Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

CHAVES

Olhares sobre o "Reino Maravilhoso"

06
Fev22

O Barroso aqui tão perto - Golas

Aldeias de Montalegre

1600-golas (4)

montalegre (549)

 

GOLAS - MONTALEGRE

 

Pensávamos que todas as aldeias do concelho de Montalegre já tinham passado aqui pelo Blog, com o seu post completo, e mais tarde, numa nova ronda, com o seu vídeo resumo, mas afinal faltava uma, que, diga-se a verdade, de início até constava na nossa lista de aldeias a visitar e descobrir, mas que a determinada altura, erradamente, jugámos não ser uma aldeia, mas talvez um bairro de Salto, e daí, não passámos por lá na nossa primeira ronda pelas aldeias do concelho de Montalegre. Refiro-me a Golas, que hoje vai ter aqui o seu post e o seu vídeo com é devido, para agora sim, darmos como concluída a ronda por todas as aldeias de Montalegre..

 

1600-golas (10)

1600-golas (62)

1600-golas (58)

 

A sabedoria do nosso povo, costuma dizer que “Mais vale tarde do que nunca” e se concordamos com este saber, nem por isso deixamos de lamentar por só agora trazer aqui a aldeia de Golas, mas, e sem intensão de servir de desculpa, a culpa não é só nossa, ou melhor, é só nossa, mas existiram factos que nos induziram em erro, e lá está o povo a dizer mais uma vez “Contra factos não há argumentos”, o que me poderia consolar ao haver factos que me dão razão, mas não consola, porque também os á que não ma dão.

 

1600-golas (26)

1600-golas (46)

1600-golas (53)

 

Vamos então tentar esclarecer e compreender as razões das nossas omissões. Ora já o disse aqui vezes sem conta que andei enganado, quase toda uma vida, ao pensar conhecer o Barroso, isto porque conhecia desde a minha infância a Vila de Montalegre e algumas aldeias que calhavam nos itinerários entre Chaves e Montalegre, e digo itinerários porque durante esse período de visitas a Montalegre, houve dois itinerários, o primeiro que se fazia sempre pela N103 até ao Barracão, e mais tarde até S. Vicente, na carreira de Chaves-Braga, e depois destas localidades até Montalegre.

 

1600-golas (54)

1600-golas (51)

1600-golas (23)

 

O segundo itinerário frequente para Montalegre, só a partir de finais dos anos 70 do século passado é que passou a ser conhecido e preferido ao anterior (da E103), aqui já sem recorrer à carreira de Chaves-Braga, que com o tempo até deixo de existir. Pois conhecendo eu muito bem estes dois itinerários, julgava-me conhecedor de todo o Barroso, tanto mais, e ainda, que por algumas vezes calhou ir até Tourém Pitões da Júnias, isto ainda e muito antes de existirem computadores e internet, ou seja, antes de termos toda a informação disponível para fazer descobertas, não só em documentos escritos mas também em cartas geográficas, mapas, fotografia aérea, etc, e foi por aí que recentemente, embora há já mais de um ano ou até dois, pois a pandemia serve de referência, que cheguei à conclusão que Golas era uma aldeia, mas que quis confirmar, in loco, recentemente, em outubro passado (Out.2021), onde inclusive tive acesso a dois dados preciosos que, se dúvidas houvesse, faziam toda a luz sobre a verdade de Golas, ao conhecer a data de fundação da aldeia (1908) e os seus fundadores, o casal Acácio Fernandes e Teresa Fernandes.

 

1600-golas (9)

1600-golas (19)

1600-golas (3)

 

Para não perder o fio à meada, regressemos atrás na escrita, aquando referia os factos que me levaram ao engano, ou seja, para documentar estes meus posts sobre as aldeias do Barroso, vou recorrendo áquilo que existe escrito em documentos e publicações, de preferência as oficiais, pois parte-se do princípio que essas são fidedignas. Assim, para Montalegre tinha como consultas preferidas e obrigatórias a monografia “Montalegre” e a “Toponímia de Barroso”, isto porque abordavam todas as freguesias e aldeias. Pois, mas foram estas publicações fidedignas que contribuíram para o meu engano, pois em nenhuma delas se refere a aldeia de Golas, é como se não existisse. Mas existe.

 

1600-golas (5)

1600-golas (11)

1600-golas (20)

 

Por outro lado, na página oficial da Câmara de Montalegre, no espaço dedicado à Freguesia de Salto,  houve o cuidado de introduzir Golas nos lugares da freguesia, embora fora da ordem alfabética, mas consta lá. O curioso é que o texto que consta nos dados da freguesia de Salto é o mesmo da monografia “Montalegre”, tipo copy-paste, onde em ambos consta “Lugares da Freguesia (20)”, vinte lugares, mas na monografia só são descritos 19 lugares. Estes dois pormenores, um, o de Golas estar fora de ordem na página da CMM e o outro, o de na monografia em vez de 20 lugares só constarem 19 na descrição, faz-me pensar que em ambos houve uma decisão de última hora de ser incluído e excluído na descrição.

 

1600-golas (45)

1600-golas (36)

1600-golas (22)

 

Para rematar este assunto do ser ou não ser aldeia, fiquemos com a definição mais comum de aldeia:

 


Pequena localidade, geralmente com poucos habitantes e de organização mais simples que a de uma vila ou cidade, sem autonomia administrativa; povoação.

 

1600-golas (34)

1600-golas (15)

1600-golas (13)

Claro que talvez fuja um bocadinho ao conceito que esteve na origem da maioria das aldeias e que, Afonso Ribeiro, no seu romance “Aldeia” de 1943,  tão bem descreve ao colocar a aldeia num espaço físico e social onde a um lado estavam os trabalhadores rurais e rendeiros, e dou outro, os senhores da terra.

 

1600-golas (2)

1600-golas (49)

 

E agora sim, vamos até a aldeia de Golas, fundada em 1908 por Acácio Fernandes e Teresa Fernandes, claro que não seria logo como aldeia, mas aí teria o seu início, há pouco mais de 100 anos, sendo assim uma aldeia relativamente recente, o que está espelhado na arquitetura do casario, com um tipo de construção que sai fora daquilo que é o tradicionalmente barrosão. Ao todo são vinte e tal construções, entre as quais alguns armazéns. A julgar pela origem da aldeia e pelas expressões de agradecimento aos fundadores de Golas, a maioria dos seus habitantes serão descendentes dos fundadores, mas isto sou eu a supor.

 

1600- earth 2.jpg

1600-earth 3.jpg

 

Quanto à localização da aldeia, está bem próxima da vila de Salto, da zona mais recente de Salto, e num raio de cerca de 2 km tem as aldeias da Venda Nova, Amiar, Pomar da Rainha e Borralha.

 

Quanto ao nosso trajeto para partir à descoberta de Golas, como sempre a partir da cidade de Chaves, optamos por iniciar pela N103 até Sapiãos, depois Boticas onde apanhamos a R311 em direção a Salto até chegarmos mesmo à entrada de Salto, no cruzamento, onde em vez de irmos em direção ao centro de Salto devemos tomar a direção contrária no sentido de da Venda Nova, onde a umas centenas de metros aparecerá a placa a indicar Golas. Mas ficam os nossos mapas e os da google para melhor localização.

 

golas-web.jpg

1600-google maps.jpg

 

E vai sendo tudo, pois sobre Golas pouco mais há a acrescentar e as imagens que vos deixam documentam bem a sua realidade. Como habitualmente fica o vídeo com todas as imagens do post, que espero que gostem.

Aqui fica:

 

 

 

Agora também pode ver este e outros vídeos no MEO KANAL Nº 895 607

 

Hoje não anunciamos qual a próxima aldeia, porque na realidade já não temos mais aldeias do concelho de Montalegre para trazer aqui, mas mesmo assim, com tempo, ainda vamos ver se nos falhou alguma coisa. Entretanto Montalegre continuará por aqui às sextas-feiras, mas com imagens e posts dedicados à Vila de Montalegre, ou então de temática geral, sem se referir propriamente a uma aldeia.

 

 

09
Abr21

O Barroso aqui tão perto - Póvoa

Aldeias do Barroso - Concelho de Montalegre

1600-povoa (24)-VIDEO

montalegre (549)

 

PÓVOA

Salto - Montalegre

 

Continuando a cumprir a nossa falta para com as aldeias que, aquando dos seus posts neste blog, não tiveram o resumo fotográfico em vídeo, trazemos hoje esse resumo para a aldeia de PÓVOA, freguesia de Salto, concelho de Montalegre.

 

1600-povoa (37)-video

1600-povoa (20)-video

1600-povoa (22)-video

 

Vamos mais uma vez até o Barroso verde já com um cheirinho ao Alto Minho, até à freguesia de Salto e a sua Póvoa.

 

1600-povoa (63)-video

1600-povoa (10)-video

1600-povoa (65)-video

 

Terras verdes também onde D. Nuno Alvarez Pereira cavalgou e diz-se que treinou as suas tropas e onde casou numa aldeia próxima (Reboreda)  com a barrosã Leonor de Alvim,

 

1600-povoa (52)-video

1600-povoa (62)-video

 

Mas hoje estamos aqui pela Póvoa e pelo seu vídeo que não teve aquando do seu post (link no final), aproveitando a ocasião para deixar mais algumas imagens que escaparam à anterior seleção.

 

1600-povoa (47)-video

1600-povoa (60)-video

 

Vamos então ao vídeo com todas as imagens da aldeia de PÓVOA que foram publicadas até hoje neste blog. Vídeo que poderão ver aqui no blog, mas também no You Tube e MeoKanal. Espero que gostem.

 

Aqui fica:

 

 

E também  MEO KANAL  Nº 895 607

 

Post do blog Chaves dedicados à aldeia de PÓVOA:

 

https://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-povoa-1680003

 

 

E quanto a aldeias de Montalegre, despedimo-nos até à próxima sexta-feira em que teremos aqui a aldeia de Rebordelo.

 

 

22
Jan21

O Barroso aqui tão perto - Paredes - Salto

Aldeias do Barroso

1600-paredes (1)-1-VIDEO

montalegre (549)

 

 

PAREDES - SALTO

 

Continuando a cumprir a nossa falta para com as aldeias que, aquando dos seus posts neste blog, não tiveram o resumo fotográfico em vídeo, trazemos hoje esse resumo para a aldeia de Paredes, freguesia de Salto, Montalegre.

 

1600-paredes (69)-video

1600-paredes (27)-video

1600-paredes (20)-video

 

Esta aldeia é uma das Paredes do concelho de Montalegre, mais precisamente da freguesia de Salto. A outra Paredes é do Rio, ou seja, é uma das aldeias implantada na proximidade do rio Cávado, e daí, tal como outras aldeias que lhe são próximas, adotarem o apelido de Rio, ou seja, Paredes do Rio, que será a próxima aldeia a ter aqui o seu vídeo. Mas hoje ficamo-nos pela Paredes, simplesmente Paredes.

