Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

CHAVES

Olhares sobre o "Reino Maravilhoso"

05
Out22

Os Nossos Artistas - Exposição de Emanuel Teixeira

Biblioteca Municipal de Chaves


1600-emanuel T (32)

 

Como já vem sendo habitual no início de cada mês, a Câmara Municipal de Chaves leva a efeito uma nova exposição de artes plásticas na sala polivalente da biblioteca municipal com um dos nossos artistas locais, no caso deste mês de outubro, é com a arte de Emanuel Teixeira que as paredes da sala polivalente vão ser ocupadas.

 

1600-emanuel T (76)

1600-emanuel T (48)

 

A inauguração ocorreu ontem, pelas 17H30, com a presença de familiares e amigos de Emanuel Teixeira, mas também com outros amantes de arte, entidades e com a presença das duas deputadas flavienses com assento na Assembleia da República e o Vice-Presidente da Câmara Municipal de Chaves, Dr. Francisco Melo, que também detém o pelouro da cultura que, em conjunto com o artista proferiram breves discursos de inauguração.

 

1600-emanuel T (81)

1600-emanuel T (80)

 

Da nossa parte, que apenas conhecíamos as pinturas de rua do Emanuel Teixeira, foi uma agradável surpresa descobrir e ver estes novos registos com pretos, brancos e cinzas a contrastar com uma “explosão” de cor em degradês e sombras, fazendo com que as suas obras adquiram uma tridimensionalidade, embora falsa, com uso e projeção de figuras e formas geométricas, também elas irregulares, mas com todo o rigor da geometria descritiva como que desafiando-a e invertendo os métodos de monge transformando o bidimensional num ilusão três dimensões,  com algumas obras a saltarem mesmo fora da habitual e convencional moldura, que nem sequer têm… uma  delicia para os olhos que se vê com vontade de voltar para ver novamente e rever todos os pormenores.

 

1600-emanuel T (83)

1600-emanuel T (56)

 

Ficam algumas imagens de algumas obras expostas e de alguns momentos da inauguração da exposição que poderá ver até dia 29 de outubro, no horário normal da biblioteca municipal, incluindo as manhãs de sábado.

 

1600-emanuel T (43)

1600-emanuel T (42)

Até amanhã!

06
Set22

Os Nossos Artistas – Alfredo Espírito Santo

Exposição de Artes Plásticas -  Biblioteca Municipal de Chaves


Os Nossos Artistas – Alfredo Espírito Santo

 

CARTAZ (3).jpg

 

Como já vem sendo habitual no início de cada mês, trazemos aqui um artista flaviense e a sua exposição na Biblioteca Municipal de Chaves. Hoje é a vez de Alfredo Espírito Santo, artista plástico e músico. Uma exposição retrospetiva e intimista, com os seus brinquedos de criança, do tempo em que a criança criava e fazia os seus brinquedos, uma fisga, um revolver de cowboy que pela certa foi inspirado na banda desenhada em moda na altura, uma viola, uma bola de basquetebol… já aqui se começava a adivinhar e desenhar as suas paixões futuras, de artista plástico e músico (Grupo Matabicho” sem esquecer a sua paixão pelo basquetebol. Fez-se homem, mas a criança inspiradora continua lá, apenas deixou o basquetebol porque a idade, embora ainda jovem,  já não lhe permite os grandes pulos da juventude mais jovem em que o cesto ficava ao alcance da mão.

 

rosto folha de sala-SET.jpg

miolo de sala-Set.jpg

 

Ficam os textos da folha de sala e algumas fotografias da inauguração da exposição, que aconteceu ontem, dia 5 de setembro de 2022, às 17H30, dentro e fora de portas.

