Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

CHAVES

Olhares sobre o "Reino Maravilhoso"

12
Fev19

Chaves, Casa Azul e a ausência do parpalhaço

1600-(45886)

 

De vez em quando dou comigo a regressar a casa por outros caminhos. Felizmente hoje todos andamos com um instrumento no bolso que além de nos manter contactáveis a todo o momento, também nos permite fazer registos por onde passamos. Refiro-me ao telemóvel. Pois numa desses regressos a casa tomei os meus caminhos de infância e primeira juventude, caminhos que calcorreei desde que nasci até finais dos meus 14 anos de idade, caminhos do meu bairro da Casa Azul. Curioso que desde essa altura já passei por outros bairros e moradas, bem mais tempo que os 14 anos da Casa Azul, mas este, continua a ser o meu único bairro, e não o é só por ter nascido lá… Mas continuando, ia eu dizendo que numa das vezes que por lá passei, fiz três registos de imagem, apenas três, sem qualquer razão aparente, mas que hoje, revendo essas imagens, vejo que foi o meu inconsciente (o da psicologia) que deu impulso ao  meu acto, pois nele registei as três casas que mais me marcaram e trago sempre comigo na memória viva do consciente. Primeiro, esta casa que ficou atrás na primeira imagem do post, é a casa dos braguinhas (foi assim que a conheci), a casa principal de um conjunto de casas que se desenvolviam de um e do outro lado da estrada, casa que para mim sempre foi a construção mais bonita da cidade de Chaves, cheia de pormenores de encantar, com jardins lindíssimos e uma pérgula que de verão irradiava os aromas de perfume das glicínias. Sempre me encantou e continua a encantar, mas o registo que tenho desta casa, é um registo estranho e talvez seja por isso que a mantive para sempre na memória, ou seja, não tenho memória de alguma vez ter visto esta casa habitada, pessoas na varanda, à janela, a usufruir da pérgula, e a pergunta que sempre me pus sem a fazer é: Porquê uma casa de encanto, a mais bonita, de contos de fadas, príncipes e princesas, nunca teve gente dentro para dela poder usufruir e nela ser feliz?

 

1600-(45888)

 

A segunda casa que aqui fica é a casa onde nasci, vivi nela apenas 14 anos mas conheço de memória todos os seus cantinhos. 14 degraus de escadas, virar á direita, 4 passos e a entrada, e fico-me por aqui, pois lá dentro há toda uma imensidão de recordações, boas recordações, mesmo aquelas em que chorei de dor ou de revolta, hoje são boas recordações, recordadas como momentos felizes. Curiosamente hoje refleti um pouco sobre a felicidade, em como ela se conjuga no passado e em todos os pretéritos, e ao que parece, quanto mais distante é esse passado mais felizes fomos, mesmo que então o não tivéssemos sido.  Passar hoje por esta rua, pela “minha” casa, é reviver acontecimentos em cada palmo de casa, em cada palmo de rua, sempre cheia de gente, muita rapaziada de todas as idades. Daquela varanda do meu quarto, dominava toda a rua e todo o mundo, mas apenas servia para espreitar se era o momento certo de descer para a viver, a rua. Ultimamente tenho passado por lá mais vezes do que era habitual e há uma razão, desta vez conhecida e consciente. Lembro-me de tudo nesta rua, dos rostos de toda a gente, onde moravam, os nomes e alcunhas, o que faziam, onde trabalhavam, sei indicar com precisão onde malhei a primeira vez de bicicleta, depois de motorizada, quando fiz as cicatrizes que ainda hoje tenho nos joelhos, etc, etc, etc. Mas há dias um rapaz do meu bairro, em conversa, referiu-se a um acontecimento que ocorreu ao pé da casa do “parpalhaço”, e desde aí a minha cabeça não tem tido descanso. Ao ouvir “parpalhaço” uma luz acendeu-se  e trouxe-me à vida o nome, alcunha que durante anos a fio esteve escondido em qualquer canto da memória, mas não há raio de me lembrar onde o homem morava, quem era, como era, a minha memória trouxe-me o nome do “parpalhaço”, apenas isso. Porquê esqueci o resto!? Porquê!? Não tenho insónias com o caso porque sou de bom dormir e não entro em depressão porque não tenho tempo, senão andava praí todo deprimido e a morrer de sono. É inadmissível que  toda a rapaziada do meu bairro se lembre do parpalhaço e eu não.