 

1600-paredes (5)-video

1600-paredes (68)-video

1600-paredes (45)-video

 

Paredes que tem como aldeia mais próxima Caniçó e a Borralha, onde se localizavam as antigas minas da Borralha e em sentido contrário a sede de freguesia – Salto, todas a menos de 2Km de distância.

 

1600-paredes (16)-video

 

1600-paredes (41)-video

 

1600-paredes (33)-video

 

Paredes que foi para nós uma das aldeias mais agradável de descobrir, não só pela sua beleza e exuberância do verde que a rodeia, mas também pelas pessoas que lá conhecemos e com quem tivemos o prazer de estar e conversar, curiosamente uma aldeia quase sem população, mas onde conseguimos encontrar 3 gerações de uma só família, neto, pai e avó, aos quais mais uma vez agradeço a receção e hospitalidade à boa maneira barrosã. O único lamento que de lá trouxemos foi mesmo e só o de algumas ruinas e o despovoamento da aldeia.

 

1600-paredes (11)-video

1600-paredes (24)-video

1600-paredes (6)-video

 

Curiosa foi a nossa entrada na aldeia, pois o primeiro ser vivo que vimos foi uma vaca a aparecer ao fundo de uma rua, depois outra, depois mais umas tantas que ao nos verem ao longe, pararam e ficaram a olhar para nós, aparentemente com receio ou medo, o que se veio a confirmar, pois segundo o dono, não estavam habituadas a ver outras pessoas estranhas e nós estávamos em pleno largo por onde elas tinham de passar. Mas lá foram vindo e passando, uma a uma, desconfiadas na abordagem à passagem mas após isso, apressavam o passo e lá foram, sozinhas, para o monte mais próximo.

 

1600-paredes (14)-video

1600-paredes (15)-video

1600-paredes (3)-video

 

Mas hoje não estamos aqui para falarmos de Paredes, isso, já o fomos fazendo no post que em tempos lhe dedicámos (com link no final). Hoje é mesmo pelo vídeo, mas também, aproveitando esta ocasião, para deixarmos aqui mais algumas imagens que escaparam às anteriores seleções. Vídeo ao qual passaremos de imediato. Espero que gostem.

Aqui fica:

 

 

Agora também pode ver este e outros vídeos no MEO KANAL Nº 895 607

 

Post do blog Chaves dedicados à aldeia de Paredes, Salto:

https://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-paredes-1448799

 

E quanto a aldeias do Barroso de Montalegre, despedimo-nos até à próxima sexta-feira em que teremos aqui a outra aldeia com o mesmo topónimo, mas do rio – Paredes do Rio.

 

 

 

05
Jan20

O Barroso aqui tão perto - Salto

Montalegre - Barroso (com vídeo)

1600-salto(corva) (2)

 

Vila de Salto 

 

Sinceramente que já estávamos com saudades de ir por terras do Barroso, embora hoje o façamos apenas virtualmente, mas é o suficiente para recordar alguns momentos que por lá fomos passando.

 

1600-salto (67)

 

Pois estamos de regresso aos post completos sobre as localidades do Barroso, ainda no Barroso de Montalegre e no caso de hoje, no Barroso verde de Salto.

 

1600-salto (55)

 

Já que estamos em maré de ser sinceros, posso dizer sem qualquer dúvida, que Salto e toda a sua freguesia, foi o que mais me surpreendeu no que me faltava por descobrir do Barroso, e a surpresa chama-se “verde exuberante” cor com que toda a freguesia é vestida. Basta ver as fotografias de todas as aldeias da freguesia de Salto que passaram por aqui para confirmar como é verdade, e não é apenas na primavera ou verão, é todo o ano. Só por isso, já valeu a pena a descoberta. Mas há muito mais, mas hoje, ficamos só por Salto, sede de freguesia.

 

1600-salto (57)

 

Antes ainda de passarmos ao que encontrámos nas nossas pesquisas sobre a Vila de Salto, e para rematar, ficam as restantes impressões pessoais nesta descoberta. Já sabíamos que a seguir a Montalegre, sede de Concelho, Salto seria a segunda localidade mais importante, pois não seria por mero acaso que passou a ser classificada como vila desde 1995. Uma vila relativamente recente que está bem plasmada naquilo que hoje é, notoriamente com um pequeno núcleo antigo que seria a antiga aldeia de Salto, mas hoje com a maioria do aglomerado da vila ocupada por construções muito mais modernas e recentes, com alguns edifícios públicos e/ou associativos e de habitação coletivas a destacarem-se das restantes construções, maioritariamente constituídas por moradias.

 

1600-salto (31)

 

Pena que a nossa praia sejam mais os núcleos antigos, os centros históricos, centenários, aqueles que estão carregadinhos de história e estórias para contar. Núcleos históricos qua acabaram por ser vítimas da modernidade, muito mais apetecível pelas melhores condições de uso e habitabilidade que oferecem.

 

1600-salto (42)

 

Para finalizar da nossa parte, fica o nosso mapa com o itinerário que recomendamos, com partida da Nacional 103 até Sapiãos, onde abandonamos a 103 e rumamos em direção a Boticas, aí apanhamos a Nacional 311 e se não saímos dela, a 54,3 km (desde Chaves), estamos em Salto.  Atenção à estrada, com bom pavimento e largura aceitável, mas com muita curva e algumas delas meias traiçoeiras. De vagar, pois assim também pode ir apreciando a paisagem e fazer algumas paragens, uma delas, recomendo, é junto à aldeia de Cerdedo, ainda no Concelho de Boticas, aldeia também barrosã que um destes dias também passará por aqui.

 

Fica o nosso mapa:

mapa-tipo-2020.jpg

 

Agora sim, vamos passar ao que os documentos e demais literaturas dizem sobre Salto. Iniciemos pela página oficial da Junta de Freguesia, que tem alguma informação preciosa, aliás se todas fossem como esta, tínhamos metade do nosso trabalho feito (o Link fica no final do post, nas nossas consultas):

 

1600-salto (34)

 

História da Freguesia de Salto

A freguesia de Salto é, quer em área, quer em população, a maior freguesia do concelho. Como espaço habitado e evangelizado, Salto é já referido no Paroquial Suévico como uma das trinta paróquias já existentes, no último terço do século VI e pertencentes à catedral de Braga. Ao longo da sua vida teve muitos momentos de glória, daí a riquíssima história desta freguesia. Enquanto os cruzados do norte da Europa atravessavam o Atlântico e o Mediterrâneo, para combater nos lugares santos, o povo portugalense trepava descalço os caminhos das suas peregrinações que atravessavam a freguesia. De tal modo que D. Afonso Henriques autorizou e apoiou a construção da Albergaria de São Bento das Gavieiras, ao monge Benedito, em 1136. Alguns nobres olharam com cobiça para esse território onde adquiriram casais ou mesmo povoações como Carvalho, Póvoa e Revoreda que eram do fidalgo-trovador D. João Soares Coelho e de suas irmãs. D. Pedro I, o tal que arrancou o coração pelo peito a Pero Coelho (bisneto do referido João Soares Coelho) e pelas costas a Álvaro Gonçalves por terem morto Inês de Castro, também cobiçou Salto. Por isso, depois de uma visita a Santa Senhorinha de Basto, de quem era devoto, cedeu-lhe fartos rendimentos da Igreja de Santa Maria de Salto.

 

1600-salto (65)

 

E continua a pág. da Junta de Freguesia:

O território da freguesia actual 78,6 km2 era ocupado também pela freguesia de Novaíças que incluía vários casais e herdades em diferentes povoações entre- tanto desaparecidas: Pontido, Curros de Mouro, Ulveira, Gulpilheiras, etc. Os grandes mosteiros do norte Refojos, Pombeiro e Bouro – todos levantavam daí grossas rendas. A história desta freguesia dava matéria para dez livros como este. Aqui poderá visitar a antiga casa do Capitão, agora pólo do Ecomuseu de Barroso, onde encontrará uma apresentação dos ofícios tradicionais, do Pisão de Tabuadela e das Minas do Volfrâmio da Borralha.

 

1600-salto (54)

 

Ainda na pág. da Junta de Freguesia:

A Freguesia de Salto com uma área de 78,54 km2 e com uma população presente a rondar as mil e quinhentas almas nas vinte povoações existentes, continua com dinamismo!

(…)

O comércio, sobretudo a restauração, está ativo e a feira semanal ao Domingo, contribui para o desenvolvimento da economia local.

 

1600-salto (64)

 

E continua:

As Associações da terra criam dinâmica e movimento.:

 

O Grupo Desportivo com cinco equipas a competir nos Campeonatos Distritais, movimenta dezenas de atletas.

 

O Lar de Salto acolhe dezenas de idosos e leva o comer a muitos outros. Sendo o maior empregador local.

 

As Associações ligadas à lavoura: Centro de Gestão, Agro-Florestal e de Criadores, apoiam os agricultores e promovem cursos de formação para os mesmos.

 

Os Bombeiros fazem o apoio aos doentes e mantem a floresta protegida.

 

A Banda Filarmónica continua com dinamismo e tem em funcionamento uma Escola de Música.

 

As Associativas da Caça vão trazendo até Salto gente ou para caçar ou para os torneios que promovem.

 

Os Ecomuseus de Salto e das Minas da Borralha, acolhendo visitas e promovendo iniciativas de interesse para os visitantes.

 

A Junta de Freguesia, agora, instalada na Rua Central atende todo o povo da freguesia, com serviços próprios e dos correios.

 

1600-salto (36)

 

E sobre a Igreja Matriz de Salto diz o seguinte:

 

Quem entra em Salto e segue até à zona central da vila, não fica indiferente à imponente imagem eclesial situada no topo da Rua Padre Manuel José Jorge, em paralelo granítico. Trata-se da antiga igreja matriz de salto, talvez o principal ícone desta vila. É um edifício de traça romântica, que foi sofrendo algumas remodelações estruturais ao longo do tempo. Nas paredes Norte e Sul da nave é possível ver troços da perfeição com que pedras foram sobrepostas na construção do edifício. Deslocados para a traseira da igreja, alinhados na bordadura do adro ajardinado e bem tratado, observam-se quatro arcas tumulares cobertas com tampas, presentando todas elas decoração e inscrições. Estes são importantes vestígios da necrópole dos tempos medievais, testemunhadores da antiga pratica de enterrar os paroquianos no adro envolvente da igreja. No interior, as estatuas de Nossa Senhora do Pranto (santa padroeira) e do Beato D. Nuno, o Condestável, que por estas terras terá treinado o seu exercito aquando das batalhas com reino de Castela.

