Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

CHAVES

Olhares sobre o "Reino Maravilhoso"

31
Jul16

O Barroso aqui tão perto... Travassos da Chã

1600-rabagao

montalegre (549)

 

Desde o alto das serras e das montanhas o nosso olhar vai mais além, vemos outras montanhas e serras, alguns planaltos , e plantadas entre ela(e)s, pequenos aglomerados de casas, aparentemente todas juntinhas, como se estivessem coladas umas às outras. São aldeias que, vistas lá do alto,  parecem todas iguais apenas se distinguindo pelo tamanho do espaço que ocupam.  Ao longe todas iguais mas na sua intimidade todas diferentes, todas com uma identidade própria. Na primeira imagem de hoje,  tomada desde o alto de S.Domingos sobre a barragem dos pisões, da outra margem da barragem conseguimos distinguir algumas aldeias, uma delas é Travassos da Chã. E para lá que vamos hoje. 

 

1600-travassos-cha (1)-1

 

Travassos da Chã localiza-se entre a estrada nacional 103 (Braga -  Chaves – Bragança) e a Barragem dos Pisões, não tão próxima da barragem como as aldeias da outra margem, nomeadamente Criande, Negrões e Vilarinho de Negrões, mas igualmente próxima, a partir dos 300 a 400 metros de distância e com estrada até à barragem, com o asfalto a terminar mesmo dentro de água quando a barragem está no topo da sua cota.

 

1600-travassos-cha (77)

 

Quanto ao topónimo é normalmente grafado como Travassos da Chã, no entanto também aparece como Travaços da Chã, incluindo na página oficial do Município de Montalegre aparece, dependendo do documento,  grafada de ambas as maneiras.  Quanto à origem ou significado do topónimo nas nossas pesquisas nada apurámos.

 

1600-travassos-cha (53)

 

Como pontos de interesse da aldeia são apresentados pelo Município de Montalegre, o Forno do Povo e um Marco Miliário. No sítio da web do Ecomuseu do Barroso faz-se ainda alusão à Casa do Alto como uma casa de férias. Na nossa visita à aldeia localizámos o Forno e o Marco Miliário, a Casa do Alto passou-nos ao lado, pois aquando da nossa visita não tínhamos ainda conhecimento dela e na aldeia, não encontrámos ninguém que nos pudesse informar. Fomos descobrindo o que descobrimos por conta própria, tal como vai acontecendo na maioria das aldeias.

 

1600-travassos-cha (30)

 

Estas descobertas por conta própria têm o seu lado positivo, pois não somos influenciados por aquilo que está pré-determinado como sendo de interesse, às vezes, até de interesse duvidoso.  Mas claro que se agradece sempre a referência. No entanto há interesses e interesses. Geralmente aquilo que se aponta como de interesse está diretamente ligado à História, que sem deixar de ter interesse, não se apresenta lá muito interessante para o turista comum, ou para os apaixonados pela fotografia, ou pela antropologia, ou pela sociologia, quer sejam ou não profissionais.

 

1600-travassos-cha (28)

 

A população das aldeias e os seus usos, costumes e saberes, as característica do falar local, por um lado, a arquitetura típica e tradicional, o enquadramento e a forma das aldeias se aconchegarem ao relevo natural dos locais local  e as paisagens por outro, são bem mais interessantes que uma “pedra” carregada de história, sobretudo se está desenquadrada da sua origem e se a ela não está apensa toda a sua história. Uma conversa com a gente local, ou, por exemplo assistir à amassadura do pão, à entrada do pão no forno, às rezas associadas ao ato de fazer o pão ou esperar pelos aromas à saída do pão cozido são sensações únicas que só à porta do forno se podem viver. Assistir à chegada de uma vezeira à aldeia é uma delícia que não tem palavras para a descrever.

