Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

CHAVES

Olhares sobre o "Reino Maravilhoso"

24
Mai19

Discursos Sobre a Cidade

GIL

 

O ESPANTALHO

 

O Ti Balele, de nome próprio Bernardo Medeiros, era um homem levado do catrino. Primogénito de uma família abastada da Veiga e com pouco mais para fazer na terra do que mandar, dedicava o mais do tempo ao ócio. Tecia refinadas diabruras ou passeava o non far niente pelos recantos idílicos da cidade do Tâmega. Dono e senhor de uma capacidade de imaginação notável, dominava as mais invulgares habilidades: tocava um sem número de instrumentos musicais apenas de ouvido; consertava rádios e mais tarde até as televisões de válvulas, concertinas e córdios, fogões a gás, motores de rega e de automóvel e inventava estranhos arcanhos para os mais inusitados propósitos!

 

Uma inteligência prodigiosa e rara a do Ti Babele! Que se parecesse só conheci a do Tio Júlio das Malhadeiras, dos Moreiras da Amoinha Nova, irmão do meu avô, herói combatente na Flandres.

 

O Balele vestia como um fidalgo: chapéu às três pancadas; brilhantina num cabelo às ondas penteado para trás, calça de risca ao fundo, tocando levemente num sapato de salto médio com protetores para que tocassem o ritmo gingão das passadas nas pedras da calçada, camisa de seda de um branco imaculado com colarinhos à teta de cabra caindo sobre as dobras do casaco cintado. Aberta até ao peito, a camisa deixava ver os pêlos do peito, que quase não tinha. No anelar da mão direita exibia uma tchapola com um grande rubi e no da esquerda, uma outra, com a bandeira nacional. Quando se pavoneava pela cidade não ficava a dever nada ao mais refinado travolta. Passeava-se de café em café, galando as moças que desfilavam nos passeios. Vaza-as com um olhar ladino, despojava-as das sete fraldas sonhando navega-lhes a alva espuma dos seus brandos corpos!

 

Um verdadeiro marialva!..

 

Não havia festa nos arredores da cidade em que não estivesse com o seu Volkswagen carocha carregado de amigos. Pelo setembro, aquando do arraial de Valpaços, um dos mais afamados da região, carregava a caixa aberta da Bedford de rapazes e raparigas e subia a serra de S. Lourenço a passo de caracol até que o planalto permitisse engrenar a prise e seguir mais ligeiro. Chegando a Valpaços, descarregava num qualquer souto, comprava cinco ou seis melões casca de carvalho da Terra Quente e lerpavam-nos ali mesmo sobre qualquer penedo. Bebiam uns canecos do tinto velho de Santa Maria de Emeres e como tegos bailavam, bailavam, umas vezes no ringue, pago, outras no terreiro, livre. Às tantas da matina, admiravam o fogo-de-artifício que era famoso e quando a aurora mostrasse a fuça, regressavam, mais mortos do que vivos.

 

Por Deus querer, nunca se esbandalhou ao descer, desengatado, a encosta de S. Lourenço. É que era mais o vinho e o cansaço a guiar do que a própria razão!

 

Casou já quarentão. Porém, tanto escolheu, tanto escolheu, que lhe saiu o gado mosqueiro! Calhou-lhe uma flor que pouco tempo lhe compôs a jarra! Meia dúzia de anos bastaram para que apartassem fazenda e cada um fosse curtir a solidão para sua banda. Assim se mantiveram até que a morte os varreu.

 

Falando em tropelias, partilhemos então algumas daquelas que o fizeram notado.

 

Andava há tempos com a cisma de que as vasilhas tradicionais de castanho lhe avinagravam o vinho. A partir de meia vasilha, apesar da estrafega, na lua mais favorável, o vinho azedava. Resolveu, então, experimentar a cuba de cimento. Achava ele que sendo mais fresca, faria com que o tintol durasse mais sem se estragar. Meu dito meu feito, botou mãos à obra. Passado um mês, tinha a dita cuba construída e com capacidade para cinco pipas. Uma obra admirável, não pelo tamanho mas pela novidade que constituía à época. Logo na colheita de setembro atestou-a com o mosto de Anelhe e esperou que a pinga desse de si. Diz o adágio que no S. Martinho se vai à adega e se prova o vinho. Assim foi. Provou-o e de facto estava uma pinga do caraito. Que vinhaça! Cristalina à luz, encorpada, sabor a fruta silvestre!.. É claro que só podia dever-se à qualidade da vasilha! Noutros anos, também tinha afogado no mosto um pedaço de toicinho da pá e nem por isso o tintol ficara tão apurado.

 

Ao Domingo, não faltava gente a rondar-lhe a para molhar o bico, era um corridinho! Qualquer convidado, por muito biqueiro que fosse, não deixava de, com o órgão do paladar, colorir o ambiente dos apreciadores profissionais com aquele estalido da praxe no fim de um bom golo de tinto: splachhhh! Porém, aquilo estava a tornar-se insuportável. O medidor externo do nível da cuba ia assinalando descidas acentuadas. Era como quem alimentava burros a pão-de-ló! Havia de se fazer qualquer coisa porque, por aquele andar, o tintol não teria tempo sequer ao menos para azedar e lá se ia a experiência.

 

Não esteve para modas: fechou-se na adega e com tinta e pincel desenhou, na frontaria da dita cuba, um tufo de cachos reluzentes escrevendo a seguinte frase em letras pouco menos do que garrafais:

 

Beba, não se faça burro!

 

É claro que para os mais esclarecidos a mensagem passou. O pior é que muitos dos seus amigos não sabiam ler nem escrever!.. O que é facto é que após o escrito o vinho mingava mais d’amodinho. Contudo, não ao ponto de, pelo menos naquele ano, conseguir verificar se a cuba evitaria que o néctar entoldasse!..

 

De outra vez, meteu-se-lhe na cabeça esculpir um Deus Baco num tronco, taludo, de carvalho, para decoração da adega. Porém, fê-lo tão abantesma que quando o tentou meter junto aos tonéis, batia com a cabeça nas traves de castanho que seguravam o sobrado. Para além do mais, desvirtuava o aspecto genérico da adega. À falta de melhor sítio, pregou com ele no telhado fronteiro de sua casa, em cima de um pedestal de cimento como se de uma estátua se tratasse. Colocou-lhe entre os braços, semiabertos, um arco de ferro com a seguinte frase:

 

Diz lá, quem te bateu?

 

Nunca ninguém percebeu o que ele quereria com aquele dezer. Tão pouco alguma vez o explicou. Talvez o propósito estivesse muito avançado para as mentes daquela época!.. A escultura era de tal forma esquisita que intrigava quem a admirava. Inclusivamente as mães, para obrigar os crianços a comer o caldo, ameaçavam-nos com o quem te bateu e a coisa funcionava!.. Ao menos isso!

 

Noutra ocasião pegou num volumoso livro que andava lá por casa, talvez uma velha Bíblia Sagrada. Com a paciência do chinês, recortou-lhe as folhas interiores até conseguir espaço para introduzir um arcanho eléctrico que ele próprio fabricara. Destinava-se a premiar a curiosidade de quem o abria com um piparote eléctrico do catano! Encapou o livro cuidadosamente com um colorido papel de estanho, matéria condutora da electricidade. Decorou apelativamente a capa com umas imagens de mulheres seminuas, como convinha para atrair as atenções.

 

A primeira vez que o pôs à prova foi no café Brasil onde havia uns bilhares muito usados pela rapaziada. Um dia, chegou um pouco depois do almoço. Não estava ainda ninguém por lá a dar ao taco. Cuidadosamente, colocou o livro sobre uma das mesas de bilhar. Armou a geringonça e foi tomar o seu café.

 

Não demorou mais de meia dúzia de minutos, dois matarruanos que vieram feirar entraram, filando de imediato as imagens apelativas da capa. Cegaram-se como se cegam os pinchos com o grilo na pescoceira.

 

— Ele que caraito é isto? — botava o mais afoito!

Num bês, é um libro de gaijas! — constatava o outro.

De gaijas? Bem mou finto!..

Astrebeibos a abririo e vereides a Greta Garbo toda nuzinha — disse o Balele desde o balcão, para lhes aguçar, ainda mais, o apetite!..

Atão num astrebemos! — responderam corajosos.

 

Um deles botou-lhe as unhas e mal o escancarou, a máquina deu de si e aí vai aço!..

 

Pu** que pariu!.. — berrou surpreendido, largando o livro que, às cambalhotas pelo ar, se esbandalhou escontra a parede fronteira!..

Arra fonha-se que vossemecê agora é que me fo***! Vá lá p’ro car**** que o recontrafo** amais o libro. E arrousse-se daqui para casa do carbalho entes que le fo** as bentas!..

 

Quem assistiu ao espectáculo riu a bom rir. É que galhofas destas só na Lapa, uma vez por ano, com os palhaços do Cardinalli.

 

De outra vez comprou, creio que a uns ciganos que faziam negócio com material vindo de Andorra, um auto-rádio que montou no seu carocha. Um cantante que fazia as delícias e a inveja dos seus amigos. Tocava os fados da Amália, os rocks do Travolta ou as baladas de Nelson Ned e Mari Sol com tanta categoria que chegava a fazer arrepiar quem as ouvia. Aliás, moça que aceitasse escuitar um destes temas, só conseguia sair do carro com duas beijocas nas trombas! E se não fosse mais! Mas, o rádio, tinha um problema que afligia quantos o admiravam: não tinha marca! Cada vez que alguém o olhava não deixava de lhe notar aquela ausência.

 

Poderia lá ser, um rádio tão bom e sem marca!..

 

O Balele tanto se encheu daquilo, que um dia sentou-se na banca de trabalho e desenhou, numa placa de alumínio fino, a marca do rádio. Letras minúsculas que recortou com a minúcia do cirurgião. Depois de pronto o trabalho parecia produto de fábrica. Colou-a no lugar aprazado:

 

MERDEX

 

Daí por diante nunca mais ninguém ousou afirmar que aquele rádio não tinha marca!.. Problema resolvido!