 

1600-salto (62)

 

E sobre o Ecomuseu:

 

Ecomuseu de Barroso - Casa do Capitão

 

Instalado numa antiga casa senhorial, que pertenceu ao Capitão da aldeia, representante da autoridade e do poder, a nível local, este polo do Ecomuseu de Barroso, em Salto, representa algumas das atividades tradicionais mais emblemáticas.

 

1600-salto (52)

 

E continua sobre o Ecomuseu:

Neste espaço foram recolhidas, tratadas e inventariadas mais de mil peças. Estas, doadas pelos habitantes da freguesia, deram origem a um polo etnográfico, que permite uma visita ao que seria uma casa típica barrosã. Os temas tratados são muito variados: a raça barrosã, que é autóctone, as alfaias agrícolas manuais e de tração animal, o ciclo do pão, a cozinha de Barroso, o ciclo da lã e do linho, as minas de volfrâmio da Borralha e D. Nuno Álvares Pereira, Senhor das terras de Barroso. Este local disponibiliza uma ludoteca, uma biblioteca e uma loja de produtos locais.

 

1600-salto (47)

 

Uma vista de olhos pela wikipedia para as festas populares:

 

FESTAS POPULARES

 

A festa Senhora do Pranto

O pároco da freguesia de santa Maria de salto em 1758, o reitor António Alves de Sousa, fornece a sua versão para a origem do nome de salto:” Este dito lugar é assim chamado para a tradição de uma imagem com o titulo Senhora do Pranto, padroeira desta freguesia chamada a “Senhora de Salto” pela dita tradução de que de distancia de quase meio quarto de légua saltara para um sítio em que hoje está, para a lagoa e carvalheira que esta se extingui e é o sítio deste lugar.  A carvalheira secou e a lagoa enxugou de sorte de que no tempo do Estilo e parte do Outono faz a aprazível e de limitável a circunspecto deste lugar de salto”

 

1600-salto (43)

 

E continua:

Perante o fenómeno milagroso persistentemente repetido, da misteriosa mudança de imagem de Senhora, do lugar de Oliveira para o sítio onde seria construída, há mais de mil anos, a igreja velha, o povo devoto achou que se a Senhora dava o “salto” para este lugar era porque desejava que lhe construíssem um espaço de culto ali e por isso foi decidido construir uma capela para acolher a Senhora, nascendo a nova aldeia em seu redor, a qual recebeu o nome de Nossa Senhora de Salto ou Santa Maria de Salto, em honra do “salto da Senhora” de Terras de Oliveira para este novo lugar.

Sendo pacificamente aceite que a etimologia de Salto remete para a designação latina as saltum com o significado “caminho entre os bosques”.

Nossa Senhora do Pranto é comemorado a 15 de Agosto, dia em que a “Senhora” sai em longa e florida procissão.  A 13 de Agosto existe uma outra procissão a Nossa Senhora de Fátima.

Remetendo para 3 dias de grande euforia em Salto.

 

1600-salto (39)

 

Agora quanto à Festa de São Sebastião na wikipedia encontrámos o seguinte:

 

A festa de São Sebastião

No dia 20 de Janeiro, a meio do Inverno, tem lugar a Festa de São Sebastião, numa época considerada como não coincidente com o tempo festivo.

Vinha o Santo em procissão dum único andor presidir à bênção do pão e do vinho que ficava assim diferente do pão normal. Tinha mezinha, podia-se guardar de um ano para o outro que não ganhava bolor.

O bobo comunitário de São Sebastião reconhece as graças concedidas, através do esconjuro de afastamento dos cavaleiros do Apocalipse, sendo as capelas de São Sebastião situadas na entrada dos povos donde sopram os maus ventos ou donde vêm as pragas às culturas. Sabemos que a origem desta fé é muitas vezes secular, atribuída por Leite Vasconcelos a uma grande peste que assolou o país em 1505.

 

1600-salto (38)

 

E continua sobre o São Sebastião:

O medo da fome, da peste e da guerra de que o santo é advogado foi sempre uma espada de Damocles sobre a cabeça do povo, daí a devoção a este servo de Deus.

Em Salto, na “roda” de distribuição gratuita, são ofertados os “mordomos” benzidos, uma porção de pão e um copo de vinho. Os que assistem ao ritual levam para casa um “mordomo” a mais para cada filho, e muitas vezes outro por cada género de animais. A este pão ou carolo atribui-se poder curativo, não ganhando bolor ao longo do ano.

 

1600-salto (48)

 

Festa de São Sebastião que é muito popular em todo o Barroso e que todos os anos leva milhares de pessoas até elas, pois além de Salto, na atrás referida aldeia de Cerdedo também é celebrado e logo ao lado, na aldeia de Couto de Dornelas, talvez a maior de todas a par da de Alturas de Barroso onde também se festeja. Vale a pena ir a todas elas, pois embora sejam no mesmo dia, ficam a uns quilómetros umas das outras e em timings diferentes, todas elas no Barroso, embora as três últimas sejam no concelho de Boticas.

 

1600-salto (8)

 

Ainda na wikipedia:

 

O tempo da quaresma

A quaresma que se seguia este longo período festivo que abarca Dezembro, Janeiro e Fevereiro, impõe silêncio e jejum, com interdição do toque dos sinos, das festas, jogos ou espectáculos. É um período sagrado, centrado nos sermões e preces, cujos 40 dias culminaram na Semana Santa, e em particular na Sexta-Feira e no Domingo de Páscoa- o primeiro Domingo após a primeira Lua Cheia da Primavera.

 

1600-salto (29)

 

O sexto domingo, que dá inicio a semana santa, é chamado “Domingo de Ramos”.

 

Os dois grandes períodos opostos do Inverno e do Verão são assinalados pela matança do porco, a qual se apresenta como uma inauguração caléndarica ritual e psicológica, uma espécie de antecipação do Carnaval. O porco é a despensa do ano, que permite uma grande variedade de preparações

 

16002-salto (74)

 

Passemos agora à Monografia de Montalegre, onde há bastantes referências à Vila de Salto, mas a maior parte já foi abordada, mas há esta primeira que transcrevo que é curiosa e há ainda quem a defenda:

 

“A Questão de Salto” - anos de 1914 a 1916 Entre 1914 e 1916 ocorreu a Célebre Questão de Salto. Foi o caso de um algarvio, eleito pelos eleitores do Minho, chamado Augusto José Vieira decidir agitar os ânimos da boa gente nortenha. Assim, propôs (após a necessária campanha Caciquista no Minho) a anexação da freguesia de Salto ao concelho de Cabeceiras de Basto. A batalha durou três anos mas no fim tudo correu como devia: Salto foi, é e será de Montalegre.

 

1600-salto (69)

 

As características da freguesia:

Salto

Área: 78.6 km³

Densidade Populacional: 23.8 hab/ km²

População Presente: 1853

Orago: Nossa Senhora do Pranto

Pontos Turísticos: Casa da Fonte (Corva); Sepulturas Antrmpomórficas (Seara) Igreja Velha e Arcas Tumulares (Salto); Monte da Maçã; Casas Diversas.

Lugares da Freguesia: Ameal, Amiar, Bagulhão, Beçós, Minas da Borralha, Caniçó, Carvalho, Cerdeira, Corva, Linharelhos, Lodeiro d’Arque, Paredes , Pereira, Pomar de Rainha, Póvoa, Reboreda, Salto, Seara e Tabuadela.

 

1600-salto-paredes (303)

 

E agora é tempo da “Toponímia de Barroso”

 

Salto

Notável e antiquíssimo arcaísmo fonético: do latino Saltu > Salto!

A manutenção do L confirma a velhíssima constituição daquele topónimo que é referido como sede de paróquia suévica no Paroquial de 570. A Diocese Bracarense que se estendia desde Vila do Conde a Bragança e ao Minho tinha apenas trinta paróquias e entre elas Ad Saltum. Chegou a distribuir o seu território por três concelhos conquanto pertencesse sempre à Borba de Barroso. Apesar de regularmente desmembrada ainda atinge um domínio da origem dos oitenta quilómetros quadrados de área onde vigoram vinte agregados populacionais.

 

1600-salto (61)

 

E na Toponímia Alegre, vamos lá aos Escorricha-odres de Salto:

 

(…)

Boa terra era Salto

Se não fora geadeiro

Vem a geada leva tudo:

Não colhe nem um graeiro.

 

Não vou mais ao São Miguel

De dia ou de madrugada

Por mor da ronda de Salto

Apanhamos a traulitada (1)

 

  • (1)– Alude-se às cenas de pancadaria entre trauliteiros e republicanos na monarquia do Norte – 1919.

 

1600-salto (56)

 

E continua:

 

Ó moças da Venda Nova

Apertai esses coletes:

Olhai as moças de Salto,

Parecem uns ramalhetes.

(…)

Venho do Senhor São Bento,

Vou prá Senhora de Salto,

O que eu quero é dinheiro

Raparigas não me falto!

(…)

 

1600-salto (37)

 

E para finalizar o vídeo com todas as imagens aqui publicadas:

 

 

Para ver o vídeo diretamente no YouTube ou partilhar, sirva-se deste link:

 

https://youtu.be/BIf4TEDCBPA

 

1600-salto (68)

 

BIBLIOGRAFIA

BAPTISTA, José Dias, (2006), Montalegre. Montalegre: Município de Montalegre.

BAPTISTA, José Dias, (2014), Toponímia de Barroso. Montalegre: Ecomuseu – Associação de Barroso.

 

WEBGRAFIA

http://www.cm-montalegre.pt/

http://toponimialusitana.blogspot.pt

https://jf-salto.pt/

https://pt.wikipedia.org/wiki/Salto_(Montalegre)

 

Links de interesse

https://www.facebook.com/pages/category/Public-Figure/Vila-de-Salto-10150135785210313/?redirect=false

 

 

 

27
Out19

O Barroso aqui tão perto

Beçós - Vídeo

1600-becos (44)-video.jpg

montalegre (549)

 

Beçós – Salto - Montalegre

 

Continuando a cumprir a nossa falta para com as aldeias que não tiveram o resumo fotográfico em vídeo aquando do seu post, trazemos hoje aqui o vídeo da aldeia de Beçós.

 

 

 

Link para partilha ou ver diretamente no youtube:

https://youtu.be/avCTyxD1LeE

 

Post do blog Chaves dedicado à aldeia de Beçós:

https://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-becos-1574048

 

 

 

 

 

13
Out19

O Barroso aqui tão perto - Bagulhão (vídeo)

1600-video-bagulhao (31).jpg

montalegre (549)

 

 

Bagulhão - Salto - Montalegre

 

Continuando a cumprir a nossa falta para com as aldeias que não tiveram o resumo fotográfico em vídeo aquando do seu post, trazemos hoje aqui o vídeo da aldeia de Bagulhão, freguesia de Salto, concelho de Montalegre do Barroso verde.

