Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

CHAVES

Olhares sobre o "Reino Maravilhoso"

07
Ago18

Simplesmente Madalena...

1600-(46606)

 

Hoje ficamos com um pedacinho da Madalena, fora dos olhares e da visibilidade que as fachadas de primeira linha têm, um recantinho bucólico q.b., degrada é certo, aparentemente sem gente dentro, mas nem por isso deixa de ter a sua beleza, só é pena estar assim, sem vida, onde nada acontece.

 

Embora e sem qualquer sombra de dúvidas a Madalena seja um dos nossos locais do centro histórico de Chaves mais interessantes da cidade, embora tenha a sua dinâmica durante o dia, não percebo como à noite recolhe a uma penumbra humana, quando tem tanto para oferecer.

 

Ainda estão na memória de muitos as noites deslumbrantes das verbenas do Jardim Público. Já eram tradição da cidade. Chegava o verão, não era necessária qualquer publicidade, as verbenas lá estavam no dia e hora do costume. Era o pouco que havia na altura, mas já era muito para a Madalena e a cidade entrar em movimento. Pessoalmente, sou da opinião que,  adaptada aos tempos atuais em que não basta a banda no coreto e o conjunto musical ao lado, as verbenas continuam a ser possíveis e podem de novo fazer tradição. Mas talvez este sentir seja apenas saudosismo!

 

 

 

01
Fev18

Chaves, cidade, concelho e região - Uma foto de um dia quente

1600-(43511)

 

Já sei que ainda estamos no inverno, mas mais uns mesitos e temos aí o inferno do verão. A foto de hoje foi tirada num desses dias insuportáveis de verão, com as temperaturas a rondar os 40º, num daqueles dias em que as sombras são procuradas, principalmente pelos mais idosos, não para a assossega ou lazer, mas antes por necessidade. Felizmente Chaves tem alguns destes espaços que fazem a delícia dos dias quentes, mas estão concentrados à beira-rio, pena que nas 4 ou 5 grandes praças que o centro histórico tem, não existam pequenos parques de sombras para o verão, pena também que a nova tendência da arquitetura urbanística dê preferência a largos despidos, feitos mais para serem vistos do que usufruídos pelas pessoas… todos querem fugir do engaço…

 

06
Nov17

De regresso à cidade, com o Outono e o jogo da malha

1600-(48157)

 

Talvez a recordar os dias de sol de há dias, ontem lá se foi saindo de casa ligeirinhos  de roupa, mas o sol que se via de casa era enganador,  e com um pé na rua, depressa dávamos conta que mais um pecinha de roupa dava jeito. Finalmente, já se respiram ares de Outono a condizer com o emarelecer das árvores.

 

1600-(48155)

 

As margens do Tâmega e os jardins Público e Tabolado, vão sendo os locais preferidos para os flavienses fazerem os seus passeios dominicais, mas também diários, mas não só, pois aos domingos, no Jardim público, costuma reunir-se um grupo de homens para jogar o jogo da malha. Fica um pequeno e brevíssimo video com algumas jogadas, feito a partir de umas quantas fotografias.

 

 

É mesmo jogo de homens, pois o peso da malha e as distância do lançamento assim o recomenda, e não é para qualquer um. Os jogadores que hoje aqui aparecem, tanto quanto sei, até são campeões deste jogo. Basta ir por lá e apreciá-los durante uns minutos para ver que é verdade.

 

Até amanhã!  

 

07
Jul17

Sem banda no coreto não há música

1600-(33364)

 

Bem podem esperar sentados que aquilo foi chão, perdão, coreto que já deu música, mas claro, isso foi no tempo em que havia bandas filarmónicas… ou se calha é por outra coisa qualquer. Coitados, chego a ter pena deles. Não haverá por aí uma alma generosa que vá lá dizer aos senhores que a banda não vai aparecer!?

 

 

 

19
Mai17

Cidade de Chaves - Um olhar

1600-(30311)

 

Há pouco ficou mais um “Discurso Sobre a Cidade” de António Souza e Silva com o anúncio do lançamento de mais um livro sobre a Grande Guerra de 1914-1918, comemorativo do Centenário da partida do 1º Batalhão do RI 19 de Chaves para a Flandres, França.

 

Agora fica um olhar sobre o Jardim Público,  na Madalena, um dos muitos olhares que aquele centenário jardim nos tem para oferecer.

 

Mais logo, às 13H00 em ponto fica “ O Factor Humano” com o quinto conto dos 10 contos de reis, sem notas, de autoria de Manuel Cunha (Pité).

 

Até logo!

 

 

Sobre mim

foto do autor

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

 

 

Olhares de sempre

Links

As minhas páginas e blogs

  •  
  • Aldeias de Barroso

  •  
  • FOTOGRAFIA

  •  
  • Animação Sociocultural

  •  
  • Cidade de Chaves

  •  
  • De interesse

  •  
  • GALEGOS

  •  
  • Imprensa

  •  
  • Páginas e Blogs

    A

    B

    C

    D

    E

    F

    G

    H

    I

    J

    L

    M

    N

    O

    P

    Q

    R

    S

    T

    U

    V

    X

    Z

    capa-livro-p-blog blog-logo

    Comentários recentes

    • JM Naturopatia

      Fantástico trabalho de recolha e divulgação de um ...

    • Anónimo

      gostaria muito de um dia poder conhecer. meu pai v...

    • Anónimo

      Não me admiraria se esta fotografia fosse «roubada...

    • Anónimo

      Sou alfacinha de gema, mas gosto de vos ler; olham...

    • Joaquim Ferreira

      Tantos anos passados, tantos sonhos por realizar.Q...