 

Certa ocasião constou que um dos criados de sua casa tinha falecido no Tâmega, ali para os lados da Galinheira, quando à hora de sesta se banhava nas águas frias. Dizia-se que o corpo não teria aparecido por ter sido engolido num dos muitos redemoinhos que por lá havia. De facto, até hoje, o desgraçado não deu à costa. Porém, isso não obstou a que se tentasse levar por diante um funeral digno. O Balele, numa tarde de segada na Veiga, fez constar, entre o rancho de trabalhadores, que o corpo tinha aparecido. Que estava em câmara ardente no salão grande da casa. No regresso do trabalho todos poderiam por fim participar no velório, rezando um terço por sua alma. Teve a tarde toda para preparar a cena como lhe convinha. Contratou um amigo cangalheiro e juntos prepararam os mais refinados pormenores que se exigiam num mortório: a urna repousando sobre suportes cromados, os candelabros de azeite ardendo mortiços e uma grande cruz sobre a cabeceira, encimando um grande pano roxo. Na urna repousava um volume a fazer de corpo, completamente coberto por um véu preto opaco, como convinha. É evidente que aquele volume não passava de um fato velho preenchido com feno e uma cara deslavada fabricada de pasta de papel de jornal. Tudo tão bem preparado que, ao longe e na penumbra, imitava na perfeição o defunto. Fez passar uma corda fina pelo estrebão da casa, ligando o pescoço do defunto a uma sala contígua. A corda estava perfeitamente camuflada pelas colchas roxas que adornavam a cabeceira. Acontecia que quando se puxasse a corda na outra sala, o defunto levantava-se de supetão, com grande estardalhaço, por ter presas às pernas campainhas dos bois.

 

Quando pela tardinha as pessoas que regressavam do campo, passavam por lá, botavam água benta e rezavam um padre-nosso pela alma do infeliz. À noite botavam o terço e as ladainhas do costume. Foi contratada a tia Cândida para debitar as Avé-Marias.

 

A noite foi chegando e com ela os muito afanados fiéis. Tudo pronto e a Tia Cândida deu início às rezas com a sala repleta. O sobrado de castanho rangia com o peso do povo. Botou Avé-Marias e Padre-Nossos quantos pôde e quando tudo já dormitava naquele rame rame, o Balele, sorrateiro, esgueirou-se para a sala contígua. Quando lhe pareceu, deu um puxão à corda o que fez saltar o morto que, aos toques endiabrados dos guizos, ficou pendurado, à laia de enforcado, na trave da sala.

 

Meu amigo… O pânico foi de tal ordem que quem não desmaiou precipitou-se para a porta estreita para dar de frosques. Porém, o peso inusitado de tanta gente aglomerada sobre os caibros que sustentavam o sobrado, junto à porta de saída, fê-los ceder e foi tudo parar à loje dos recos, numa escuridão total. O morto, baloiçando na trave, continuava a fazer tilintar as campainhas. Homens e mulheres, numa amálgama, chafurdavam no esterco da corte. Os desgraçados dos recos grunhiam assustados como diabos, fazendo da cena um autêntico Inferno de Dante. Os que puderam escapar-se pela porta da loje para o pátio, largaram desenfreados rua acima. Os que ficaram gritavam como almas penadas, cuidando estarem já a caminho das parafundas do inferno. Só visto!

 

Quando passado algum tempo tudo se esclareceu, o Balele teve de fugir para a Póvoa de Varzim para não levar nos cornos. E com rezão!

 

Contudo, não demorou que regressasse na paz do senhor porque, apesar de tudo, já ninguém deixava de se rir com o arrojo daquele espantalho!

 

Gil Santos

 

22
Fev19

Discursos Sobre a Cidade

GIL

Caldo de coirato

 

Ter água canalizada em casa era um luxo quase proibido nas aldeias rurais dos anos quarenta. As fontes públicas resolviam todas as necessidades. Fossem os fontanários, ou as populares fontes de mergulho, toda a gente aí se abastecia do precioso líquido. Nos fontanários, os cântaros de barro de Nantes, e mais tarde os de folha-de-flandres, aparavam a água da bica, que nem o verão, por mais quente que fosse, conseguia escoucar! Nas fontes de mergulho recolhiam-na de uma espécie de poço onde se mergulhavam as vasilhas. Está bom de ver que nestas tanto mergulhava um cântaro limpo, como o balde dos recos que muito provavelmente teria andado aos emboleques na estrumeira! Por isso, a higiene não era um predicado destes usos ancestrais, nem tão pouco uma preocupação!

 

E assim se vivia desde os alvores da história!

 

O Carregal não fugia à regra.

 

No Prado, num recanto sombrio, olvidado, ainda lá está a dita cuja. Acedia-se à água através de uma grande janela com um parapeito de perpianho muito gasto pelo uso de séculos.

 

A fonte, há muito andava a meter nojo aos mais esclarecidos do lugar, nos quais se incluía o Ti Moreiras, antigo combatente da guerra dos dezassete. Na impossibilidade de disciplinar os hábitos da gente, por virem dos alvores da sua existência, pensou o Ti Moreiras construir poço próprio no pátio novo de sua casa, para se salvar daquela nojeira Tanto mais que na altura estava na moda o furo artesiano, encamisado a lusalite.

 

Para o efeito, contratou um artista de Serapicos. Acertado o preço, encomendou-lhe o trabalho. Semana e meia bastou para que de um furo de quarenta metros jorrasse água a rodos. O precioso líquido era conduzido à superfície por uma bomba de alavanca, um arcanho a que se dava o pomposo nome, afrancesado, de cacherelle. Abanava-se o zingarelho, para cima e para baixo, e após meia dúzia de bombadas era um regalo ver jorrar a água, aos golos, pelos queixos do ferro fundido. Funcionava que era uma maravilha! Porém, passado algum tempo, a água começou a sair tão ferrugenta e com tão mau gosto, que até os animais bitchos a rejeitavam. Seria, por’i, da ferrugem do cano que a trazia à superfície, ou, quiçá, do lusalite, quem sabe? Foi uma desilusão, gastar tanto dinheiro e ter de recorrer, de novo, à fonte do Prado para fazer o caldo!...

 

Não restava, porém, outro remédio!..

 

Naquele tempo, a iluminação das casas era fraquíssima. A candeia a petróleo ou a azeite, mesmo auxiliada pela labareda das fronças da giesta da fogueira, não permitiam, sequer, ler o jornal, quanto mais enxergar o que se jantava!

 

Ora, foi exactamente desta dificuldade que nasceu o caso que se relata.

 

Anoitecia já quando a Aida, criada da casa do Ti Moreiras, se apercebeu de que o cântaro da água estava escoucado. Como era hora de fazer o caldo havia que ir rapidamente à fonte. Chegou, de mergulho encheu o cântaro, pô-lo à cabeça sobre a rodilha e nem sequer teve tempo para dois dedos de conversa com os rapazes que aproveitavam o ensejo para cortejar as moças na fonte.

 

Directamente da vasilha encheu o pote, e quando a água fervia, juntou a batata, a couve o feijão e coirato do porco e tudo o mais que fazia gordo o caldo do lavrador. Deixou-a ferver até apurar enquanto foi dar de comer aos coelhos de que se havia esquecido. Na hora de cear, como ao tempo se dizia, era comum comer o caldo somente no final da refeição.

 

Manel Cabeça Grande, o criado, apreciava rilhar os coiratos, ainda mal cozidos, que deixava, religiosamente, para a sobremesa. Mascá-los, vagarosamente, devia dar-lhe o mesmo gozo que os chicletes dão hoje à rapaziada! Digo eu!

 

A Aida lançou-lhe o caldo na malga preta de Nantes, À luz, mortiça, da candeia tragou-o apressado pois esperava-o um serão de lerpa com os amigos.

 

Coirato na boca, trincou, mascou, voltou a trincar, mas havia qualquer coisa de diferente naquele cibo do isco do caldo.

 

O gosto não lhe era familiar!

 

Não lhe parecia mau, o problema é que o bocado não dava de si como habitualmente, à força trituradora das suas mós. Teimou, insistiu, voltou a teimar e à falta de paciência, chegou-se ao canto da lareira, onde a luz era mais forte à conta da labareda de uma fronça que ardia, e botou o petisco para dentro da malga!..

 

Horror dos horrores!...

 

Espanto dos espantos!...

 

Diabo dos diabos!...

 

Oh miséria excomungada!...

 

Era uma salamandra que entrou à socapa para o cântaro e foi cozida com os feijões e as couves!..

 

Era para esgomitar o caldo, mas, ao fim e ao cabo, soubera-lhe tão bem que era um desperdício fazê-lo!..

 

Gil Santos

 

 

25
Jan19

Discursos Sobre a Cidade, por Gil Santos

GIL

 

bota-le binho, catano!

 

Conheci o Ti Chico Milheiro já velhote.

 

Nas torreiras de agosto, juntava a mocidade à sombra da copa do negrilho do Prado e alapado na massadoura, entretinha os seus largos anos com as reações às curiosas estórias de vida que sorvíamos como a água da bica em tardes de canícula.

 

Escutei-lhe muitas!

 

Olvidaram-se-me quase todas.

 

Retenho, tão-somente, esta que vos conto.

 

O Chico Milheiro nasceu pobre em Milhais, lá para os lados de Mirandela.

 

Ficou órfão de pai e mãe muito cedo, por isso, teve de ser fazer à vida, na qualidade de moço de servir, na tenra idade dos quinze anos,

 

Tirando a fartura de bogas do Rabaçal que pescava na desova, em tempo das formigas fazerem carreira como ele dizia, dos coelhos e das lebres que caçava nos laços que armava com mestria, passou fome de rato.

 

Serviu inúmeros patrões, levou muitos pontapés no rabo, trabalhou de sol a sol, comeu o pão que o diabo amassou, mas assim aprendeu a ler nas entrelinhas da agrura da vida o que mais lhe convinha em cada momento.

 

O Chico Milheiro tinha a sapiência da coruja e a manha da raposa. E, desta forma, tão cedo se fez à vida de serviçal como a deixou.

 

Não teria ainda um quarto de século quando, proprietário de uma leira de couves, passou a servir-se a si próprio. Botou umas colmeias, únicas nas redondezas, e quase só com elas se sustentava no Carregal, onde fixou residência. Ao tempo, o mel era remédio para quase todos os males. Vendia-se bem para qualquer mezinha. Contudo, a escassez de produção, mal dava para a sobrevivência.