 

Arame Farpado com Lã

Alfredo Espírito Santo

 

Em Chaves, na freguesia da Madalena, mais propriamente no São Roque, a 15 de janeiro de 1963, num dia de inverno em que se comiam alheiras com grelos à volta do borralho, nasce Alfredo Espírito Santo. Filho mais novo, único rapaz, cresceu a correr e a saltar entre pereiras, macieiras, cerdeiras, na quinta que o pai e a mãe trabalhavam para o sustento da casa. Observador perspicaz, desde cedo desenvolveu a capacidade de contemplar tudo o que o rodeava, plantas, animais e o Rio Tâmega. Rio que o fez sonhar viagens imaginárias, em que se via como explorador de terras desconhecidas ao leme da sua barca ou no dorso do seu cavalo. Ao som do rouxinol esculpiu, em pedaços de madeira que ia encontrando, animais, fisgas, revólveres e construiu uma guitarra tal como via na televisão da Casa de Pasto do Sr. Armindo aos sábados à tarde depois da catequese.

 

1600-alfredo ES (31)

 

1600-alfredo ES (15)

 

Aos seis anos vai para a Escola da Lapa e para além das letras e dos números descobre o circo que por ali se instalava. Com o circo vêm os palhaços e a vontade de os desenhar. Sozinho, desenha-os para si e para outros que sequiosos queriam ter um palhaço só seu. Abre-se uma porta para um mundo de lápis de cor, tintas, pincéis, ... que nunca mais se fechou. Seguem-se cowboys, piratas, cartoons,... que foram um sucesso na Escola Dr. Júlio Martins. Paralelamente, o desporto torna-se a sua segunda paixão e entre dribles, remates e corridas continua a desenhar, desta feita os cartazes dos torneios e cartoons com piadas alusivas ao desporto. E como não há duas sem três surge a música ao som de uma guitarra que aprende a dedilhar sozinho. Da música à escrita foi um pequeno passo e assim nasce o seu lado de contador de histórias.

 

1600-alfredo ES (33)

1600-alfredo ES (21)

 

É neste ambiente que se molda o artista e o profissional fazendo caricaturas, retratos a carvão, logótipos, pinturas a óleo, ilustração infantil ....

Nos anos 80 trabalhou num Gabinete de Construção Civil a projetar cozinhas, foi colaborador no Atelier de Nadir Afonso e na Flaviluz fez publicidade. Nos anos noventa instalou-se na Rua Direita com o Gabinete “Serviços de Publicidade”, tornou-se um dos fundadores do grupo musical “Mata Bicho” e colaborou, como cartoonista,  no Jornal “Voz de Chaves”. Mais tarde montou uma loja no Valadim, “Artetc”, na qual realizava trabalhos artísticos diversos. Em 2019, participou no projeto “Ligações Virtuosas no Centro Histórico de Chaves” desenvolvido pela Junta de Freguesia de Santa Maria Maior, no âmbito da ação “Património escondido no Centro Histórico de Chaves” – Arte Urbana.

 

1600-alfredo ES (20)

1600-alfredo ES (22)

 

Atualmente faz espetáculos musicais a solo e com o grupo “Mata Bicho” e tem o GIZ - Gabinete de Inspiração Ziguezague instalado na loja 51, do Mercado Municipal de Chaves, onde continua envolvido em lápis de cor, tintas, pincéis,... e a sonhar com novas aventuras.

 

1600-alfredo ES (17)

1600-alfredo ES (56)

 

“Os trabalhos do Alfredo Espírito Santo são o resultado da paixão, rigor, inteligência e dedicação à pintura. Revelam o humor e carácter do artista. São a prova de que o olhar puro e curioso da criança que existe dentro de cada um de nós é capaz de sobreviver num mundo cada vez mais formatado pelas fórmulas sociais. Os trabalhos do Alfredo relembram-nos permanentemente que a arte continua a ser o lugar desse “primeiro olhar”, através das ideias.”

André Graça Gomes, Artista Plástico

 

1600-alfredo ES (82)

1600-alfredo ES (62)

 

“Versatilidade em forma de Arte. “

Márcia Barros, Designer

 

“Revela através dos pincéis um mundo mágico, colorido, inocente e generoso.”

Sandra Pinho, companheira de aventuras

 

1600-alfredo-esp-santo

 

Até amanhã!

 

 

03
Ago22

Exposição de Pintura do Flaviense Nuno Duque

Sala Polivalente da Biblioteca Municipal de Chaves


1600-nuno-duque (3)

 

Nuno Duque é o pintor flaviense que no mês de agosto ocupa a sala polivalente da Biblioteca Municipal de Chaves com uma exposição de pintura, integrada no ciclo “Os nossos artistas”, que a Câmara Municipal de Chaves está a levar a efeito desde o início do ano.

