Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

CHAVES

Olhares sobre o "Reino Maravilhoso"

10
Dez18

O Barroso aqui tão perto - São Lourenço

1600-s-lourenco (6)

montalegre (549)

 

No último fim-de-semana, em “O Barroso aqui tão perto”, fomos até Vila Nova, Sidrós e Ponte da Misarela, ali mesmo onde começa a barragem de Salamonde, precisamente onde o Rio Rabagão se encontra com o Rio Cávado. Na altura não referimos este pormenor, mas hoje, dá-nos jeito esta referência, pois o nosso destino fica precisamente em frente a Sidrós, mas na margem direita do Rio Cávado, igualmente entre dois rios, mas desta vez o Rio Cabril ocupa o lugar do Rio Rabagão.

 

1600-s-lourenco (20)

 

Confesso que inicialmente este pequeno território barrosão entre estes três rios, se me apresentava um pouco confuso, muita curva, muita estrada, muita montanha e embora os três rios existam nas cartas, no terreno quase não se dá por eles, pois todos eles deram origem a barragens. Só quando comecei a ter as barragens como uma das referências é que me comecei a entender com este pequeno território do Barroso. Com isto, vou deixando esquecido o nosso destino de hoje, que é a aldeia de São Lourenço da freguesia de Cabril.

 

1600-s-lourenco (88)

 

Mas voltemos à questão dos rios e das barragens. O concelho de Montalegre tem 6 barragens, mas uma podemos deixá-la já de parte, pois no concelho de Montalegre só tem um nico, a barragem propriamente dita acaba por se desenvolver em terras Galegas. Refiro-me à barragem de Tourém.

 

1600-s-lourenco (7)

 

Mas como dizia, e com referência aos três rios mais importantes do concelho, as barragens obrigou-os por um lado a sair dos seus leitos originais, e por outro, entre barragens, fazendo-os quase desaparecer como rios. Iniciemos pelo Rio Cávado que em Sezelhe tem a sua primeira barragem, de pequenas dimensões, mas onde já há retenção de água. Logo a seguir, o mesmo rio dá origem à barragem de Paradela. Passemos agora para o Rio Rabagão que logo no início do seu percurso dá origem à barragem dos Pisões ou Alto-Rabagão,  para 6Km mais à frente dar início à barragem da Venda Nova. Neste momento da nossa descrição o Cávado está na barragem de Paradela e o Rio Rabagão está na Barragem da Venda Nova. Pois a partir de aqui os dois rios (Cávado e Rabagão) convergem e há um terceiro que se junta à convergência, o Rio Cabril. É precisamente na convergência dos três rios que começa a barragem de Salamonde, esta, marca também o fim  (limite) do concelho de Montalegre e o fim dos rios Cabril e Rabagão, passando a partir de aí o Rio Cávado entra em terras do Minho,  que depois de dar ainda origem a outras barragens e de passar próximo de Braga e por Barcelos, acaba por desaguar no mar em Esposende.

 

1600-s-lourenco (54)

 

Mas entremos em S. Lourenço. Deixei propositadamente o espaço da Sr.ª das Neves como primeira imagem deste post, precisamente porque foi a primeira imagem que tomei de S. Lourenço,  no dia 15 de julho de 2016, recordo ter sido um dia muito, mas mesmo muito quente. Chegámos lá, logo após termos almoçado em Sidrós. O dia recomendava uma sesta ou assossega para o almoço. Tomámos meia-dúzia de imagens e aproveitámos as convidativas sombras à volta da igreja para repousar um pouco, mas mesmo assim o calor era insuportável. Tínhamos na agenda fotografar S. Lourenço, mas apenas parámos no bar para hidratar. O calor quando aquece estupidamente com sabores de inferno, quando mais avança a tarde mais insuportável se torna, razão pela qual após a hidratação, regressámos a casa, sem uma única foto de S. Lourenço. Ficaria para mais tarde, com melhor calor, ou até frio, que este é questão de mais ou menos abrigos em cima do corpo.

 

1600-s-lourenco (98)

 

Voltámos a S. Lourenço em abril deste ano (2018). Tínhamos reservado o dia para as cascatas, um dia ótimo de sol, com calor acima do normal para a época, mas perfeitamente suportável, agradável até. A seguir à cascata de Pincães vimos ainda haver tempo para uma visita rápida a S. Lourenço para recolha de imagens, as suficientes para dar a conhecer a aldeia num dos nossos post´s. E para lá fomos, mas antes de começar a recolha fotográfica, fomos de novo hidratar ao bar que já era nosso conhecido e só depois avançámos para o coração da aldeia, não sem antes termos dado dois dedos de conversa com algumas pessoas da aldeia que estavam a aproveitar os preciosos raios de sol. Apenas interrompemos as suas conversas por uns curtos minutos, pois a tarde avançava e ainda tínhamos na agenda outra cascata.