 

1600-(45896)

 

Mas passemos à frente, à casota do pastor. Desde que tenho memória, sempre me lembro dela, ali estacionada, no mesmo sítio ao lado da oliveira, às vezes com ovelhas espalhadas à volta pelo campo, outras vezes sem elas, é uma das três casas que guardo comigo para todo o sempre, vejo-a na perfeição de olhos fechados mas tal como a primeira, há uma coisa que sempre me intrigou e continua a intrigar, nunca vi a casota habitada, mais ainda, nunca vi ou conheci o pastor. Imperdoável talvez, mas desta vez sei que não há esquecimentos, apenas nunca calhou ter visto o pastor.

 

Bom, e para terminar num momento feliz, o engraçado era se o pastor fosse o parpalhaço, mas não, isso sei que não é verdade, pois o pastor tenho a certeza que nunca o vi, já quanto ao parpalhaço, tenho  também a certeza de que o conheci… daí, lá terei que continua a passar pela minha rua para ver se me vem à lembrança.

 

 

04
Nov17

Eiras - Chaves - Portugal

1600-eiras-art

 

E nesta nova ronda pelas nossas aldeias de Chaves, hoje toca a vez às Eiras, uma das aldeias da periferia da cidade de Chaves, instalada à beirinha da veiga mas já nas faldas da Serra do Brunheiro, como quem sobre para S.Lourenço.

 

1600-eiras (303)

 

Embora as Eiras tenham alguns, até bastantes,  pontos de interesse que merecem uma visita, principalmente para quem gosta da nossa História, eu destacava quatro deles. Um bem visível para quem entra nas Eiras, pois está mesmo ao centro do seu principal largo/cruzamento. Claro que me refiro ao seu cruzeiro, pela sua singularidade e beleza, bem diferente dos habituais cruzeiros.

 

1600-eiras (267)

 

Os outros pontos de interesse não estão assim tão ao dispor das nossas vistas, é necessário ir até eles. Um é a sua igreja, numa localização recatada de enquadramento bem interessante. Outro é a calçada romana onde ainda se podem apreciar alguns troços em bom estado de conservação e que tão esquecidos têm sido nos nossos roteiros turísticos, a par do miradouro que fica ao lado. Por último, destacam-se as vistas que se alcançam desde alguns pontos das Eiras, principalmente se entrarmos um bocadinho pela serra adentro,

 

1600-eiras (120)

 

Estes pontos de interesse mencionados são para o turista comum, mas para nós, e este nós sou eu e outros como eu, há outros interesses, principalmente o das recordações de infância e primeiras adolescências, do tempo em que as Eiras pertenciam aos nossos domínios ou limites das nossas brincadeiras e outros afazeres, sobretudo a ver a imagem seguinte que penso ter sido tomada desde o Alto da Forca, já não recordo, mas recordo bem todos os cantinhos visíveis na imagem.

 

1600-eiras (300)

 

