Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

CHAVES

Olhares sobre o "Reino Maravilhoso"

24
Abr19

Cidade de Chaves - Uma proposta cultural...

1600-macna-expo-FIM-100

 

Hoje deixo aqui um alerta para os mais distraídos que gostam de arte contemporânea e ainda não viram a exposição de Ema Berta e das 3 Gerações (Carlos Barreira, Cristina Valadas e João Ribeiro) que está patente ao público no MACNA - Museu de Arte Contemporânea Nadir Afonso. Pois se ainda não viu estas exposições só terá mais 4 dias para as poder ver, mais precisamente até às 19 horas do próximo domingo.

 

1600-ema-berta (637)

 

Mas este alerta não é só para os distraídos que gostam de arte contemporânea, mas para todos em geral, e aqui, além das exposições temporárias como estas que estão de saída, acrescento a restante arte e restantes artistas que estão em permanência, refiro-me a Nadir Afonso e à sua exposição permanente neste espaço, mas também a Álvaro Siza Vieira e o próprio edifício do MACNA, também ele uma obra de arte contemporânea, porque a arte contemporânea não se limita apenas às artes plásticas.

 

1600-ema-berta (513)

Escultor e Designer João Machado com a Pintora Ema Berta

1600-ema-berta (638)

 

De facto esta nova tendência da arte nasce em meados do século passado onde, embora não rompendo de todo com a arte moderna até aí praticada, apresenta expressões e técnicas artísticas inovadoras, incentivando a reflexão subjetiva sobre a obra.

 

1600-ema-berta (549)

Escultor Carlos Barreira com a Pintora Cristina Valadas

1600-ema-berta (515)

 

Uma nova tendência que passou a manifestar-se além das artes plásticas, influenciando também outras artes como as do teatro, música, dança, fotografia, literatura, moda, instalações, etc, ou ainda, com recurso às novas tecnologias e o evoluir da ciência deu origem a vários movimentos como o minimalismo, arte conceitual, híper-realismo, body art, vídeo-art, happening, arte urbana, graffiti, arte póvera, internet art, etc. e outras formas onde os artistas encontrem uma forma de se expressar. A Arte contemporânea passou a valorizar mais o conceito, a atitude e a ideia da obra do que necessariamente o objeto final. A intenção é refletir de modo subjetivo sobre a peça artística, não apenas contempla-la pela sua natureza estética.

 

escultura.jpg

Escultura de Carlos Barreira (Fotografia de Filipe Barreira)

1600-ema-berta (516)

 

Mas embora a arte contemporânea tivesse encontrado outros espaços para os artistas expressarem e divulgarem a sua arte, tal como espaços ao ar livre, a rua, ou mais alargados e globalizados tal como os espaços que a internet disponibiliza, os museus continuam, cada vez mais, a acolher também todas estas formas de arte e outras que pelas suas características, só aí poderão ser expostas, transformando os museus também num espaço de reflexão que também poderá ser de provocação, exacerbando os sentidos de quem os visita, muito para além da simples apreciação estética da obra de arte.

 

1600-ema-berta (554)

Pintor João Ribeiro com a Pintora Ema Berta

 

É assim a arte contemporânea, e mesmo que ainda haja por aí algumas mentes conservadoras que lhe queiram resistir em que a arte se limita apenas ao óleo sobre tela, agora a arte é outra, democratizou-se em todos as suas expressões e sentidos.

 

macna (2244)

Oratório e Oklahoma (5 painéis) de João Ribeiro

 

Tudo isto por causa das exposições de Ema Berta e 3 Gerações (Carlos Barreira, Cristina Valadas e João Ribeiro) que estão de saída do MACNA, onde, a título de curiosidade está um arista flaviense, o Escultor Carlos Barreira com as suas esculturas com movimentos e sons, onde não falta uma representação da Pedra da Bolideira.

 

 

 

15
Mai18

Passar ao lado de uma grande carreira...