 

Pobre sim, mas orgulhosamente dono de si e da sua vontade!

 

Como dissemos antes, fez-se à vida pelos quinze anos, idade em que a força de crescer tonifica os músculos e dá ao corpo a forma masculina do homem bravo. Procurou trabalho por terras de Valpaços. Encontrou-o em Água Revés, na casa de um lavrador rico mas usurário. A produção de vinho era a sua principal atividade. Durante o ano, o Chico, quando não trabalhava na vinha, trabalhava no bacelo. Porém, aguentou-se pouco tempo neste patrão. O homem estava sempre com pressa de o fazer bulir e mesmo nas sagradas horas do repasto, pressionava-o com a urgência dos trabalhos. Quase não o deixava engolir o cibo!

 

Um belo dia, o agiota, reparou que o Chico soprava ao caldo de vagens chitcharras que fumegava numa malga, sobre a tábua do escano onde comiam.

 

─ Despacha-te rapaz, temos a vinha da Silva para satchar!

─  O caldo escalda patrão!...

 

─ Ó home, bota-le áuga!...

Áuga?!!!.. Não, este patrão não me serve, concluiu!...

 

E tão depressa o pensou, como rumou a novo mundo à cata de melhores promessas!

 

Deu com novo patrão no Planalto, para os lados de Carvela. Um homem austero, que vivia unicamente da batata e do centeio. Sofria, porém, da mesma doença do anterior, o tempo era sempre curto para o trabalho.

 

Um certo dia, ainda no primeiro semestre do novo emprego, o Chico preparava-se para dar cabo das bentas a uma bela malga de caldo de lombarda, reluzente e fumegante. Fora lançada diretamente do pote, que à força do braseiro apurava num borbulhar de cachoeira nervosa. O Chico bem lhe bufava mas o raio do caldo não havia maneira de arrefecer.

 

─ Despacha-te, rapaz! Temos a leira dos Bagueiros para agradar esta tarde. Uma campina!...

─ O caldo está quente patrão!

 

─ Ó Chico, miga-a com pão!..

─ Pão?!!!... Ora essa, pão tenho-o eu à fartazana à minha frente, pensou o criado em silêncio.

 

Não demorou um mês a pôr a trouxa às costas e a procurar novo amo.

 

Rumou, desta feita, ao Carregal onde encontrou trabalho na casa do Ti Moreiras. Um lavrador remediado que repartia os seus dias entre o trabalho árduo da terra magra, que mal dava para a sobrevivência e o relato, apaixonado, das peripécias que viveu na Grande Guerra, onde fora combatente e prisioneiro em La Lys.

 

Também o Ti Moreiras gostava pouco de perder tempo, nomeadamente, a comer.

 

Um dia de malhada, pelo fim de um julho muito quente, criado e patrão sentaram-se à mesma mesa para repor as forças num lauto almoço de couve, toucinho e feijão vermelho. Encheram as bentas, que lá isso para comer, o Ti Moreiras, nunca deixou o crédito por mãos alheias! No final, como ainda é hábito em Trás-os-Montes, veio a malga de caldo, desta vez, de baijes.

 

Fervente!

 

O Chico bufava-lhe quanto podia, não só para a arrefecer, mas, sobretudo, para ver no que é que aquilo dava.

 

─ Apressa-te, home! A malhadeira não espera. Temos de acabar a malhada hoje!

─ O caldo está quente patrão!..

 

Bota-le binho, catano!..

─ Ah grande patrão, este é que me serve, finalmente!.. Disse para com os seus botões!

 

Laborou em casa do Ti Moreiras até desposar a Rosa, que ficou a ser Milheira também. Uma rapariga simples, mas trabalhadeira, filha da Tia Carminda da Rua, uma cabaneira pobre.

 

O empenho do Chico Milheiro foi tal que o patrão Moreiras aceitou apadrinhar o seu casamento. Prendou-o com uma pequena horta contígua ao casebre onde o Chico morava.

 

Não demorou que se despedisse.

 

A Rosa e o Chico trabalhavam à jeira. O soldo, a hortita e o mel das colmeias, sempre dava para viver, mal, mas, sequer ao menos, eram livres como passarinhos!

 

 

Tenho saudades das estórias do Ti Milheiro.

 

Alimentou muita da imaginação que me havia de fazer voar por sítios onde nunca fui capaz de ir sozinho.

 

Obrigado, Francisco Milheiro, também por reconhecer no Ti Moreiras, meu avô, as qualidades de homem bom que ele sempre foi!

 

Gil Santos

 

28
Dez18

Discursos sobre a cidade - Por Gil Santos

GIL

 

A RAÇÃO NÃO É PARA QUEM SE TALHA...

 

Diz o povo que dos Santos ao Natal é Inverno natural. A bem dezer não sei se ainda é assim ou se já foi. É que está tudo tão mudado que até os adágios começam a querer mentir! Seja lá como for, há muitos, muitos anos… não tantos que encontremos o homem nas cavernas, os Invernos no Planalto do Brunheiro davam pelos peitos a uma mula! O mesmo é dizer que eram duros como o granito porfiróide do Alto da Cunha. Começava a gear por meados de outubro e até maio eram dias infindáveis de carambelo. Não passava o ano sem meia dúzia de fortes nevões. Nessas ocasiões, o que valia ao povo e ao gado era o que se guardava nas adegas e nos palheiros. Os bichos comiam o feno ripado, quando o havia, o povo as baijes de palheiro regadas com um fiozito de azeite — para quem o tinha — e um cibo de carne da pá, rijada, ou uma malga de caldo engodado com pingue. E viva o velho!

 

Quem avezasse uma ceva para matar pelo Ano Novo era considerado rico! Devidamente poupado, o requito e seus derivados haviam de dar até Natal seguinte. Para curar as carnes, o tempo queria-se frio e seco. Da ceva faziam os planálticos uma espécie de multiplicação dos pães. Milagres autênticos que multiplicavam, por mais de mil, as potencialidades gastronómicas do animal.

 

matanca-do-porco.jpg

 

Para a engorda, os porcos tinham de ser capados. O macho para que não ficasse borrão e a fêmea para que não se levantasse à cria. O borrão destinava-se à cobrição. Normalmente, por cada aldeia bondava um para pôr as recas ao ganho. Ao ritual da capagem assisti diversas vezes. Impressionava mais do que a própria matança. O capador, veterinário a martelo, andava pelas aldeias com um assobio próprio cuja melopeia anunciava a chegada. Quem precisasse da capar, reco ou reca, contratava-o. O serviço era rápido e eficiente. O primeiro passo da operação consistia em dispor a ferramenta cirúrgica sobre uma toalha de linho estendida num qualquer carro de bois que estivesse estacionado no pátio. De seguida, procedia à desinfeção do material com um líquido roxo que tingia tudo. Se o animal fosse macho, o cirurgião fazia um rasgo na bolsa escrotal e retirava os testículos agilmente. Desinfetava a ferida com aquele líquido, dava quatro pontos na dita, agora vazia, e pronto. No final, e já depois de tudo devidamente arrumado, era oferecido ao capador a iguaria frita e um copo de tinto. Em sendo reca, deitava-a de lado no chão, fazia uma pequena incisão no ventre e metendo dois dedos nas entranhas retirava aquilo que parecia ser uma pequena tripa. Desinfetava a incisão e por fim suturava-a. Os requinhos, durante dois dias andavam abatidos, mas logo arrebitavam para a engorda.

 

Depois de capados, os bichos eram alimentados como príncipes para que botassem corpo. Batata, farelo e castanha eram as principais iguarias para que se fizessem antchos. Comiam quanto o bucho levasse. Em Dezembro, as cevas, já quase não se levantavam por tão gordas estarem. Depois, antes do Natal ou perto do Ano Novo, conforme o tempo desse, o animal ia à faca. Era um ritual interessante, atualmente com tendência a ser engolido pela fatalidade da globalização. Marcava-se o dia com o matador, convidavam-se alguns vizinhos e tudo acontecia mais ou menos assim:

 

Nos pátios, nas eiras ou noutros lugares que se achassem azados, colocava-se um banco corrido, tosco, de quatro patas canejas para que tivesse mais estabilidade. O carrasco dava os últimos retoques no facalhão de lâmina dupla com uma pedra de afiar. Os homens arregaçavam as mangas e à sua ordem abriam a cancela da loje onde estava a vítima. O requinho parece que até adivinhava. Mal se abria, saltava numa gritaria medonha como se de um cristão se tratasse. Botava-se para o pátio e quatro homens, dos mais fortes, cravavam-lhes as unhas nas orelhas, no rabo e nas patas e estendiam-no de cangalhas sobre o banco da morte. Passavam-lhe uma corda pela queixada prendendo-o ao banco. Bem seguro grunhia quanto podia, mas nem por isso comovia os algozes! Quando aprouvesse ao matador, metia-lhe a faca na garganta e de uma estocada fazia-lha chegar ao coração. A morte era rápida quando era experimentado. Caso contrário, o animal tinha muitos minutos de agonia até que a estocada certeira o ferisse de morte. O sangue jorrava em golfadas pelo boeiro que a faca abrira. Com a orientação desta, caía num alguidar de barro, aparado, quase sempre, por uma mulher, que, após a colheita, passava minutos infindos a batê-lo com uma cebola descascada para que não tralhasse. Depois de bem morto e ainda no banco, o porco era chamuscado. Com fachucos de palha a arder, dois dos mais experimentados queimavam a pelagem do animal sem deixar que o couro se tisnasse. A seguir, era a vez de o lavar. Retirava-se do banco para uma cama de colmo limpo. Três ou quatro homens de ásperas pedras na mão fazendo de esfregão, raspavam quanto podiam para pôr o defunto limpinho. Era a vez da canalha se tornar útil pois cabia-lhe botar a água sobre as mãos dos lavadores. Não era um trabalho fácil porque eles exigiam que o fio fosse constante e caísse no sítio certo. O campeão haveria de ganhar o rojão das palhas! Esta fase terminava com o ritual da confeção do tal rojão. Um dos homens torcia um punhado de colmo. Introduzia-o no cu do reco para lhe limpar a parte terminal do intestino grosso que ficara sujo nas ânsias da morte. A este fachuco chamavam então o rojão das palhas, noutras bandas também rojão do banco, e era oferecido a quem tivesse demonstrado melhor desempenho na tarefa de botar a água.