Pois na imagem que fica atrás faz-me regressar uns bons anos ao passado. Logo na base da foto, ao centro, está a casa onde nasci e a nova casa azul, construída no lugar da antiga que sempre se supôs dar nome ao bairro. à Direita, ainda na base da foto, está a torre sineira da igreja dos maristas, onde tinham uma quinta e onde ia ao leite que me ajudou a criar e que a Srª Emília mugia na hora, quase diretamente das tetas da vaca para a leiteira. Isto quando o fornecedor de leite na era da quinta dos Caetanos, do Sr. Manuel, este mesmo ao lado da casa azul, do outro lado da estrada. E do leite passamos para o vinho, pois na base da foto, pode-se ver ainda um bocadinho da Adega Cooperativa, que em tempo de vindimas fazia a delicia das crianças do bairro com o assalto que se faziam às dornas cheias de uvas carregadas ainda (muitas delas) em cima de carros de bois. Logo a seguir à base da foto vê-se o   verde dos campos cultivado do Prado, verde que se prolonga depois pela restante veiga. O casario que aprece em segundo plano são as Eiras, onde se ia fazer a aguardente com o bagaço, após as vindimas. Logo a seguir, o casario em terceiro plano que hoje em dia está ligado à Eira, é a aldeia do Castelo que se foi prolongando e entrando pela serra adentro, coisa dos últimos trinta anos, pois antes existiam os núcleos bem definidos.

 

1600-eiras (181)

 

Ainda na mesma foto das vistas gerais tomadas sobre a Casa Azul até ao Castelo, pode-se ver à direita das Eiras uma elevação com pinhal, que separava as Eiras da Quinta da Condeixa. Era então o meu monte preferido para ir “roubar” o pinheirinho de Natal e onde às vezes fazíamos incursões de descoberta da serra, isto logo a partir dos 6 anos de idade. Liberdades que nos tempos de hoje são impossíveis de, os putos de agora, gozarem, onde as suas liberdades de descobertas estão “limitadas” aos écrans dos computadores ou de um tablet/ipad, sem os sons, cheiros, calor ou frio da natureza, que,  diga-se a verdade, em muito contribuíram para a nossa formação, com a tal aprendizagem informal.  

 

1600-eiras (13)

 

Claro que muita mais coisa haveria para contar, mas além de não termos espaço para tantas estórias vividas, também não é aqui, num post dedicado às Eiras, que as podemos contar. Vão se contando ao longo da vida quando vêm a propósito de qualquer coisa e depois, são omentos nossos que vivemos sempre com uma emoção impossível de a transmitir aqui, reservados só a alguns que connosco os viveram.

 

E daqui, assim o espero, vamos até ao Barroso que amanhã estará cá com mais uma aldeia.

 

 

 

23
Set17

Condeixa (Quinta), Casa Azul, Sr. da Boa Morte, Prado e Campo de Cima

1600-condeixa (5)

 

Quando iniciei esta nova ronda pelas aldeias de Chaves disse que, ao contrário do que tinha feito até aí em que as abordagens as nossas aldeias tinham sido feitas aleatoriamente, desta vez iria seguir a ordem alfabética das mesmas. E assim tem sido.

 

1600-condeixa (16)

 

Ora acontece que no meu arquivo fotográfico das aldeias,  a seguir a Cimo de Vila da Castanheira, a aldeia do último sábado, aparece a Condeixa, que se calha deveria estar na letra Q, de Quinta da Condeixa.

 

1600-condeixa (51)

 

Mas há alguns mas, iniciando por a Quinta da Condeixa não ser propriamente uma aldeia, mas antes uma quinta, quando muito poderia ser uma das antigas “Villas”. Um outro mas é que para ir até à Quinta da Condeixa passo obrigatoriamente pela Casa Azul e o Sr. da Boa Morte, que também não é (são) uma aldeia, mas antes um dos antigos bairros periféricos da cidade, atualmente da freguesia da Madalena. Mas também a Casa Azul é muito mais, mas mesmo muito mais, não tivesse sido aí que eu nasci e vivi até aos meus 15 anos de idade, os primeiros anos que nunca na vida se esquecem.

 

1600-prado (6)

 

Ora uma vez que cheguei ao berço e aos meus domínios de infância e primeira adolescência tinha de forçosamente também passar pelo Prado e pelo canal e talvez, deveria também ir até ao Campo de Cima que está ligado às minhas primeiras leituras dos clássicos portugueses que a idade ia permitindo, entre outros que me iam sendo recomendados pelo “recomendador” da biblioteca itinerante da Gulbenkiam.