1600-(29291)-a

 

Nestes momentos de introspeção que às vezes nos invadem, dou comigo a pensar como deixei que grandes carreiras me passassem  ao lado, mesmo ali ao alcance da mão. Hoje arrependo-me de não ter lançado mão a algumas delas, de ter desprezado outras, de minimizar algumas… Hoje já é um pouco tarde para algumas, teria gostado de ser, por exemplo, músico, um bom músico de jazz, dominar a música e alguns instrumentos. Mas enfim, no tempo em que me devia ter dedicado a ela, dediquei-me a outras coisas e hoje tenho de me conformar apenas a ouvir música, o que até nem é mau de todo, mas ser músico, isso é que era… outra coisa para a qual penso que teria jeito era ser artista plástico. Sou bom a imaginar e ver coisas, arte, a vê-la onde ninguém a vê, a senti-la, enfim. Deixo-vos o exemplo daquilo que poderia ser uma tela (ver a foto por cima destas palavras), cujo título seria “o homem que estava a coisar, a fugir de uma onda do mar”. Sim, poderia ser, aparentemente um pouco naif, mas com pormenores de elevado recorte, e haveria de enveredar sempre por títulos que rimassem, transformando-se em poesia pintada, sendo cada tela um ou dois versos, para que os títulos das restantes telas,  encadeados uns nos outros,  pudessem dar  num sublime momento de poesia.  Isso sim, é que seria arte. Não sei, a esta carreira de ser pintor poeta, talvez um dia, se conseguir chegar à reforma, ainda me possa dedicar a ela… penso que ainda poderei ser bom nela! Pelo menos bem melhor que muitos que conheço e que presumem… bem, é melhor ficar-me por aqui que a prosa já vai longa.

 

1600-(29291)-b

 

Entretanto há também que cair na realidade,  e a minha obra de arte, afinal, não é mais que o nº5 de uma porta qualquer, com um buraco para meter cartas e uma campainha que se calha já não toca para ninguém…  É isso que acontece quando se passa ao lado de uma grande carreira, ou serão puros devaneios!? O melhor é ir-me deitar. Boa noite e até amanhã!

 

 

 

16
Dez16

Exposição Retrospetiva de António Vilanova

cartaz.jpg

 

Há muito que o post de hoje deveria ter sido publicado aqui neste blog, mas, sem nunca ter sido esquecido,  foi sendo adiado até uma oportunidade ou um pretexto que lhe desse luz. Em boa hora esse pretexto surgiu e vamos tentar fazer a devida homenagem a um artista flaviense, também ele ilustre, que não o foi mais porque o destino lhe roubou  o tempo de ele subir ao patamar dos mestres, se é que não foi alcançado.

 

António José Rua Vilanova

Chaves, 29 de abril de 1958  -  Chaves, 16 de dezembro de 1997

 

1600-vilanova (32).jpg

 

**********************************************

 

É verão.

 

O dia apresenta-se magnífico de luz e côr.

 

Num repente, o infinito sol espalha a sua luz, exaltando o recorte dinâmico da agreste paisagem que me rodeia.

 

Quase que me sinto renascer, num ambiente misto de violência e poesia.

 

des-1-vilanova.jpg

 

Ao mesmo tempo que as cores se multiplicam numa volúpia aparentemente sem fim, os diferentes cheiro emergem do nada, inundando este ambiente carregado de sentimento mágico.

 

O ar revigorante penetra-nos, provocando um clímax indescritível.

 

O olhar, perde-se no pacífico horizonte, fazendo-nos fruir com o silêncio e o esplendor da terra.

 

des-2-vilanova.jpg

 

Não creio que haja algo tão gratificante, do que observar esta paisagem bela, na qual só interfere do voo de uma ave, o vento, o suave oscilar das plantas ao ritmo de uma reconfortante brisa, os milimétricos reflexos nas calmas águas de uma albufeira, o longínquo som do chocalho de um boi possante e sereno, que aparece entre a floresta de pinheiros. O sol já erecto e dominador, oferece a melhor moldura à majestosidade da paisagem que nos rodeia.

 

O artista, funciona aqui como elo de ligação entre este conjunto dos símbolos visuais e os seus códigos cromáticos, criando uma harmonia de conjunto, através do ritmo das linhas e da sua sonoridade inerente, e a realidade do observador.

 

des-3-vilanova.jpg

 

Os desenhos que estão presentes neste livro, são memórias, pequenos reflexos, instantâneos dessas paisagens maravilhosas, às quais eu não consegui resistir e que sempre adorarei. São trabalhos do dia a dia, que sob a forma de exercício ou simplesmente de esboço rápido, formam um desenvolvimento diário, sujeito a emoções próprias, a estímulos únicos e concisos, encontrados no mais íntimo do nosso pensar, exaltando toda a essência interior do momento

 

António Vilanova, Chaves, Agosto de 1994

In “ 40 Desenhos do Agreste Transmontano”

 

*************************************************************************

 

1600-vilanova (9).jpg

 

Para quem não o conheceu ficam as suas palavras na introdução ao seu livro de 40 gravuras publicadas em 1994, com alguns desenhos ou momentos do Agreste Transmontano ou do Barroso, a jugar pelos três locais que menciona no livro: Pitões das Júnias, Alturas do Barroso e Pisões.