 

À lavagem das orelhas dedico especial atenção. Era um momento único. Quando algum farsola, menos habituado a estes trabalhos, os apreciava curioso, era hábito ser atraído para a manobra da lavagem dos pavilhões orelhudos do reco. Pediam que se aproximasse o mais que pudesse, mandavam encher a orelheira de água, indejavam bem e, quando lhes parecia, espanavam-na na direção do observador que, como se advinha, ficava salpicado de água suja. Surpreendido pelo gesto inusitado que não esperava, ficava puto! Uma risota!

 

A seguir punha-se, já limpinho, sobre o banco onde morreu. Agora de barriga para cima. Era a fase da abertura. O matador afiava as facas da especialidade que cortavam como lâminas e desenhava o corte com a ponta da uma delas através de um rasgo superficial. Então passava a retirar a couracha, que havia de servir para fazer as alheiras. Depois extraía o soventre e o redanho para os rojões que entregavam às mulheres e ia os potes ferver. Depois de horas de lume, com uma escumadeira tiravam-se os rojões e, com a gordura fervente, enchiam-se potas de barro de Nantes. Era o pingue ou adubo e serviria, ao longo do ano, para temperar o caldo. Depois disto, passavam uma corda pelo osso que unia os ilíacos e, à força de braços, penduravam o morto numa trave da adega, de focinho para baixo. Era a fase de retirar as entranhas. Com a ponta da faca fazia um corte longitudinal e a tripalhada caia sobre um lençol branco que duas mulheres seguravam e a que chamavam panal. Dali as tripas iam para lavar. Era um trabalho árduo que cabia igualmente às mulheres. Árduo por várias razões: primeiro, porque era preciso limpar a parte mais suja do animal; segundo, porque a água estava muito fria, terceiro porque, por vezes, era preciso calcorrear grandes distâncias à procura de água corrente que no planalto é rara. Depois de limpa das vísceras, a carcaça, haveria de estar dois dias à espera da desfeita. No final deste trabalho, o pessoal que participou na matança era convidado para almoçar e do repasto faria parte o verde — sangue cozido — e os rojões. Tudo regado com um bom maduro tinto de Cova do Ladrão. De tarde, os homens, normalmente, não faziam nada por culpa do tintol!

 

Passados dias, o matador era de novo chamado, agora para a desfeita. Consistia a operação em separar a carne por categorias para posterior tratamento. Descia-se o porco, hirto e rosado, da trave onde esteve pendurado, para o colocar, de barriga para cima, na adega, numa cama de colmo centeio. Começava, então, por se lhe cortar as patas e retirar a cabeça da qual se separava a focinheira e a orelheira. Depois, colocavam-no de costas e com um fio desenhavam dois traços paralelos e longitudinais do cachaço ao rabo, marcando uma faixa a cortar a que se dava o nome de enguião. Seguidamente, retiravam o lombo e os lombelos, assim como as costelas e a espinha. Os presuntos, agarrados ainda às pás, iam para a salgadeira. Aí, envoltos em sal, repousariam cerca de um mês. Passado esse tempo, eram cortados e com os cimos das pás eram colocados ao fumo, para acabar uma cura de cerca de outro mês. Finda esta curtição, colocavam-se na adega para consumo, ou para venda.

 

Cabeça, enguião costelas e espinha destinam-se ao fumeiro, A carne magra e alguma entremeada ia para a sorça e dava origem aos salpicões e às linguiças. O resto era cozido. Os ossos da suã, descarnados para os chouriços e as alheiras. Um trabalho pesado que cabia igualmente às mulheres. Orgulhavam a casa quando exibiam, vaidosas, dúzias de lareiros com o fumeiro alinhado sobre a lareira.

 

Na maior parte das casas, a matança do porco e os produtos daí resultantes destinavam-se ao consumo próprio durante o ano. E feliz de quem matava pelo menos uma ceva!.. Nas casas mais fartas chegavam a matar-se meia dúzia delas. Havia até quem matasse para vender os presuntos (afinal a parte mais nobre do animal) e o fumeiro, resultando, muitas vezes, no único rendimento da casa.

 

Hoje estão muito em voga as feiras do fumeiro. Abençoadas terras transmontanas que as organizam. Elas proporcionam o afluxo de muitos forasteiros que ávidos de sabores genuínos, ajudam a preservar as tradições do fabrico dos enchidos e interessantes rendimentos a quem se dedica a esta atividade.

 

Ora, a casa do Ti Zé Paranhos era uma destas. A Paranhas, quanta chouriça defumasse, quanta vendia no mercado de Chaves. Nos primeiros meses do ano, não falhava a uma feira. Madrugava, juntava-se com as parceiras de outros lugares e Brunheiro abaixo lá ia, cada qual com sua giga, vender o produto do trabalho. Umas levavam fumeiro, outras níscaros, castanhas, coelhos, pitas, perus e sei lá o que mais. E quase sempre regressavam leves, com as cestas vazias e os bolsos cheios com o produto das vendas. Os mimos do Planalto eram considerados pelos flavienses, sequiosos da qualidade dos produtos genuínos da terra. Compravam quase tudo. E que mais houvesse!..

 

Num qualquer fevereiro, ainda pela alva, descia a serra até à praça do Arrabalde um rancho destas mulheres carregando daquelas iguarias. A Paranhas levava uma giga à cabeça com linguiças e uma seira no braço com salpicões. Não chovia mas a manhã demorava a despontar, culpa de um céu plúmbeo que fazia adivinhar por’i algum nevão. Mas, por graça do Divino Espírito Santo, enquanto iam, nem nevou nem choveu. Atravessaram a Ponte de Trajano quando os sinos da Madalena badalavam as sete da matina. No Arrabalde, pousaram sobre o lajedo do mercado e arreganharam a mercadoria. Lá foram vendendo, mas nada que se parecesse com o negócio de outros dias. As dos coelhos e das pitas ainda se safaram. No final do dia, à Paranhas, sobrava ainda metade daquilo que levara. A tarde estava a ficar feia e as léguas a percorrer até casa ainda consumiam umas boas três horas, era tempo de dar de frosques.

 

Arrumaram.

 

Quando se preparavam para partir, começou a cair uma folecra que fazia adivinhar o pior. Como de facto! Ainda não tinham chegado ao Raio X e já nevava que levava diabo. Subir a serra naquelas condições ia ser tarefa brava, se bem que ainda havia umas quatro horas com de dia. Isso sossegava-as.

 

Ao Chegarem a Lagarelhos, e com medo da fama das voltas das Cabeceiras, onde era hábito o Pita atacar, deu-lhes o dianho para largarem a estrada de Carrazedo e subirem a Nogueira da Montanha por Maços, para depois chegarem mais facilmente aos seus lugares. Contudo, às vezes, o diabo tece-as! A neve já mal deixava divisar o caminho. Entre calçada e carreiro acabaram por se perder. Não se via viv’alma por aqueles ermos. O medo da noite escura e dos lobos começava a instalar-se entre aquelas infelizes criaturas. Eis senão quando, ouviram um tropel de cavalo, abafado pela neve da vereda. Era a salvação, ou seria Belzebu em forma de alazão para as atazanar ainda mais?..

 

Um homem gerigoto, montado num cavalo bem arreado, estacou perto delas e perguntou:

 

— Boa tarde, senhoras, antão vossemecês que fazem a estas horas e por estes caminhos da fim do mundo?

 

Respondeu a Paranhas:

 

— Ó mou senhor, estemos perdidas! Para fugir às voltas das Cabeceiras, com o medo do Pita, metemos por aqui, mas a neve toldou os caminhos e não sabemos como ir para a Amoinha Velha.

 

Antão e d’onde bêm? — Insistiu o desconhecido.

 

— De Chaves, do mercado, fomos vender umas coisitas — respondeu Marcolina, uma das mais destemidas.

 

Antão e venderam tudo?

 

— Não, ou a modos qu’inda levo aqui meia giga de linguiças. — Respondeu a Paranhas.

 

— Pois atão vai pesada, coitada! Deixe cá ver a giga que eu la levo à garupa. Venham atrás de mim que les inxino o caminho.

 

E lá foram as vendedeiras enregeladas, atrás daquela esperança.

 

Chegadas a uma encruzilhada, o cavaleiro parou e indicou o caminho da direita como sendo aquele que deveriam seguir. Puxou a rédea esquerda do freio, espetou as esporas no flanco da montada e ala que se faz tarde, desapareceu por outro caminho.

 

— O alma do diabo fodeu-me as chouriças — Constatou a Paranhas aflita.

 

Filho de uma puta, em nas comendo que tenha uma esfoura que o leve o carbalho! — Desejava outra das companheiras.

 

— Do mal, o menos, Paranhas, ainda nos deixou os trocos da venda, vamos indo!.. — disse resignada a Aida Pataloa.

 

— Bem falaides, mas quem se fodeu fui eu… Raisteparta, alma do diabo!..

 

Passado uns meses souberam que quem afinal as tinha roubado tinha sido o malvado do Pita!

 

Deram graças a Deus por não ter sido pior. À fama que o sendeu tinha por aquelas serranias, podia ter ido o dinheiro, a roupa e sabe-se lá que mais!.. A sorte é que a neve deve ter refreado a cleptomania do gatuno, que, à laia do Zé do Telhado, trazia o Planalto em sobressalto.

 

Que se fonhessem as linguiças. Ficaram ainda as alheiras!..

 

Gil Santos

 

23
Nov18

Discursos Sobre a Cidade

GIL

 

A XARAGONA

 

 

Nem de riscado a Xaragona se sabia vestir!

 

Rais-te-parta que podão tamanho!...

 

Um bacamarte, como diria o povo!

 

Sobrava-lhe no corpo o que lhe faltava em miolo. E se o cérebro lhe tivesse medrado como o embrulho, haveria de ser uma das pessoas mais escorreitas do lugar. Mas a verdade é que, tirando a capacidade de se meter na vida dos outros e de retirar proventos do esforço alheio, nada mais se lhe aproveitava.

 

Uma microcéfala a Xaragona!

 

Má como um bestigo, era igualmente rancorosa, falsa e invejosa. Não podia ver um vizinho de camisa lavada que punha logo a sua à cora. E se alguém evidenciasse uma capacidade para si inalcançável, tudo fazia para a ridicularizar.

