referências:

 

As Igrejas, Capelas, Alminhas e Cruzeiros

Vestígios de estilo românico nas Igrejas de S. Vicente da Chã, Viade e Tourém. É justo salientar que diversas outras igrejas datam dos primeiros tempos da monarquia e seriam incluídas nesse estilo. Acontece que foram sofrendo remodelações – muitas vezes a fundamentis – que as descaracterizaram.

 

A última grande febre dos arranjos deu-se nos princípios do século XVIII e, por isso, os edifícios exibem datas dessa altura. Por exemplo: Pondras -1725; Santo André- 1813; Vila da Ponte – 1710, etc.

 

Contudo, a maior riqueza das nossas igrejas encontra-se no interior: tanto em muitos dos seus santos que escaparam à usura de sacristães, padres e “homens-bons”, como na talha que as orna, sendo que uma boa parte dela se deve a ignorados artistas autóctones. Merecem algum realce certos exemplares como Salto, Santa Marinha, Covelo, Vila da Ponte, Viade, S. Vicente, e sobretudo, pelo ruralíssimo e humílimo conjunto de talha de S. Miguel de Vilaça.

1600-sta-marinha (62)

 

E continua:

 

Os cruzeiros são mais de 60 e se lhes juntarmos os calvários ainda existentes com as cruzes das estações da via sacra serão três vezes mais.

 

Destacam-se o de Salto, Pondras, Mourilhe, Codessoso de Meixedo, de Montalegre, o da Interdependência da Vila da Ponte, Negrões, Meixedo, Sabuzedo, Santa Marinha, Santo André, Penedones, Antigo de Serraquinhos, Sezelhe, Travasços do Rio, Vila da Ponte, Bustelo e Parafita!

 

Das ermidinhas, que o estro de Junqueiro abençoa, destacamos quer pela beleza paisagística do local, quer pelo encanto do conjunto “Construção humana e Natureza envolvente”: Nossa Senhora das Neves  (São Lourenço) e São Tiago (Fafião), na freguesia de Cabril; Senhor do Alívio, em Salto; Senhora do Monte (Serra do Barroso); São Frutuoso (Montalegre); Santo Amaro (Donões); Santa Marinha, em Vilar de Perdizes; S. Domingos, em Morgade; Nossa Senhora de Galegos, no Cortiço (Cervos); São João da Fraga, em Pitões; São Lourenço, em Tourém, e Nossa Senhora da Vila de Abril, em São Pedro (Contim).

 

1600-sta-marinha (47)

 

Ainda no livro “Montalegre” a respeito da freguesia de Ferral, mais algumas referências a Stª Marinha.

 

Ferral

Esta freguesia mudou várias vezes de nome: foi primeiro Santa Marinha de Covêlo do Gerês por oposição a São Pedro de Covêlo do Gerês; depois dava apenas pelo hagiotopónimo Santa Marinha; mais tarde foi Santa Marinha de Ferral e hoje é somente Ferral. Contudo, é da tradição local que existiu neste mesmo termo a freguesia de São João da Misarela, de que não possuímos qualquer documento escrito! Na realidade, nunca se encontraram vestígios de tal construção nem qualquer referência à sua localização. Apesar das oito povoações que integram a freguesia, o seu isolamento até ao século XVIII era tão acentuado que se tornava extremamente propício à criação e sedimentação de lendas de que é paradigma a da Misarela. Tal como na vizinha Cabril, antes das barragens, os rios eram barreiras difíceis de transpor, mesmo de verão… Por isso a freguesia foi-se alargando e anexando povoações na área de entre Cávado e Regavão: Vila da Ponte e Bustelo (freguesia anexa até ao século XIX) e Contim e São Pedro, igualmente freguesia anexa. Restos evidentes desse antigo fausto é a riquíssima talha da vetusta Igreja de Santa Marinha.

 

1600-sta-marinha (77)

 

E a o que nos diz a “Toponímia de Barroso”. Não sei, mas vamos ver:

 

Santa Marinha (Ferral)

Correm por aí diversas lendas sobre Marinha, Santa e Mártir. É de espantar a ingenuidade de algumas que referem a naturalidade da Santa e da sua vida bem longe dos locais onde terá nascido, vivido e sofrido o seu martírio.

Teve culto já documentado no século VIII, após a invasão árabe, e de tal forma arreigado, lendário e popular que a deram como natural de várias localidades. Na realidade Santa Marinha foi martirizada em Antioquia.

1258 - « in collatione de Sancte Marine» INQ. 1523.

 

Na Toponímia Alegre temos o seguinte:

 

Requerimento do Abade de Santa Marinha ao Senhor Arcebispo de Braga.

 

O abaixo –assinado,

Abade Albino Mendes,

De setenta anos de idade,

Sentindo-se velho e cansado

E estando-se a esgotar

O prazo da sua colocação

Que exerceu com lealdade, a Vossa Eminência vem rogar

Licença para continuar

Que para tanto autoridade tendes;

Beija-lhe o anel sagrado

O abade Albino Mendes!

 

E ainda:

 

Nomes do “Rio” intermédio:

Carabunhas de Vila Nova,

Conspiradores de Covelo,

Rabinos de Loivos,

Peixeiros de Sidrós,

Papa-ventos de Ferral,

De Viveiro não sai graeiro,

Carrapatos dos Pardieiros,

Borra-ladeiras de Santa Marinha,

Carvoeiros de Nogueiró.

 

1600-sta-marinha (38)

 

E ficamos por aqui. Ficam ainda as habituais referências às nossas consultas e dizer-vos que as abordagens que já fizemos às aldeias e temas de Barroso estão agora no menu do topo do blog, mas também nos links da barra lateral. Se a sua aldeia não está lá, em breve passará por aqui num domingo próximo, e se não tem muito tempo para verificar se o blog tem alguma coisa de interesse, basta deixar o seu mail na caixa lateral do blog onde diz “Subscrever por e-mail”, que a SAPO encarregar-se-á de lhe mandar um mail por dia com o resumo das publicações, com toda a confidencialidade possível, pois nem nós teremos acesso à vossa identidade e mail.

 

1600-sta-marinha (44)

 

 

BIBLIOGRAFIA

 

BAPTISTA, José Dias, Montalegre. Montalegre: Município de Montalegre, 2006.

BAPTISTA, José Dias, Toponímia de Barroso. Montalegre: Ecomuseu – Associação de Barroso, 2014.

 

 

Sobre mim

foto do autor

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

 

 

Olhares de sempre

Links

As minhas páginas e blogs

  •  
  • Aldeias de Barroso

  •  
  • FOTOGRAFIA

  •  
  • Animação Sociocultural

  •  
  • Cidade de Chaves

  •  
  • De interesse

  •  
  • GALEGOS

  •  
  • Imprensa

  •  
  • Páginas e Blogs

    A

    B

    C

    D

    E

    F

    G

    H

    I

    J

    L

    M

    N

    O

    P

    Q

    R

    S

    T

    U

    V

    X

    Z

    capa-livro-p-blog blog-logo

    Comentários recentes

    • Anónimo

      Julia, O meu voto vai para a Igreja da Misericordi...

    • Anónimo

      Hoje, dia 12 de Outubro de 2018, acabo de ler este...

    • Anónimo

      https://m.youtube.com/watch?v=glT3deDW0_o

    • Anónimo

      Olá Fábio, Gostava muito de lhe oferecer um livro ...

    • Anónimo

      *Salve 5-OUTº-1143*!“Viva Portugal!”Como não recon...