 

 

 

Link para partilha ou ver diretamente no youtube:

https://youtu.be/Mfn_kGgIQEo

 

 

Post do blog Chaves dedicado à aldeia de Bagulhão:

https://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-bagulhao-1469670

 

 

 

06
Mai18

O Barroso aqui tão perto - Póvoa

1600-povoa (24)

montalegre (549)

 

Finalmente chegamos à Póvoa, a nossa aldeia de hoje no “Barroso aqui tão perto”, há muito prometida esta abordagem, mas que só hoje calhou em sortes. Abordagem um bocadinho diferente daquelas que costumámos fazer, pois hoje, a bem dizer, este post é feito a meias com o Vítor Bruno, um povoense que fez chegar até nós alguma informação sobre a aldeia e uma preciosa estória que deixaremos mais à frente. Para já vamos à localização e itinerário para chegarmos até esta aldeia do Barroso verde.

 

1600-povoa (67)

 

Aldeia da Póvoa que fica na freguesia de Salto, concelho de Montalegre, já no limite do concelho, do distrito de Vila Real e da província de Trás-os-Montes, ficando apenas a 2.5km do concelho de Cabeceiras de Basto, tantos como a distância à sede de freguesia (Salto) e a 5,5Km do concelho de Vieira do Minho já no Alto Minho. Em termos de distância, a mais curta dentre os itinerários possíveis desde a cidade de Chaves, é de 54.3Km, quase tantos como até a cidade de Braga.

 

1600-povoa (21)

 

Quanto ao itinerário com partida desde a cidade de Chaves, hoje só recomendamos um, embora pelos outros dois do costume (via estrada do S.Caetano/Montalegre ou N103) também se chegue à Póvoa, mas por ambos são aproximadamente mais 20km. Assim recomendamos mesmo apanhar a N311 que liga Boticas a Salto. Claro que para tal teremos que apanhar primeiro a N103 até Sapiãos, aí vira-se para Boticas onde, aí sim, se apanha a N311 em direção a Salto, que se terá de atravessar de uma ponta à outra, mas sempre pela N311. Em Salto o melhor é seguir as placas indicativas que apontem para Reboreda, Tabuadela, Lodeiro de Arque, Carvalho, Beçós, Seara e claro Póvoa. De Salto à Póvoa, tal como já referimos, são apenas 5,5 km, na prática, duas retas e uma curva e está-se lá, a aldeia desenvolve-se ao lado, em paralelo à N311, numa cota mais baixa. Apenas é necessário fazer um ligeiro desvio da estrada principal, desvio esse que depois de atravessar a aldeia, volta a entrar na N311.

 

mapa-povoa.jpg

 

Para além do nosso mapa que fica atrás, sejamos ainda mais precisos quanto à localização, principalmente para aqueles que gostam da exatidão das coordenadas. Pois aqui ficam elas:

41º 36’ 57.50” N

07º 56’ 02.45” O

Altitude: entre os 893 e 921m

 

1600-povoa (2)

 

Quanto à aldeia da Póvoa, estamos na freguesia de Salto, quer isto dizer que estamos em terras altas, mas onde o verde predomina, principalmente de pastagens e outras culturas como o milho, manchas com algum arvoredo autóctone e junto às aldeias algumas árvores de fruto onde a videira também já está presente. Afinal de contas estamos no limite do Barroso já com muitos ares do Minho.

 

1600-povoa (53)

 

Trata-se de uma pequena aldeia que se desenvolve ao longo da estrada nacional, mas apenas de um lado e a uma cota mais baixa. Segundo informações do nosso colaborador neste post (Vitor) “O Lugar é constituído por 11 casas habitadas e conta com 26 habitantes.” Pequena mas agricolamente rica, isto a julgar pelo número e dimensões dos canastros, todos com 3, 4 e 5 módulos, quando na grande maioria os canastros têm apenas dois módulos ou mesmo só um[i].

 

1600-povoa (48)

 

Quanto ao casario, por aqui é maioritariamente em granito amarelo à vista, algum com junta seca e pedra de pequenas dimensões e outro assente com argamassa com pedra de granito cortado e próximo do perpianho, mas sem camadas (fiadas) regulares. Pelo meio algumas intervenções mais recentes, poucas, mas já com alguma idade, talvez anos 70 do séc. passado. Os canastros impõem-se visualmente, descobrimos por lá duas alminhas e, pelo menos, um tanque aparentemente utilizado para rega, com uma curiosa estrutura de condutas em granito e fontanário incluído, uma pequena capela, simples, em perpianho irregular à vista, telhado de duas águas e torre sineira simples sobre cumeeira à face do alçado principal virado para o largo de entrada na aldeia. Estamos numa aldeia portuguesa, com certeza.

 

1600-povoa (1)

 

É em terras da Póvoa que termina o vale de Salto para onde a aldeia lança as suas vistas, vale que aqui estreita, ficando com cerca de 500 metros de largura até se perder nas encostas das montanhas, com abertura para Salto encontrando pelo meio ainda as aldeias de Reboreda e Cerdeira, o que proporciona uma paisagem com vistas dignas de se verem e que se prolongam até à Serra do Gerês onde o azul da serra se começa a confundir com o azul do céu.

 

1600-povoa (55)

 

 Tempo agora de irmos espreitar o que diz a “Toponímia de Barroso”.

 

Póvoa

Vem do nome comum latino POPULA > POBULA > POBUA > PÓVOA.

- 1258  « Revoreda et villa de Popula sunt Johannis Suerii Conelio et sorarum suarum».

Deste topónimo conhece-se apenas a forma latina; julgo que isso se deve ao facto de ter mudado de nome. A Póvoa chamou-se de Fernando Pelegrim, criatura que se ligou pelo matrimónio aos descendentes de Egas Moniz e aos Coelhos e que já estudei na “Linhagem dos Barrosos”, Nas INQ. Aparece “poboacionem”.

 

1600-povoa (45)

 

Sobre o topónimo ainda quero acrescentar mais alguma coisa, mas uma vez que estamos na “Toponímia de Barroso”, vamos ver o que diz a “Toponímia Alegre”:

 

Apelidos de Salto

 

Pomar da Rainha nem pão nem farinha,

Pereira fome lazeira,

Amiar fome de rachar.

Borralha saco de palha,

Linharelhos tripas de coelhos,

Caniçó arca de pó,

Paredes armadores de redes.

Corveirinhos são de Corva

Lagarteiros do Amial

Bagulhão muita água pouco grão,

Lodeiro de Arque

arcas vazias sem pão.

Tontinhos da Póvoa

Sarilhotos do Carvalho

Dobadouras de Beçós

Toucinheiros da Seara

Cavalos de Tabuadela;

Tornadores de água da Reboreda

Demadistas da Cerdeira

Escorricha-odres de Salto.

 

1600-povoa (36)

 

Pois o conteúdo na “Toponímia de Barroso” sobre a Póvoa soube-me a pouco, muito latim, origem da palavra, mas nada sobre o porquê de Póvoa ser Póvoa. Penso que posso mandar mais algumas achas para a fogueira, indo ao significado do termo/topónimo comum “Póvoa”, que  na infopédia aparece assim descrito: “Do português arcaico póvoa, 'terra entregue para ser povoada' (do baixo-latim popula). Aparece na Galiza como Poboa e no resto de Espanha como Puebla ou Pobla. É comum usar-se em compostos como Póvoa da Atalaia, Póvoa do Forno, Póvoa de Santa Iria, etc. Tem os derivados Pova, Povela, Poverais, Povinha, Povoação, Povoada, Povoadura, Póvoas, Povoença, Povoinhas e Povoral.”.  Ou no dicionário Priberam assim: “pó·vo·a (origem controversa) – substantivo feminino - Pequena povoação. = CASAL”. Ou ainda este visto em cacia.pt: “O topónimo Póvoa é derivado do verbo latino popūlare, que significava «encher com pessoas, estabelecer-se, etc.» (LANG, 1974: 211) e aparece no norte da Península Ibérica, sobretudo «em zonas de reconquista relativamente temporã (séculos IX e X)» (op. cit.: 215). É particularmente comum em Portugal, (…). Designa, quase sempre, uma pequena localidade ou casario (ibid).

 

1600-povoa (40)

 

E agora vamos às estórias da aldeia e mais alguns dados, só possíveis com a ajuda do Vítor Bruno que também nos informou a existência de uma página, dedicada à aldeia, no facebook. Fica aqui o link, e de seguida passamos à estória: https://www.facebook.com/PovoaVillage/

 

1600-povoa (26)

 

Uma estória real que deu origem a uns motes engraçados que fizeram para as pessoas de renome da aldeia, foi a seguinte:



- Em dias de Verão uma rapariga de nome Maria Rosa com os seus 14-15 anos ia mudar as vacas da Casa do Barroso dum campo para outro para pernoitarem e deixou a burra atada a uma carvalha perto duma borda, a burra gostava muito das vacas e não queria ali ficar atirou-se pela borda acabando por morrer esganada.

1600-povoa (15)


Sabendo do sucedido, um senhor de nome Francisco da aldeia vizinha Lodeiro d'Arque fez os ditos motes:

 

A Ana do Canas foi às couves à horta, e disse, não posso comer mais carne de burra senão não caibo na porta. 

O Ti Lixandre do Canas por ser o mais habilidoso, foi buscar a pele da burra pra fazer um casaco comprido à patroa do Barroso. 

A Caneda do Barroso disse: eu cá nos vizinhos não me finto, botai cá um bocado de carne de burra pra levar ao Dr. Costa Pinto (advogado). 

O Lázaro por ser o mais bonito, foi buscar o cú da burra pra fazer um assubito. 

O Constantino do Canas estava a fazer meia, mandou trazer os olhos da burra pra lhe servir de candeia. 

O Ti Lixandre do Canas foi logo à carreira, comeu tanta carne de burra, que andou três dias de caganeira. 

A Ti Senhorinha da Portela por ser a mais aproveitada, foi buscar as tripas da burra pra fazer a chouriçada. 

O Ti Manuel do Bento passou e disse bom dia, ofereceram-lhe carne da burra mas a Luisinha num na cria. 

A Glória do Machado assim que soube desatou a chorar, não sabia s'ia à carne ou continuava a costurar. 

A Senhorinha do Canas por ser a mais asada, disse que não comia mais carne porque já estava corada. 

 

1600-povoa (5)

 

Reza a lenda que D. Nuno Álvares Pereira recrutou e levou 12 homens do Lugar da Póvoa consigo para a batalha de Aljubarrota, na qual só um deles retornou, chamado Delgado. 

 

1600-povoa (56)

 

Outra curiosidade, numa região de monte entre a Póvoa e Reboreda chamada de 'Brangadoiro' foi onde D. Nuno reuniu e treinou as suas tropas recrutadas nestas terras, para depois partirem para Aljubarrota.