 

Cuspindo com frequência no prato que a alimentava, fazia da ingratidão lema de vida. Podiam dar-lhe a teta a vida inteira que na primeira oportunidade arrastaria pela lama a imagem de quem, cegamente, lhe alimentasse a incompetência!

 

Quando tinha que falar zurrava e fazia-o em tal registo que arrepiava até o mais incauto. Qual megafone anunciando a banha da cobra na Feira dos Santos!

 

Pior do que tudo é que conseguiu emprego na Junta de Freguesia. A pus de golpes baixos, conseguiu ludibriar o Presidente e fazer-se passar por muito competente nas coisas da coltura.

 

Ficou chefa da biblioteca da Junta!

 

Escusado será dizer que o Presidente era tão asno quanto ela, diga-se de passagem, porque quem se sujeita a ser escolhido pelo povo para o governar, tem de o conhecer bem, a não ser que finja que sim pelo poleiro, o que acontece o mais das vezes!

 

A biblioteca da Junta era a menina dos olhos da freguesia.

 

Já não havia necessidades da biblioteca itinerante da Gulbenkian todos os quinze dias. Mas se à Citröen da Gulbenkian ainda ia algum povo, à biblioteca da Junta não ia ninguém, só para não ouvir os urros da Xaragona!

 

A dita cuja transformou-se num espaço solitário, triste, cheio de teias de aranhão! Um espaço morto, bafiento que não despertava o interesse a ninguém. Parecia um jazigo de família, onde os livros dormiam um sono quase eterno! Só passar à porta já dava uma ranheira que nem o surto mais violento da pior sarna!

 

E se a biblioteca era rica!

 

Tinha até livros de estórias sobre a terra e as suas gentes, contudo, ninguém era capaz de saber que lá moravam!

 

O secretário da Junta, de nome Zebedeu, era um rapaz azadinho, que tinha andado na tropa em Mafra e que nos tempos livres se distraia a visitar a biblioteca do convento e a folhear alguns livros que lhe parecessem interessantes. Portanto, nutria pela livralhada um carinho muito especial e o facto de a sua biblioteca ser tão desprezada, andava a meter-lhe algum asco.

 

Começou a azucrinar os ouvidos do Presidente tentando convencê-lo de que tinha de pôr a Xaragona a cavar batatas que para isso ainda haveria de ter algum jeito. Custou-lhe, mas como “água mole em perda dura tanto dá inté que fura”, lá veio o dia em que o chefe ganhou, finalmente, coragem e lhe deu três meses para fazer a mala!

 

Caiu o Carmo e a Trindade!

 

Enlameou de tal forma o nome do autarca que dificilmente a reeleição seria um cenário possível. Mas o povo não é burro, pese embora muitas vezes o fingir!

 

A verdade é que quando ela soube que a responsabilidade do seu despedimento se deveu à insistência do secretário da Junta, não esteve com meias medidas, esperou que a aldeia fosse visitada por uma família cigana que vagueava de terra em terra e que tinha muito má fama, para encomendar um determinado serviço ao patriarca Jimenez. A troco de quinhentos marréis, por vingança, deveria partir os cornos ao Zebedeu na primeira esquina onde o encontrasse.

 

Pagou e aguardou pelo serviço.

 

Num domingo de invernia, jogava-se à lerpa na taberna do Milhais.

 

Numa das mesas estava Zebedeu e alguns amigos tentando esfolar os de Vale do Galo.

 

Páginas tantas, entrou o Jimenez acompanhado de dois farsolas, autênticos príncipes da navalha.

 

Ninguém previa que o copo de tinto que o Jimenez pediu ao taberneiro, servisse de mote à zaragata que se seguira. O cigano passou perto da mesa de Zebedeu, com o copo em riste e, como quem não quer a coisa, tocou-lhe, propositadamente, de raspão no braço para que o vinho se vertesse.

 

Tornou-lhe as culpas.

 

Após pequena discussão o pai dos ciganos pregou-lhe duas solhas no focinho. O Zebedeu, que não era para cantigas, ripostou. Os ciganos vieram em socorro do patriarca e armou-se tamanha zaragata que se não fosse a desproporção de forças tinha sido um caso sério. Os paisanos dominaram os gitanos com relativa facilidade e mais do que isso, obrigaram-nos a falar.

 

O Jimenez, apertado dos coletes, lá pôs a boca no trombone e contou tudo.

 

Ora, como as tascas na altura tinham o mesmo efeito que têm hoje as redes sociais na divulgação das notícias, o incidente fez cair a Xaragona em desgraça.

 

Doravante era desprezada por todos.

 

Caiu em tal desespero que teve de se ausentar para parte incerta sem que mais se lhe soubesse do paradouro.

 

O Presidente foi reeleito e a aldeia passou a viver na paz do senhor.

 

Xaragões agora, só mesmo os das camas de ferro forjado dos fregueses!

 

Gil Santos

 

 

 

26
Out18

Discursos Sobre a Cidade

GIL

 

O PADRE SALGADO

 

Por entre as envergonhadas flores do tojo bravo coava-se um sol arrepiado de uma fria tarde de março. O carvalho negral preparava os seus primeiros rebentos. Do chão, ainda curtido pelos gelos do inverno, rompiam os primeiros fachos de erva tenra. O ar, apesar de gelado, respirava-se límpido. Os dias estavam a crescer e não tardava por aí o cuco a anunciar a metamorfose primaveril.

 

O Zé Pimpão era pastor. Fez-se à vida mal aguentou a sacola da merenda às costas. Teria uns cinco anos, não mais. Conhecia cada rês pelo seu nome. As touças não tinham segredos nem fronteiras. Na arte do pastoreio não havia pai. As cabras entendiam-no espantosamente. Deus me perdoe, mas até parece que o Pimpão foi cabra numa outra vida! O rebanho assemelhava-se a um exército às ordens de um implacável general! O Zé era fino como azougue, apesar de não conhecer uma letra do tamanho de um comboio. E que mal tinha isso? O monte nada disso exigia, nem as cabras! Não havia pai para o Pimpão nas artes da natureza!

 

O rebanho do Zé Pimpão saía da corte aos primeiros raios da alva. Pastava embalado pelo tilintar das campainhas, nas encostas baldias do ermo. Tinha para lá de cem cabeças. E ainda crescia, uma vez que muitas cabras andavam prenhes e outras já acompanhadas por travessos cabritinhos. Um rebanho desta monta rapava tudo. Quando, por descuido, o Pimpão o deixava entrar nalguma leira de centeio lá tinha o troco: arcar com o prejuízo. Por vezes, permitia que pastasse nas bordas da estrada nacional, onde as valetas criavam a erva mais viçosa. Mas já sabia que corria o risco de uma multa pesada, aplicada pela Guarda do Vidago.

 

Há dias chegou-lhe uma carta, pelo correio. Não se importou em saber o que dizia ou de onde vinha. Guardou-a no bornal. Importante era fartar as cabras, o resto podia esperar! Mais dia, menos dia, haveria de aparecer alguém que lha lesse!

 

O Padre Salgado, homem ilustre e letrado, pároco da freguesia de Santa Leocádia, há mais de vinte anos foi chamado, pelo seu homólogo da Póvoa de Agrações, para cantar o ofício a uma pessoa de posses que falecera. Saiu cedo no seu alazão. Tinha caminho para mais de quatro horas.

 

Cantou o ofício com mais sete abades. Almoçou uma caldeirada de cabrito como gostava. Pagou-se com uma nota de vinte mil réis. Regressou. Seriam umas quatro da tarde quando desceu calmamente um dos contrafortes do lado norte da Serra da Padrela. Passou na Dorna e botou um caneco que a tia Brízida fez questão de lhe oferecer. O presunto recusou-o. Que vinha farto, que tinha apenas sede.

 

Seguiu para Vale do Galo. Um dos lugares mais ermos e pobres da sua freguesia. Meia dúzia de casebres, alguns ainda colmeados, faziam lembrar uma qualquer terra esquecida por Deus. Ora, só o facto de o reitor passar por lá, o que era raro, já era um acontecimento. Os paroquianos, sabendo da notícia, fizeram questão de estar presentes à passagem do representante do Pai. Também eles queriam mostrar que, apesar da pobreza, tinham boa vontade e não o deixariam passar sem lhe molhar o gorgomilo!

 

─ Bote-nos a sua bênção, senhor padre Salgado!

 

─ Deus vos abençoe, meus filhos. Então as batatas já estão semeadas? Olhai que está no tempo de as botar!...

 

─ Está quase tudo. A porra é que este ano a estrangeira está muito cara. Mas o que se há-de fazer!... A filha não dá nada. Se não for a batata a encher a barriga dos nossos filhos, o que havia de ser de nós!...

 

─ Tendes razão, meus filhos, mas Deus é pai!

 

─ Bota um copito, senhor padre?

 

─ Bem, já que teimais!... Botai pouco, botai pouco!

 

Apesar de puxar um cibito ao vinagre o padre não se fez rogado e nem deu parte de fraco. Não lhe passaria pela cabeça recusar. Seria uma grave ofensa para o seu rebanho. Tinha de fazer o sacrifício. Que fosse pelo perdão dos pecados, pensava enquanto se despedia.

 

Fez-se ao caminho para Adães. Ainda não tinha chegado a meio e já vinha o Zé Pimpão esbaforido ao seu encontro.

 

─ Ó senhor padre Salgado, vossemecê sabe ler?

 

─ Boa tarde! Então que se passa, rapaz, para nem dares as boas horas? Parece que viste lobo! Ele que há?!...

 

─ O lobo não me assusta, tenho cagufo é da Guarda do Vidago que me prega cada estopada que até me troce. Os filhos da puta só conhecem os pobres! Olha que aos ricos não os fodem eles! Tenho aqui uma carta que deve ser mais uma talhada! Queria que o senhor padre fizesse o favor de ma ler.

 

─ Deixa lá ver, Zé…

 

O padre, sem se apear do cavalo que aproveitava para remoer uns rebentos de tojo bravo, abriu calmamente o sobrescrito. Leu a carta para si sob o olhar expectante do pastor que não bulia nem tugia. Calmamente meteu a carta no envelope e, com o seu ar bonacheirão, virou-se para o pastor:

 

─ Não te preocupes, rapaz! Desta vez, não tens de pagar nada. É da Câmara a lembrar-te que tens de vacinar os cabritos novos!...

