Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

CHAVES

Olhares sobre o "Reino Maravilhoso"

27
Out15

Ocasionais - A Minha Terra

ocasionais

 

 

“A MINHA TERRA”

 

“O Português, pela Saudade,

ama a natureza, a paisagem;

ama, portanto, a terra;

e vê na terra

a principal fonte da sua riqueza”.

-Txª Pascoais

 

A MINHA TERRA!

 

Com que paixão, ou soberba, qualquer um usa esta expressão!

 

O nosso EU, ao proferi-la, ergue-se mais alto do que a “Serra do Brunheiro”, do Larouco, da Estrela ou… do Everest!

 

Ao dizê-lo, até parece que somos senhores de todo o mundo   -   e que o céu e a estrelas são pequenos arredores que dela dependem!

 

E então aquele lugar, aquele recanto, aquele buraquito onde fica a nossa casa, a casa onde nascemos e a outra onde fomos tolhidos de mimos pelos nossos primos!...

 

1600-parada (112)

E, quando já «saídos da casca», voamos para países próximos ou distantes   -   nem que seja para uma província vizinha!   -   até usamos “A NOSSA TERRA”!

 

E CHAVES é o nome mais consagrado por esta expressão: na sua “Marcha”, com que força, com que eco, com que brio e peito cheio os Flavienses entoam… “Pois a quem nós queremos tanto/Porque és tu -   A NOSSA TERRA!”.

 

Se há gente apaixonada ela é a dos Flavienses e dos Normando – Tameganos!

 

É que CHAVES é o ponto de encontro de todos os Normando-Tameganos, o coração do Continente e Grão-Ducado da NORMANDIA TEMEGANA!

 

Esta é composta por Condados ricos de nobreza, de História, e de Recursos Naturais!

 

E até as suas “CALDAS” são «as de mais virtude”!

 

A “MONTANHA”, “a VEIGA” e o “BARROSO” têm de recuperar a sua identidade, única e excepcional, e que este autor sublima no termo que cunhou de “NORMANDIA TAMEGANA”!

 

Ah! Para os que não conhecem, ou não sabem bem, os GALEGOS são nossos irmãos   -   e os Verinenses, irmãos gémeos!

 

6087808294_3ac9e25547_o.jpg

Ao Castelo de Chaves, ao Castelo de Montalegre, ao Castelo de Monforte de Rio Livre, ao “Forte de S. Francisco” e ao de “S. Neutel”, a Torre de S. Estêvão, ao Castro de CURALHA e ao de CARVALHELHOS queremos ver junto o Castelo de Monterrey!

 

As águas do Tâmega e do Cávado   -   e do Beça! E do Covas! E do Noro!   -   circulam nas nossas veias!

 

Dizei-me, com franqueza, quem de vós não tem uma costela de Boticas, de Valpassos, de Montalegre, de Chaves, de Ribeira de Pena ou de Vila Pouca?! Bem, e mesmo de OURENSE?!

 

Aos que não entenderem   -   ou se façam desentendidos ou «queiram conversa fiada»   - eu estou aqui, pronto e «às ordes» para lhes explicar (ou «dar-lhes o troco»)!

 

larouco.jpeg

Vós sabeis, mas há quem faça umas centenas de quilómetros para (v)ir a CHAVES buscar umas “couves”   -   ó «virgolinos», já vos destes conta como se pronuncia «couves» na NORMANDIA TAMEGANA?!     -   para a CONSOADA!

 

E eu vos garanto: há, pelo menos, um «maluco» que vem (vai) aí às couves … e à procura de uma (rodela) de RABA!

 

Sabendes” o que é isso”?!

 

Hum! Hoje em dia, só, talvez, numa ou noutra casa de Stº Estêvão, na Veiga!

 

Sabeis lá vós o que é uma CONSOADA à moda da NOSSA TERRA!

 

A couve e a batata «de CHAVES»; o bacalhau, português, bem curado, na Gafanha da Nazaré, na d’Aquém ou de Viana; e o polvo galego (as rabanadas feitas de cacete de Feces!) e com azeite de Faiões ou de Valpassos!.....

 

5278881951_ae0a505433_o.jpg

O vinho pode ser de qualquer adega, ou mesmo da «Adega»!

 

E ficai a saber que os melhores «pastéis de bacalhau» do mundo só podem ser feitos com «batata de CHAVES»   - cujo saco pode vir da Castanheira, de Outeiro Seco, de Valdanta, de Lamachã, de Lavradas ou de Solveira, por exemplo!