 

cartaz (2).jpg

folha de sala-capa (2).jpg

 

folha de sala-miolo (2).jpg

 

Ficam alguns momentos da inauguração da exposição que ocorreu ontem, dia 2 de agosto de 2022, às 17H30, onde para além do artista, familiares e amigos, estiveram presentes o Vice-Presidente da Câmara que detém também o pelouro da cultura, Dr. Francisco Chaves Melo, e ainda outros artista flavienses e amantes das artes plásticas.

 

1600-nuno-duque (71)

1600-nuno-duque (8)

1600-nuno-duque (142)

1600-nuno-duque (86)

 

Esta exposição estará patente ao público até ao final do mês de agosto, no horário da Biblioteca Municipal.

 

 

25
Out20

JOÃO RIBEIRO - EXPOSIÇÃO DE PINTURA

BIBLIOTECA MUNICIPAL DE CHAVES * 24.OUT.2020 a 10-JAN-2021


1600-jr-hom-cav (4)-1.jpg

Homem Conversando com Cavalo (2001)

 

Abriu ontem, sábado, dia 24 de outubro e prolongar-se-á ate dia 10 de janeiro de 2021, na Biblioteca Municipal de Chaves, exposição de pintura de João Ribeiro – “ UM MUNDO PROVISÓRIO ÀS AVESSAS

 

joao ribeiro 1.jpg

 

A vanguarda apenas interessa a João Ribeiro enquanto conceito. A praxis que hoje lhe é associada, seja a da arte conceptual ou a da arte multimédia, enquanto arte panfletária de uma pretensa vanguarda, anquilosada e cristalizada num conceito secular, interessa-lhe apenas como isso mesmo, como efémero epifenómeno agrilhoado ao decadente esplendor de um conceito.

 

Por outro lado, a João Ribeiro interessa, sim, a pintura, a pintura no sentido clássico, uma pintura que se alicerça ainda, devotamente, no desenho. Isto torna-se evidente quando a liberdade gestual do tratamento de fundo das suas obras cede lugar ao minucioso tratamento das figuras apresentadas em primeiro plano.

 

Para além deste obsessivo culto pelo desenho e de uma inalienável paixão pela pintura, João Ribeiro conjuga ainda uma irreprimível necessidade de constantemente experimentar diferentes suportes com o frenesim de alterar periodicamente as temáticas das suas séries, complementando esta atitude com um acentuado gosto pelos trocadilhos subversivos e pelo ensaio paródico.

 

É a transmutação de tudo isto que a sua exposição agora nos oferece, seja através de séries mais antigas, como Biombos, Homens Conversando com Cavalos e Mapas Alquímicos, seja através de séries mais recentes, como Contos da Chuva Agreste e Tábuas Sírias.

 

Esta exposição, comissariada por António Augusto Joel, assinala e celebra a doação de duas importantes obras do artista, Homem Conversando com Cavalo (2001) e Oklahoma (2009), ao Museu de Arte Contemporânea Nadir Afonso.

 

joao ribeiro 2.jpg

 

JOÃO RIBEIRO (Lisboa, 1955) Licenciatura em Pintura / FBAUL. Mestrado em Artes Visuais / Ensino / ULHT https://www.joaoribeiroartistavisual.com

BIBLIOGRAFIA Alexandre Melo, Amadeu Lopes Sabino, Ana Isabel Ribeiro, António Augusto Joel, Batista-Bastos, Bernardo Pinto de Almeida, Cristina de Azevedo Tavares, Eduardo Paz Barroso, Eurico Gonçalves, Fernando Pamplona, Fernando Pernes, João Pinharanda, Joaquim Saial, José Luís Porfírio, José Manuel Anes, Mário Caeiro, Nuno Crespo, Nuno Rebocho, Rocha de Sousa, Rodrigues Vaz, Sílvia Chicó

 