 

1600-s-lourenco (37)

 

E lá fomos adentrando a aldeia até que numa das casas mais curiosas que encontrámos, nos saiu de lá uma senhora, com simpatia de sobra para que a conversa se fosse prolongando, mas infelizmente, desprevenido para tomar apontamentos para memória futura a utilizar neste post, apenas retive que a senhora tinha partido muito nova para Lisboa onde trabalhou toda a sua vida, e agora, já reformada, voltou à sua aldeia, que sempre teve no coração, para passar o resto dos seus dias.

 

1600-s-lourenco (86)

 

Fomos dando a conversa por terminada quando o céu se começou a encher de nuvens ameaçadoras de trovoada, coisa provável pois aquele calor fora de época, terras húmidas e altas, não de S. Lourenço, pois fica-se pelos 500m de altitude, mas mesmo ao lado as altitudes sobem acima dos 1300 metros na Serra do Gerês. E nós nem a meio estávamos da aldeia. Fizemos as despedidas, agradecemos a simpatia e alá pra frente, que é por aí que se faz caminho.

 

1600-s-lourenco (85)

 

Tivemos ainda tempo de conhecer, por mero acaso, um daqueles que deverá ser um dos maiores carvalhos (urbanos) do Barroso. Urbano por ficar no meio de um largo da aldeia, e tão grande que tivemos de nos afastar em bem dele para conseguirmos registá-lo no seu todo, mesmo assim, a imagem que fica é composta por uma montagem de três fotografias.

 

1600-s-lourenco (119-121)

 

Mesmo ao lado do grande carvalho fomos testemunhas de que é verdade que as árvores morrem de pé, não o grande carvalho que esse parecia estar de boa saúde, mas uma outra árvore que não cheguei ou lembrei de apurar qual era a espécie, mas pela silhueta pare ser igualmente um carvalho. No entretanto reparei, como por simpatia, que mesmo ao lado do carvalho morto jaz também um canastro (espigueiro) e achei curioso, pois é uma imagem que se vai repetindo nos canastros abandonados, afinal eles, os canastros também morrem de pé.

 

1600-s-lourenco (132)

 

Penso que quanto à localização de S. Lourenço já atrás ficou mais ou menos esclarecida. Indo pelos rios, fica na margem esquerda do Rio Cabril (acerca de 1000m) e na margem direita do Rio Cávado e Rabagão (a cerca de 800m) ali mesmo onde o Cávado recebe o Rabagão e começa a barragem de Salamonde. As distâncias indicadas são em linha reta, pois por estrada é um pouco mais. A última referência pode ser mesmo a sede de freguesia de Cabril que fica a apenas 1000m (onde o Cávado recebe o Rio Cabril, já em plena barragem de Salamonde).

 

1600-s-lourenco (71)

 

Mas fica a seguir o nosso mapa com a localização e também o itinerário para lá chegar, como sempre a partir da cidade de Chaves. Desta vez, ou mais uma vez, indicamos o trajeto via estradas municipais (sempre as mais interessantes), com o primeiro troço via S. Caetano/Soutelinho da Raia até à Vila de Montalegre e depois via campo de futebol onde o Benfica vai jogar com o Montalegre para a taça de Portugal (e viva a festa do futebol, Montalegre merecia um jogo com um dos grandes do futebol português e embora também torça para que o Montalegre ganhe, se perder, sai do campo como ganhador. Força!). Depois é só seguir em direção a Paradela (barragem) e depois via Ponteira e Ferral. Basta seguir a indicação das placas que a estrada está bem sinalizada.

 

s-lourenco-mapa.jpg

 

Em alternativa poderá utilizar as outras duas estradas por onde se chega a todo o Barroso, ou seja pela EN103 que atravessa o Barroso pelo meio, ou EN103 - Boticas e Salto - EN103. As distâncias são mais ou menos semelhantes, entre os 76 e os 84km conforme o itinerário. O que nós indicamos é o mais curto.

 

1600-s-lourenco (91)

 

E agora vamos às nossas pesquisas, que tratando-se de uma aldeia não muito grande, na média, não haverá muitas referências, mas algumas encontraremos. Vamos lá, talvez começando pelo livro “Montalegre” que deveria ser uma bíblia de todas as localidades do concelho, mas nem sempre é.

 

1600-s-lourenco (75)

 

Pois no livro Montalegre encontrámos (o negrito e sublinhado são nossos):

 

Das ermidinhas, que o estro de Junqueiro abençoa, destacamos quer pela beleza paisagística do local, quer pelo encanto do conjunto “Construção humana e Natureza envolvente”: Nossa Senhora das Neves (São Lourenço) e São Tiago (Fafião), na freguesia de Cabril; Senhor do Alívio, em Salto; Senhora do Monte (Serra do Barroso); São Frutuoso (Montalegre); Santo Amaro (Donões); Santa Marinha, em Vilar de Perdizes; S. Domingos, em Morgade; Nossa Senhora de Galegos, no Cortiço (Cervos); São João da Fraga, em Pitões; São Lourenço, em Tourém, e Nossa Senhora da Vila de Abril, em São Pedro (Contim).

 

A nossa opinião: Concordamos!

