Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

CHAVES

Olhares sobre o "Reino Maravilhoso"

16
Jan20

Cidade de Chaves

Nevoeiro triste

1600-(41797)

 

- Nestes dias de inverno e tristes de nevoeiro…

- Dias de inverno e tristes de nevoeiro!? Não! Nós é que podemos ficar tristes nestes dias de nevoeiro.

- Pois, nestes dias de inverno em que ficamos tristes com o nevoeiro, vamos…

- Ficamos!?, Vamos!? Não! Há quem fique triste, mas nem todos, há quem goste. Eu gosto!

- Tá bem. Então, nestes dias de inverno em que fico triste com o nevoeiro…

- Ficas triste com o nevoeiro!? Não será antes, em que o nevoeiro te deixa triste?

- Olha, sabes que mais!? Vái pró…

- !?

 

20
Dez19

Cidade de Chaves com cheias do Tâmega

1600-(51005)

 

Desde 2001, anos das últimas grandes cheias do Tâmega e também ano de tanta desgraça e de má memória de tanta chuva que caiu, que levou à queda da ponte de Entre-os-Rios causando umas dezenas de mortos ou/e, no nosso caso,  a queda do Baluarte do Cavaleiro que, com ela levou as casas em si adossadas. Estava então dizendo que desde 2001 que Chaves não via o Tâmega galgar as suas margem a bom galgar. Pois cheira-me que neste momento da feitura deste post, a julgar pelo que vi no início da noite, o nosso Rio Tâmega já não esteja contido nas suas margens e que pela manhã nos proporcione o espetáculo de ver a fúria das suas águas a inundar as zonas mais baixas da cidade. Pela manhã, quando regressar(-mos) à cidade logo se verá se assim é ou não. Para condizer, deixo uma imagem do tabuleiro da Ponte Romana onde muitos flavienses vão em dias de cheia (eu incluído) para satisfazer a sua curiosidade, tomar umas fotografias e, enfim, viver e testemunhar in loco estes espetáculos da natureza.

 

13
Dez19

Cidade de Chaves

inverno no tâmega e dia das bruxas em montalegre

1600-(45511)

 

Embora ainda estejamos no outono, a imagem já é de inverno que, também tem os seus encantos e, pessoalmente, sem sequer ser uma questão de gostar ou não, e pondo a coisa em termos de contrastes entre inverno e verão, prefiro o inverno, dou-me melhor com ele, principalmente tendo em conta o calor de inferno dos nossos verões. E por falar em inferno, hoje é sexta-feira 13, dia das bruxas em Montalegre.

 

1600-montalegre (1169) -1.jpg

 

Assim, fica também uma foto de Montalegre, já aqui repetente, mas é só para lembrar os desavisados que queiram lá ir, à sexta-feira 13, e como quem te avisa teu amigo é, deixo mais uma – levem agasalho que a noite promete ser fria…

 

 

 

 

06
Nov19

O Outono, as Pontes e o Rio Tâmega

cidade de Chaves

1600-(51185)

 

Eu sei que durante a série dos Santos também deixei por aqui umas pinguinhas de Outono, mas sinceramente não fiquei satisfeito, daí, estar aqui de novo com as cores mágicas de Outono, como o nosso Rio Tâmega e as nossas pontes, pelo menos três, mas também um três em 1 com duas pontes e as poldras. São ao todo 5 momentos deste outono e claro, como trazemos aqui as pontes, iniciámos com uma da Ponte Romana, é a mais velha, por isso a primeira, com uma vénia e todo o respeito.

 

1600-(51063)

1600-(51053)

 

Com estas duas últimas, ponte nova e pedonal, estive tentado a dizer que eram a filha e neta da Ponte Romana, separam-nas 50 anos de idade, que comparando com os quase 2000 anos da Ponte Romana, não é nada, acabam por ser da mesma geração, pelo que ficam muito bem juntas.

 

1600-(51396)

 

Já esta última é um misto de idades e diferentes travessias. Uma 3 em 1. Gostei de as ver juntas, por isso, aqui ficam.