COLEÇÕES INSTITUCIONAIS

 BIBLIOTECA DE SANTA MARIA DA FEIRA / BIBLIOTECA DA FCT-UNL / CM CHAVES / CM MATOSINHOS / CM PORTALEGRE / CM REGUENGOS MONSARAZ / CM SEIXAL / CM VILA NOVA DE FAMALICÃO / COLEÇÃO DA CGD / COLEÇÃO DO BCP / COLEÇÃO DOS CTT / MINISTÉRIO DA JUSTIÇA / MUSEU DA CIDADE DE VILA FRANCA DE XIRA / MUSEU DE ARTE CONTEMPORÂNEA NADIR AFONSO, CHAVES / MUSEU DE ARTE E PINTURA DIOGO GONÇALVES, PORTIMÃO / TRIBUNAL DA RELAÇÃO DE SEIA

 

FILMOGRAFIA

2010 Pássaro Cego, vídeo de João Ribeiro com música de Manuel Paulo e palavras de João Monge

2009 Oklahoma, vídeo de Ricardo Reis sobre a obra homónima, com música de Kalu e Vasco Pinhol

2007 O Artista no seu Atelier, filme de Álvaro Queiroz no acervo da Cinemateca / ANIM

2005 Entre Nós, filme da RTP2 / Universidade Aberta

 

PARCERIAS ARTÍSTICAS E PROJETOS

2018 «WRS», exposição e projeto coletivo na Casa da Liberdade / Mário Cesariny, Lisboa

2017 «Além Marchas», exposição e projeto coletivo na Galeria Perve e na Sociedade Boa União em Alfama, Lisboa «Conexões Afro-Ibéricas Americanas», exposição e projeto colectivo, com organização da Galeria Perve, na UCCLA, Lisboa

2012 Com a VOARTE, autor do libreto do bailado no projeto multidisciplinar «O Nada», Guimarães, capital da Cultura «Objet Trouvé», instalação com vídeo e duas pinturas, projeto coletivo com curadoria de Mário Caeiro, na Galeria Plataforma Revolver, Lisboa

2011 «Vicente», instalação com desenho, projeto coletivo na Galeria Ermida de Nossa Senhora de Belém, com curadoria de Mário Caeiro, Lisboa

2010 Com a VOARTE, no projeto multidisciplinar «Depois»

2009 A convite de Joaquim Benite, realiza o espaço cénico da peça Dois Homens, de José Maria Vieira Mendes, e inaugura a exposição «Oklahoma» no Teatro Municipal de Almada A convite do Festival Imaginarius, colabora com Gonçalo M. Tavares, João Gil e Pedro Sena Nunes no projeto de vídeo e instalação «Ladrões de Deus», Mercado de Santa Maria da Feira Com João Monge, Manuel Paulo e Nancy Vieira colabora no projeto musical e vídeo «Pássaro Cego» Com a VOARTE, colabora no projeto multidisciplinar «O Aqui» Realiza a instalação / projeção «Lágrimas de S. Lourenço», com curadoria de Mário Caeiro, Skyway 09, Tórun / Polónia

2003 Realiza um biombo monumental no Museu da Cidade de Vila Franca de Xira, em colaboração com o arquiteto Cândido Chuva Gomes

 

PRÉMIO ESPÍRITO SANTO ESTEVES /II BIENAL DE CHAVES /PORTUGAL /1985

 

PRINCIPAIS EXPOSIÇÕES COLETIVAS

1988, 1986, 1984 BIENAL DE LAGOS / PORTUGAL

1987, 1985 BIENAL DOS AÇORES / PORTUGAL

1987 MARCA / MADEIRA / PORTUGAL

1985 BIENAL DE CHAVES / PORTUGAL

1985 BIENAL DE DESENHO / COOPERATIVA ÁRVORE / PORTO / PORTUGAL

1984 BIENAL DE VILA NOVA DE CERVEIRA

 

joao ribeiro 3.jpg

 

PRINCIPAIS EXPOSIÇÕES INDIVIDUAIS:

2018 3 GERAÇÕES / MUSEU DE ARTE CONTEMPORÂNEA NADIR AFONSO / CHAVES

2017 MAPAS ALQUÍMICOS / BIBLIOTECA CAMÕES / CÂMARA MUNICIPAL / LISBOA

2016 A SANTIDADE DA ÁGUA / SPGL / LISBOA

2015 WHISPERS / GALERIA PERVE / LISBOA

2009 OKLAHOMA / TEATRO MUNICIPAL DE ALMADA

2007 DEUSES DE JARDIM / BIBLIOTECA UNL / CAMPUS DA CAPARICA

2005 O PARAÍSO PROVÁVEL / GALERIA CUBIC / LISBOA

2003 O PARAÍSO IMPROVÁVEL / GALERIA ENES / LISBOA

1999 VIVA PORTUGAL / CASA DA CULTURA / V.N. FAMALICÃO

1998 VIAGEM / GALERIA ALMADA NEGREIROS DO CGP / TORONTO / CANADÁ A LUA COM A MÃO ESCONDIDA / GALERIA ENES / LISBOA

1993 O PARAÍSO DE ALFREDO / GALERIA DE S. BENTO / LISBOA

1991 BAPAUMESTRAAT / GALERIA DE S. BENTO / LISBOA CONTES FANTASTIQUES / GALERIE FAYLA / BRUXELAS / BÉLGICA

1987 NIRVANA URBANA / GALERIA DE S. BENTO / LISBOA

 

 

 

30
Nov19

MUSEU DE ARTE CONTEMPORÂNEA NADIR AFONSO - EXPOSIÇÃO

REGISTOS DE LUZ - PINTURA IMPRESSIONISTA DE SOUSA LOPES - A COLEÇÃO DO MNAC (1900-1950)


folha-sala-1.jpg

 

Inaugura hoje, às 17H30 no MACNA - Museu de Arte Contemporânea Nadir Afonso, uma exposição resultante da parceria entre o MACNA e o MNAC – Museu Nacional de Arte Contemporânea do Chiado, com obras da coleção do MNAC datadas de 1900 a 1950, onde estão representados os mais sonantes pintores portugueses de arte contemporânea, tais como Amadeu de Souza-Cardoso, António Dacosta, Carlos Reis, José Malhoa, Júlio Pomar, Columbano Bordalo Pinheiro, António Ferro, Eduardo Viana, Jorge Barradas e Almada Negreiros, contando ainda com uma obra de Nadir Afonso, entre outros. Pena mesmo, é não termos também nesta exposição uma representação de João Vieira, natural do Concelho de Chaves (Vidago).    

 

folha-sala-2.jpg

 

Uma exposição de visita obrigatória que irá estar patente ao público a partir de hoje, prolongando-se até 29 de março de 2020.

 

folha-sala-3.jpg

 

Podemos também adiantar que na próxima quarta-feira, dia 4 de novembro, pelas 18H00, o MACNA fará o lançamento de mais um livro sobre a obra de Nadir Afonso, intitulado “NADIR AFONSO – A Geometria Como Universo”.

 

convite.jpg

 

Mais logo, para a tarde ou noite de hoje, teremos ainda aqui, no blog, mais uma das nossas aldeias do concelho de Chaves.

 

 

 

 

26
Jul19

Arte & Cultura partilham-se na Sala Multiusos do CC - Rui Rodrigues


1600-1ger-2mom (42)

1600-1ger-2mom (48)

 

"Uma geração, Dois Momentos"

Coletiva de artes plásticas em exposição até 30 de agosto na Sala Multiusos do Centro Cultural de Chaves

com a participação dos artistas flavienses A.Pizarro, António Vilanova,  Carneiro Rodrigues, Joaquim Rodrigues, Mário Lino e Rui Rodrigues.

 

 

 

Rui Rodrigues (Lubango, Angola 1953 - Chaves, 2016)

 

1600-autoretrato megalomano

Auto-retrato Megalómano

100 x 81 cm Técnica mista / tela

Em exposição na Sala Multiusos do Centro Cultural de Chaves até 30 de agosto

 

 

RUI RODRIGUES (1953-2016)

Em 1976 viaja para o Brasil onde trabalhou em desenho gráfico e publicitário. A partir de 1980 passou a viver em Chaves,  onde conheceu o Mestre Nadir Afonso, do qual foi colaborador até 1982.

