Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

CHAVES

Olhares sobre o "Reino Maravilhoso"

13
Mar22

O Barroso aqui tão perto - Vila Grande

Vila Grande - Dornelas - Boticas

1600-desde-antigo (239)

1600-cabecalho-boticas

 

Sem qualquer desculpa, há algum tempo interrompemos a regularidade de trazer aqui as aldeias de Boticas. Para relembrar, antes da interrupção, andávamos por terras da freguesia de Dornelas.

 

1600-dornelas-11 (1)

1600-vila-grande (43)

1600-vila-grande (4022)

 

Temos abordado as freguesias por ordem alfabética, e dentro delas, seguimos a mesma metodologia. A última aldeia que tivemos aqui da freguesia foi Lousas, o que quer dizer que já tinham sido abordadas  as aldeias de Antigo, Casal, Espertina e Gestosa, daí, termos cá hoje a Vila Grande, ficando por abordar a Vila Pequena.

 

1600-vila-grande (3743)-18

1600-vila-grande (3448)

1600-vila-grande (65)

 

Vila Grande – Dornelas - Boticas

 

Vila Grande que comummente por cá, em geral, é conhecida pelo Couto de Dornelas, tudo pelo antigo Couto que existiu na freguesia. Mas sobre o Couto de Dornelas, falaremos no post final da freguesia. Hoje abordamos a aldeia mas também a sua festa grande, que a torna famosa a nível nacional mas também lá fora, ou aqui mais perto na Galiza, também é conhecida, tudo por ser uma festa comunitária. Mais à frente também falaremos desta festa.

 

1600-vila-grande (2633)

1600-vila-grande (2487)

1600-vila-grande (63)

 

Quanto à Vila Grande que também eu conhecia por Couto de Dornelas, foi uma das primeiras aldeias a conhecer no Concelho de Boticas, mas já foi há tanto tempo que na memória, quase só ficou o complicado que foi chegar até lá, então ainda por caminhos de montanha em terra batida e muito irregular.

 

1600-vila-grande (2470)

1600-vila-grande (2204)

1600-vila-grande (35)

 

Decorria então o ano de 1975, quando tudo era possível acontecer e concretizar, quando um grupo de teenagers, penso que 12, todos rapazes, se juntaram e formaram um grupo de cantares de música de intervenção, à capela. Sei que a ideia surgiu num dia, no dia seguinte ensaiámos, e no seguinte já estávamos no palco dos “Canários”, com salão cheio a ouvir-nos cantar, onde fomos logo contratados para a uma atuação no Couto de Dornelas no fim-de- semana seguinte.

 

1600-vila-grande (18)

1600-vila-grande (14)

1600-vila-grande (31)-post

 

O Grupo chamava-se GIEC, se bem recordo eram as siglas de Grupo de Intervenção Estudantil de Chaves, e só falo disto aqui porque a Vila Grande, além de nos ter recebido muito bem, teve a honra de assistir à uma das duas atuações que o grupo fez, depois de uma longa e dura viagem, principalmente a partir de Boticas, que fizemos distribuídos por três ou quatro carros.

Já lá vão quase 50 anos, e para além destas poucas memórias outras não há.

 

1600-s-sebastiao-13 (459)

1600-vila-grande (3)

1600-vila-grande (5)

 

Só anos depois é que soube da festa da Mezinha do São Sebastião que, confesso, me despertou logo o interesse de ir por lá ver como era. Festa que se realiza todos os anos no dia 20 de janeiro e que desde que me falaram dela queria lá ir, mas que por ser sempre dia 20, a maioria das vezes calha fora do fim de semana e que por essa razão, fui adiando, ou porque então ainda estudava e eram dias de aula ou porque depois já trabalhava e era dia de trabalho, e assim foi sendo adiada a ida ao São Sebastião da Vila Grande.

 

1600-s-sebastiao-13 (76)

1600-s-sebastiao (166)-1

1600-vila-grande (4)

 

Assim foi sendo adiada a verdadeira descoberta da Vila Grande até que fomos lá ao nosso primeiro São Sebastião, que aconteceu em 2010, mais para descobrir a festa comunitária, da qual ficámos fãs, com promessa de lá voltar nos anos seguintes, que só falhámos no ano de 2019 e 2021/22, nestes dois últimos anos por não se ter realizado por causa da pandemia.

 

1600-s-sebastiao-13 (88)

1600-s-sebastiao-13 (190)

1600-dornelas-14 (129)

 

Fora do São Sebastião só fizemos por lá uma visita com um grupo de fotógrafos da Associação Lumbudus, em Maio de 2011 e algumas passagens mais recentes aquando do levantamento fotográfico das aldeias de freguesia de Dornelas. O que fica em imagem é uma seleção das fotografias da aldeia desde do ano de 2010 até 2020.