 

Pois dizia eu no início do post que este não tinha acontecido, talvez, por faaltto. Pois o pretexto está agora aí, com uma exposição retrospetiva de António Vilanova  na sala Multiusos do Centro Cultural de Chaves, que abriu no início deste mês e continuará patente ao público até ao final deste mês de dezembro.

 

1600-vilanova (5).jpg

 

E enquanto se vamos  deixando aqui alguns das obras em exposição, vamos dando também a conhecer o seu percurso de vida e artístico ao longo de pouco mais de dez anos.

 

António José Rua Vilanova  frequentou a Faculdade de Letras da Universidade do Porto e, em 1986, ingressou no Curso de Pintura da ESAP.

 

Em finais dos anos 80 torna-se professor de desenho e de fotografia no ensino básico e profissional.

 

Realizou dezenas exposições individuais e coletivas. Obteve alguns prémios em concursos de arte, entre os quais se destaca o Prémio de aquisição na 2ª bienal de Chaves. Está também representado em várias coleções( privadas e públicas) , nacionais e internacionais.

 

1600-vilanova (7).jpg

 

Fica também o registo de alguma da sua obra:

 

EXPOSIÇÕES INDIVIDUAIS

 

Galeria do Posto de Turismo de Chaves – 1984/85/88/91

Secretaria de Estado da Comunicação Social – Porto – 1985

Casa de Trás-os-Montes - Porto – 1985/86

Biblioteca municipal de Montalegre – 1985

“VER A BRANCO E PRETO” – Bragança – 1990

“DA CÔR” Instalação – Fin de Siglo – Espanha – 1991

Galeria A Musaraña  - Pontevedra – Espanha – 1991

Pórticos de Noche – “RETRATOS DE UM SOLO LUSO” – Arousa – Espanha – 1992

Galeria do Posto de Turismo – Póvoa de Varzim - 1983

Galeria Galeão – Paredes – 1993

Galeria Labirinto – Porto – 1993

 

1600-vilanova (16).jpg

 

PRINCIPAIS COLECTIVAS

 

Ferreira  Borges – Porto – 1984

Colectiva Internacional de Cartazes – Bagdad .- Rep. Do Irake – 1985

Segunda Bienal  Jovem de Arte Portuguesa – Chaves – 1985

Galeria da Cooperativa Árvore / 24 NOVOS ARTISTAS – Porto – 1989

Fora D’Horas – S.João da Madeira – 1989

Português Suave – Porto – 1989

Espaço Tualca/Novos Artistas da ESAP – Porto – 1989

Museu da Região Flaviense / Arte e Meio – 1990

Intertâmega 91 – Verin – Espanha – 1991

Colectiva Internacional de pintura – A MUSARA^NA – Espanha – 1991

GALAÉCIA 91 – Orense - 1991

Celanova – Espanha – 1991

9  Pintores – Saint Nicholas – Bélgica – 1991

Acervo do Museu da Região Flaviense – Chaves – 1993

Galeria Galeão – Paredes – 1993

 

1600-vilanova (20).jpg

 

 

TRABALHOS EM VÍDEO

 

“Perfil” – Porto – 1986

“Nada… direcção infinito” – Porto – 1987

“País Real” – Chaves – 1993

“Festa no Barroso” – Chaves - 1993

 

1600-vilanova (22).jpg

 

PERFORMANCES

 

“ UB – GÀ, FOLIE”  - Porto – 1987

Fanzine “DEMOLIR, construir” – Porto 1987

“… VIA ABSINTO” – Juntamente com o Pintor Abel Silva – Ruas do Porto – 1988

 

1600-vilanova (30).jpg

 

PRÉMIOS

 

Prémio de Aquisição – Pintura, na 2ª Bienal Jovem Arte Portuguesa – 1986

Menção Honrosa, C.T.M. – Porto – 1986

 

1600-vilanova (13).jpg

 

REPRESENTAÇÕES

 

Secção de Artes Moderna do Museu da Região Flaviense

A.D.R.A.T. – Chaves

C.T.M. – Porto

GATAT – Gabinete de Apoio ao Alto Tâmega

Município de Sint Nicklas – Bélgica

Ministério da Cultura – Bagdad – Rep. Do Irake

Comissão Regional de Turismo do Alto-Tâmega

Associação Comercial e Industrial de Chaves

Além Portugal, também está representado em Espanha, França, Inglaterra, Bélgica, Alemanha e Brasil.