 

Curso de Pintura do Instituto Parramon.

 

1600-homenagem a magrite

Homenagem a Magrite

30 x 31 x 40 cm

Matérias mista

Em exposição na Sala Multiusos do Centro Cultural de Chaves até 30 de agosto

 

Rui Rodrigues expôs individualmente pela primeira vez em 1978, tendo realizado até ao presente mais de duas dezenas de exposições individuais no Continente, Madeira e Espanha. Participou em mais de uma centena de mostras coletivas. Em 1993, nas comemorações do dia da cidade de Chaves, participou numa exposição conjunta com o artista galego Manolo Busto, organizada pela Câmara Municipal de Chaves.

 

Em 1997, realizou uma retrospetiva de 20 anos de atividade, na Galeria Faustino, em Chaves. Sócio fundador da “Tamagani” – Associação dos Artistas Alto Tâmega e Vale de Monterrei. É membro da Sociedade Nacional de Belas Artes desde 1985.

 

1600-a espera

À espera 2007

106 x 87 cm

Óleo / tela

Em exposição na Sala Multiusos do Centro Cultural de Chaves até 30 de agosto

 

Está representado no Museu da Região Flaviense.

 

Principais coletivas:

1982 – Certame de Pintura e escultura, Chaves.

1983 – I Bienal “Jovem arte”, Chaves.

1984 – V Salão de Outono, Estoril.

1985 – II Bienal “Jovem arte”, Chaves. - II Bienal Nacional de Desenho, Porto e Lisboa. - V Bienal da Festa do Avante, Lisboa. - Expo Internacional de cartazes, Bagdad – Iraque.

1986 – Galeria AS , Porto. - Salão SNBA, Lisboa. - I Festival do mar, Sesimbra.

1987 – II Festival do mar, Sesimbra.

1990 – Gallaecia 90, Chaves.

1991 – “Nove artistas flavienses”, Sint Niklaas, – Bélgica. - “A Musaraña”, Pontevedra – Galiza. 2003 – IV Arte Nossa, ADRAT – Chaves.

2005 – Centenário da Casa de Trás-os-Montes, Chaves e Lisboa.

2006 – Expo Tamagani – Chaves. 2007 - II Encontro Luso-Galaico "Aromar" - Galiza.

 

1600-enigma

Enigma

95 x 63 cm

Técnica mista / tela

Em exposição na Sala Multiusos do Centro Cultural de Chaves até 30 de agosto

 

rui-nadir.jpg

 

 

Prémios:

 

1º Prémio e Menção Honrosa no “Certame de Pintura e escultura” – Chaves, 1982.

Prémio “Nadir Afonso” – I Bienal Jovem Arte -Chaves, 1983.

Prémio aquisição – II Bienal jovem Arte – Chaves, 1985.

2º Prémio – IV Concurso de Pintura do Inatel, 1994.

Menção Honrosa, Salpodium, 2006.

 

 

 

 

© Fotografias de  Fernando DC Ribeiro 

 

 

19
Jul19

Arte & Cultura partilham-se na Sala Multiusos do CC - António Vilanova


1600-1ger-2mom (2)

Exposição  “Uma Geração – Dois Momentos”

 

"Uma geração, Dois Momentos"

8 de julho a 30 de agosto

Sala Multiusos do Centro Cultural de Chaves

com a participação dos artistas flavienses A.Pizarro, António Vilanova,  Carneiro Rodrigues, Joaquim Rodrigues, Mário Lino e Rui Rodrigues.

 

 

Há dois dias prometemos que durante uns dias iriamos por aqui partilhar a arte & cultura que no momento temos ao dispor dos flavienses, mais precisamente as artes plásticas. Como a arte não se esgota no Museu de Arte Contemporânea Nadir Afonso, hoje vamos até um dos nossos pintores flavienses que está a participar na coletiva de artes plásticas "Uma geração, Dois momentos", um dos pintores mais promissores que tivemos no final do século passado, que infelizmente a morte, não deixou mostrar toda a sua grandeza, refiro-me ao António Vilanova (1958-1997) que com apenas 39 anos nos abandonou, mas mesmo assim, deixou um vasta obra para poder ser apreciada e mesmo estudada, hoje e sempre. O curriculum da sua curta carreira artística, demonstra bem a têmpera deste artista flaviense.