1600-povoa (59)

 

Uma outra lenda antiga dos Mouros, sobre os castelos da Póvoa (região mais alta do lugar situada na floresta) diziam os antigos que eles se tinham estabelecido e abrigado temporariamente nesse local, abrigando-se debaixo das fendas das rochas. Nessa altura provavelmente ainda não haveria a aldeia e usavam um sítio chamado de 'Cabeço do Toijo' como miradouro para o vale do Lugar da Póvoa que se estende até Salto. 

 

1600-povoa (4)

 

Mesmo sendo a Póvoa uma pequena aldeia, pela certa que fica ainda muito por dizer, mas já fica alguma coisa. Mais uma vez quero agradecer ao Vítor Bruno pelos dados e estória que me enviou, que sem qualquer dúvida enriqueceram o post de hoje. E ficamos por aqui, mas antes ainda deixamos, como sempre, as referências às nossas consultas. Quanto aos links para as anteriores abordagens às aldeias e temas de Barroso, estão na barra lateral deste blog. Se a sua aldeia ou a aldeia que procura não está na listagem, é porque ainda não passou por aqui, mas em breve passará. Mas há mais, as aldeias de Barroso também passaram a estar no menu do topo do blog, onde diz “Barroso”.

 

1600-povoa (3)

 

BIBLIOGRAFIA

 

BAPTISTA, José Dias, Toponímia de Barroso. Montalegre: Ecomuseu – Associação de Barroso, 2014

 

WEBGRAFIA

 

- Póvoa in Dicionário infopédia de Toponímia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2018. [consult. 2018-05-06 21:39:02]. Disponível na Internet: 

https://www.infopedia.pt/dicionarios/toponimia/Póvoa

 

- "póvoa", in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2013,

 https://www.priberam.pt/dlpo/p%C3%B3voa [consultado em 06-05-2018].

 

http://cacia.pt/toponimia/

 

 

 

 

 

[i] Esta dos módulos é uma definição minha, pois nunca a vi descrita por outros, e chamo em módulo a cada espaço com painel ripado de madeira entre pilares de pedra, módulo este que sem medida definida são maioritariamente de medidas semelhantes. Ou seja, um módulo terá um ripado de madeira e dois pilares em granito em cada alçado lateral, um na frente e outro no fim do canastro. Dois módulos são dois conjuntos de ripado e três pilares, 3 módulos são três ripados de madeira e 4 pilares em granito e por aí fora. Os maiores que vi, no Barroso, chegam a ter 8 módulos (há um em Vila da Ponte, por exemplo).

 

 

Guardar

07
Jan18

O Barroso aqui tão perto - Carvalho

1600-carvalho

montalegre (549)

 

Como sempre por aqui, aos domingos, vamos até ao Barroso que está aqui tão perto. Claro que esta ida ao Barroso, aqui no blog, fica-se pelas imagens e algumas palavras que podemos dizer sobre os sítios e localidades que visitámos, não é uma ida real, mas, se como eu conseguirem entrar dentro da imagem, esta pequena viagem virtual pode-se tornar bem real e reviver de novo momentos lá passados. Claro que lhe podem faltar os aromas dos sítios, o sol a bater-nos na pinha, os sons e a aragem a passar-nos nas faces, mas, ao entrarmos na imagem acabamos por descobrir pormenores que in loco, de tão preocupados que estávamos com a composição nos passaram despercebidos, e podem crer que são pormenores preciosos.

 

1600-carvalho (2)

 

Também aqui perante as imagens, a vivência de sensações é bem diferente. Recordo que quando entrei na nossa aldeia de hoje, que dá pelo nome de Carvalho, vínhamos de visitar aldeias que nos impressionaram pela sua beleza, mas também pela receção que tivemos nelas. Refiro-me às aldeias de Reboreda, Tabuadela e Seara. As duas primeiras já passaram por aqui, Seara estará num domingo próximo.

 

1600-carvalho (28)

 

Mas ia eu dizendo que vínhamos de aldeias que nos tinham impressionaram pela positiva, quando entrámos em Carvalho o relógio marcava as 12H30, a barriguinha já pedia qualquer coisinha, mas como queríamos cumprir o itinerário previamente traçado, o almoço ficaria para depois, e para além desta aldeia, antes de almoço ainda estava prevista a aldeia seguinte, Beçós, á qual também fomos. Talvez pela hora, pelo apetite e por ainda termos mais uma aldeia na agenda, a visita a Carvalho previa ser breve, tanto mais que a entrada da aldeia não impressionou com as primeiras vistas, onde não tínhamos uma visão da totalidade da aldeia (a primeira foto com uma vista geral da aldeia só se tornou visível à vinda de Beçós).

 

1600-carvalho (22)

 

E estávamos então nós na entrada da aldeia, sem alma viva por perto, a apreciar com algum espanto a pequena, mas bonita capela. O espanto, porém, não muito, tinha a ver com a localização da capela, implantada no meio da rua, que neste caso até é estrada de acesso a mais uma aldeia. Uma curiosidade engraçada que faz a diferença e torna estas aldeias singulares. Pela certa a sua implantação terá uma história qualquer que tornará a sua localização mais compreensível, mas isso até nem interessa, pois até passa a ser uma referência para a aldeia. E estávamos nesta de apreciação quando de uma pequena e estreita rua ao nosso lado, saía de lá a primeira das duas pessoas que vimos na aldeia. Claro que aproveitamos sempre estes momentos para uma troca de palavras, a querer saber coisas da aldeia, ainda por cima era toda uma personagem, de bigode farfalhudo, chapéu de rede na cabeça que o intenso sol recomendava, casaco e colete, camisa aberta e barba de três dias, parecia uma personagem vestida para um filme de época.

 

1600-carvalho (11)

1600-carvalho (15)

 

Conversámos um bocadinho, e embora simpático, foi-nos dizendo que estava com alguma pressa, tinha consulta marcada no médico em Salto, sede de freguesia, e ainda tinha uma caminhada para fazer. Mas mesmo assim ainda nos deu uns minutos, deu para saber que na aldeia ainda havia 19 pessoas, segundo as suas contas de cabeça feitas ali na hora, e houve tempo ainda para posar para a fotografia. Pena a pressa, pois pela certa tinha estórias interessantes para contar. Mas lá foi, estrada acima em direção a Salto.

 

1600-carvalho (44)

 

1600-carvalho (18)

 

1600-carvalho (19)

 

Ontem, que já tinha as imagens selecionadas e tratadas, ao ver as notícias na televisão com os protestos em Lisboa por causa do fecho de uma estação ou posto dos CTT lá numa rua qualquer, as pessoas protestavam e lamentavam-se por esse encerramento. Uma das pessoas entrevistadas, lamentava porque com esse fecho, o posto mais próximo ficava a 3 quilómetros de distância… Tal como esta, outras notícias se foram sucedendo, como a do frio extremo que nos está a invadir e a abertura dos Centros de Saúde para os engripados. Medos e lamentos dos de Lisboa que vivem numa realidade que não é a nossa e que me levou a pensar naquilo que disse na última aldeia do Barroso que passou aqui, Azevedo, e na ida deste homem ao médico de Salto, ou aliás, a tudo que lhe é necessário, só em Salto, pois estas aldeias para além dos vizinhos nada mais têm. Exceção para o pão, pois o Padaria de Pitões faz um verdadeiro serviço público a estas populações, e dizemos isto porque nos vamos cruzando com ele nas nossas andanças pelo Barroso.

 

1600-carvalho (13)

 

Só faltou dizer que Salto fica a 4,5 km da aldeia de Carvalho, bem perto por sinal para pequenas coisas, pois em caso de uma urgência médica, por exemplo, aí as coisas complicam-se. Penso que o Centro de Saúde com urgências mais próximo é Montalegre a 42 km para coisas mais ligeiras, mas o mais provável é que a coisa não seja ligeira e aí lá vai urgência para o Hospital de Chaves a 80 km, mas se a coisa é mesmo complicada, aí só em Vila Real a 150 km, e há que rezar para que não seja um ataque cardíaco… E estamos a falar da aldeia de Carvalho, pois há aldeias com acessos bem mais complicados e mais distantes. Mas estas coisas não interessam aos de Lisboa, nem às televisões, mesmo em casos de morte por andarem às voltas daqui para ali até chegarem a Vila Real passadas umas horas, isso não interessa, agora se for um aloucado que puxa da caçadeira e mata um familiar, um amigo ou vizinho, aí as televisões vêm logo como vampiros à procura de sangue.

 

1600-carvalho (8)

 

E já não quero falar dos alertas das vagas de frio e de calor, pois esses, a nós que convivemos naturalmente com temperaturas mínimas negativas durante quase todo o outono e inverno e que no verão temos semanas consecutivas com temperaturas máximas a 40º, esses alertas, fazem-nos rir. Claro que em Lisboa, a temperatura desce abaixo dos 10º e já é uma desgraça. Pois é, mas nós já estamos habituados aos 9 meses de inverno e aos 3 de inferno, e pelos vistos não temos frio nem calor, por aqui é tudo normal, qual alertas ou preocupações, qual … como diria o outro: -  siga para a aldeia de Carvalho, Sr. Ramboia!

 

1600-carvalho (50)

 

E voltamos ao Carvalho precisamente com uma imagem daquilo que o povo vai fazendo, e tendo sempre em conta o ditado popular de “mais vale prevenir do que remediar” e é assim, um pouco como a formiga, que aos poucos, durante o verão se vai prevenindo para os invernos que já sabemos serem sempre rigorosos, onde quase toda a vida diária se faz à volta da lareira.

 

1600-carvalho (5)

 

Pois a aldeia de Carvalho, tal como já dissemos, fica no Barroso verde da freguesia de Salto. Para o nosso itinerário para Salto/Carvalho, como sempre a partir de Chaves, optamos pela estrada de Braga (N103) até Sapiãos e depois viramos para Boticas e apanhamos a N311 a partir de Boticas e após 60 Km estamos em Carvalho. Este é um dos itinerários possíveis, o outro, é continuar sempre pela N103 até à Venda Nova e aí viramos para Salto. Mas recomendar, recomendo mesmo o primeiro, tem menos trânsito e vistas mais interessantes, além de serem menos quase 20 Km. Mas fica o nosso mapa para uma vista de olhos.

 

carvalho-mapa.jpg

 

Mas para termos uma localização mais exata, ficam as coordenadas da aldeia e outros dados.

41º 36’ 41.43” N

7º 55’ 24.36” O

Altitude, a aldeia implanta-se entre os 950 e os 1000m. Terras altas mas mesmo assim com pequenos vales entre elevações mais altas. Pequenos vales que como se pode ver em algumas fotografias estão vestidas de verde, maioritariamente das pastagens.