 

1600-travassos-cha (15)

 

São estas coisas simples e banais do dia-a-dia para os naturais dos lugares que tornam interessantes as aldeias e as caracterizam como únicas e singulares, que embora semelhante à aldeia vizinha, as torna tão diferentes umas das outras. Daí às vezes sairmos tão agradados de algumas aldeias que oficialmente nada têm de interesse,  e de outras, que às vezes até são apontadas como as aldeias mais interessante para visitar, saímos de lá desiludidos pelas expectativas que levávamos antes da visita.

 

1600-travassos-cha (14)

 

Mas deixemos a divagação sobre as aldeias em geral e vamos ao que nos apontam como de interesse em Travassos da Chã

 

1600-travassos-cha (84)

 

O Forno do Povo

 

Quanto ao Forno do Povo trata-se de um pequeno forno comunitário. Não pudemos visitar o seu interior mas pelo exterior deu para apreciar a cobertura em lajes de granito, tal como acontece noutros fornos comunitários, de arquitetura mais ou menos idêntica, pelo menos nas aldeias das proximidades da Serra do Larouco. Este forno de Travassos da Chã apresenta-se mais pequeno e de arquitetura mais simples.

 

1600-travassos-cha (75)

 

O Marco Miliário

 

Marco miliário anepígrafo (sem inscrições)  que, a ser marco miliário,  tudo indica pertencer à Via Augusta XVII do itinerário de Antonino, uma das principais vias romanas que ligava Bracara Augusta (Braga) a Astúrica Augusta (Astorga) passando por Aquae Flaviae (Chaves). Marco miliário que hoje não está no seu lugar de origem, pois segundo reza a história procede das imediações de Travassos da Chã, tendo sido trasladado para esta aldeia mais tarde. Trata-se de um marco semicilíndrico, de granito de grão grosseiro. As suas linhas são toscas e de diâmetro inferior aos restantes marcos miliários conhecidos. Hoje em dia parece estar convertido em “cruzeiro” com o acrescento que recebeu para ter a forma final de cruz. Está localizado fora da aldeia no caminho que nos leva até à margem da barragem.

 

1600-travassos-cha (81)

 

 

Casa do Alto

 

Quanto a esta, transcrevemos o que consta no site do Ecomuseu do Barroso:

 

“No ponto mais alto da pequena aldeia de Travassos da Chã, concelho de Montalegre, foi remodelada a Casa do Alto. Orientada a sul, enquadra a paisagem da aldeia, o lago da albufeira do Alto Rabagão com a moldura das Alturas do Barroso.

Na Casa do Alto encontrará a serenidade e paz de um ambiente rural onde a tradição permanece viva e a natureza se mantem intocável, em toda a sua pureza e esplendor

Ideal para passar umas férias longe da cidade ou para uma escapadela de fim-de-semana, a Casa do Alto presenteia os seus visitantes com um magnífico nascer do dia sobre a albufeira e com o despertar da aldeia, com um por do sol deslumbrante e com um céu tão estrelado como hoje é difícil encontrar.

A casa, com capacidade até 10 pessoas, está totalmente equipada, permitindo disfrutar com todo o conforto do tanto que esta região tem para oferecer (…)”

 

1600-travassos-cha (9)

 

Quanto às nossas impressões pessoais sobre Travassos da Chã são confusas. Por uma lado a aldeia apresenta-se interessante tendo como mais valia as vistas que lança sobre a barragem e os terrenos da proximidade desta, verdejantes, murados com arvoredo nos limites dos terrenos, dando-lhe um ar bucólico, pacato e sereno, que se invejam nos dias quente de inferno como os que estamos a atravessar . O aglomerado da aldeia também é interessante, com um largo igualmente interessante, igreja e casario também de apreciar, mesmo as novas intervenções no casario mais antigo, em geral, embora com alguns pecados não destoam do conjunto. As alminhas tradicionais, talhadas em pedra de granito, também marcam presença na aldeia marcando também assim um traço da cultura portuguesa, pois Portugal é o único país do mundo que possui no seu património cultural, habitualmente à beira dos caminhos, estradas e encruzilhadas, as alminhas, representações populares das almas do purgatório a suplicar rezas e esmolas.

