Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

CHAVES

Olhares sobre o "Reino Maravilhoso"

16
Dez19

Quem conta um ponto...


avatar-1ponto

 

473 - Pérolas e Diamantes: Luvas brancas

 

Com os anos que levo já me habituei a quase tudo. Até a suportar as pessoas. Mas não há maneira de me habituar à estupidez humana e à má educação.

 

E também não percebo, desde criança, a razão de o Rato Mickey e a Minnie usarem sempre luvas brancas.

 

Lembro-me então da escola, das aulas de biologia e de filosofia e dos rizomas e da rede de relações e ligações totalmente descentralizadas, desordenadas, sem princípio, sem limites, com cada ramo a poder ligar-se a outro, sem hierarquia, sem lógica, sem centro.

 

A realidade político-partidária age e desenvolve-se da mesma maneira. O poder é fonte de desejo. E de segredo.

 

As derivações são múltiplas. E em aceleração. Nós por cá já vimos de tudo: relações amorosas, ligações sexuais, ruturas afetivas, amizades, interesses recíprocos, situações de dependência, promoções profissionais, abuso de posições dominantes, decifrações, indecifrações, lojas, paróquias, irmandades, misericórdias.

 

O rizoma político nacional é extremamente denso e secreto. É bem mais do que o simples lóbi que deixa transparecer. É um sistema que se auto sustenta.

 

E o povo afasta-se da porta para ir observar tudo isto da janela. Que simpático é o povo.

 

Existe, no entanto, uma coisa que me incomoda. É a educação. Claro que ela faz falta. Mas custa a justificar como um sistema de ensino de qualidade, como o soviético, não foi capaz de salvar um país e o deixou cair na miséria económica. E, no que a nós diz respeito, não sei para que nos serve ter a geração mais bem preparada de sempre para estar no desemprego e o país na cauda da Europa. A mim não me serve de desculpa. E aos visados não lhes vale de um corno.

 

Já todos identificámos que um dos problemas nacionais é a endogamia existente no sistema político, financeiro e universitário do país. Há apelidos em que tropeçamos constantemente quando procuramos quem integra os órgãos sociais das principais empresas portuguesas ou os órgãos dirigentes dos principais partidos políticos.

 

O futuro não se faz a andar para trás.

 

Os prazeres da hipocrisia tudo superam. As atitudes são compostas ao sabor dos novos tempos. Tudo é visto sobre um prisma diferente: o dinheiro, a verdade, a doença e a vida sexual. Tudo vive na angústia da procura da felicidade. Todos medem forças com o destino. Vive-se para entrar numa estatística, seja ela qual for. A lei maior é a do sucesso. Mas isso é como amar um desconhecido.

 

Uma coisa sabemos: os políticos pós-modernos não estão a construir o país que os nossos filhos merecem. Já há quem queira fazer História com H grande. O tempo desacelerou. Parece que o destino não está a nosso favor.

 

Olhamos à nossa volta e não gostamos muito daquilo que vemos. Os mais velhos sofrem e os mais novos sentem que a sua vida é cada vez mais complicada.

 

Custa perceber que os que melhor tiraram partido dos anos excecionais da integração europeia, e melhor protegeram os seus “direitos”, foram os políticos industriosos e os que conseguiram chegar à informação privilegiada.

 

Tudo fazem para que a nossa opinião seja otimista, ou pessimista, conforme lhes dê jeito. É justo o juízo de que não há profissões, há posições.

 

As diversas escolhas políticas remetem-nos para a igualdade, mas a verdade é que a desigualdade é cada vez mais evidente. Estou em crer que é a realidade quem nos mente. A realidade também está no desemprego.

 

Posso dizer, com lágrimas nos olhos (de me escancarar a rir, provavelmente), que nasci um ano depois de José Sócrates, Marques Mendes e António Vitorino. Ou Rui Rio.

 

Não os culpo. Eles são políticos. Gente séria e responsável. Eu é que sou irresponsável. Eles ficaram com os privilégios. Eu com o engano do sorriso. Eles ficaram com o lado extrativo da realidade. Eu com a porcaria da criatividade ficcional.

 

Eu defendi a revolução. Eles a economia com regras estadistas e centralistas. A integração europeia. E lá continuam a passar a mão pelos subsídios. Fazem-lhes festas. Gostam de regular as contas com a eficácia que todos sabemos.

 

Antigamente distribuíam, às escondidas, propaganda ilegal carregada de evidências. Nos seus novos tempos democráticos conservam ainda a coragem de distribuir, às escondidas, propaganda legal carregada de incoerências.

 

Claro que a culpa só pode ser minha. Nossa.

 

Como escreveu Alexandre O’Neill: “Em Portugal nunca deixamos cair nada; são os objetos que se escapam das nossas mãos.”

 

João Madureira

Sobre mim

foto do autor

320-meokanal 895607.jpg

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

 

 

19-anos(34848)-1600

Links

As minhas páginas e blogs

  •  
  • FOTOGRAFIA

  •  
  • Flavienses Ilustres

  •  
  • Animação Sociocultural

  •  
  • Cidade de Chaves

  •  
  • De interesse

  •  
  • GALEGOS

  •  
  • Imprensa

  •  
  • Aldeias de Barroso

  •  
  • Páginas e Blogs

    A

    B

    C

    D

    E

    F

    G

    H

    I

    J

    L

    M

    N

    O

    P

    Q

    R

    S

    T

    U

    V

    X

    Z

    capa-livro-p-blog blog-logo

    Comentários recentes

    • Anónimo

      Bom texto, João, mas não esperes que algum leitor ...

    • fjr

      Como me lembro bem.

    • Jon Shein

      Gostava de saber qual foi o Dirigente Africano da...

    • Anónimo

      No mesmo sitio onde a BT.

    • Amiel Bragança

      Caro Fernando Ribeiro,Apreciei a compilação das "B...

    FB