Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

CHAVES

Olhares sobre a cidade de Chaves

Chaves D´Aurora

22.05.18 | Fer.Ribeiro | comentar
 QUATRO VENTOS. Aqui e acolá, João Reis fez apenas alguns comentários com amigos e fregueses sobre o incidente. O mesmo fez Afonso com os colegas mais chegados, enquanto Alfredo falou disso a todo o Liceu. Mamã e as filhas contavam tudo, tintim por tintim, a eventuais (...)

Chaves D´Aurora

15.05.18 | Fer.Ribeiro | comentar
  NOITE DE ANGÚSTIA. – Ai meu Deus, que tudo se põe a perder! – assim gritou Aurita, dentro de si mesma, em certa noite de muita angústia e perigosas consequências. A princípio, estava tudo bem calmo. Antes de descer ao pomar, como de costume, ela deixou armado (...)

Chaves D´Aurora

08.05.18 | Fer.Ribeiro | comentar
 NOITES DE SUSTO. Uma chuva forte com raios, relâmpagos e trovões pegou certa vez os namorados de surpresa, a certa hora da madrugada, quando os dois mal acabavam de se encontrar. Decerto que não era um temporal repentino. Apenas os jovens, em sua ânsia de paixão, (...)

Chaves D´Aurora

01.05.18 | Fer.Ribeiro | comentar
 OUTROS MOMENTOS. Sabia, também, aguardar e se aproveitar de todas as oportunidades em que ela e Hernando pudessem rever-se. Uma delas era quando Reis e os seus iam à Missa. Aurora, com supostos ares de beata, dizia que ia confessar-se ao padre, ajoelhava-se diante do (...)

Chaves D´Aurora

24.04.18 | Fer.Ribeiro | comentar
 PRIMEIRA NOITE. Seria, para o resto da vida de Aurora, a primeira noite de fortuna ou infortúnios. Apesar de toda a ansiedade, a lhe fazer o coração quase saltar por entre os seios, procurou ter calma e esperar que todos dormissem. A primeira a se entregar aos seus (...)

Chaves D´Aurora

17.04.18 | Fer.Ribeiro | comentar
 BRINCAR COM O FOGO... À meia-noite fizeram subir os fogos-de-artifício, com um grande rasto até ao céu. Momento apropriado para que Aurita e Hernando se aproveitassem do facto de que, finalmente, a eterna vigilância de Reis e de Florinda havia relaxado. Tal vigília (...)

Chaves D´Aurora

10.04.18 | Fer.Ribeiro | comentar
 FOLGUEDOS JOANINOS. Dona Violeta, a mulher de Messias Bacelar, convocou as raparigas a um ritual que, em similitude com a Festa de Brotas, bem se poderia originar de algum antigo costume pagão. Consistia em saltarem as moças por cima da fogueira, para se purificarem e, (...)

Chaves D´Aurora

03.04.18 | Fer.Ribeiro | comentar
 NOITE DE SÃO JOÃO.   Às noites amenas de verão, era frequente dormirem os Bernardes bem mais tarde do que de costume. Nas de sábados, em especial, podiam-se ver de longe, por toda a veiga, as luzes das fogueiras que ardiam diante das casas, onde as famílias (...)

Chaves D´Aurora

27.03.18 | Fer.Ribeiro | comentar
 HOMEM DE AÇO. Havia algo de muito angustiante, a que a brasilita não alcançava perceber. Porque jamais conseguia ver Hernando, nem mesmo raramente, se moravam tão perto um do outro? A verdade é que o rapaz era irregular em muitas coisas, inclusive quanto às horas (...)

Chaves D´Aurora

20.03.18 | Fer.Ribeiro | comentar
 LOBO MAU. A uma tarde modorrenta, com a forte canícula de verão, Lilinha desceu até ao porão da Quinta, passou pelas criadas que dormitavam a sesta e se encaminhou à porta que dava para a rua. Esta se achava entreaberta, talvez para deixar passar algum súbito ar um (...)

Chaves D'Aurora

06.03.18 | Fer.Ribeiro | comentar
 TEATRO. Até que o silêncio se desfez em cacos pela própria Adelaide – Ah, meu Deus! E não é que já estava a passar o motivo, ó Florinda, pelo qual eu vim cá te visitar?! – e entregou, então, alguns convites para os Bernardes assistirem à comemoração do (...)

Chaves D'Aurora

27.02.18 | Fer.Ribeiro | comentar
 AFILHADOS. Uma tarde, com um belo sol de início da primavera, Florinda ouviu algumas gargalhadas à porta. Desceu a escada lateral e logo viu, à frente da quinta, alguém cuja visita lhe trouxe, para já, uma enorme alegria. Há muito tempo não via Adelaide, que (...)

Chaves D'Aurora

20.02.18 | Fer.Ribeiro | comentar
 PULGA DE CINEMA Hortênsia, que sempre dizia – a boa hora ainda não chegou para mim! – ou, a brincar – “Vaso ruim não se quebra” – já estava em plena forma, mas Aurora continuava a sair com a Zefa, para levar até à boa senhora os votos de saúde da Mamã (...)

Chaves D'Aurora

13.02.18 | Fer.Ribeiro | comentar
 NAMORO POSTAL. Maior prova de amor entre Sidónio e Aldenora seriam as cartas que se enviaram um ao outro, pela primeira vez e foram recebidas, quase ao mesmo tempo, pelos respetivos destinatários. Ela, a pedir perdão pelas grosserias, em si deselegantes, tão indignas (...)

Chaves D'Aurora

06.02.18 | Fer.Ribeiro | comentar
 CHEGAS DE BOIS. Alfredo adorava, sobretudo, passear pelas freguesias a cavalo e assistir às festas, jogos e costumes de cada aldeia, como as “chegas de bois”, a que o adolescente costumava assistir, algumas vezes, em companhia de José, um rapaz da mesma idade, (...)