 

1600-condeixa (34)

 

Hoje resulta assim ser um post estranho e talvez mesmo egoísta porque ao ver e tratar estas imagens, fui regressando no tempo e recordando muitos e bons momentos que passei e que seriam impossíveis, ou não saberia como vos poderia transmitir para senti-los e vivê-los como eu senti então e revivi nestes breves momentos da feitura deste post.

 

1600-prado (30)

 

Mas talvez até nem seja apenas eu a reviver esses momentos, pois pelo menos num dos locais que aqui deixo, toda a juventude do bairro (Casa Azul)  passou por lá, nesses outros tempos em que aos bandos invadíamos aquela que era a nossa praia.

 

1600-condeixa (31)

 

Também é com alguma nostalgia que faço estes regressos, tudo porque se perdeu o espirito de bairro,  onde todos os vizinhos faziam parte de uma grande família, onde todos se conheciam, conviviam, entreajudavam e claro, como numa família a sério também havia algumas zangas, e onde os mais novos, faziam da rua a sua sala de brincar e divertir, com as devidas brincadeiras e diversões ajustadas às idades, mas que cabiam todas na rua…   

 

 

 

02
Dez14

Um breve regresso no tempo

1600-(41319)

Ontem calhou almoçar com um amigo de infância que já não via há alguns longos meses e, é um dos que vou vendo com mais frequência. Com a brevidade de uma conversa de almoço e o olho posto no relógio para o regresso ao trabalho, deu mesmo assim para regressarmos ao nosso antigo bairro, a Casa Azul, aos tempos em que os putos mais putos e os putos mais graúdos povoavam a rua do bairro. Contava-me o meu amigo que uma vez se deram ao trabalho de nos contar e éramos mais de cem, todos naquela sala de convívio que era a rua com ponto de apoio na taberna do bairro, de onde todos os mais velhos, as famílias, eram clientes de caderneta da mercearia, do pão e onde os filhos iam passando o tempo, mais ou menos organizados em pequenos grupos de interesses ou de conversas, de brincadeiras ou passatempos, que transformavam a taberna, num centro social ou de convívio, onde os putos mais putos eram rejeitados das conversas e diversões dos putos maiores, mas que podiam contar com eles, sempre que eles eram necessários para uma emergência de um tombo mal dado com a bicicleta, de um peão que acertou na cabeça dum parceiro, ou de outra qualquer coisa.

 

Para a cidade vinha-se aos bandos, de 10, 15, 20 ou mais, dependia do dia e dos trocos contados ainda em tostões, coroas ou poucos escudos, mas ninguém ficava de fora, havia sempre para todos, para ir ao cinema, às verbenas, tomar um café com direito a fazer sala toda a noite.

1600-(41102)

Recordámos alguns amigos há muito ausentes, lamentámos os que já nos deixaram, relembrámos aventuras de então, algumas bem arrojadas, mas que sempre terminaram em bem e de novo recordar um ou outro amigo que ainda vamos vendo por aí, às vezes, e coincidimos, do fundo do coração e com toda a sinceridade do mundo, que mesmo não nos vendo há 10, 15, 20, 30 ou 40 anos, os anos da nossa juventude foram marcantes e importantes na nossa formação e que mesmo ausentes a tanta distância, mantém-se e manter-se-á a amizade para sempre, pois aquilo que então se vivia era mesmo uma amizade ligada por laços de família, de sangue, mesmo sem sermos nada uns aos outros, a não ser um irmão ou irmã que sempre havia por perto, pois nenhum de nós era filhos único, no tempo ainda não se usavam.