 

E sabeis o que são «filhozes» de abóbora (o nosso «ç/z» tem um som especial)?!

 

Ai! Um caldinho de “chícharros”! E com calondro!...

 

Uma “FEIRA dos SANTOS”, autêntica, retinta!

 

Era, outrora, o Dia Nacional da NORMANDIA TAMEGANA!

 

À cidade chegavam colunas de cavaleiros, montados em cavalos, éguas, machos, mulas, burros, burras e burrecos!

 

Na “FEIRA dos SANTOS”, a “Feira do Gado” era um acontecimento lembrado durante todo o ano!

 

Até os «recos» tinham direito a um espaço especial!

 

Já nas Casas-dos-Montes, no Matadouro, no Caneiro, na Madalena, em Stª Cruz d’Outeiro Seco o tilintar das campainhas das Juntas de bois ou de vacas, de bezerros e vitelas começava a espalhar-se pela cidade, quais trombetas de Jericó a tocarem «Aleluia»!

 

Era um regalo ver a beleza do gado apadrinhada pelo orgulho do boieiro e a arte do toque de aguilhada no jugo ou na molhelha.

 

10639340146_893854ae6a_o.jpg

Gosto da NOSSA TERRA!

 

É o meu maior pecado capital.

 

Das parcelas que compõem e integram Portugal, ninguém se atreverá a pôr em dúvida como sempre foi das mais generosas e das mais sacrificadas.

 

E custa-me a ingratidão, e a insolência, até, com que tem sido tratada, particularmente, na nossa época.

 

Na verdade, nos decénios mais recentes tem sido aviltada, e mais ainda com as cínicas pantominas de uma Auto-estrada que a diminui para Vila Real e um Casino que nada diz à cidade e à Região. Este é um enclave da estratégia gananciosa dos «reis de qualquer coisa»; aquela assemelha-se ao atalho de Efialtes e que ajudou à «sangria» de importantes estruturas de apoio e desenvolvimento da Região.

 

5500244613_2877e01ac3_o.jpg

E o que mais me custa ainda, repetindo-o, é termos por aí, e daí, uma caterva de traidores, uns merdosos que envergonham a honra e o brio das ancestrais qualidades dos Transmontanos.

 

Videirinhos, têm sorte em que os da capital, sendo da mesma cepa, lhe aparam - e dão cobertura - o jogo.

 

Obrigam a população em idade activa a procurar a sobrevivência noutras paragens, ficando por aí os mais indefesos e menos capazes de os enfrentar   -   idosos, jovenzitos e crianças.

 

Claro, para apoio, arregimentam sempre um punhado de rendidos e uma mancheia dos da mesma laia.

 

CHAVES, A NOSSA TERRA, foi, outrora uma Olímpia, uma Atenas e uma Roma!

 

CHAVES foi, outrora, Nobre Cidade!

 

Foi terra e capital da "Palavra de Honra”!

 

Hoje, com «pavões», «lalões» e tantos «filhos-da-Pomba» a administrá-la, e uma caterva de moinantes politiconeiros é uma vergonha completa para os Normando – Tameganos.

 

Ah! Para mal desses medíocres, desses impostores e cretinos ainda existe um punhado de «Mohicanos» (Defensores de CHAVES) que se recusam a ser «os últimos»!

 

Feitios!

M.,09-Julho-2015)

Luís Henrique Fernandes

 

 

1 comentário

Comentar post

Sobre mim

foto do autor

320-meokanal 895607.jpg

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

 

 

.17-anos

Links

As minhas páginas e blogs

  •  
  • FOTOGRAFIA

  •  
  • Flavienses Ilustres

  •  
  • Animação Sociocultural

  •  
  • Cidade de Chaves

  •  
  • De interesse

  •  
  • GALEGOS

  •  
  • Imprensa

  •  
  • Aldeias de Barroso

  •  
  • Páginas e Blogs

    A

    B

    C

    D

    E

    F

    G

    H

    I

    J

    L

    M

    N

    O

    P

    Q

    R

    S

    T

    U

    V

    X

    Z

    capa-livro-p-blog blog-logo

    Comentários recentes

    • Anónimo

      Obrigado pela leitura, pela reflexão e pela gentil...

    • Zé Onofre

      Boa tardeBelo texto.O mal não é só das cidades pe...

    • cid simoes

      É um bálsamo viver este dia entre poesia, música e...

    • FJR

      Ainda me lembro de apanhar bocados de metal para i...

    • FJR

      Tantas vezes ali joguei à bola. Era um dos nossos ...

    FB