 

1600-s-lourenco (81)

 

Uma referência também a um dos seus ilustres, embora aqui se refira à antiga freguesia de São Lourenço de Cabril:

 

  1. Padre Diogo Martins Pereira (séc. XVII) nasceu em de Julho de 1681 no lugar de Pincães, freguesia de São Lourenço de Cabril. Deixou um manuscrito, datado de 1744, sobre a sua freguesia a que deu o nome de “Epítome Familiar e Árvore de Gerações de algumas casas da freguesia de São Lourenço de Cabril” que é um excelente relatório de muitas famílias do Baixo Barroso, seus costumes, suas vidas e seus feitos – a história e a lenda locais, no século dezassete, escritas com muito saber e gosto

 

1600-s-lourenco (57)

 

Passemos para a “Toponímia de Barroso”:

 

São Lourenço (Cabril)

 

Remota devoção pelo que se presume muito antiga a criação da Igreja e do próprio lugar desse nome. Contudo, não temos documento que o ateste. A tradição, ao contrário, diz da capela de invocação à Senhora das Neves, situada em lugar paradisíaco, perto de São Lourenço, que é o que resta do imemorial Mosteiros de pondras, origem primeiríssima do celebrado Mosteiro de Pitões!

-1258 « Sancti Laurentii de Cabril» INQ 1513

O hagiotopónimo tão afastado da Igreja deixa supor que a construção desta ocorreu mais tarde e em sítio mais central e assim aglutinou dois importantes polos religiosos da Idade Média: a Freiria de Pincães e o Mosteiro de Nossa Senhora das Neves! Acresce a força do orago que teve remotíssimo culto. Diz o Dr Avelino Costa que “foi o mártir romano que mais culto teve entre nós”

 

1600-s-lourenco (60)

 

Quanto à “Toponímia Alegre”

 

“Apelidos” de Cabril

 

Moeda-falsa de Lapela,

Vinho-azedo de Azevedo,

Cava-touças de Xertelo,

Escorricha-picheis de S.Lourenço

Rabões de Chelo,

(…)

Na Etnografia Transmontana do Padre Lourenço Fontes, o texto na referência a S. Lourenço aparece ligeiramente diferente: “Escorricha capichés de S. Lourenço” 

 

1600-s-lourenco (52)

 

E ainda na “Toponímia Alegre”

 

Nossa senhora das Neves

Do lugar de São Lourenço,

Todo o caminho fui bem

Só na barca tive medo

 

1600-s-lourenco (44)

 

Já adivinhávamos que pouca literatura haveria sobre São Lourenço, mesmo assim alguma coisa encontrámos, mas na ausência de mais, somos obrigados a encerrar este post.

Contudo é mais uma aldeia do Barroso, com características um pouco diferentes das aldeias do Alto Barroso, deste Barroso multifacetado e único. Tal como todas as aldeias do Barroso, esta também é de visita obrigatória, primeiro pela Senhora das Neves, não só pelo templo, mas também pela beleza do local, pelo aconchego e paz que por lá se vive. O carvalho da aldeia fica na memória a que o vê, pela sua imponência e beleza. O bar da hidratação, também é de paragem recomendável, principalmente de Verão quando se exige andarmos bem hidratados, mas pela certa que de Inverno também por lá poderemos aquecer um poucos os corpos.

 

1600-s-lourenco (43)

 

Ficamos então por aqui. Ficam ainda as habituais referências às nossas consultas e dizer-vos que as abordagens que já fizemos às aldeias e temas de Barroso estão agora no menu do topo do blog, mas também nos links da barra lateral. Se a sua aldeia não está lá, em breve passará por aqui, num domingo próximo, e se não tem muito tempo para verificar se o blog tem alguma coisa de interesse, basta deixar o seu mail na caixa lateral do blog onde diz “Subscrever por e-mail”, que o SAPO encarregar-se-á de lhe mandar um mail por dia com o resumo das publicações, com toda a confidencialidade possível, pois nem nós teremos acesso à vossa identidade e mail.

 

1600-s-lourenco (41)

 

BIBLIOGRAFIA

 

BAPTISTA, José Dias, Montalegre. Montalegre: Município de Montalegre, 2006.

BAPTISTA, José Dias, Toponímia de Barroso. Montalegre: Ecomuseu – Associação de Barroso, 2014.

FONTES, Lourenço, Etnografia Transmontana I – Crenças e Tradições de Barroso, edição do autor, Montalegre, 1974.

 

 

 

 

2 comentários

Comentar post

Sobre mim

foto do autor

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

 

 

Olhares de sempre

Links

As minhas páginas e blogs

  •  
  • FOTOGRAFIA

  •  
  • Animação Sociocultural

  •  
  • Cidade de Chaves

  •  
  • De interesse

  •  
  • GALEGOS

  •  
  • Imprensa

  •  
  • Aldeias de Barroso

  •  
  • Páginas e Blogs

    A

    B

    C

    D

    E

    F

    G

    H

    I

    J

    L

    M

    N

    O

    P

    Q

    R

    S

    T

    U

    V

    X

    Z

    capa-livro-p-blog blog-logo

    Comentários recentes