 

O Zé respirou fundo como se o tivessem livrado dum fardo pesado.

 

Porra, ainda bem! Pensei que fosse outra talhada! Muito obrigado, senhor padre. Beba uma pinga da minha lingureta!

 

─ Não quero, rapaz. Não tenho sede, ainda agora bebi em Vale do Galo.

 

─ Ó senhor padre Salgado, não me vai fazer a desfeita de não bober. O vinho é fraco, mas é de boa vontade!

 

─ Bem sei moço, mas não tenho sede.

 

O Pimpão não perdeu tempo. Vendo que não pagava o favor com vinho, abriu as goelas entre as mãos em concha e clamou:

 

Tchezinha!...

 

Demorou pouco até que estivesse ao seu lado uma cabra reluzente e viva. Tinha um úbere repleto que quase tocava no chão e que havia de esvaziar às turras de dois cabritinhos que a esperavam na corte.

 

Então não havia de pagar o favor ao reitor, pensava o Zé Pimpão!...

 

─ Ó senhor padre Salgado, já que se está a fazer fidalgo ao vinho, ao menos mame aqui nesta cabra e não se faça burro!...

 

O padre, sem palavras, esporeou o cavalo e, perdido de riso, fez-se à residência paroquial a galope onde havia de partilhar a história com a governanta que já o esperava com a ceia pronta!

 

Gil Santos

 

 

28
Set18

Discursos Sobre a Cidade

GIL

 

DESGARRADAS

 

As noites do inverno em Trás-os-Montes continuam mais longas do que em qualquer outro sítio.

 

Após o ocaso começa a gear e ainda a hora da ceia vem longe já o carambelo emprenha de diamantes os galhos das árvores e os beirais dos telhados.

 

Uma melancolia álgida acompanha a cria que recolhe lusco-fusco às cortes e o homem-bicho que se esgueira para o conforto do tição.

 

Manja-se do que o outono colocou no celeiro e aguarda-se, pacientemente, que desponte um dia mais ridente do que o que pereceu.

 

O tempo transmontano insiste em correr pachorrento, ao ritmo do crescimento dos buxos dos adros das capelas, apesar da modernidade ir preenchendo os tugúrios com a tecnologia experimentada nos espaços urbanos.

 

Um privilégio cada vez mais raro que importa manter (?).

 

Há anos, não muitos, quando as candeias de azeite alumiavam, mortiçamente, essas noites gélidas, as pessoas consumiam as horas do serão tagarelando à volta de um canhoto de carvalho negral que se consumia, tranquilamente, na lareira dos casebres. Aproveitavam para botar contas à vida, os queixos a um cibo de aguardente, quem na tinha, para lamentar a má sorte ou para contar estórias, algumas delas reinventadas, mas com epílogos quase sempre felizes. Outras vezes juntavam-se na casa do forno, se o nevão o permitisse, consumindo lugares comuns e ausência de novidades.

 

Uma vida triste!

 

Na casa da Ti Joana Caçolina tudo se passava no rame-rame de sempre.

 

O Ti Antero, seu marido, era o chefe da família ia para mais de uma vintena de anos. Dedicava-se à agricultura. Contudo, tinha jeito para a carpintaria e sempre que podia não rejeitava uns magros tostões que lhe pudessem advir desta arte.

 

Tiveram filhos muito tarde.

 

A Ti Caçolina chegou a pensar-se matchorra, não fora ter convencido o marido a acompanhá-la à Misarela na foz do Regavão. Passaram lá uma noite fria, mas valeu a pena. Emprenhou de gémeos aos quarenta anos.

 

O parto não foi muito normal e se não fosse a Tia Cândida a ajudar a dilatar as carnes, ressequidas, da parideira e os gémeos não teriam vencido. Mas venceram e deram dois rapagões de estalo: O Delmino e o Delfim.

 

O primeiro, aos doze anos, já se gabava de fazer a barba, embora reconhecesse que raramente precisava de afiar a navalha!

O Delfim, com a mesma idade, já pintava!

 

Não sendo uma família abonada, nem tão pouco remediada, também não se podia dizer que fosse pobrezinha. Vivia do que a terra dava e, não sendo muito, sempre se compunha a mesa com a carpintaria que ajudava a controlar os calotes na mercearia do Magalhães.

 

Os rapazes eram dados às artes musicais.

 

De latas faziam bombos, da casca das varas de castanho flautas, das bancas de tripé concertinas e passavam as noites a oferecer grandes concertos.

 

Umas vezes cantavam à desgarrada, imitando os cantadores que observavam pelas romarias, com improvisos bem conseguidos, para gáudio da família, outras remedavam os cantores da moda, que ouviam no rádio da taberna.

 

Era uma alegria na casa da Ti Joana!

 

Uma noite, de inspiração desusada, os rapazes ajustaram, de aposta, um cartar ao desafio. Seria vencido o que primeiro perdesse a rima.

 

Quadra dum lado, resposta do outro, e a coisa foi-se amanhando, com tal sucesso que o Ti Antero soltava estridentes gargalhadas entre dois golos de maduro tinto, do de Cobaladrão, que aquecia ao borralho, na pitxorra preta de Nantes.

 

Entrementes, o Delmino, em resposta a um atrevimento do gémeo, botou a rima seguinte:

 

Boa noite meus senhores

No fundo d’um alguidar meu

O meu pai é serrador

Serrou os cornos ao teu!

 

Não havia ainda terminado e já a Caçolina, sua mãe, puxara a culatra atrás pespegando tamanho bofetão nas trombas do cantador que lhe afocinhou os queixos na cinza da lareira! O rapaz ficou tão atromelizado que precisou de muitos anos para perceber o que justificara aquela atitude marada de sua mãe!

 

Uma coisa é certa, nunca mais, a partir daí, houve noutro serão cantigas à desgarrada. Pudera, é que a Joana Caçolina tinha imenso empenho na sua fidelidade matrimonial!..

 

O Ti Antero inchou de empáfia por ter sido considerado, simultaneamente, o protagonista e a vítima.

 

Também ele precisou de muito tempo para perceber aquela atitude inesperada da sua querida esposa!...

 

Gil Santos

 

 

 

27
Jul18

Discursos Sobre a Cidade - Por Gil Santos

GIL

 

RETRATO RASGADO

 

Anacleto Brilhantina era filho da crujidade.

 

Sua progenitora, Raimunda, era mãe solteira. Uma cabaneira pobre que nos Aregos sobrevivia de favores. Pagava com o corpo o pão que manjava. Anacleto foi o fruto desta necessidade.

 

O rapaz cresceu pobrezinho mas limpo. O pouco que houvesse na masseira da cozinha era para o menino. A pobre mãe nunca deixou que lhe faltasse o pão para a ceia. Umas vezes roto, outras remendado, vivia quase só de arroz, de massa e de caldo. Carne, quase sempre gorda e rançosa, só a avezava ao domingo e ralas vezes!

 

Apesar destas e de muitas outras dificuldades, medrou escorreito e aos sete anos foi para a escola. Aprendia tão bem como a abelha a topar as flores de melhor néctar. Era um prodigioso aluno. Com apenas um caco de lousa e um ponteiro fanado, fazia contas de dividir como comboios e quando lhe aplicava a prova dos nove davam sempre certo. Nos ditados raramente dava erros e lia como o padre lê na missa. O mais das vezes papagueava de cor as lições do seu livro de leituras da 3ª, como por exemplo Vozes dos animais:

 

           Palram pega e papagaio

           E cacareja a galinha,

          Os ternos pombos arrulham,

          Geme a rola inocentinha

          (…)

 

Era um prodígio que fazia ver aos demais. Claro está que muitas e muitas vezes teve de vencer a cruel discriminação de seus pares, por não ter pai, andar remendado nos fundilhos, usar botas de boca aberta e comer pão seco à merenda. Mas que lhe importava isso se a professora Carminda o compensava com mimos na sala de aula e a mãe em casa? As visitas esporádicas do pai, apenas nas noites de lua cheia, também o compensavam com promessas, sempre adiadas, de se juntar à sua mãe e com cinco tostões para rebuçados.

 

A mãe Raimunda tinha um orgulho incomensurável na criatura que pariu e não era para menos! Quando taramelava com as comadres, o rebento era quase sempre o mote da conversa e não se cansava de o pôr nos cornos da lua. Toda a gente os sabia pobres, porém, ela achava-se rica. De facto era-o, e muito mais do que alguns cheios de dinheiro!

 

— Ó comadre Jacinta, olhe que o meu Cletinho é muito gerigoto e tem tudo: tem pombinha, tem rua para brincar, tem pardais no telhado, tem sapatos de ir à missa, tem paz, tem liberdade e olhe que até tem banquinha de carpinteiro!

 

E não é que tinha mesmo!

 

O moço mostrava um jeito raro para trabalhar a madeira e, aos poucos, foi construindo a sua pequena oficina a um canto do pardieiro onde não faltava a tal banquinha de carpinteiro. As ferramentas embora escassas e rudes faziam autênticas maravilhas, manuseadas pela mão do artista. Era um regalo apreciar os seus trabalhos de artesão. Fabricava miniaturas de alfaias agrícolas e outros arcanhos que tais, à escala e com uma incrível perfeição.

 

— Há-de de ser carpinteiro, mas um carpinteiro de estalo! — dizia orgulhosa sua mãe.

 

Assim foi.

 

Mal largou a escola, após o exame da terceira, empregou-se na oficina do marceneiro Pangaio, um mestre artífice de nomeada. Com ele aprendeu os segredos do ofício e tão bem, que não demorou a corrigir o próprio mestre!

 

Pelos dezanove anos foi às sortes e ficou livre de todo o serviço militar por ter amputada a falangeta do indicador da mão direita. Perdeu-a num acidente infeliz quando se deixou entalar por um barrote de castanho que resvalou, enquanto o mestre Pangaio se preparava para o serrar.

 

Apesar de ganhar pouco dinheiro naquele ofício, sempre dava para viver desafogado com sua mãe. Contudo, ambicioso, rapidamente percebeu que tinha potencial para ir muito além das limitadas fronteiras da Veiga. Abriria as asas ao mundo e voaria por essas terras longínquas vendendo o seu talento a quem lho soubesse pagar.