 

 

 

26
Dez12

Mário Valpaços - Um artista Flaviense

 

Em tempo um amigo dizia-me que “estava morto para que a televisão lá de casa avariasse, para se desfazer do mono e comprar uma nova”. Pois eu por cá, a televisão que tenho serve-me e até sobra, pois pouco lhe ligo, mas o computador, esse, já é outra cantiga. Pois, tal como o meu colega, também eu estava mortinho para que o meu  PC avariasse, não para comprar um novo que as modas não dão para tanto, mas para lhe fazer uma limpeza geral e deixá-lo mais ligeirinho, que às vezes até já parecia o nosso antigo “texas” a subir para a estação de Loivos.  Pois lá me fez a vontade, e depois de uma noite de árduo trabalho, no dia seguinte negou-se a acordar.



Quero com isto dizer que estou sem o meu PC de trabalho e com ele, também ficou a repousar o meu arquivo fotográfico mais recente. Assim, lá tive que ir dar uma voltinha pelas fotos mais antigas, que vão ficando esquecidas, e ainda bem, pois reencontrei uma série de fotos da arte de Mário Valpaços, também ela quase sempre esquecida e nunca apoiada, e é pena, pois embora com muito de arte naïf não deixa de ser rigoroso e bem realista nos materiais que aplica, ou seja, os materiais que aplica nas suas miniaturas são rigorosamente iguais aos existentes na realidade do casario que  lhe serve de inspiração, tanto, que na maior parte das vezes até amostras de cor e outros materiais recolhia. Assim as miniaturas são uma cópia rigorosa da realidade o que, nalguns casos, já faz a história do casario antigo que existiu, pois depois das suas miniaturas executadas ,  algumas já sofreram obras com alteração de formas e materiais.

 


É por estas razões mas também pela sua arte que há muito o Mário Valpaços devia ter um espaço público,  onde a sua coleção de miniaturas pudesse ser apreciada e espaços não faltam. “Chaves dos Pequeninos”, onde o artista poderia alargar a sua coleção, e tanto quanto sei, há disponibilidade por parte do artista e pouco pede em troca, mas como sempre, talvez um dia quando tal seja possível , já seja também demasiado tarde.   

 


Ficam então mais algumas imagens da arte de Mário Valpaços, e digo mais algumas porque outras já por aqui passaram, tal como a sua poesia e um pouco da sua vida, da vida  de um artista singular, longe da fama e do glamour com que os artistas tanto gostam de se fazer acompanhar, pois o Mário Valpaços, com ele, apenas transporta a sua simplicidade e humildade.

 


Para quem quiser saber mais sobre este artista, fica aqui o link para um dos posts que lhe foi dedicado neste blog: http://chaves.blogs.sapo.pt/364102.html

Até amanhã.

22
Jun10

Mestre Nadir Afonso no Museu do Chiado em Lisboa

 

.

 

O Mestre flaviense Nadir Afonso soma e segue.

 

Sem Limites – Without Limits – inaugura hoje, 22 de Junho às 19h00,  no Museu do Chiado em Lisboa, com a presença da ministra da Cultura.

 

Se está ou vai estar por Lisboa, não perca esta exposição do nosso Mestre flaviense, pois a exposição vai estar patente ao público desde hoje até 3 de Outubro.

 

 

 


15
Out09

Nadir Afonso, hoje, em Lisboa

 

.

 

Nadir Afonso inaugura hoje (quinta-feira, dia 15), às 19H00,  na Galeria São Mamede em Lisboa, uma exposição de óleos e guaches “Renascimento”.

 

A exposição estará patente ao público de segunda a sexta-feira das 10H30 às 20H30 e aos Sábados das 11H00 às 19H00.

 

Mais uma oportunidade, para os que estão na capital, de acompanhar e visitar a obra do Mestre Nadir em Lisboa, mais propriamente na Galeria São Mamede, Rua Escola Politécnica, 167.

25
Jul09

Em Vilas Boas acontecem coisas

.

E hoje vamos de novo até Vilas Boas, não para o seu post, pois já foi feito, nem sequer para o mosaico da freguesia, pois esse também já passou por aqui.