 

1600-carvalho (39)

 

Para sermos ainda mais precisos, basta atravessar Salto e continuar pela N311, seguindo as placas que digam Reboreda e Póvoa, nesta última aldeia (a 3 km de Salto) deixa a N331 e toma uma estrada secundária à esquerda, onde esteja indicado: Carvalho e Beçós.  Do desvio da N331 até Carvalho são menos de 3,5 km. Depois de estar em Carvalho, desfrute da aldeia e no final dê um pulinho à aldeia seguinte, Beçós, que também vale a pena passar por lá.

 

1600-carvalho (38)

 

E vamos agora àquilo que se diz desta aldeia, como por exemplo quanto ao seu topónimo, que com sempre recorremos à “Toponímia de Barroso” onde por acaso pouco ou nada consta para além da evolução da palavra do latim até aos nossos dias:

 

CARVALHO

Do latino CARBACULO > CARBAGULO > CARBAGLO > CARVALHO

 

Merecia mais qualquer coisinha, mas como na “Toponímia de Barroso” nada mais acrescenta, fomos nós à procura de mais achas para a fogueira, e encontrámos umas coisas, curiosamente num blog.

 

1600-carvalho (27)

 

Aqui fica mais qualquer coisa sobre o topónimo Carvalho:

“ Em Toponomástica, "Carvalho" provém da raiz kar-, que para Rostaing (1965) é de origem pré-indo-europeia e significa "rochedo". há topónimos em "Car-" por esta Europa fora que, de facto, se referem a "pedras". é o caso de Carrara (It.), a terra do mármore. este "Car-", ou "Car-b-", está também na origem de topónimos em "Cabr...".
Mas Amaral e Amaral (2000) acham que cara- deriva do antigo europeu e significa "alto", dizendo, por outro lado, que karregg- é celta e significa "pedra".

 

1600-carvalho (32)-1

 

E continua:

"A verdade é que o topónimo "Carvalho" ou "Carbalho" já se escreveu Carbalio, Karualio, Karuallo ou Carualio.
E também é verdade que os "Carvalhos" que eu conheço se colocam, em geral, em ponto alto e dão nome a um ou outro pino pedregoso de importância menor. são parentes do "Caramulo" e da "Carapinha".
Quanto ao celta karregg- , aparece em Carregal, Carregosa, Carregosela e afins, designando locais mais pedregosos do que altos."

 

1600-carvalho (29)

 

E diz mais:


"Machado (2003) aceita que "Carvalho" seja a árvore "carvalho", no que eu não creio, porque, tratando-se de uma estirpe vulgar no tempo em se dava o nome às terras, não tinha relevância que chegasse para tantos topónimos. seria como chamar "Coqueiro" a tantas outras terras no Brasil.
Mas é como a história de "Pinheiro", "Figueira", "Aboboreira", etc, de que já tratei: não dão nome às coisas, absorbem o nome de outras coisas. nem fitónimos são.
A coisa muda de figura se se tratar de mais que um carvalho. um grupo de carvalhos de bom porte já pode ser suficientemente distintivo para dar nome a uma terra. talvez "Carvalheda", que tem conotação colectiva, signifique um "bosque de carvalhos"."


1600-carvalho (41)

 

E remata assim:

"A verdadeira, velha e digna árvore carvalho é outra coisa: era a morada de Bellenos, a manifestação da divindade celta que reunia as características do Apollon dos gregos. que, para Chevalier e Gheerbrant (1969), "sintetiza em si inúmeros opostos que sabe dominar, perfazendo um ideal de sabedoria. realiza o equilíbrio e a harmonia dos desejos sem suprimir as pulsões humanas, orientando-as, antes, para uma espiritualização progressiva, graças ao desenvolvimento da consciência". esse Bellenos pode estar na origem de topónimos como "Beleño" (Esp.) , "Belém" de Lisboa e talvez "Bèlinho" ou Beliño"."

 

1600-carvalho (7)

 

No livro “Montalegre”, para além da referência de Carvalho pertencer à freguesia de Salto, há mais uma que diz (o sublinhado é nosso):

“A freguesia de Salto é, quer em área, quer em população, a maior freguesia do concelho. Como espaço habitado e evangelizado, Salto é já referido no Paroquial Suévico como uma das trinta paróquias já existentes, no último terço do século VI e pertencentes à catedral de Braga. Ao longo da sua vida teve muitos momentos de glória, daí a riquíssima história desta freguesia. Enquanto os cruzados do norte da Europa atravessavam o Atlântico e o Mediterrâneo, para combater nos lugares santos, o povo portugalense trepava descalço os caminhos das suas peregrinações que atravessavam a freguesia. De tal modo que D. Afonso Henriques autorizou e apoiou a construção da Albergaria de São Bento das Gavieiras, ao monge Benedito, em 1136.

Alguns nobres olharam com cobiça para esse território onde adquiriram casais ou mesmo povoações como Carvalho, Póvoa e Revoreda que eram do fidalgo-trovador D. João Soares Coelho e de suas irmãs.”

 

livro-montal.JPG

 

Não resistimos e além das palavras do livro “Montalegre” roubámos também uma fotografia com o cruzeiro de Carvalho, que por acaso não o vimos na nossa visita à aldeia, mas a preciosidade desta foto até nem é o cruzeiro, pois esses vão abundando por aí, a preciosidade está em segundo plano na construção de granito ainda com a cobertura em colmo. Isto sim é uma raridade que era tão comum há umas dezenas de anos. Pena que para memória futura não se tivessem preservado algumas destas coberturas, principalmente nas aldeias mais típicas, tal como acontece (um bom exemplo) na aldeia de Paredes do Rio.

 

1600-carvalho (3)

 

E é tudo, ficamos por aqui. Pela certa mais coisas haveria para dizer sobre esta aldeia, mais não encontrámos mais nada nas nossas pesquisas e sobre a nossa breve passagem por lá, dissemos o possível.

 

Ficam as referências às nossas consultas e os links para anteriores abordagens ao Barroso.

 

Bibliografia

 

BAPTISTA, José Dias, (2006), Montalegre. Montalegre: Município de Montalegre.

BAPTISTA, José Dias, (2014), Toponímia de Barroso. Montalegre: Ecomuseu – Associação de Barroso.

 

Webgrafia

 

http://toponimialusitana.blogspot.pt/2007/02/o-carvalho-um-samelo.html

 

Links para anteriores abordagens ao Barroso:

 

A

A Água - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-a-agua-1371257

Algures no Barroso: http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-1533459

Amial - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-ameal-1484516

Amiar - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-amiar-1395724

Antigo de Sarraquinhos - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-antigo-de-1581701

Arcos - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-arcos-1543113

Azevedo - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-azevedo-1621351

 

B

Bagulhão - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-bagulhao-1469670

Beçós - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-becos-1574048

Bustelo - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-bustelo-1505379

 

C

Cambezes do Rio - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-cambezes-do-1547875

Caniçó - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-canico-1586496

Carvalhais - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-carvalhais-1550943

Castanheira da Chã - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-castanheira-1526991

Cela - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-cela-1602755

Cepeda - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-cepeda-1406958

Cerdeira - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-cerdeira-1576573

Cervos - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-cervos-1473196

Contim - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-contim-1546192

Cortiço - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-1490249

Corva - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-corva-1499531

Covelães - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-covelaes-1607866

 

D

Donões - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-donoes-1446125

 

F

Fervidelas - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-fervidelas-1429294

Fiães do Rio - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-fiaes-do-1432619

Fírvidas - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-firvidas-1466833

Frades do Rio - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-frades-do-1440288

Friães - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-friaes-1594850

 

G

Gralhas - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-gralhas-1374100

Gralhós - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-gralhos-1531210

 

L

Ladrugães - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-ladrugaes-1520004

Lapela   - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-lapela-1435209

Larouco - Um olhar sobre o Larouco - http://chaves.blogs.sapo.pt/2016/06/19/

 

M

Meixedo - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-meixedo-1377262

Meixide - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-meixide-1496229

Mourilhe - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-mourilhe-1589137

 

N

Negrões - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-negroes-1511302

Nogeiró - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-nogueiro-1562925

 

O

O colorido selvagem da primavera http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-o-colorido-1390557

Olhando para e desde o Larouco - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-olhando-1426886

Ormeche - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-ormeche-1540443

 

P

Padornelos - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-padornelos-1381152

Padroso - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-padroso-1384428

Paio Afonso - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-paio-afonso-1451464

Parafita: http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-parafita-1443308

Pardieieros - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-pardieiros-1556192

Paredes de Salto - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-paredes-1448799

Paredes do Rio -   http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-paredes-do-1583901

Pedrário - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-pedrario-1398344

Peneda de Cima, do Meio e de Baixo, as Três Penedas: http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-as-tres-1591657

Penedones -  http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-penedones-1571130

Pereira - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-pereira-1579473

Pomar da Rainha - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-pomar-da-1415405

Ponteira - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-ponteira-1481696

 

R

Reboreda - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-reboreda-1566026

Roteiro para um dia de visita – 1ª paragem - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-roteiro-1104214

Roteiro para um dia de visita – 2ª paragem - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-roteiro-1104590

Roteiro para um dia de visita – 3ª paragem - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-roteiro-1105061

Roteiro para um dia de visita – 4ª paragem - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-roteiro-1105355

Roteiro para um dia de visita – 5ª paragem, ou não! - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-roteiro-1105510

 

S

São Ane - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-sao-ane-1461677

São Pedro - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-sao-pedro-1411974

Sarraquinhos - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-sarraquinhos-1560167

Sendim -  http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-sendim-1387765

Senhora de Vila Abril - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-senhora-de-1553325

Sexta-Freita - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-sao-bento-de-1614303

Sezelhe - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-sezelhe-1514548

Solveira - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-solveira-1364977

Stº André - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-sto-andre-1368302

 

T

Tabuadela - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-tabuadela-1424376

Telhado - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-telhado-1403979

Torgueda - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-torgueda-1616598

Travassos da Chã - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-travassos-1418417

 

V

Vilar de Perdizes - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilar-de-1360900

Vilar de Perdizes /Padre Fontes - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilar-de-1358489

Vilarinho de Arcos - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilarinho-1508489

Vilarinho de Negrões - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilarinho-1393643

Vilaça - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilaca-1493232

Vilar de Perdizes - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilar-de-1360900

Vilar de Perdizes /Padre Fontes - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilar-de-1358489

Vilarinho de Negrões - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilarinho-1393643

 

X

Xertelo - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-xertelo-1458784

 

Z

Zebral - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-zebral-1503453

 

 

 

 

03
Set17

O Barroso aqui tão perto - Pereira

1600-pereira (52)

montalegre (549)

 

Pereira, Salto, Montalegre

 

Nestas entradas no Barroso, no último domingo fomos até Cerdeira, hoje vamos até Pereira, quase parece que em vez de andarmos no Barroso, andamos num pomar, onde por acaso são ambas de numa freguesia onde até existe um Pomar da Rainha.