 

1600-vilanova autoretrato

Autorretrato

 António Vilanova - Autorretrato - Técnica mista

 

 

 

António Vilanova (Chaves - 1958 – 1997)

 

Todas as palavras que tivéssemos para dizer sobre o António Vilanova seriam poucas e cairíamos pela certa no lamento da arte que ficou por fazer, assim, ficamos por aquilo que fez, e, tendo em conta o seu curto período artístico, não foi pouco. Assim, fica apenas o registo dos prémios que recebeu, das performances e vídeos que realizou, das exposições individuais e coletivas em que participou e ainda de um livro com 40 desenhos do agreste transmontano que teve ainda tempo de publicar.

 

 

1958/1997 Natural de Chaves

1989 Curso Superior de Pintura da ESAP

1994 Livro “40 Paisagens do Agreste Transmontano”

 

PRÉMIOS

 

1986 2ª Bienal Jovem Arte Portuguesa,

           Prémio de Aquisição – Pintura

1986 Casa de Trás-os-Montes, Porto

           Menção Honrosa

1996 1º Concurso de fotografia “Se a minha terra falasse”

           1º Prémio

 

PERFORMANCES

 

1986 “Perfil”, Vídeo acção, Porto.

1987 “Nada… Direcção Infinito”

           Vídeo acção, Porto.

1987 “Ub-Ga, Follie”

           Acção Multimédia, Porto.

1987 “Demolir, construir”

          Fanzine

          Juntamente com o pintor Abel Silva.

1988 “… Via Absinto”

          Performance

          Juntamente com o pintor Abel Silva.

          Ruas do Porto.

 

VÍDEOS

 

1993 “País Real”

           Acção vídeo. Festival escolar de vídeo.

1993 “Festa no Barroso”

Acção vídeo. Festival escolar de vídeo.

1996 “Água”

Acção vídeo

 

1600-vilanova

Sem limite aparente - 1994

85x40 cm

Técnica mista sobre tela

 

 

 EXPOSIÇÕES COLECTIVAS

 

1984 Mercado Ferreira Borges, Porto.

1985 Colectiva Internacional de Cartazes, Bagdad, Iraque.

1985 2ª Bienal Jovem Arte Portuguesa, Chaves.

1986 Obras do Acervo do Museu da Região Flaviense.

1989 Português Suave, Porto.

1989 “24 Novos Artistas” Cooperativa Árvore, Porto.

1989 Fora D’Horas, S. João da Madeira.

1990 Museu da Região Flaviense, Chaves.

1991 “Intertâmega 91”, Espanha.

1991 Colectiva Internacional de Pintura, Pontevedra, Espanha.

1991 Galaécia 91, Orense, Espanha.

1991 Celanova, Espanha.

1991 “9 Pintores”, Sint-Niklaas, Bélgica.

1992 Colectiva Internacional de Pintura, “A Musaraña”, Arousa, Espanha.

1993 Galeria Galeão, Paredes.

 

EXPOSIÇÕES INDIVIDUAIS

 

1984 Galeria do Posto de Turismo, Chaves.

1985 Galeria da Secretaria de Estado da Comunicação Social, Porto

1985 Galeria da Casa de Trás-os-Montes e Alto-Douro, Porto.

1985 Biblioteca Municipal de Montalegre.

1985 Galeria do Posto de Turismo, Chaves.

1986 Casa de Trás-os-Montes e Alto-Douro, Porto.

1988 Galeria do Posto de Turismo, Chaves.

1990 “Ver a Branco e Preto”, Bragança.

1991 “Da cor”, Fin de Siglo, Espanha.

1991 Galeria A Musaraña, Vila Garcia de Arousa, Espanha.

1991 Galeria do Posto de Turismo, Chaves

1992 “Retalhos de um Solo Luso”, Pórticos de Noche, Pontevedra, Espanha.