 

Mas vamos de novo até Vilas Boas porque por lá, acontecem coisas. Coisas que fazem com que este blog se desloque outra vez até esta aldeia.

 

.

.

 

Claro que é sempre com agrado que voltamos a Vilas Boas, não só porque até lá temos oportunidade de atravessar  um dos itinerários mais frescos, bonitos, verdes e “selvagens”, mas também porque a própria aldeia convida sempre a uma visita e mais umas fotos.

 

.

.

 

Hoje, no entanto, vamos até Vilas Boas por outras razões, pois não é em qualquer aldeia que a arte acontece, ainda para mais, quando essa arte acontece ao vivo, com artistas de carne e osso a pintar Vilas Boas.

 

Uma iniciativa que se repete já pelo terceiro ano consecutivo e que pela adesão que teve de artistas, da população e de visitantes, promete vir a ser um evento que veio para ficar.

 

.

.

 

É Vilas Boas a marcar pontos na cultura mas também no desporto e, uma boa prova de que com um bocadinho de imaginação e boas ideias se pode fazer diferença, com a aceitação de todos e simultaneamente aliar a cultura e o desporto, à festa.

 

Claro que me estou a referir às III Jornadas Culturais de Vilas Boas que decorrem hoje (dia 25) e amanhã (dia 26) na aldeia e cujo programa, em jeito de convite,  deixo por aqui, e não é só para tomar conhecimento, mas para ir até Vilas Boas

 

III Jornadas Culturais

Vilas Boas

25 e 26 de Junho de 2009

.

.

 

PROGRAMA

 

Dia 25 – Sábado

17h00 – Abertura do Secretariado BTT

17h45 – Encerramento do Secretariado BTT

18h00 – Início do Passeio BTT

21h00 – Jantar Convívio

22h00 – Baile TRIO AQUAE FLAVIAE

.

.

 

Dia 26 – Domingo

09h00 – Abertura do Secretariado de Pintura ao Ar Livre

10h30 – Almoço

15h30 – 1º Festival de Ranchos Folclóricos, com a participação do Rancho da A.D.C.D. de Vilas Boas, o Rancho de S.Miguel de Vila Boa (Viseu) e Rancho Folclórico de Santa Valha (Valpaços).

19h00 – Jantar Convívio

21h00 – Noite de Talentos

 

Durante todo o dia há venda de produtos da região.

 

Da minha parte só resta dar os parabéns à organização e à festa de Vilas Boas.

 

Eu vou a Vilas Boas.

 

Até amanhã.

01
Jun09

Artistas Flavienses - António Pizarro

Sempre que possível, às segundas-feiras, vamos tendo por aqui os nossos artistas, das letras e das artes e, hoje não é excepção, pois temos por cá mais um artista plástico, flaviense, embora nascido “por acidente” em Coimbra, mas quase e só por nascimento, pois desde sempre conhecemos o ANTÓNIO PIZARRO como flaviense. É ele o nosso convidado de hoje.

.

.

 

António José Montenegro de Araújo Coelho Pizarro, nasceu em Coimbra a 9 de Fevereiro de 1960.

Frequentou o Curso de Artes e Técnicas Gráficas na Escola de Artes Soares dos Reis no Porto, Licenciado em Artes Plásticas – Pintura, E.S.A.P. Porto. Curso Superior de Educação E.V.T. Jean Piaget . Pós-Graduação em Orientação Educativa, I.S.E.T. Professor de Expressão Plástica da E.P.A.2000/2002. Tem a especialidade em Artes Performativas.

 

.

.

 

Trabalhos executados em LITOGRAFIA EM PEDRA, GRAVURA,  SERIGRAFIA e FOTOGRAFIA  nas oficinas da “GALERIA ÁRVORE “ Porto, onde trabalhou como Serigrafo reproduzindo Obras de Arte, de Gil Teixeira Lopes, José Rodrigues, etc.

Tem lançado várias Serigrafias: CRUZEIRO DE VALPAÇOS, MONUMENTOS DE CHAVES, etc.

Participou no Seminário “O CORPO E O ESPAÇO” GALERIA ÁRVORE - Porto

1º “PRÉMIO PODIUM 97”

2º “PRÉMIO DIA MUNDIAL DA MULHER 89” S.B.P./Norte, Porto.

Medalha de Mérito e Reconhecimento pela Casa da Cultura de Outeiro Seco Chaves

Medalha de Mérito e Reconhecimento pela Escola Secundária Júlio Martins Chaves 1997.