 

1600-pereira (63)

 

Mas não é por estas coincidências ou aparentes proximidade dos topónimos que hoje vamos até Pereira, da mesma freguesia de Cerdeira. Tal como no último domingo tivemos oportunidade de dizer aqui no blog, a escolha da aldeia é aleatória conforme calha no nosso sorteio e hoje calhou a Pereira.

 

1600-pereira (60)

 

Iniciemos então pela origem do topónimo que, suspeito, tal como Cerdeira nada tem a ver com cerejas também Pereira nada terá a ver com peras. Poderia também ter origem no nosso antepassado Nuno Alvares Pereira, pois além de ter casado nas proximidades, sabemos que frequentou estas terras, mas suspeito que também não será daí que vem o topónimo, tanto mais que Pereira já existia quando o D.Nuno apareceu por esta bandas, por sinal as suas bandas, pois todo este território era de sua propriedade.

 

1600-pereira (59)

 

Vejamos então o que diz a Toponímia de Barroso ao respeito de Pereira, da freguesia de Salto, concelho de Montalegre.

 

1600-pereira (61)

 

“ Pereira

1258 « In villa de Pereyra sunt quinque casalia» INQ 1512.

Dez anos mais tarde, D. Afonso III concede carta de foro a Martinho Pais e Maria Pires desses ditos casais:

- 1268 «duo mea casalia que sunt in loco qui vocatur Pereyra de Barroso». Chanc. De D Afonso III.

Esta citação atesta o foro de dois casais feito pelo Bolonhês a “Martinho Pais e sua mukher Maria Pires.”

 

1600-pereira (53)

 

Ainda na mesma “Toponímia de Barroso”, no capítulo da “Toponímia Alegre” e a respeito dos “Apelidos de Salto”  diz-se o seguinte – “Pereira fome lazeira”. Pois pelo que vi não há ou haveria razões para tal, mas estes “apelidos” são dados pelos de outras povoações em tom de troça e geralmente nunca são meigos nestas brincadeiras, pois há-os bem piores.

 

1600-pereira (22)

 

Esta “Toponímia de Barroso” é sem dúvida alguma um trabalho interessante, que todos os Municípios deveriam ter  e que nos localiza o topónimo na história e na sua antiguidade. A meu ver às vezes só falha na origem/significado do topónimo, pois estes dados são sempre curiosos.

 

1600-pereira (56)

 

Já sabemos que na toponímia, a maioria das vezes, os significados do atual topónimo nada tem a ver com a sua origem e o seu significado, pois geralmente a grafia  atual resulta da evolução da palavra ao longo dos tempos. Por exemplo o nosso topónimo “Chaves” nada tem a ver com chaves de abrir portas ou outras chaves, sejam elas qual forem, pois todos sabemos que resulta da evolução do topónimo da cidade romana de Aquae Flaviae e daí ainda hoje sermos flavienses.

 

1600-pereira (51)

 

Em tom de brincadeira, atrás referi-me a Cerdeira e Pereira fazendo a ligação às cerejas e às peras, mas geralmente os topónimos com nomes de árvores, embora haja exceções, na sua origem nada têm a ver com o atual significado. Aliás,  no caso de Cerdeira a “Toponímia de Barroso” aborda este tema e explica que Cerdeira deriva de queecus > carvalho, Cerdeira. Pois quanto ao topónimo Pereira, este costuma estar associado a existência de pedras e pedreiras no local. Não sei se é o caso, mas pelo que vi no local não me parece ser.

 

1600-pereira (49)

 

Ainda quanto ao topónimo e sua origem, uma vez que em tempos remotos foi uma “Villa”ou seja uma instalação agrícola com residências,  outra hipótese que se pode levantar é a de um dos seus primeiros proprietários ter apelido de Pereira, o que pode ser possível visto que “Pereira” é um apelido que já existe pelo menos desde o século XII  ( D. Rui Gonçalves Pereira viveu no século XII e é apontada como a primeira pessoa a usar esse sobrenome). Bem, mais isto são apenas suposições minhas e  não tenho qualquer documento que o comprove.

 

1600-pereira (48)

 

Passemos agora à localização de Pereira que, como já fomos adiantando, pertence à freguesia de Salto, a cerca de 3,7 quilómetros da sede de freguesia, tendo no entanto como vizinhas mais próximas as aldeias de Amiar e Pomar da Rainha a apenas 1.5 Km, à mesma distância do limite do Concelho de Montalegre na parte confrontante com o Concelho de Boticas.  Próximas ficam também a Estrada Nacional 103 e a Barragem da Venda Nova. Mas melhor são mesmo as coordenadas da aldeia: 41º 40’ 10.05” N e 7º 54’ 59.26” O. Fica também o nosso habitual mapa.

 

mapa-pereira.jpg

 

Vamos às nossas pesquisas e o que diz o livro “Montalegre” sobre Pereira que para além da referência à sua freguesia nos fala de um artista que teve lá nascimento :

 

“ (…) É ver a obra, tanto em pedra como em madeira, de José Bento Pereira, nascido em Pereira de Salto, e cujas peças adornam os nichos, altares e sacrários do Baixo Barroso, além do mais diverso mobiliário destinado a servir no pio e no profano. (…)

 

1600-pereira (44)

 

E no mesmo livro outra referência ao mesmo artista, mas mais completa:

 

Figuras

Há criaturas que pelas suas qualidades únicas servem de modelo aos comuns mortais e servem de título às diferentes páginas da História dos povos. Barroso também as tem. Dentre umas boas dezenas sobressaem os que aqui elencamos:

(…)

  1. José Bento Pereira (séc. XIX – XX) nasceu em Pereira de Salto e foi um artista de primeira água. As suas variadas criações encontram-se, sobretudo, nas freguesias baixo-barrosãs de Salto e Vila da Ponte. A excelência da sua talha e a tendência que revela para representar o que é da nossa terra são motivos de orgulho para nós e características muito interessantes deste artesão regionalista. Fez sacrários, imagens de diversos santos, cadeiras episcopais, artefactos de uso religioso e vasos sagrados, em madeira e em pedra, de indubitável perfeição.

 

1600-pereira (31)

 

Outros dados:

A aldeia de Pereira possuiu carta de aforamento real de dois casais de D. Afonso III, passada por este monarca em 1268.

O censo da população de 1530, ordenado por D. João III, indica moradores ou fogos nas seguintes povoações: (…) Pereira, 6.

 

Um ensaio estatístico de 1836 fornece indicações dos seguintes lugares e habitantes: Ameal, 36; Armiar, 73; Bagulhão, 67; Caniçó, 93; Corva, 73; Linharelhos, 48; Paredes, 27; Pereira, 53; (…)

 

1600-pereira (36)

 

E na ausência de mais dados resultantes das nossas pesquisas, vamos as nossas impressões pessoais.

 

Trata-se de uma aldeia pequena com algumas dezenas de construções dispersas ao longo de dois arruamentos principais. Tal como demonstram a maioria das imagens, ao redor da aldeia o que predomina é o verde, principalmente o das pastagens, mas também com algumas terras de cultivo e pequenas mancha de floresta, com predominância do carvalho.

 

1600-pereira (25)

 

Quanto a gente nas ruas, o habitual, quase nenhuma, mas é notório que a aldeia é habitada e nas pastagens não faltam os bovinos que fazem jus a sua raça, pois maioritariamente são barrosas no Barroso e pela certa vacas e bois felizes dado a fartura e qualidade dos pastos mas também a liberdade que neles têm, o que vai sendo habitual na freguesia de Salto.

 

1600-pereira (9)

 

Por último uma referência à água que onde aparece ou corre é sempre transparente e cristalina e se por acaso adquire uma cor, essa será apenas a do reflexo do azul do céu. Pela certa e seguindo o antigo ditado de “água corrente não mata gente” é uma água com a qual até se pode matar a sede, coisa que vai sendo rara hoje em dia, pelo menos a julgar pelos rios, ribeiros e rigueiros que por aqui temos mais próximos.

 

1600-pereira (30)

 

Quanto à existência de traços da nossa cultura portuguesa, claro que não poderiam faltar as alminhas, um cruzeiro (aparentemente de construção recente) e os canastros. Claro que a par de algumas construções mais recentes, também há as construções tradicionais em granito e algumas ainda com o murete de pedra nos telhado,  testemunho das antigas coberturas de colmo.

 

1600-pereira (41)

 

E penso que é tudo, gostámos do que vimos, principalmente da paisagem e da exuberância do verde sem esquecer as barrosãs que gostam sempre de posar para a fotografia.

De seguida as referências às nossas consultas e os habituais links para as anteriores abordagens ao Barroso.

 

1600-pereira (17)

 

Bibliografia

BAPTISTA, José Dias, (2006), Montalegre:  Município de Montalegre.

BAPTISTA, José Dias, (2014), Toponímia de Barroso. Montalegre: Ecomuseu – Associação de Barroso

 

1600-pereira (3)

 

Sítios da INTERNET

http://norteportugues.blogspot.pt/2011/03/historia-breve-da-freguesia-de-salto.html

 

 

1600-pereira (34)

 

Links para anteriores abordagens ao Barroso:

A

A Água - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-a-agua-1371257

Algures no Barroso: http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-1533459

Amial - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-ameal-1484516

Amiar - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-amiar-1395724

Arcos - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-arcos-1543113

 

B

Bagulhão - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-bagulhao-1469670

Beçós - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-becos-1574048

Bustelo - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-bustelo-1505379

 

C

Cambezes do Rio - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-cambezes-do-1547875

Carvalhais - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-carvalhais-1550943

Castanheira da Chã - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-castanheira-1526991

Cerdeira - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-cerdeira-1576573

Cepeda - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-cepeda-1406958

Cervos - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-cervos-1473196

Contim - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-contim-1546192

Cortiço - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-1490249

Corva - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-corva-1499531

 

D

Donões - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-donoes-1446125

 

F

Fervidelas - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-fervidelas-1429294

Fiães do Rio - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-fiaes-do-1432619

Fírvidas - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-firvidas-1466833

Frades do Rio - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-frades-do-1440288

 

G

Gralhas - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-gralhas-1374100

Gralhós - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-gralhos-1531210

 

L

Ladrugães - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-ladrugaes-1520004

Lapela   - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-lapela-1435209

Larouco - Um olhar sobre o Larouco - http://chaves.blogs.sapo.pt/2016/06/19/

 

M

Meixedo - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-meixedo-1377262

Meixide - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-meixide-1496229

 

N

Negrões - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-negroes-1511302

Nogeiró - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-nogueiro-1562925

 

O

O colorido selvagem da primavera http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-o-colorido-1390557