 

1600-dornelas-14 (107)

1600-dornelas-11 (81)

1600-dornelas-14 (8)

 

E como chegamos até à Vila Grande? Pois para quem acompanha o blog e viu os posts de Espertina e Antigo, a Vila Grande fica logo a seguir a estas aldeias. Para quem viu os posts de das aldeias de Casal e Lousas, para lá chegarmos, tivemos que, obrigatoriamente, passar pela Vila Grande.

 

1600-dornelas-14 (116)

1600-dornelas-11 (85)

1600-dornelas-11 (266)

 

Para que não viu nenhum dos posts atrás referidos, fica hoje a localização e o melhor itinerário para chegar à Vila Grande, que hoje, ao contrário da primeira vez que lá fomos, é muito fácil de lá chegar.

 

1600-dornelas 14 (131-4)

1600-dornelas-11 (270)

1600-vila-grande (2656)

 

Então, com partida da cidade de Chaves, como sempre, saímos da cidade pela N103 (estrada de Braga) até Sapiãos. Aí saímos da N103 em direção a Boticas que deveremos atravessar ou passar ao lado pela variante ao centro até encontrarmos o Centro de Artes Nadir Afonso, onde na rotunda, devemos seguir em direção a Ribeira de Pena, Cabeceiras e Salto pela R311 que, deveremos seguir passando por Quintas, e Carreira da Lebre, seguindo depois sempre pela R311 até nos aparecer o desvio à esquerda para Espertina e Antigo. Ficam os mapas e imagens aéreas para ajudar

 

vila-grande.jpg

1600-eart.jpg

1600-google-1 (1).jpg

 

Um post normal terminaria mais ou menos por aqui, pois em imagens estaria, também, mais ou menos completo com imagens a representar a aldeia, mas falta-nos abordar a festa da Mezinha do São Sebastião, que é, sem qualquer dúvida, onde acontecem os momentos mais altos da aldeia, com milhares de visitantes a confirmar e validar esses momentos.

 

1600-vila-grande (4034)

1600-dornelas-11 (106)

1600-dornelas-11 (105)

 

Festa da Mezinha do São Sebastião  

 

Como já algumas versões diferentes, ou com algumas diferenças,  vamos deixar aqui aquela que consta na monografia de Boticas - PRESERVAÇÃO DOS HÁBITOS COMUNITÁRIOS NAS ALDEIAS DO CONCELHO DE BOTICAS. As imagens ficam pela ordem do decorrer dos acontecimentos, desde a chegada à aldeia manhã cedo, ao juntar do pessoal, à festa, a cerimónia religiosa e a distribuição dos alimentos ao longo da mesa colocada ao longo do arruamento principal da aldeia.

 

01-1600-dornelas 16 (13).jpg

02-1600-dornelas-14 (27).jpg

 

Todos os anos, no dia 20 de Janeiro, realiza-se aquela que é uma das mais importantes festas de cariz comunitário: a Mezinha de S. Sebastião ou Festa das Papas, como era inicialmente conhecida. As origens desta festa perdem-se nos tempos. Diz a memória popular que, aquando da segunda invasão francesa, em 1809, comandada pelo general Soult, o povo de Vila Grande avistou os soldados a passar numa estrada, a estrada velha, perto das aldeias do Couto de Dornelas e sabendo que por onde passavam, saqueavam tudo, imploraram a protecção divina.

 

3-1600-dornelas 16 (24).jpg

03-1600-ila-grande (4061)-20.jpg

 

Pegaram na imagem de S. Sebastião, saíram com ele à rua, levaram-no até à torre da igreja e prometeram ao Santo que todos os anos realizariam uma festa em sua honra se as tropas não descessem até às aldeias. Eis que o milagre se deu, caiu uma grande nevada e as tropas passaram ao largo das aldeias e o povo, agradecido, cumpriu a promessa.

 

04-1-1600-vila-grande (3805)-18.jpg

04-1600-s-sebastiao (233).jpg

 

Existe também outra lenda de que esta festa se começou a fazer depois de uma grande peste que matou muitos animais na freguesia. Desesperadas, as pessoas pediram protecção ao Santo, prometeram-lhe que todos os anos fariam a festa em sua honra se os livrasse de tão terrível maleita. Feito o milagre, o povo cumpriu a sua promessa.

 

05-1600-vila-grande (3582)-18.jpg

06-1600-s-sebastiao (82).jpg

 

 

Certo ano faltaram ao prometido e não celebraram a festa, contam que por causa disso deu uma moléstia nas patas dos animais e, nesse ano, não os puderam utilizar para os trabalhos agrícolas. Em desespero de causa, arrependidos pelo incumprimento da promessa, imploraram novamente a protecção ao Santo e desde então para cá a festa tem-se realizado no dia 20 de Janeiro de cada ano.

 

07-1600-sebastiao-15 (253).jpg

08-1600-vila-grande (3756)-18-fb.jpg

 

A organização desta festa, refeição comunitária, está a cargo dos mordomos, inicialmente os 9 maiores lavradores da aldeia de Vila Grande, os que tinham mais posses, num sistema de rotatividade entre eles.