1993 Galeria do Posto de Turismo, Póvoa de Varzim.

1993 “Grafites a Branco e Preto”, Galeria Galeão, Paredes.

1993 Galeria Labirinto, Porto.

1994 Exposição Retrospectiva- 10 anos, Centro de Conferências e Exposições do Alto- Tâmega, Chaves.

1995 Faustino, Chaves.

1995 Escultura em granito para a Escola C+S de Vidago.

1996 Casa do Curro, Monção.

1997 Auditório Municipal, Vila do Conde.

1997 Casa da Cultura, Valença.

1997 Galeria O Átrio, Vila Real.

 

 

E por hoje é tudo, amanhã estaremos cá de novo para partilhar a “Arte & cultura” que está a acontecer em Chaves, com mais um artista em exposição, ao meio dia em ponto, mas antes disso, haverá ainda mais um post.

 

 

09
Jul19

De regresso à cidade...


1600-(50612-17)

 

Como ontem foi feriado municipal, só fazemos o regresso à cidade hoje, terça-feira, mas com imagens de ontem, da Praça do Duque, já depois da cerimónia do içar da bandeira e da cerimónia das condecorações municipais.

 

1600-8-julho-19 (13)

1600-8-julho-19 (6)

 

O tempo, nosso, e outras contrariedades, não nos deu para estar em todas as cerimónias, mas às que fomos fizemos o nosso registo, tal como aconteceu na inauguração da exposição de artes plásticas “Uma geração, dois Momentos” enquanto a chuva caía a bom cair lá fora, tal como "previa" um dos artistas falecidos numa das suas obras em exposição – “Nem que chova pá!” - A inauguração aconteceu.

 

5-a.jpg

1600-1ger-2mom (11)

1600-1ger-2mom (20)

 

E é tudo por hoje, amanhã há mais!

 

 

 

08
Jul19

Chaves em festa - os meus destaques


cartaz (2).jpg

 

No programa de hoje de Chaves em Festa o meu destaque vai para a inauguração da exposição coletiva de artes plásticas,  “Uma geração, Dois momentos”,  a acontecer às 16H00 na Sala Multiusos do Centro Cultural. Uma exposição em jeito de homenagem a três dos nossos artistas flavienses falecidos – António Vilanova (1958-1997), Joaquim Rodrigues (1957-2008) e Rui Rodrigues (1953-2016), que não podendo estar presentes em corpo, estão-no em alma com as suas obras. Esta homenagem conta com a participação de três artistas flavienses da mesma geração – A.Pizarro, Carneiro Rodrigues e Mário Lino. Ao todo, seis artistas flavienses e a sua arte.

 

Uma boa oportunidade para os amigos e apreciadores da arte dos três pintores que já não estão entre nós se juntarem a esta homenagem estando presentes na inauguração da exposição, aberta ao público.

 

O segundo destaque, fica para a noite de hoje, com os concertos musicais à beira rio no jardim exterior do Museu de Arte Contemporânea Nadir Afonso a rematar com um espetáculo de pirotecnia.  

 

 

Sobre mim

foto do autor

320-meokanal 895607.jpg

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

 

 

19-anos(34848)-1600

Links

As minhas páginas e blogs

  •  
  • FOTOGRAFIA

  •  
  • Flavienses Ilustres

  •  
  • Animação Sociocultural

  •  
  • Cidade de Chaves

  •  
  • De interesse

  •  
  • GALEGOS

  •  
  • Imprensa

  •  
  • Aldeias de Barroso

  •  
  • Páginas e Blogs

    A

    B

    C

    D

    E

    F

    G

    H

    I

    J

    L

    M

    N

    O

    P

    Q

    R

    S

    T

    U

    V

    X

    Z

    capa-livro-p-blog blog-logo

    Comentários recentes

    • Anónimo

      Bom texto, João, mas não esperes que algum leitor ...

    • fjr

      Como me lembro bem.

    • Jon Shein

      Gostava de saber qual foi o Dirigente Africano da...

    • Anónimo

      No mesmo sitio onde a BT.

    • Amiel Bragança

      Caro Fernando Ribeiro,Apreciei a compilação das "B...

    FB