 

Emigraria para França onde alguns amigos lhe prometeram apoio.

 

Para vencer os Pirinéus teria de ser a salto, por ser impossível ajeitar as autorizações necessárias. Para isso recorreu aos serviços do nosso já conhecido Neves, o Passador.

 

Procurou o guerreiro no Grande Hotel de Chaves onde se dava amiúde a prolongados descansos. Encontrou-o. Combinaram o preço — uma exorbitância de cinquenta contos de reis — e o resto dos pormenores. Marcaram a noite da partida e a forma do pagamento. Anacleto deixaria a cidade daí a um mês e pagaria vinte e cinco notas de mil no dia da partida em dobrando a raia. O restante seria pago por sua mãe contra a apresentação do retrato rasgado.

 

retrato rasgado.jpg

 

Rasgava-se um retrato, metade ficava com alguém da confiança do emigrante no lugar de partida, a outra seguia com o clandestino que se comprometia a devolvê-la ao Passador, logo que chegasse em segurança ao destino negociado. Após o confronto das metades e ajustando-as na perfeição, seria pago o resto do acordado. Esta prática, estranha e original, tornou-se muito comum, depois de alguns passadores menos escrupulosos enganarem os desgraçados emigrantes lerpando-lhes o dinheirinho e deixando-os pelo caminho.

 

Poucos dias antes da data marcada, o Anacleto botou fato de ir à missa, penteou os caracóis, untou-os com um cibo de brilhantina para que luzissem e foi à Foto Águia tirar o retrato. Era a primeira vez na vida que se outrava num cibito de papel, portanto, aquele era mesmo um dia especial. Encomendou dois retratos de meio corpo. Estariam prontos em quatro dias. Que fosse por eles. Lá foi.

 

Ficou bem… um autêntico fidalgo!

 

Comprou um passepartout no Mocho, colocou lá um dos retratos e ofereceu-o à mãe para que o colocasse sobre a cómoda do quarto de dormir para matar as saudades. O outro rasgou-o a meio e entregou-lhe uma das metades juntamente com vinte e cinco notas de conto. Recomendou-lhe, vivamente, que entregasse o dinheiro somente a quem lhe trouxesse a outra metade. Comprou uma mala de cartão, meou-a com os parcos haveres que possuía e na noite marcada, ala que se faz tarde. Deixou a extremosa mãe em pranto e fez-se à estrada.

 

A natureza prendou a despedida com uma das infindáveis zerbadas de Novembro. Encontrou-se com o Neves no Tabolado onde uma carrinha fechada acolhia já cinco ou seis parceiros de viagem. Partiram a caminho de Vila Verde pela estrada de Outeiro Seco. Pararam junto da igreja da Senhora da Azinheira para dali seguirem, a pé, até à raia. Não puderam dobrá-la naquela noite porque receberam a informação de que os carabineiros controlavam o carreirão que levava a Feces de Abajo. Pernoitaram no termo da aldeia, num palheiro, onde também passaram todo o dia. Na noite seguinte, os guardas espanhóis ainda patrulhavam a área, pelo que o Neves decidiu conduzi-los até Lama d’Arcos, onde seria mais fácil atravessar o ribeiro que se esperava desimpedido. Para lá chegar teriam de atravessar o Tâmega. Por acaso o caudal estava manso. Venceram-no com a água pelos peitos. Ficaram ensopados. Apesar disso lá chegaram à outra aldeia raiana e ao ribeiro que faz fronteira com a Galiza. Do outro lado, esperava-os um galelo que os conduziu até à povoação espanhola. Aí se enxugaram aguardando que a noite encobrisse a continuação da saga. Antes de atravessarem o ribeiro, cada um deles fez contas com o Neves pagando a primeira tranche do valor acordado.

 

Na noite seguinte, esperava-os um camião cisterna de transporte de vinho. O camião tinha um depósito de aço tripartido. Duas partes estavam repletas de néctar de Tamaguelos, o do meio vazio, para acolher os desgraçados.

 

— Oh… que viagem excomungada de três dias até aos Pirenéus! Enquanto foi possível viajar com a portinhola aberta, ainda vá que não vá. Agora quando por razões de segurança e sobretudo quando se atravessavam lugares, tinha de ser fechada, cuidámos de morrer abafadinhos. Uma das vezes, perto de França, demoraram mais um bocado a abri-la e dois dos seis companheiros desmaiaram com falta de ar. Foi o cabo dos trabalhos para os retornar à vida — contava o Anacleto mais tarde.

 

Mas, por obra e graça do divino Espírito Santo, lá chegaram pelo final de uma tarde à fronteira francesa. Passaram com facilidade e, recolhidos por um francês de bom trato, seguiram de comboio de Hendaia até Paris.

 

Desembarcaram na gare de Austerlitz. O Anacleto era esperado por um amigo que o levou até ao conhecido bidonville de Champigny-sur-Marne, onde chegaram a viver na clandestinidade e em condições de grande miséria, mais de quinze mil emigrantes portugueses.

 

Na primeira oportunidade, enviou a metade do retrato para o Neves e fez-se à vida.

 

Tal foi o sucesso alcançado pela arte de carpintaria que não tardou a construir a sua própria barraca. Passado ano e meio já tinha casa de alvenaria e mandou ir sua mãe.

 

Não enriqueceu, mas amealhou o suficiente para fazer felizes os últimos anos de vida da sua Raimunda.

 

— Abençoados sejam os Passadores, os retratos rasgados e a bendita França. Juntos, fizeram tanto português feliz!

 

Gil Santos

 

 

 

22
Jun18

Discursos Sobre a Cidade - Por Gil Santos e Lara Alves

GIL

 

NOTA PRÉVIA

 

A Lara Alves frequenta o 8º ano no antigo Liceu Fernão de Magalhães e escreveu este texto que achei curioso e merecedor de ser publicado nos “Discursos Sobre a Cidade”.

 

Curioso porque fala, com imaginação, da nossa terra.

 

Merecedor de publicação como incentivo à escrita, um predicado que vai rareando na juventude dos nossos dias.

 

Parabéns!

 

1600-(36577)

 

 

UM ACONTECIMENTO INESPERADO

NO LICEU

 

Para mim, a escola não é, somente, um local de aprendizagem, é muito mais do que isso. Na minha opinião, a escola é o lugar onde conhecemos os amigos que nos vão acompanhar neste percurso de descobertas que é a vida.

 

Eu não sou exceção.

 

No Liceu, conheci duas grandes amigas: a Diana, paciente, meiga e generosa; e a Catarina, alegre, simpática e bondosa. Comigo participarão nesta estória!

 

Era um dia de chuva quando se deu o inesperado.

 

Estávamos na sala de aula realizando uns exercícios do caderno de atividades, quando sentimos o chão a tremer e ouvimos gritos. Os meus colegas ficaram apavorados, mas a nossa professora tentou encaminhar a turma para a saída. Enquanto tentávamos, apressadamente, sair do edifício, o telemóvel da Catarina caiu-lhe do bolso e escorregou para debaixo dos cacifos. Eu apercebi-me e tentei recolhê-lo. Porém, quando me agachei e estendi o braço para apanhar o telemóvel, senti uma força misteriosa a puxar-me para dentro de uma fenda que o tremor de terra abrira no chão. A Diana, a Catarina e a professora apercebendo-se da minha aflição agarraram-me pelas pernas. Todavia, a sua força não foi suficiente e acabámos por ser todas engolidas por aquele buraco.

 

Não se via um palmo à frente do nariz e eu só senti o rabo a aterrar numa plataforma fria e húmida, por onde escorreguei por largo tempo. Não tinha a certeza se viria alguém atrás de mim, dado que não ouvia um único ruído.

 

Aterrei!

 

Finalmente tinha chegado ao fim daquele túnel. Levantei-me e, aos apalpões, encontrei o meu telemóvel e liguei a lanterna. Não sabia exatamente onde estava. Soube, no entanto, que não estaria sozinha pois ouvi gritos. Olhei para trás e vi a Diana e a Catarina a aterrarem de cabeça uma em cima da outra. Fui ter com elas para as auxiliar e, mesmo às escuras, atónitas conseguiram pôr-se de pé.

 

– O que é que aconteceu? Onde estamos? – questionou a Diana com as lágrimas nos olhos.

 

Eu fui ao pé dela e tentei acalmá-la, enquanto a Catarina, que não estava muito mais calma, andava de um lado para o outro a avaliar o espaço. Entreguei-lhe o telemóvel, ela ficou muito contente e agradeceu-me imenso.

 

De repente, ouvimos uma voz familiar pronunciando os nossos nomes. Respondemos, pois pensávamos que era a professora.

 

Era ela de facto!

 

Tinha os cabelos desgrenhados e tremia de aflição.

 

– Estão bem, meninas? Vou acender o isqueiro para nos vermos melhor.

 

– Não é necessário, professora. A Catarina e a Diana podem acender, como eu, as lanternas dos seus telemóveis.

 

As minhas amigas fizeram o que lhes foi pedido. Conseguimos ver que estávamos dentro de uma enorme rede de tenebrosos túneis.

 

– Eu já tinha ouvido falar dos túneis por baixo Liceu de Chaves que as freiras do convento utilizavam às escondidas – disse a professora – Mas pensei que era uma lenda!

 

– O meu pai também já me tinha contado isso e até me tinha garantido que todos os túneis iam dar aos claustros. – Afirmou a Diana.

 

Durante alguns segundos ficámos paradas a pensar...

 

Depois de pormos o cérebro a funcionar, eu afiancei:

 

– Nós estávamos na sala 22 e, quando o telemóvel da Catarina caiu ao chão, já tínhamos passado a porta com a placa 21...

 

– Por isso, devemos estar por baixo da sala 20... – Interrompeu a Catarina.

 

– Logo, temos de andar naquela direção – insistindo a Diana gesticulando.

 

A professora concluiu:

 

– Bem pensado, meninas! Temos de nos dirigir para norte!

 

Pegámos nas trouxas, ou seja, nos nossos pertences e seguimos por um túnel estreito que calculámos que nos levasse aos claustros do antigo convento.

 

Enquanto vivíamos esta aventura, os nossos colegas de turma estavam no Largo das Freiras, naturalmente aflitos.