 

09-1600-sebastiao-15 (275).jpg

10-1600-dornelas-14 (243).jpg

 

 

São os mordomos, com a ajuda de familiares e amigos, que arranjam e preparam a comida servida na refeição comunitária (pão, carne e arroz). Dada a dimensão desta festa, tudo tem que ser preparado com muita antecedência. Por altura do Natal, andam pelas casas das aldeias da freguesia a recolher os cereais (centeio e milho) para fazer as broas. Em Janeiro, recolhem os restantes donativos: carne de porco (essencialmente peito e queixadas) e dinheiro para comprar o arroz.

 

11--1600-vila-grande (4207)-20.jpg

12-1600-vila-grande (3815)-18.jpg

 

Além de procederem à recolha destes produtos, arranjam lenha para cozerem as broas e para cozerem os alimentos; e procedem à moagem dos cereais em dois moinhos locais.

 

13-0-1600-sebastiao-15 (302).jpg

13-1-1600-s-sebastiao (526).jpg

 

 

A comida é confeccionada na “Casa do Santo”. Esta casa, construída para o efeito com o apoio da Câmara Municipal, tem uma cozinha com uma lareira, um forno grande, uma amassadeira eléctrica e uma sala para armazenar as broas.

 

13-11600-vila-grande (3825)-18.jpg

13-1600-s-sebastiao (521).jpg

 

Durante cerca de cinco dias e cinco noites cozem as centenas de broas que vão ser distribuídas ou vendidas no decorrer da festa. No dia 19, à meia[1]noite, acendem o lume na lareira da “Casa do Santo”, à volta do qual dispõem mais de 20 potes de ferro com a carne partida aos bocados, a cozer. No dia 20, assim que toca o sino para a missa, colocam-se os potes com o arroz a cozer.

 

14-1600-vila-grande (3918)-18.jpg

15-1600-vila-grande (3812)-18.jpg

 

Finda a missa, seguem em procissão com o Santo até à “Casa do Santo”, onde o padre procede à bênção do pão, da carne e do arroz.

 

16-1-1600-s-sebastiao (452).jpg

16-1600-dornelas 16 (438).jpg

 

Pode então iniciar-se a distribuição da comida. Na principal rua da aldeia, ao longo de centenas de metros, estão colocados os bancos de madeira, cobertos com alvas toalhas de linho – a mesa – onde, de vara em vara, será colocada a comida: broa e dois pratos de madeira, um com carne outro com arroz.

 

17-1600-dornelas 16 (399).jpg

18-1600-dornelas-14 (420).jpg

 

Esta refeição é para todas as pessoas que a ela acorram. Pratos e talheres cada um leva os seus, assim como a bebida para acompanhar tão salutares alimentos. Entretanto, o mordomo percorre a mesa dando o S. Sebastião a beijar e recolhendo as dádivas que cada romeiro queira oferecer ao Santo.

 

19-1600-sebastiao-15 (405).jpg

20-1600-dornelas-17 (103).jpg

 

Dizem que, por ser benzida, esta comida tem propriedades curativas; de tal forma que as broas podem-se guardar muito tempo que não criam bolor. Tais são os benefícios que lhe são atribuídos, que muitos são os que levam pedaços, senão mesmo broas inteiras, para casa, para comer ou dar aos animais para que não padeçam de maleita nenhuma.

 

21-1600-dornelas-17 (247).jpg

 

Para finalizar o vídeo com todas as imagens da aldeia de VILA GRANDE que foram publicadas até hoje neste blog. Espero que gostem.

Aqui fica:

 

 

 

Agora também pode ver este e outros vídeos no MEO KANAL Nº 895 607

 

E quanto a aldeias de Boticas, despedimo-nos até ao próximo domingo em que teremos aqui a aldeia de Vila Pequena .

 

 

1 comentário

Comentar post

Sobre mim

foto do autor

320-meokanal 895607.jpg

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

 

 

.17-anos

Links

As minhas páginas e blogs

  •  
  • FOTOGRAFIA

  •  
  • Flavienses Ilustres

  •  
  • Animação Sociocultural

  •  
  • Cidade de Chaves

  •  
  • De interesse

  •  
  • GALEGOS

  •  
  • Imprensa

  •  
  • Aldeias de Barroso

  •  
  • Páginas e Blogs

    A

    B

    C

    D

    E

    F

    G

    H

    I

    J

    L

    M

    N

    O

    P

    Q

    R

    S

    T

    U

    V

    X

    Z

    capa-livro-p-blog blog-logo

    Comentários recentes

    • Maroussia

      Nada a agradecer. O que escreve é um acrescendo pa...

    • Anónimo

      Obrigado pela gentileza. Forte abraço.

    • Anónimo

      Também tenho as minhas fases, como a Lua. Abraço g...

    • cid simoes

      Parabéns, está a melhorar com a idade, já deixou d...

    • Maroussia

      quem conta um ponto... acrescenta-lhe alguns a mai...

    FB