.

Placa de Mérito da “Confederação Luso Galaica” Vigo - Espanha 1996

Caricaturista na Universidade Internacional Chaves

Caricaturista na Universidade do Minho 1996.

Livro de Caricaturas do Curso de Ciência Política da Universidade do Minho 1996.

Orador na temática “A Arte Em Voo de Pássaro” E.S.J.M. Chaves 1982.

Orador na temática ”A Ponte Entre A Pintura e a Escultura” Simpósio da Pedra” Chaves 1997

Criou uma Escola de Iniciação à Pintura, em Carrazeda de Ansiães. 1998.

Discípulo Do Mestre: Nadir Afonso.

 

.

.

 

Está representado na sede da Confederação de Comércio e Industria Luso – Galaico em Vigo – Espanha. 1996.

Representado no Aéreo –  Clube de Chaves .

Representado no Centro Cultural de Valpaços

General Silveira e Marechal de Campo Francisco M. Pizarro no Salão Nobre do R.I.19.Chaves.

Prémio de Mérito de Dedicação festival da Canção de Boticas 2003

Está representado em Colecções Particulares Nacionais e no Estrangeiro.

Seleccionado para a 3ª Bienal Internacional de Gravura –Douro 2005.

 

.

.

 

EXPOSIÇÕES

- “CERTAME DE PINTURA E ESCULTURA 81” Chaves.

- “CENTENÁRIO da ESCOLA de ARTES DECORATIVAS SOARES DOS REIS” Porto 1985,

- GALERIA DO POSTO DE TURISMO DE CHAVES 1985,

- “PRIMEIRAS JORNADAS CULTURAIS DA ESCOLA PREPARATÓRIA DE CHAVES” 1987,

- “PRIMEIRAS JORNADAS CULTURAIS DA UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO “ Chaves 1987;

- “SEMANA CULTURAL DA FACULDADE DE ECONOMIA DO PORTO” Porto 1988:

- GALERIA DO POSTO DE TURISMO DE CHAVES 1986 e 1987:

- “SOCIEDADE FLAVIENSE” Chaves 1988;

.

.

- “SEMANA CULTURAL DA FACULDADE DE ECONOMIA DO PORTO” 1988;

- “SEMANA CULTURAL DA UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO” Vila Real 1988;

- CASINO, Pedras Salgadas - 1987, 1988 e 1989;

- “O OUTRO LADO DA ESCOLA”. ORGANIZAÇÃO E EXPOSIÇÃO VALPAÇOS .1989;

- GALERIA TUALCA,  Porto 1989;

- “SEMANA CULTURAL DA ANTENA RADIANTE”, Chaves 1989;

- “ 24 NOVOS  ARTISTAS  DO  PORTO,  “ GALERIA ARVORE, Porto 1989.

- “CONGRESSO DE MEDICINA POPULAR DE VILAR DE PERDIZES”, Montalegre 1990; 

- “ARTE ESCOLA MEIO”, Museu de Chaves 1990;

- “O OUTRO LADO DA ESCOLA”, Valpaços 1990;

- MUSEU DA REGIÃO FLAVIENSE, Chaves 1991;

- “JOVENS ARTISTAS”, Museu de Chaves 1991:

- “GALLAECIA 91”, Orense – Espanha 1991;

.

.

- “EUROPÁLIA 91,” San Nicollas – Bélgica 1991;

- “6 PINTORES TRANSMONTANOS EM ESPANHA” 1992; PÁLACE HOTEL DE VIDAGO 1992;

- “OS ARTISTAS VISTOS POR SI MESMOS”, Chaves 1992;

- “ARTE VIVA” Escola de Casas dos Montes – Chaves 1992;

- GALERIA BAR SANTA SEDE - Porto 1992;

- “SEMANA ACADÉMICA DA UNIVERSIDADE INTERNACIONAL “ - Chaves 1992;

- “COMEMORAÇÃO DOS 10 ANOS DA CESAP/ESAP - Porto 1993;

- Exposição de Pintura na Mostra da Confederação de Comércio e Industrial, luso- Galaica, Vigo, Espanha .1997;

- PODIUM 97 – Valpaços;

- FESTAS DA CIDADE de MONTALEGRE – 1998;

.

.

