Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

CHAVES

Olhares sobre o "Reino Maravilhoso"

13
Ago19

Pedradas e Tesouros

1600-(35050)

 

Muitas vezes, inconformados com outras coisas, revoltamo-nos com as coisas da nossa cidade e com a própria, com o que nela não acontece (de bem) ou no que nela acontece (de mal), que deveria ser assim, ou assado, saudades daquilo que já não existe, etc.  e que venha daí um que atire com a primeira pedra se nunca o fez… é muito fácil, e então agora com o Facebook, é só pedradas, contra isto, contra aquilo, etc, coisa e tal, e fazem-no com a mesma facilidade e leviandade como aquela em que esquecem a nossa história milenar e os nosso preciosos tesouros, que poucas cidades do país têm, quer em quantidade, quer em qualidade, e que nós vamos esquecendo e até desprezando.

 

1600-(47129)

 

Poder-vos-ia enunciar aqui todos os nossos tesouros, como a ponte romana, as nossas fortalezas militares (medievais, seiscentistas e até as atuais, os fortes, as muralhas e castelos), as termas romanas e as atuais, todo o nosso centro histórico, as nossas praças monumentais, entre outros, mas também a hospitalidade da nossa gente, a nossa gastronomia, o nosso mundo rural, e por fim, os nossos museus, como o Museu Militar, e um dos que já é considerado dos melhores de Portugal, como é o Museu de Arte Contemporânea  Nadir Afonso, quer pela arquitetura do edifício do Mestre Álvaro Siza Vieira, quer pelo seu conteúdo, mas também um outro que não deixa de poder ser considerado um museu, que é o da arte sacra, quer nos edifícios religiosos que temos, quer na riqueza dos seus interiores e conteúdos, refiro-me às nossa igrejas medievais rurais (Outeiro Seco, Graginha, Santa Leocádia, São Julião, Moreiras, etc), aos nossos santuários (São Caetano, Nossa Senhora da Saúde, Nossa Senhora da Aparecida, Nossa Senhora do Engaranho, etc.) quer pela quantidade de capelas e igrejas um pouco espalhadas por todas as aldeias do concelho, mas também dentro da cidade, com destaque para a Igreja Matriz, da qual hoje deixo imagens, a Igreja de Misericórdia, a Igreja de São João de Deus na Madalena mas também a Igreja de Santa Cruz Trindade,  que se destaca pela sua arquitetura contemporânea e por ser diferente daquilo que é habitual, mas também sem esquecer as nossas capelas da cidade, como a da Stª Cabeça e a de Stª Catarina (exterior e interior), e a capela da Lapa, entre outras. Mas hoje, ficaria só com o destaque para a Igreja Matriz, que para além da sua história ( desde a época medieval até hoje) e destaco-a principalmente pela riqueza do seu interior, um autêntico museu de arte sacra e de uma beleza impar, quer da própria estrutura em pedra (colunas e tetos das capelas), pela riqueza e arte dos vitrais, altares e do seu monumental órgão, etc.. E fico-me por aqui.

 

 

 

 

12
Mar19

Cidade de Chaves - Um olhar sobre um cantinho

1600-(47310)

 

Hoje fica a imagem de um cantinho da nossa cidade que dá pelo nome de Largo Caetano Ferreira, ali onde se entra para a Rua da Ordem Terceira tendo a um lado a Igreja Matriz (Igreja Grande ou de Santa Maria Maior)  e o  Museu de Arte Sacra, e do outro lado da rua,  algum casario abandonado ou em ruinas e ao fundo da rua, o edifício que foi sede da Ordem Terceira dos Franciscanos Leigos que dá origem ao topónimo. Curiosidades deste cantinho/largo, uma, a do próprio Caetano Ferreira que não se sabe bem quem foi a não ser ter vindo do Brasil, ter adquirido algumas casas então ali existentes e tê-las demolido para dar lugar a este pequeno largo, mas segundo consta, era um homem de bem, de grandes virtudes e muito dado a obras de caridade, diz-se ter morrido em cheiro de santidade. A outra curiosidade é a do Museu de Arte Sacra, que pouca arte tem, coitadinho. mas se for por lá enganado, não dê o tempo como perdido, pois no mesmo edifício, no seu interior, ou atravessando o largo, num outro edifício,  tem muita arte sacra com que se deliciar, refiro-me, claro, à Igreja Matriz e à Igreja da Misericórdia, que sem serem museus, têm muita arte, começando pelos próprios edifícios.

 

25
Jun18

De regresso à cidade, com o cão, o gato e a gárgula!

1600-(49669)

 

De regresso à cidade, com o cão, o gato e a gárgula!

 

No regresso à cidade de hoje, vamos voltar uma semana atrás, ao post cujo título era “ De regresso à cidade, com o cão que vai comer o gato!?”

 

Como todas as estórias, esta também começa no início. Então foi assim: Há um semana e pico, já ao fim da tarde, resolvi ir cortar o cabelo, já andava a incomodar e fazer muito calor. Já há uns anos que esta rotina de cortar cabelo é feita na Rua Direita. Cortei o cabelo e já que estava na Rua Direita e naquele dia estava verdadeiramente sem trânsito, motivo de obras, aproveitei para descer a rua e quem sabe tomar umas fotos para o blog.