1600-(41318)-bino

Coincidimos também em recordar um amigo que anda sempre por aí, igual ao que era há 40 anos atrás, quer fisicamente quer no seu modo de vida. Todos lhe reconheciam a amizade e a loucura saudável que tinha, sempre bem disposto, inteligente mas para quem a vida nunca sorriu, foi a tropa, fugiu da tropa, uma duas, três, quatro, não sei quantas vezes, tantas, que se cansaram de o vir buscar, e todos, os amigos da Casa Azul, reconhecem que poderia ter sido alguém se tivesse estudado, se a família tivesse dinheiro para o estudar, se tivesse família para além dos amigos do bairro, se…, se…, se. Continua a habitar o lado de cá do rio, o lado da veiga, agora a Madalena porque a Casa Azul há muito que morreu, mas conhece toda a cidade, percorre-a sozinho, com um olhar muitas vezes triste mas sempre pronto a dar um sorriso a quem o cumprimenta porque o conhece e, quando os amigos da Casa Azul lhe dão um bocadinho de companhia ou conforto, o seu sorriso é acompanhado de um brilho nos olhos. É o Bino, nunca lhe conheci um apelido e o Avelino, foi companheiro de almoço e deste pequeno regresso ao passado.

 

 

 

22
Abr09

Mais um regresso às origens e à Casa Azul

 

.

 

De vez em quando gosto de fazer um regresso às origens, ao passado, ao tempo de infância, aos meus percursos de liberdade pela veiga fora, a pé, de bicicleta, sozinho ou acompanhado, tanto fazia, toda a veiga, ou quase toda, era o meu (nosso) território de liberdade onde como único relógio, só havia aquele que a barriguinha ditava e que despertava com o despertar das aves e só encerrava ao anoitecer.

 

Caminhos e carreiros que todos eles conduziam à liberdade e a grandes aventuras de criança que dia-a-dia se faziam de fértil imaginário e no conhecer de cada esquina e canto ou cantinho, como também se conheciam as melhores árvores de fruto, as melhores águas, sempre frescas, que davam energia para mais uma caminhada ou mais uma aventura, sempre veiga fora com apenas a serra por limite, ou terras de outras aventuras e outras liberdades, que nisto das liberdades, também havia territórios.

 

.

A casota do pastor que ainda hoje passados mais de 40 anos, se encontra no mesmo local

.

 

O nosso, porque não era só meu, começava na Casa Azul, ponto de encontro e reunião, de programar aventuras e de cumplicidades também e prolongava-se veiga fora até à Serra do Brunheiro, que só no natal explorávamos, a Ribeira do Caneiro marcava outro limite, pois além dele era terra de ninguém onde também fazíamos as nossas incursões, na quinta da Condeixa voltava-se para trás pois pró Campo de Cima, só para ir buscar e devolver os livros da Biblioteca Itinerante da Gulbenkian cujos livros a liberdade dos dias não nos deixava quase tempo para folhear, excepto nos dias de chuva, desses enfadonhos cinzentões, escuros e horríveis dias de chuva, e às vezes chovia tanto…

 

.

Da minha rua e da minha varanda o Castelo dizia-me onde ficava a cidade

.

 

Também havia por lá a vida de campo, não fossemos nós os rurais da cidade, e não era campo por opção, mas antes a obrigação de ir atrás da água que falhava nas regas, a obrigação das plantações e das colheitas, principalmente estas, pois o trabalho dava para todos e muitas vezes até sobrava para os amigos. Claro que não eram dias que tinham a liberdade que de manhã idealizávamos, mas não se contestavam porque eram obrigatórios e na altura a palavra contestar, nem sequer existia. Claro que andávamos como se as pulgas nos picassem e o sentido e ouvido, estava na rua, à espera de um assobio de código ou de outra combinação qualquer, mas trabalho era trabalho e estava proibido interrompe-lo, quando muito, uma aproximação do local de trabalho significava estarmo-nos a oferecer como voluntários para uma tarefa qualquer.

 

.

Os Braguinhas e a Capela de S.Bento, mesmo ao lado da grande catedral do vinho

.

 

Pensava eu então que esses dias de lides do campo, com plantações e colheitas eram piores que os dias de chuva e não me dava conta, então, que aquilo também era uma escola, onde se aprendiam as coisas mais primárias e simples, mas cheias de valor e valores. Deveria ter andando e aprendido mais nessa escola, mesmo assim, dava-me gozo ver os betinhos da cidade a conhecer só o nome das árvores quando tinham os frutos pendurados.