- AUDITÓRIO Dr. JOSÉ FERNANDES, BOTICAS – 1998;

- ESCOLA DR. JÚLIO MARTINS, Chaves 1998;

- CÂMARA MUNICIPAL DE MONTALEGRE, 1998;

- AUDITÓRIO DR. JOSÉ FERNANDES, Boticas 1998;

- REGIMENTO DE INFANTARIA DE CHAVES – 1998-1999;

- Exposição “FENOSA” , Corunha Espanha.1999;

- EXPOSIÇÃO DE PINTURA COM OS ALUNOS DA ESCOLA DE INICIAÇÃO Á PINTURA DE CARRAZEDA DE ANSIÃES 1999;

.

.

- EXPOSIÇÃO DE PINTURA VILA NOVA DE FOZCÔA- “CENTRO DE INVESTIGAÇÃO DAS GRAVURAS”.2000;

- EXPOSIÇÃO DE PINTURA , ESCLA ESCOLA DR. FRANCISCO g. CARNEIRO , CHAVES –2000:

- 1ª BIANAL DE ARTES DE CARRAZEDA DE ANSIÃES.ESCLA E.B. 2/3 DE CARRAZEDA DE ANSIÃES, 2000; ADRAT, CHAVES,   2001;

- ESCOLA E. B. 2/3 DE CARRAZEDA DE ANSIÃES, 2001;

- CASA DO PROFESSOR- MIRANDELA ,  2001;

- EXPOSIÇÃO LUSO - GALAICA - chaves 2002;

- SPZN-MUSEU MUNICIPAL DE MIRANDELA 2002;

- IV MOSTRA INTERNACIONAL DE TEATRO DE BRAGANÇA 2002

- IV ENCONTRO INTERNACIONAL DE TEATRO DE MONCORVO 2002:

- MOSTRA DE ARTE, VILA GARCIA – GALICIA – ESPANHA – 2002;

- II BIENAL DE CARRAZEDA DE ANSIÃES. 2002MOSTRA DE ARTE-ADRAT-CHAVES :

- CASA DA CULTURA DE VILA GARCIA-PONTEVEDRA-ESPANHA-2002;

- ARTE – AXUDA,  marea negra – Espanha -  2003;

- II MOSTRA DE ARTE DE CARRAZEDA DE ANSIÃES DA E.E.B2/3 DE      CARRAZEDA  DE ANSIÃES 2003;

- MOSTRA DE ARTE –ADRAT-CHAVES-2003;

- XIX SECULOS DA PONTE ROMANA DE CHAVES - CASINO DE ESPINHO – 2004;

- MOSTRA DE ARTE –ADRAT-CHAVES-2004;

- 15º ANIVERSÁRIO CA , CASA DE TRÁS- OS MONTES .CHAVES, 2005;

- 15º ANIVERSÁRIO CA , CASA DE TRÁS- OS MONTES .VIDAGO, 2005;

- GALERIA DE ARTE – CAFÉ CENTRAL – 02/07/2005.BRAGANÇA; FARPA 2005 Pombal de Ansiães , Carrazeda de Ansiães, Agosto de 2005.

.

.

- BIENAL INTERNACIONAL, GRAVURA DOURO, Alijó 2005; UNESCO – PORTO 2005; CASA DE TRAS-OS-MONTES. Lisboa 2005; CENTRO CULTURAL DE VILA POUCA DE AGUIAR.2005

- Museu de Vila Real - Colectiva AAATMAD-2006

- FEIRA DO FUMEIRO – MONTALEGRE-2006.

- FARPA - Artistas de Arte Contemporânea - POMBAL DE ANSIÃES- Carrazeda de Ansiães 2006

- Workshop de Xilogravura-Galeria – João Pedro Rodrigues - Porto-2006

- Salão de Chá “Big-Ben” Chaves - 2007.

- Exposição Colectiva de Gravura, Boticas - 2007.

- Exposição Colectiva de Gravura, Liga dos Combatentes - Chaves- 2007.

- Exposição Individual. FRAGMENTOS, Centro Cultural de chaves, 2007.

- Exposição Colectiva . Biblioteca Municipal de Vila Nova de Gaia.2008

- Exposição Individual na Escola Secundária Dr. Júlio Martins . Chaves2008

- Bienal de Chaves 2008.

- Pintores ao Vivo . Boticas 2008

 

- Exposição Colectiva - “Pintura ao Vivo” -Castrello do Val – Espanha

2008.

- Exposição Colectiva “IBÉRICA”.Biblioteca da Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia.

- Exposição Individual “ Arte e Técnicas de Impressão” Escola Secundária Dr. Júlio Martins, Chaves, 2008.