 

1600-(51411)

 

E claro, não resisti a trazer aqui um mimo, um pormenor de uma folha, uma simples folha a espera de chegar a sua vez de cair, mas antes, mostra toda a sua exuberância vestindo-se de vermelho vivo.

 

Até amanhã, possivelmente com mais Outono, mas bem diferente do de hoje. Assim espero!

 

 

 

20
Set19

O Factor Humano

1600-cab-mcunha-pite

 

  As águas e os rios

 

Às vezes a escrita é como a chuva, torna-se escassa e desaparece nos longos estios, aqui e ali, interrompido por catadupas de palavras. Nem sempre essas palavras são as mais adequadas ou a mais necessárias, no entanto podem significar a sobrevivência.

 

Há poucos dias a Inês levou-me a percorrer a Ecovia do Vez, desde os Arcos de Valdevez até Sistelo. O rio Vez corre ainda com alegria nas suas águas límpidas. Nos vinte quilómetros da Ecovia há espaço para tudo, até para a solidão. Há represas, gralheiras, poços fundos onde pudemos banhar-nos. A região do Minho tem uma riqueza de águas, de nascentes, de pequenos ribeiros cheios de rãs verdes. Águas que parecem brotar de um mistério. Nem todo o Portugal tem estas características. A forma de aproveitamento da Ecovia do Vez resulta bem, porque se trata de um rio despoluído. Como é aliás o Tâmega de Verin para montante.

 

1600-nasc-verin (9)

Troço do Rio Tâmega entre a nascente e Verin

Era tão importante que a Eurocidade Chaves-Verin tivesse um projecto sério de identificação dos pontos de poluição do nosso Tâmega, na Galiza e em Portugal, de forma a eliminá-los ou ao menos mitigá-los.

 

Toda a área de laser do Açude merece uma requalificação para poder ser utilizada por todos, sendo para tal necessário, antes de tudo, uma boa qualidade da água.

 

É inquestionável que ao passear de verão pelo nosso Polis, somos afectados pela degradação do leito do rio e das suas águas.

 

Até agora os sucessivos executivos invocaram falta de autonomia para resolverem este problema. Até agora os sucessivos governos e os seus Ministérios do Ambiente nada fizeram.

 

Perdemos já demasiados anos, que dificilmente são recuperáveis.

 

Manuel Cunha (pité)

 

 

10
Set19

Em pleno outono ainda no verão!

1600-(36224)

 

As noites fresquinhas já chegaram e as vindimas estão aí a par da colheita dos últimos frutos. Não é por nada mas meteorologicamente falando desde dia 1 de setembro que estamos no outono, mas para os mais otimistas, o outono dos astros só chega no dia 21, logo a seguir estão aí os Santos, depois o S. Martinho e quando formos a dar conta já é Natal. Assim, há que aproveitar o que resta de verão. Esta de desfrutar do rio Tâmega, é uma das formas, e estou a referir-me às canoas e a essas coisas puxadas a remos, que quanto a banhos, isso, são coisas do passado. Pena que estas canoas não naveguem todos os dias no nosso rio, davam-lhe outro colorido, e pena também que não estejam à disposição de todos… mas sempre nos restam uns passeios à beira rio.

 

Sobre mim

foto do autor

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

 

 

15-anos

Links

As minhas páginas e blogs

  •  
  • FOTOGRAFIA

  •  
  • Animação Sociocultural

  •  
  • Cidade de Chaves

  •  
  • De interesse

  •  
  • GALEGOS

  •  
  • Imprensa

  •  
  • Aldeias de Barroso

  •  
  • Páginas e Blogs

    A

    B

    C

    D

    E

    F

    G

    H

    I

    J

    L

    M

    N

    O

    P

    Q

    R

    S

    T

    U

    V

    X

    Z

    capa-livro-p-blog blog-logo

    Comentários recentes

    • Anónimo

      E com muita emoção que vejo, revejo e volto a ver ...

    • Anónimo

      Li, pela primeira vez, este magnífico texto do Dr....

    • Anónimo

      Ola sou Judeu e vivi em Chaves muito tempoFrequen...

    • Anónimo

      Olá Luís, gostei do que escreveste , em 2050 esper...

    • Anónimo

      Foi por volta de 1977/78,que o moleiro do moinho q...