 

Claro que nas lides do campo, também havia tarefas que se faziam com gosto e até dias de festa, como na matança do porco depois (claro), só depois, de termos carregado a primeira pedra de afiar do matador. Mas era dia de festa pelos petiscos e iguarias próprias do dia e principalmente pela bexiga do porco que dava para uma pequena temporada de jogo da boca, mas o que mais apreciava mesmo (à distância) era ver os rojões do banco a saírem disparados e projectados para bem distantes do ambiente de trabalho.

 

.

A velha fonte do Campo da Fonte, paragem obrigatória para refrescar

.

 

Mas para além das grandes aventuras de verão havia a grande aventura da escola, das aventuradas caminhadas para a escola e do regresso também, isto no tempo em que a escola era um martírio onde aprender a ler, escrever e contar era obrigatório, quer fosse naturalmente por inteligência e raciocínio ou com a ajuda de uma cana-da-índia ou um naco de madeira redonda com cinco furinhos que às vezes o professor “acariciava” as nossas mãos e que eram um petisco nos dias frios de inverno com mãos cobertas de frieiras.  Ainda era o tempo em que uma gripe das fortes eram uma alegria para a criançada e onde felizes trocávamos o carinho e aconchego de uma mãe por dois ou três dias de escola. Um bem haja para os professores de hoje que trocaram as canas e os “nacos de pau com furinhos” por e pelos interesses das crianças em que ir à escola é um dia de diversão.

 

.

A velha estatueta continua virada para Portugal ditando o seu início...

.

 

Mas era nos trajectos para a escola que íamos saído do nosso rincão e que até estávamos autorizados a passar (sem abusar) pelos territórios de outras liberdades. Claro que pelo sim, pelo não, preferencialmente fazíamos o trajecto acompanhados ou (quando as coisas ficavam sérias) até em grupo, mas qualquer dedo molhado resolvia o assunto e no recreio da escola, o território era neutro, ou quase.

 

Foram também tempos das grandes descobertas, de apreciação de locais de paragem obrigatória, de minutos roubados ao percurso ou até de terror, quando sozinho, tinha de enfrentar o ardina que eu conhecia pelo “ós contra sai macho”, quando me barrava o caminho e tinha de fugir por valetas e por baixo de pontões… regressos ao passado que hoje vou recordando e imaginando o gozo e rizadas de consolo que não deviam dar aquele ardina quando nos atormentava. Ardina que terminava a sua missão nos Braguinhas, mais ou menos onde nós recolhíamos os “malucos” dos irmãos Caios, aos quais todos guardavam algum respeito e que eram óptimas companhias para as confusões.

 

.

O palacete das freiras ou de Sotto Maior, tinha bons diospiros...

.

 

Também ao longo dos percurso íamos tendo contacto com as mais variadas profissões e actividades que hoje (algumas) só já existem na memória. Não raras vezes acompanhávamos as lavadeiras de S.Lourenço que com os seus burros, desciam à cidade com a roupa lavada, depois de termos deixado para trás o sapateiro remendeiro cada ponto cada…  e lá vinha bota do sapato pelo ar… a sorte é que nunca acertava. Depois dos braguinas, o peliqueiro, mesmo em frente ao “papa couves” e ainda antes do bacatela, onde o alfaiate, sempre com o rádio em som bem elevado, ia ouvindo os parodiantes de Lisboa (era essa a hora da minha passagem).

 

No Campo da Fonte juntavam-se-nos outros dois gémeos, o velhote, o Gaspar, o Marco e o periscas, raparigas à parte, pois não sabiam jogar à bola, mesmo na escola, elas lá tinham a sua e nós a nossa.