 

1600-travassos-cha (73)

 

As impressões menos positivas sobre Travassos da Chã estão ligadas ao habitual despovoamento e adivinha-se o envelhecimento da população. Dizemos adivinha-se porque durante a nossa estadia na aldeia só vimos uma pessoa que por sinal era idosa. A maioria das habitações parecem estar desabitadas e muitas estão em mau estado de conservação ou mesmo em ruínas. E vai daí que ver uma aldeia sem crianças, pessoas e animais na rua com as casas de portas e janelas fechadas  e muitas delas em mau estado de conservação ou ruinas não é lá muito agradável de ver, tanto mais  que o enquadramento da aldeia e a proximidade da barragem quase exigem que a aldeia tenha vida e haja alegria nas ruas, mas infelizmente já nos vamos habituando a estes abandonos como um mal geral das nossas aldeias do interior transmontano.

 

1600-travassos-cha (7)

 

Para finalizar ficam as habituais referências à bibliografia consultada , ou aliás aos sítios da internet, pois na bibliografia consultada apenas encontrámos simples referências à aldeia como pertencendo ao concelho de Montalegre e à freguesia da Chã, não merecendo por isso aqui constar:

 

http://www.ecomuseu.org/index/pt-pt/visite/freguesias/cha/onde-ficar/casa-alto

www.snpcultura.org/

http://www.cm-montalegre.pt/

 

Ficam também os links para as anterior abordagens deste blog ao Barroso e suas aldeias:

 

A Água - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-a-agua-1371257

Amiar - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-amiar-1395724

Cepeda - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-cepeda-1406958

Gralhas - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-gralhas-1374100

Meixedo - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-meixedo-1377262

O colorido selvagem da primavera http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-o-colorido-1390557

Padornelos - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-padornelos-1381152

Padroso - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-padroso-1384428

Pedrário - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-pedrario-1398344

Pomar da Rainha - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-pomar-da-1415405

Sendim -  http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-sendim-1387765

Solveira - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-solveira-1364977

Stº André - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-sto-andre-1368302

Telhado - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-telhado-1403979

Um olhar sobre o Larouco - http://chaves.blogs.sapo.pt/2016/06/19/

Vilar de Perdizes - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilar-de-1360900

Vilar de Perdizes /Padre Fontes - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilar-de-1358489

Vilarinho de Negrões - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilarinho-1393643

São Pedro - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-sao-pedro-1411974

Sendim -  http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-sendim-1387765

Solveira - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-solveira-1364977

Stº André - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-sto-andre-1368302

Vilar de Perdizes - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilar-de-1360900

Vilar de Perdizes /Padre Fontes - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilar-de-1358489

Vilarinho de Negrões - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilarinho-1393643

 

 

Sobre mim

foto do autor

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

 

 

Olhares de sempre

Links

As minhas páginas e blogs

  •  
  • Aldeias de Barroso

  •  
  • FOTOGRAFIA

  •  
  • Animação Sociocultural

  •  
  • Cidade de Chaves

  •  
  • De interesse

  •  
  • GALEGOS

  •  
  • Imprensa

  •  
  • Páginas e Blogs

    A

    B

    C

    D

    E

    F

    G

    H

    I

    J

    L

    M

    N

    O

    P

    Q

    R

    S

    T

    U

    V

    X

    Z

    capa-livro-p-blog blog-logo

    Comentários recentes

    • Joaquim Ferreira

      Tantos anos passados, tantos sonhos por realizar.Q...

    • Anónimo

      Tantos anos passados, tantos sonhos por realizar.Q...

    • Anónimo

      conheço, sou da familia dos MACHADOS, francisc...

    • Fer.Ribeiro

      Caro Amiel Bragança, obrigado pelo seu comentário....

    • Amiel Bragança

      Caro Fernando Ribeiro,Tenho estado atento às suas ...