Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

CHAVES

Olhares sobre o "Reino Maravilhoso"

30
Set18

Pergaminho dobrado em dois

pergaminho

 

 

Chaves, eu volto.

 

Já estava com saudades de me galantear perante vós, flavienses grandinhos do pai. Como já devem calcular a crónica que se segue não tem grande coisa a dizer embora diga alguma coisa. Fica ao vosso critério avaliar o que foi dito e podem, se entrarmos em desacordo, lançarem-me impropérios grotescos por telegrama. No entanto, a experiência de voltar a ser estudante está a ser agradável, obrigado.

 

Mudei-me definitivamente – e não quero dizer que não regresse – para Vila Real. Até é giro ser de todo o lado. É bom morrer e nascer várias vezes ao ano. Um bocadinho dali outro de acolá. Rejuvenesce a mente e alinha os chakras. Até vou mais longe, reparem no meu latim: “mens sana in corpore sano”. Mas vou continuar por aqui, até porque agora posso escrever verdadeiramente sobre Chaves, com outro olhar, quase todo de admiração, respeito e saudade.

 

Como é lindo sentir falta de um amor que me deu quase tudo. Deu-me o sol pela manhã – o sol é o mesmo para todos, mas venham vê-lo da minha antiga janela – a olhar-me de soslaio como se eu fosse o Zé Zé Camarinha de Argemil. Ou o silêncio que o rio Tâmega me propunha que parecia que estava perante um guru marítimo. As Caldas, aquela água quentinha que todos teimam em não querer chamar-lhe chá: tem aroma, por mais refinado que seja, e está quente. Água quente com sabor é chá, desculpem. E o amor, claro. Deu-me o amor, ou seja, deu-me o suficiente para ter uma existência agradável.

 

 Alinhem-se comigo: nunca conseguimos falar realmente de alguém que amamos até que ela ou nós desapareça, não é? Tem que haver uma distância entre nós e o outro. Na arte, algumas vezes, temos que nos distanciar para apreciarmos a beleza de uma, por exemplo, Mona Lisa do Da Vinci.

 

 A minha relação com Chaves é muito especial e pessoal. Ou seja, Chaves está para mim como Clarice Lispector está para a literatura brasileira. Lembrou-se-me agora de uma frase, da Clarice, que resume tudo aquilo que quero dizer. Clarice Lispector dizia, e bem, note-se, que a saudade é um pouco como a fome. Só passa quando se come a presença. E eu vou tentando comê-la, aos poucos, até porque o meu carro a gasolina não me permite essa extravagância de andar para lá e para cá. O meu carro é mais velho do que a filosofia –  é mais ou menos isso.

 

Eu preciso da saudade, porque a saudade traz-nos o silêncio e o silêncio é importante para mim. É com ele que trabalho. Preciso de pensar em silêncio no silêncio. Há muito ruído no mundo, o que dificulta. Mas depois desliga-se a internet e parece que estás no campo de meditação do Osho. Também preciso da saudade como experiência catártica, terapêutica e como motivo de inspiração. Como o Fernando Pessoa usava o ópio ou o Bukowski usava o vinho e a cigarrilha ou como o mundo da moda usa o pó. Talvez haja alguma droga na saudade que nos faz parecer que o passado foi realmente bom. Não foi. Não há saudade do que correu mal. Exceção aos sadomasoquistas. Uma pessoa sentindo saudade está de facto a recriar bons momentos passados na mente que nunca existiram de todo como os vivenciamos e a isso chama-se nostalgia. Percebo que posso destruir alguns sonhos, mas, na verdade, a Rita do 7ºC era apenas uma criança e não a porca como a costumamos apelidar. Tinha 13 anos e apaixonava-se facilmente por baixo das mesas. E isso é razão para que depois de trinta anos ainda a chamem de “porquinha” enquanto passeia os seus seis filhos na rua?

 

Nunca se esqueçam de uma frase de um grande pensador português do século XXI, Gustavo Santos: “A mente chama-se mente porque nos mente todos os dias”. Embora só ajude os portugueses, é sempre bom lançar cultura para o ar. Por exemplo: em Inglaterra é mind, na República Checa é mysli, na Albânia é mendje. São países que não se podem dar ao luxo desta bela e filosófica frase. Não sejam arrogantes e deem graças ao vosso deus por terem nascido portugueses e permitirem-se a este tipo de pensadores.

 

Isto, é tudo ilusão. E por falar em ilusão: está a ser giro ser estudante, obrigado.

 

Herman JC

 

 

Sobre mim

foto do autor

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

 

 

Olhares de sempre

Links

As minhas páginas e blogs

  •  
  • Aldeias de Barroso

  •  
  • FOTOGRAFIA

  •  
  • Animação Sociocultural

  •  
  • Cidade de Chaves

  •  
  • De interesse

  •  
  • GALEGOS

  •  
  • Imprensa

  •  
  • Páginas e Blogs

    A

    B

    C

    D

    E

    F

    G

    H

    I

    J

    L

    M

    N

    O

    P

    Q

    R

    S

    T

    U

    V

    X

    Z

    capa-livro-p-blog blog-logo

    Comentários recentes

    • Anónimo

      Fartei-mede rir quando li a estória do sr.Taveira ...

    • Anónimo

      Julia, O meu voto vai para a Igreja da Misericordi...

    • Anónimo

      Hoje, dia 12 de Outubro de 2018, acabo de ler este...

    • Anónimo

      https://m.youtube.com/watch?v=glT3deDW0_o

    • Anónimo

      Olá Fábio, Gostava muito de lhe oferecer um livro ...