 

Depois era tempo de apreciação, pois começávamos a chegar ao movimento da cidade. O Palacete da Freiras que só mais tarde soube que era do Sotto Maior, a Volkswagen e os seus carochas, que era um carro – carro, o Posto da Polícia de Viação, com as suas brutas motos, com continência obrigatória ao Sr. Ribeiro ou ao Sr. Andrade e a outro mais gordinho cujo nome não recordo e a seguir o mundo do Jardim Público, com parque infantil à entrada, com guarda porteiro a cobrar entradas e a qual nós pensávamos passar a perna com as nossa entradas clandestinas que tinham sempre mais sabor. É esse o jardim que guardo na memória e não o de hoje, mais que desvirtuado. Depois só restava mesmo a Ribeira do Caneiro, a taberna do Sr. Armandino e a escola, o martírio, mas que valia pelos intervalos e compra de cromos do futebol para jogarmos (mesmo na taberna em frente) ou pelos jogos do espeto, do pião, do já-estás com os sempre momentos grandes das trocas de dedos molhados, umas bofetadas e uns murros que com tanta emoção, raramente acertavam ou faziam moça, mas valiam para dizer que é que mandava.

 

.

Prefiro recordá-lo assim...

.

 

Um regresso à infância que eu dedico a toda a rapaziada de então, do tempo em que gozávamos da liberdade da veiga ou das brincadeiras e jogos à volta da taberna ou, de verão, à volta da nossa praia do fundão que se improvisava no canal de rega, mesmo ali onde ele passava por baixo da Ribeira do Caneiro.

 

Hoje um post de regresso à infância onde a maioria dos acompanhantes deste blog não se revêem, mas que fazia os dias da rapaziada da Casa Azul, aos quais dedico este post, mas também aos outros bairros (alguns até rivais) da cidade dos “betinhos da cidade”, como o do Stº Amaro, o Bairro Lopes bairro vermelho, o Aliança, o Campo da Fonte, os Aregos, a Canelha, o Bairro Operário e outros que já se misturam no tempo e nas recordações.

 

.

A minha ficava ao lado, esta era a das raparigas.

.

 

É bom, de vez em quando, descermos às origens e ao bairro onde nascemos,  porque então ainda se nascia em casa e em Chaves, o que hoje, infelizmente, já não é possível, salvo raras excepções a quem o tempo não deu para ir nascer em Vila Real. Já não é tão bom, passar pelo velho bairro e não ver uma única (que seja) criança na rua, quando nos meus tempos, a rua, era das crianças. Outros tempos os de hoje, que lá terão os seus prós, mas também muitos contras. Pelo menos, hoje, vamos tendo a liberdade de poder dizer coisas, desde que…claro que o post já vai longo e termino por aqui, com os meus devaneios com mais um dia sem a prometida feijoada das quartas-feiras e, pela primeira vez, aproveito também para pedir desculpas pelos erros dos textos que por aqui vou deixando, mas continuo com o velho e mau habito de não reler o que escrevo com a espontaneidade com que me vai saído dos dedos. Está escrito, está escrito… e “prontos”.

 

Até amanhã, com coleccionismo de temática flaviense.

Sobre mim

foto do autor

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

 

 

Olhares de sempre

Links

As minhas páginas e blogs

  •  
  • FOTOGRAFIA

  •  
  • Animação Sociocultural

  •  
  • Cidade de Chaves

  •  
  • De interesse

  •  
  • GALEGOS

  •  
  • Imprensa

  •  
  • Aldeias de Barroso

  •  
  • Páginas e Blogs

    A

    B

    C

    D

    E

    F

    G

    H

    I

    J

    L

    M

    N

    O

    P

    Q

    R

    S

    T

    U

    V

    X

    Z

    capa-livro-p-blog blog-logo

    Comentários recentes

    • sandra sofia

      O que custa é começar,para acabar,acaba-se a qualq...

    • Anónimo

      Se Chaves fosse justo com os seus e com os amantes...

    • Anónimo

      CHAVES merece.“Ó vós que buscais o mais alto e bel...

    • Fer.Ribeiro

      Meu caro AB, isto também é Barroso, mas tem razão,...

    • Fer.Ribeiro

      Belo mas sofrido, toda a manhã debaixo de chuva e ...