Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

CHAVES

Olhares sobre a cidade de Chaves

Pergaminho dobrado em dois

20.05.18 | Fer.Ribeiro | comentar
  Qualquer bocadito acrescenta, declarou o rato, e fez chichi no mar.  Li, numa das crónicas do António Lobo Antunes, precisamente o que vem no título: “qualquer bocadito acrescenta, declarou o rato, e fez chichi no mar”, retirada de uma frase húngara. Que (...)

Pergaminho dobrado em dois

13.05.18 | Fer.Ribeiro | comentar
 Faz todo o sentido repetir-me Faz todo o sentido repetir-me, aliás peço desculpa a quem já leu esta crónica em outro lado. Preciso deste desabafo. É que as coisas estão sempre a acontecer e a deplorável mente humana é sempre intemporal. Hoje acordei e tive uma (...)

Pergaminho dobrado em dois

06.05.18 | Fer.Ribeiro | comentar
 Que perigos, que mortes lhe destinas Dia 26 a 28 de abril celebrou-se a 3ª edição da Ponte Escrita, em Chaves. Um encontro luso-galaico de escritores que este ano recebeu, – com principal destaque – João Tordo e Ana Margarida de Carvalho. Ou seja, como devem (...)

Pergaminho dobrado em dois

19.04.18 | Fer.Ribeiro | comentar
 Um sopro de longe escrevo-lhe com a mágoa a milpois nada dela quero que viva.faltam-me cerca de dez passos para o precipício(onde a vida acaba e a morte se principia)e se cair talvez nunca mais me vejas.mas note-se que lá de longeuma cor negra,que lá do fundo se (...)

Pergaminho dobrado em dois

05.04.18 | Fer.Ribeiro | comentar
 Ninguém: duas vezes.Se duas pessoas se amam uma à outra, não pode haver final feliz.E.Hemingway      Faltava muito pouco para os ponteiros do relógio baterem as onze e meia, e eu lá estava muito bem sentado numa das mesas de um bar, perto do Largo das Flores que (...)

Pergaminho dobrado em dois

22.03.18 | Fer.Ribeiro | comentar
 CRÓNICA #3 – O meu pai o meu pai. esse homem que continua imerso na profundidade do rio verde em que mergulhou, por vontade própria, eu diria. ele que tocava com cada dedo das suas mãos estreitas e angulares e rugosas pelo piano perdido e velho lá de casa. ele, o (...)

Pergaminho dobrado em dois

08.03.18 | Fer.Ribeiro | comentar
 CRÓNICA #2 – Falemos de coisas interessantes “Hipócrita leitor, meu igual, meu irmão”, era assim que Baudelaire qualificava os seus leitores. Achei interessante o facto de Baudelaire no início da frase diminuir o leitor ao ponto de chama-lo “hipócrita” (...)

Pergaminho dobrado em dois

22.02.18 | Fer.Ribeiro | comentar
  Pergaminho dobrado em dois CRÓNICA #1 – Segue-se as apresentações e a tal empatia.          Parte de mim enche-se de uma repleta ansiedade de poder começar a escrever coisas no mínimo desinteressantes, outra parte não se deixa comover com tal (...)