Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

CHAVES

Olhares sobre o "Reino Maravilhoso"

31
Ago10

Pedra de Toque - O Café Gelo - Por António Roque

.

O Café Gelo

 

 

 

 

No Rossio, ao lado dos telefones, em plena baixa lisboeta, ainda perdura o Café Gelo, agora modernizado, europeizado.

 

Já não é o café maneirinho, simpático, ponto de encontro de amigos, lugar de charlas e tertúlias, cais de rostos conhecidos que ali aportavam, oriundos dos mais diversos destinos na busca do gozo do ócio possível.

 

Fechado o Martinho, café também de grandes tradições que virou banco, os flavienses da capital, durante mais de uma dezena de anos, passaram a visitar e a poisar no velho Gelo, onde sempre descobriam o conterrâneo bairrista para dois dedos de conversa fraterna e saudosa.

 

Corriam então os badalados anos sessenta, e sobretudo nos fins de tarde dos sábados, aparecia por lá imensa malta desejosa do ameno convívio que sempre acontecia.

 

Os estudantes constituíam a maioria.

 

Mas a eles associavam-se os que dolorosamente cumpriam o serviço militar e outros que, na bela Lisboa, tinham os seus empregos, o seu trabalho.

 

O grupo por vezes engrossava, com um ou outro conterrâneo, normalmente mais endinheirado, que de passagem pela capital, queria usufruir da cavaqueira e do prazer da cidade.

 

Depois da alegria do reencontro, sempre renovado todos os fins-de-semana, rumávamos para o módico restaurante, onde a confraternização surgia inevitavelmente alegre e feliz, e ao sabor da comida lisboeta, lembrávamos nostálgicos, as alheiras do Jorge e do Central, os salpicões e as linguiças caseiras.

 

Findo o repasto, partíamos á conquista da noite, que passava pelo fado castiço do César Morgado, que gingão nos cantava com sentimento profundo o drama da Travessa da Palha.


.

.

 

 

E quanta Lisboa, tinha a voz dorida e gasta da senhora do bengaleiro do Solar da Madragoa, quando do âmago da sua alma de noite, arrancava amparada no trinar sibilino das guitarras o “Passa por Mim no rossio”…

 

Mas quando aparecia a Cândida da Conceição, para nós a gentil mamuda, fadista afamada, filha da Laurinda marinheira, nascida também aqui à beira Tâmega, “botava” sempre gostosamente e a pedido a Marcha de Chaves, estimulando-nos a euforia, saciando-nos a saudade.

 

Se sobravam uns escudos, já a madrugada espreitava por entre as águas do Tejo, acabávamos cantando na cervejaria do Gordo, ao ritmo de recordações brejeiras vividas nos cantinhos da nossa cidade, saboreando os finos mais diuréticos e refrescantes que bebi em toda a minha vida.

 

Desta equipa que nas noites de sábado realizou inesquecíveis jornadas no Rossio, na Madragoa, na Estrela, no Bairro Alto, no Cais do Sodré e em tantos belos “relvados” da capital, aqui evoco alguns dos titulares indiscutíveis, esquecendo quiçá e sem intenção muitos dos imprescindíveis suplentes.

 

Desde logo o querido e já falecido Zé Montalvão, o capitão do team, um pedaço de Chaves na capital, o amigo fixe, o sorriso franco, a gargalhada aberta, o grande embaixador sediado no coração de Lisboa.

 

O Toninho Lobo, marinheiro de muitos mares, sonhador da noite, a viola baixa do fado, a graça com raízes nas Freiras, na Ponte Romana, na madalena, no velho Liceu.

 

A Chinha, que não era de Chaves, mas era tanto como se fosse.

 

O Jorge Melo, o Lulas, o Zé Geraldes, o Zé Carlos, o Zé Tirarim, o Mário carriço, o Lixandre, o Zé Fillol, o Ramiro, o Nadir, o Varela, o Parreco …

 

Também o Lui, a Isabel, a Ana Maria, a Fernanda, a Zezinha Guimarães e outras amigas que nos acompanhavam, não esquecendo a pequena grande Maria de Jesus Barradas, vulgo Mariazinha dos peliçados, afável e graciosa que não perdia a oportunidade, sempre que na capital predizia o futuro nas cartas que lançava.

 

Mas …

 

A “cabine” onde a conversa nascia, o humor reinava e a estratégia se definia, era o velho Café Gelo.

 

Por isso, quando vou a Lisboa, já com algum cabelo branco da mocidade perdida, passo por ele no Rossio e deixo-lhe o meu olhar.

 

 

 

 

António Roque

Sobre mim

foto do autor

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

 

 

Olhares de sempre

Links

As minhas páginas e blogs

  •  
  • FOTOGRAFIA

  •  
  • Animação Sociocultural

  •  
  • Cidade de Chaves

  •  
  • De interesse

  •  
  • GALEGOS

  •  
  • Imprensa

  •  
  • Aldeias de Barroso

  •  
  • Páginas e Blogs

    A

    B

    C

    D

    E

    F

    G

    H

    I

    J

    L

    M

    N

    O

    P

    Q

    R

    S

    T

    U

    V

    X

    Z

    capa-livro-p-blog blog-logo

    Comentários recentes

    • P. P.

      Maravilhosos olhares.

    • Fer.Ribeiro

      Obrigado Pedro. Um forte abraço desde este Reino M...

    • Miluem

      Pois os gatinhos acham que tudo aquilo em que põem...

    • Pedro Neves

      Belíssimas fotos!

    • Fer.Ribeiro

      Obrigado pela retificação, eu sabia que era grémio...