 

– Onde é que elas estarão? – Interrogou um.

 

– Será que estão bem? – Questionava outro.

 

– Claro que estão bem, elas são fortes! – Assegurava uma outra colega.

 

– Fortes!? As três juntas nem sequer têm a força de uma carriça – comentou outro rapaz.

 

– Pergunto-me se tu consegues parar de ser burro por um minuto que seja!?

 

Bem, voltemos à lavra principal.

 

– Ó Lara! Tu tens a certeza de que estamos a ir no caminho certo? – Perguntou a Diana.

 

– Tem calma e segue o meu instinto... – Disse eu.

 

– Se contarmos com a ajuda do teu instinto estamos bem cosidas! – Revelaram as duas em uníssono!

 

Rimo-nos todas (até a professora) e continuámos a andar...

 

Passados alguns minutos, parámos, a aventura fez-nos fome. A sorte foi que eu levava a minha lancheira, a qual leva sempre comida para um regimento, dado que é a minha avó que a prepara!

 

Após termos enchido a blusa, continuámos e, de repente, o nosso túnel bifurcou-se. Tínhamos outro problema. Eu e a Catarina propusemos lançar uma moeda ao ar e, se saísse cara, escolhíamos o túnel da direita, se saísse coroa, o da esquerda. Porém, a Diana e a professora acharam melhor não confiar na sorte.

 

– O problema é que não fazemos a mínima ideia de onde estamos. – Afirmou a Diana.

 

A professora concordou e todas nós ficámos tristes como a noite, por isso, sentámo-nos no chão frio e a Catarina começou a assobiar.

 

Ninguém compreendeu esta atitude, nem sequer ela mesma. O assobio ecoava nos compridos túneis.

 

Isto deu-me uma ideia!

 

Pedi à Catarina que gritasse para dentro de cada um dos túneis e que contássemos o tempo que demorava o eco.

 

– Já compreendi o que queres fazer. É uma boa ideia! – Exclamou a Diana.

 

A Catarina afinou a voz e pediu a uma de nós que se preparasse para contar o tempo. A professora voluntariou-se para isso e a Catarina fez o que era necessário.

 

As medições levaram-nos à conclusão que o túnel da esquerda era mais comprido, pois, no da direita, o eco foi quase instantâneo. Não deveria exceder os 17 metros.

 

– Excelente trabalho de equipa! Penso que o túnel da direita deve ser um beco sem saída, logo, vamos caminhar com cuidado pelo da esquerda. – Aconselhou a professora.

 

E nós, já fartas daquela escuridão, pusemo-nos a caminho...

 

Caminhámos cerca de dez minutos. Após termos atravessado este túnel, fomos encontrar um amplo pátio subterrâneo. Aparentemente, não havia nenhuma saída, porém a Catarina e a Diana encontraram uma porta de madeira não muito grande. Esta porta estava entreaberta, empurrámo-la.

 

– Deste lado existem umas escadas! – Gritou a Diana – Venham ver!

 

A professora aproximou-se, examinou o local com a pouca luz que tínhamos e afirmou:

 

– Eu penso que estas escadas nos conduzirão aos claustros. Mas só há uma maneira de descobrir...

 

Eu à frente, a seguir a Catarina, depois a Diana e no fim a professora subimos as escadas pé ante pé. No cimo, chegámos a um pequeno cubículo de pedra. Já estava quase a ficar sem esperança, quando olhei para cima e vi uma pequena frincha por onde passava a luz solar. Com toda a minha força, empurrei a pedra que não estava bem fixa e fiquei com a cabeça e com os braços no chão dos claustros da escola.

 

Uma após outra, saímos daquele buraco e fomos a correr para a porta principal.

 

Lá fora, estavam os nossos colegas desesperados.

 

Abraçámo-los.

 

De seguida, virando-me para as minhas melhores amigas questionei:

 

– É uma aventura para repetir, não é?

Lara Alves

 

 

Guardar

25
Mai18

Discursos sobre a cidade

GIL

 

 

A ABELHA E O NANO

 

O Nano, Adriano de seu nome próprio, velho amigo, era travesso como um arrôcho. Terror dos pardais novos, passava a vida na candonga e no rapinanço. Fossem as cerejas de Junho, ou as castanhas de Outubro, tudo lhe servia.

 

Aprendi com ele algumas das suas técnicas. Uma delas marcou-me bastante, dada a singularidade e o gosto ímpar que proporcionava. Pelo fim do Verão, aprendi a procurar pedaços de caules secos de silva brava que tivessem o miolo furado numa das pontas. Abertos com jeito, continham umas bolinhas de mel, de cor lilás de um gosto excelentíssimo. Produto do labor de uns pequenos insetos voadores, quiçá da família das abelhas. Um manancial de gosto e prazer. O Nano sabia dos melhores lugares e das pontas de silva que melhor produziam.

 

Acompanhá-lo era uma escola de vida, fosse para o que fosse: fussar à cata de níscaros, topar ninhos de pássaros nobres – melros, rolas ou eivões – ou descobrir luras de coelho bravo. Quem é que o batia?

 

O Nano parecia possuir um sexto sentido, ainda mais apurado do que aquele que caracteriza o sexo feminino na descoberta de inconveniências!..

 

Um dia, ao fim da tarde, meados de Outubro, regressávamos de Adães, da escola do professor Matos, que ficava a uns três quilómetros do Carregal. Não fossem as travessuras que era costume animarem o caminho e seria um degredo calcorrear aquele caminho todos os dias para cima e para baixo, com o sol escaldante da primavera ou o carambelo dos invernos gelados. Nuns dias trilhávamos a estrada principal, noutros caminhos alternativos sempre prometedores de grandes aventuras. Naquele dia, deu-nos para regressar pelo Belão. Era um sítio de carvalhadas, giestais e lameiros, recortados por uma ou outra leira de cultivo.

 

Numa das touças do Belão, tinha o Chico Milheiro cinco colmeias que ajudavam ao sustento da sua pobre casa. Colmeias eram coisas raras naquelas bandas geladas do Brunheiro. Não sei, mesmo hoje, como é que o Milheiro conseguia manter esses laboriosos insetos que são as abelhas. Mas o certo é que produziam um mel de excelente qualidade e de que ainda hoje me lembro pelo sabor único que guardava.

 

Está bom de ver que o regresso por aquele sítio tinha a assinatura do Nano. Para quê? Rapinar uns favos das colmeias do Chico Milheiro.

 

Foi pensado e feito!

 

Seríamos uns cinco: eu próprio, o Nano, o Joja, o Gripino e o Madeu.

 

Combinado, o plano foi posto em prática. Coube-me ficar de vigia juntamente com o Gripino. Ao Nano, ao Joja e ao Madeu cabia a ingrata missão de abrir o cortiço e sacar parte do mel que havia sido deixado na colheita para que servisse de alimento durante o inverno duro que estava prestes a começar. As abelhas, agitadas pelo movimento desusado e decerto adivinhando a intenção dos farsolas, zuniam nervosas e ameaçadores sobre os sargaços e as giestas rasteiras. Porém, operava-se um milagre: o trio conseguiu fanar um favo, carregadinho de mel, e sem uma única ferroada. Ainda hoje estou para saber como foi possível isso acontecer.

 

Todavia, o pior estava para vir!

 

Ao Nano, não sei se pela excitação da vitória se pela força da própria natureza, deu a vontade de mudar a água às azeitonas. Não havendo entre os parceiros o menor pudor, abriu a braguilha, puxou do instrumentico e aliviou-se. Eis senão quando, não sei se por vingança se pelo cheiro amoniacal da excreção, uma abelha espetou, corajosamente, o seu ferrão venenoso na glande do desgraçado.

Ah tormenta das tormentas!... Desgracia das desgracias!...

 

O aço da navalha do Madeu ainda acudiu, mas sem efeito algum. Daí a uma meia hora o aparelho deu de inchar de tal forma que já nem cabia no sítio que as calças de serrobeco lhe reservavam.

 

Um espanto!

 

No fundo até era engraçado! Nunca se tinha visto coisa mais disforme!

 

A mim fazia-me lembrar uma daquelas mocas que os pastores usavam para guardar o gado, evidentemente guardadas as devidas proporções!

 

Eu não sabia se havia de rir ou de me manter, solidariamente, sério e chorar com ele!

 

E agora que fazer?

 

A dor lá a ia suportando, o pior foi quando a bexiga perdeu a capacidade de armazenar as excreções urinárias. O infeliz urrava como lobo emparedado, suava como um camelo, desfazia-se em impropérios.

 

Lá teve que perder a vergonha e recorrer à Tia Cândida, curandeira do sítio, que com umas benzeduras e umas papas de linho conseguiu pôr de novo o aparelho a funcionar devidamente.

 

Contudo, o episódio não lhe serviu de emenda, nem a ele nem a nós, pois voltámos a repetir o feito vezes sem conta!

 

Pudera, por aquele mel valia a pena correr todos os riscos!

 

É claro que nunca mais ninguém se aventurou a pôr ao vento o dito cujo, pelo menos perto das colmeias do Ti Chico Milheiro.

 

Arre!..

 

Gil Santos

 

 

Sobre mim

foto do autor

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

 

 

Olhares de sempre

Links

As minhas páginas e blogs

  •  
  • FOTOGRAFIA

  •  
  • Animação Sociocultural

  •  
  • Cidade de Chaves

  •  
  • De interesse

  •  
  • GALEGOS

  •  
  • Imprensa

  •  
  • Aldeias de Barroso

  •  
  • Páginas e Blogs

    A

    B

    C

    D

    E

    F

    G

    H

    I

    J

    L

    M

    N

    O

    P

    Q

    R

    S

    T

    U

    V

    X

    Z

    capa-livro-p-blog blog-logo

    Comentários recentes

    • Miluem

      Olá Luís,Eu também tenho Facebook, onde vou pouco,...

    • Anónimo

      Nesta casa se não me engano morou a familia Serrob...

    • Anónimo

      Um dia também quero pode dizer"DE REGRESSO À MINHA...

    • Anónimo

      Caro Fernando RibeiroBastante "artística" a aprese...

    • Anónimo

      “HOMENAGEM aos COMBATENTES”(CHAVES, 8 de Julho, 20...