 

.

.

 

"ESTÍMULOS CONTEMPORÂNEOS"


EXPOSIÇÃO COLECTIVAS

 

-  NO CENTRO CULTURAL DE CHAVES DE 28 DE NOVEMBRO A 16 DE DEZEMBRO DE 2008.

-  “Estímulos Contemporâneos”, Centro Cultural de Valpaços - 2009.

 

- Centro Cultural de Chaves - Bicentenário da 2ª Invasão Francesa - Chaves – Portugal - 2009.

 

-  “Estímulos Contemporâneos” -Casa do escudo -Verin –Espanha.

2009.

 

 

EXPOSIÇÃO Individual

 

PARAFARMÁCIA DAS TERMAS DE CHAVES – Chaves - 2009.

 

 

E para finalizar deixamos também link para o seu blog:

 

 

http://www.pintorantoniopizarro.blogspot.com/

30
Mar09

Arte Tamagani à margem do 25 de Março

.

 

Deixando de parte algumas questões a respeito das comemorações dos 200 anos das Invasões Francesas, vamos ainda ao rescaldo do seu dia grande, o dia 25 de Março e daquilo que parece que aconteceu à margem das comemorações oficiais, ou seja, quase parece que havia dois programas de festividades e comemorações, um, anunciado e aberto ao grande público, com cobertura dos jornais e televisões, e outro em privado como de um segredo se tratasse ou não merecesse ser do conhecimento do público em geral, dos jornais e televisões.

.

 

.

 

Não sei quem foi o responsável pelo programa do dia 25 de Março, se a Câmara Municipal, o Regimento de Infantaria ou a Presidência da República ou talvez até todos juntos, mas houve alguns momentos que por terem sido tratados à margem do grande público quase que parece que são clandestinos e que embora com fotografia de família, não passaram de um acontecimento aparte das comemorações.

 

.

 

.

 

Claro que me refiro aos dois painéis que foram pintados pelos 16 artistas TAMAGANI, que embora tivessem tido a presença do Sr. Presidente da República, do Ministro da Defesa, do Presidente da Câmara e das entidades militares, com direito até à respectiva fotografia de família, não passou de uma cerimónia à margem das comemorações, fora do programa oficial do dia e sem a presença da imprensa e já se sabe, que nestas coisas da arte e de artistas, se existem, é para serem partilhadas com todos e com o público em geral, senão, não tinham razão de existir.

 

.

 

.

 

Claro que também eles, artistas TAMAGANI mereciam o seu momento de glória e de visibilidade, e pela certa que a sua arte fazia melhor figura que outra arte que foi inaugurada com pompa e circunstância e imposta à população, às custas de todos e com sacrifícios de algumas das nossas maravilhas…mas enfim, já estamos habituados, esses eram artistas de fora que foram bem pagos para fazer o “bonito” e o povo ajoelhar. Os santos da terra, já se sabe, além de terem de actuar de borla, não fazem milagres…

 

.

 

.

 

Da minha partem, com a cumplicidade de alguém que tirou as fotos de família e a cumplicidade de alguém que as fez chegar até ao blog, deixo por aqui aquilo que não passou para a imprensa, que não fazia parte do programa e que doeu aos artistas Tamaganis que com todo o carinho e arte trabalharam para estas comemorações, mas que lhes foi negado um pequeno momento de glória, que também mereciam…

Sobre mim

foto do autor

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

 

 

Olhares de sempre

Links

As minhas páginas e blogs

  •  
  • FOTOGRAFIA

  •  
  • Animação Sociocultural

  •  
  • Cidade de Chaves

  •  
  • De interesse

  •  
  • GALEGOS

  •  
  • Imprensa

  •  
  • Aldeias de Barroso

  •  
  • Páginas e Blogs

    A

    B

    C

    D

    E

    F

    G

    H

    I

    J

    L

    M

    N

    O

    P

    Q

    R

    S

    T

    U

    V

    X

    Z

    capa-livro-p-blog blog-logo

    Comentários recentes

    • Fer.Ribeiro

      Por mail, o autor do comentário atrás publicado di...

    • Anónimo

      “rialmente!”---Deixas sempre uma saudadeTerra lind...

    • Fer.Ribeiro

      Penso que era o sonho de todos os miúdos e até gra...

    • Anónimo

      Quando era miúdo este Hotel tinha um elevador. Era...

    • Anónimo

      Também adorava lá ir e passar um bom bocado!!!