 

Claro que na descida, na Praça da República, como sempre o vamos fazendo, deitamos um olho às fotografias que estão na porta de entrada das agências funerárias para ver quais os últimos flavienses que partiram. Quase sempre o Esteves sai à porta para o cumprimento, e não é para vender nada, é mesmo um cumprimento antigo e amigo que vamos repetindo desde que fomos vizinhos e desfrutávamos das horas de lazer que a ACREOS nos proporcionava.

 

1600-(49670)

 

O cão e o gato

 

Pois durante os dois dedos de conversa que vamos trocando, os meus olhares de caçador de fotografias não param. Com ouvidos na conversa e olhares no que se vai passando à volta. Estavam os meus olhares entretidos com dois gatos que estavam deitados debaixo de um carro a ver que passava. Ao que parecia, seria lugar habitual para eles verem quem passa, coisa que o Esteves confirmou. Nisto, pachorrentamente um cão vindo do fundo da Rua Direita começa a aproximar-se de nós, mas também dos gatos, pois estes estava à nossa frente. Pensei eu para com os meus botões: — “Agora é que vai ser, vai começar a confusão entre as espécies”. Mas não, o cão já velhote, passou a meio, entre nós e os gatos, um metro e pico para cada lado, sem ligar nenhuma a ninguém. Deu mais três passos com as patas dianteiras, outros tantos com as patas traseiras e zás, deixa-se cair no meio da rua, notoriamente cansado. Pois a estória terminaria aqui e passaria já àquilo que vos quero trazer hoje, mas o raio de um dos gatos resolveu aproximar-se do cão. — “Provocador!” pensei eu, e quando o gato está a dois palmos do cão, este abre bem os seus queixos e foi aí que eu pensei que ele ia comer o gato, mas para espanto meu, ele só estava a bocejar enquanto que o gato lhe dá uma volta completa roçando-se nele, o cão, que se manteve serenamente a gozar do seu descanso. O Esteves dando conta do meu espanto, disse-me: “São amigos!” …

 

1600-(49671)

 

A gárgula

 

Desviei o olhar e lancei-o para o telhado da Igreja Matriz, mais propriamente para aquela obra de arte em que termina no lanternim da Capela do Santíssimo, mas o que me intrigava mesmo era um espécie de figura esculpida que me parecia avistar, parecia-me uma gárgula, mas veio-me à memória que tinha lido em algum lado que a Matriz tinha duas gárgulas, e pensava eu que seriam as duas que se avistam no seu alçado posterior…

 

1600-(49666)

 

mas ao que parece há mais. Ao aproximar-me da matriz para recolher uma foto dessa figura, verifiquei que se tratava mesmo de uma gárgula que eu até então nunca tinha visto, ou aliás, que vi centenas de vezes sem nunca a ver. Fica a foto possível, pois na altura não tinha objetiva na máquina para chegar lá como deve ser.

 

1600-(49675)

 

Fiquei (comigo mesmo)  de passar mais tarde, uns dias depois,  para verificar se na cornija do cunhal oposto se repetiam as gárgulas, mas ainda não deu para ir lá. Num próximo regresso à cidade talvez aprofundemos o assunto. Até lá fica a história do cão, do gato amigo e da gárgula.   

 

 

13
Mar18

Esperas

1600-(35114)

 

No largo da misericórdia, aproveitando um pouco de calor do sol de inverno, esperam pelo passar das horas para um dos poucos confortos que lhes restam — alimentar os corpos, pois as almas já não há quem lhas conforte. Preferem o silêncio, mas se tiverem quem os oiça, eles falam, contam as suas estórias de vida, estórias que às vezes nos fazem ficar pequeninos, reduzidos à nossa insignificância. Tivessem eles nascido noutro berço e em vez de estórias, teriam história para contar.    

 

24
Dez17

Bom Natal

1600-bom natal-17

 

Desde esta linda cidade de Chaves, pelo Tâmega beijada e aqui pra trás dos montes plantada, ficam os votos de um Bom Natal para todos os amigos, acompanhantes deste blog,  e todos os colaboradores sem os quais este blog não seria possível.

 

Quanto ao postal, claro, teria de ser da nossa cidade e da nossa Igreja Grande, ou se preferirem da nossa Igrela Matriz ou ainda de Stª Maria Maior.

 

Um Bom NATAL para todos! 

 

Sobre mim

foto do autor

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

 

 

Olhares de sempre

Links

As minhas páginas e blogs

  •  
  • FOTOGRAFIA

  •  
  • Animação Sociocultural

  •  
  • Cidade de Chaves

  •  
  • De interesse

  •  
  • GALEGOS

  •  
  • Imprensa

  •  
  • Aldeias de Barroso

  •  
  • Páginas e Blogs

    A

    B

    C

    D

    E

    F

    G

    H

    I

    J

    L

    M

    N

    O

    P

    Q

    R

    S

    T

    U

    V

    X

    Z

    capa-livro-p-blog blog-logo

    Comentários recentes

    • sandra sofia

      O que custa é começar,para acabar,acaba-se a qualq...

    • Anónimo

      Se Chaves fosse justo com os seus e com os amantes...

    • Anónimo

      CHAVES merece.“Ó vós que buscais o mais alto e bel...

    • Fer.Ribeiro

      Meu caro AB, isto também é Barroso, mas tem razão,...

    • Fer.Ribeiro

      Belo mas sofrido, toda a manhã debaixo de chuva e ...