Olhando para e desde o Larouco - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-olhando-1426886

Ormeche - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-ormeche-1540443

 

P

Padornelos - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-padornelos-1381152

Padroso - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-padroso-1384428

Paio Afonso - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-paio-afonso-1451464

Parafita: http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-parafita-1443308

Pardieieros - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-pardieiros-1556192

Paredes - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-paredes-1448799

Pedrário - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-pedrario-1398344

Penedones -  http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-penedones-1571130

Pomar da Rainha - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-pomar-da-1415405

Ponteira - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-ponteira-1481696

 

R

Reboreda - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-reboreda-1566026

Roteiro para um dia de visita – 1ª paragem - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-roteiro-1104214

Roteiro para um dia de visita – 2ª paragem - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-roteiro-1104590

Roteiro para um dia de visita – 3ª paragem - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-roteiro-1105061

Roteiro para um dia de visita – 4ª paragem - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-roteiro-1105355

Roteiro para um dia de visita – 5ª paragem, ou não! - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-roteiro-1105510

 

S

São Ane - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-sao-ane-1461677

São Pedro - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-sao-pedro-1411974

Sarraquinhos - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-sarraquinhos-1560167

Sendim -  http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-sendim-1387765

Senhora de Vila Abril - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-senhora-de-1553325

Sezelhe - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-sezelhe-1514548

Solveira - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-solveira-1364977

Stº André - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-sto-andre-1368302

 

T

Tabuadela - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-tabuadela-1424376

Telhado - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-telhado-1403979

Travassos da Chã - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-travassos-1418417

 

V

Vilar de Perdizes - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilar-de-1360900

Vilar de Perdizes /Padre Fontes - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilar-de-1358489

Vilarinho de Arcos - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilarinho-1508489

Vilarinho de Negrões - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilarinho-1393643

Vilaça - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilaca-1493232

Vilar de Perdizes - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilar-de-1360900

Vilar de Perdizes /Padre Fontes - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilar-de-1358489

Vilarinho de Negrões - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilarinho-1393643

 

X

Xertelo - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-xertelo-1458784

 

Z

Zebral - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-zebral-1503453

 

 

 

 

27
Ago17

O Barroso aqui tão perto - Cerdeira

1600-cerdeira (1)

montalegre (549)

 

Penso que já o disse aqui no blog que para as nossas incursões no Barroso fazemos sempre um itinerário e pequeno estudo prévio sobre as aldeias que prevemos visitar, ou seja, fazemos o trabalho de casa antes de avançamos para o terreno ou para o trabalho de campo. Claro que esse trabalho prévio serve apenas para orientação e diga-se a verdade, nunca cumprimos esse itinerário preestabelecido, pois entrar pelo Barroso adentro é sempre uma incógnita e uma aventura, e por uma ou outra razão, somos sempre surpreendidos com demoras e imprevistos que nos roubam tempo mas são sempre uma mais valia para as nossas recolhas.

 

1600-cerdeira (3)

 

Ora acontece que para a freguesia de Salto, que pensávamos fazer numa única vez ou no máximo em duas vezes, devido às tais surpresas, acabámos por ter de lá ir umas cinco ou seis vezes, nem todas exclusivamente para lá, mas quase sempre para concluirmos a freguesia, mesmo assim, a nossa aldeia de hoje – Cerdeira, foi ficando sempre para trás, pois como ficava ali à beirinha de Salto, em qualquer momento poderíamos fazer o levantamento…

 

1600-cerdeira (110)

 

O facto é que o tempo foi passando e com exceção de duas aldeias, que dada a proximidade da vila de Montalegre deixámos propositadamente para o fim, Cerdeira ficou de fora. Claro que não poderíamos dar por concluído o nosso trabalho no concelho de Montalegre sem Cerdeira e lá tivemos que ir mais uma vez até à freguesia de Salto em que no trabalho de casa colocámos Cerdeira em primeiro lugar, isto para não ficar outra vez para trás, e no que restaria do tempo,  aproveitaríamos para completar o levantamento de meia dúzia de aldeias cujas recolhas anteriores julgámos não serem satisfatórias, mas desta vez cumprimos com Cerdeira.

 

1600-cerdeira (80)

 

E mais uma vez sejamos sinceros, seria imperdoável não ter visitado esta aldeia, pois além de ter sido uma das mais castiças que visitámos, acabámos por viver nela momentos únicos e Cerdeira acabou por se revelar uma surpresa daquelas que costumam atraiçoar as nossas previsões, pois como se apresentava como uma aldeia pequena e aparentemente não muito interessante, em que pela fotografia aérea mais parecia uma quinta que uma aldeia, prevíamos não encontrar por lá ninguém, mesmo porque pouco passavam das oito horas da manhã quando lá chegámos. No máximo, segundo as previsões, passaríamos por lá 10 a 15 minutos e ficaria tudo resolvido, mas acabámos por ficar lá mais de uma hora e com pena de partir.

 

1600-cerdeira (5)

 

Quando lá chegámos parámos à entrada da aldeia para as primeiras fotografias. Tínhamos tomado a estrada interior a partir de Salto, ou seja, deixamos o acesso principal à aldeia de lado. Ao fundo da rua passou uma pessoa, homem, mais preocupado com os seus afazeres do que com a nossa presença. Estávamos para avançar quando na estrada que tínhamos deixado para trás ouvimos os sons de uns chocalhos, sinal de que por ali andava gado. Chocalhos de gado que não víamos mas cujo som se ia intensificado, sinal de que vinham na nossa direção. Resolvemos esperar pelo que lá vinha e logo a seguir começam a surgir as “barrosas” que aqui fazem jus ao nome da sua raça.

 

1600-cerdeira (98)

 

Quando as “barrosãs” deram com os olhos em nós e no nosso carro, pararam, e  desconfiadas por ali se mantiveram a fazer de conta que estavam à espera de alguém, como quem assobia para o ar. Talvez envergonhadas, talvez com medo dos estranhos que tinham à sua frente. Se fosse a primeira vez que tal acontecia connosco, iriamos estranhar a reação do gado, mas já tínhamos assistido a coisa idêntica numa aldeia bem próxima de Cerdeira. Na realidade trata-se de gado que anda em semiliberdade e tem mesmo receio de gente estranha, habituadas que estão a ver quase e só os tratadores, e pararam mesmo à espera da dona para verem se nós eramos ou não de confiança…

 

1600-cerdeira (106)

 

Acontece que tínhamos chegado na hora exata para assistir a uma cena que é típica nesta região do Barroso. O gado, neste caso bovinos e quase todos da raça Barrosa, passam a noite no monte. No início da manhã regressam a aldeia, primeiro para amamentar as crias que aguardam fechadas na corte impacientes pela teta das mamãs. Depois de amamentadas o gado segue caminho para pastagens perto da aldeia. Pela tarde faz-se o inverso no regresso ao monte para passar a noite. É um ritual diário que não conhece domingos ou feriados,  que o gado faz quase sem a intervenção humana, pois esta só intervém, no caso, para abrir a corte às crias e fechar as cancelas para elas não se espantarem pela aldeia fora e para as mudar de poiso.

 

1600-cerdeira (61)

 

Mas voltando a trás, aquando o gado estava espantado a olhar para nós. Pois como já sabíamos do que se tratava e não queríamos perturbar a natureza da coisa, estávamos resolvidos a abandonar o local e tocar o nossa carro lá mais para a frente,  de modo a deixar a passagem livre, mas entretanto a rua fechou-se com uma cancela, do tipo daquela das passagens de nível que veda a rua toda. Sem saber o que se passava, pensando até que se trataria de uma rua particular. Ficámos no aguardo à espera de ver o que se passava, até que aparece um senhora perto de nós, que cumprimentámos e a modos de meter conversa perguntámos se as vacas estavam com medo de nós. Ela respondeu-nos que sim, que era natural, pois não estavam habituadas, mas que elas vinha já… e vieram, pois o gado na presença da patroa, perdeu o medo e lá se aventurou a passar por nós, em direção à corte das crias, à porta da qual pararam.

 

1600-cerdeira (37)

 

Depois de um grupo de vacas estacionar ali à porta, a senhora fechou outra cancela, ficando as vacas ali encurraladas e só aí abriu a porta às crias que agitadamente procuravam um teta onde mamar, penso que não muito preocupadas se a teta era ou não da mãe, elas o que queriam mesmo era mamar, aliás uma das bezerras custou-lhe a dar com uma teta livre e andava no meio da confusão desesperada à procura da sua refeição, até que lá deu com uma e acalmou-se.

 

1600-cerdeira (70)

 

Entretanto o gado que não tinha crias para amamentar, perdeu definitivamente o medo e aproximou-se de nós e do carro, a este lamberam-no como quem lambe um gelado. Estranhei, mas como vai sempre comigo um especialista nestas coisas do gado, informou-me que estavam a lamber o “sal” que vai aderindo à pintura do carro.

 

1600-cerdeira (69)

 

Entretanto saciadas que estavam as crias, foram de novo fechadas na corte e abertas as cancelas para as mães vacas e as restantes que aguardavam por elas, continuarem a sua peregrinação em direção ao pasto, mas não era tudo, pois agora as vacas iriam ter a companhia do “barroso”, o touro da manada, que, com direito a aposentos privados, esperava a abertura da porta para ir ter com as suas raparigas, mas sem muitas pressas, primeiro coçou-se demoradamente nas ombreiras da porta e só depois arrancou nas suas calmas.

 

1600-cerdeira (65)

 

Bem, pela nossa parte ficámos deliciados a assistir e fotografar estes momentos que a meu ver só são mesmo ultrapassados pelo assistir à chegada de uma vezeira, cada vez mais raras, mas que ainda vão existindo e às quais já tivemos a sorte de assistir.

 

1600-cerdeira (7)

 

Deixando agora de parte estas cenas tão rústicas e que fazem parte da vida e singularidade de algumas aldeias, vamos entrar em Cerdeira, talvez iniciando pela sua localização, que tal como já fomos adiantando pertence à freguesia de Salto e fica bem próxima  da sede de freguesia, não chegando a atingir os 1000 metros de distância. Quanto às suas coordenadas temos 41º 38’ 10.09”N e 7º 56’ 04.27”O e a altitude anda próxima dos 900m. Mas como sempre fica o nosso mapa para  melhor ser localizada.

 

mapa.jpg

 

Passemos já para o seu topónimo CERDEIRA. Pois e ainda antes de vermos o que consta na Toponímia de Barroso, pela pinta, tudo leva a crer que o topónimo esteja ligado às cerdeiras, do português antigo mas ainda em uso e que hoje são em geral denominadas cerejeiras, embora por cá e comummente falando, se estabeleça uma pequena diferença entre a cerejeira e a cerdeira, sendo a árvore desta última de um porte maior mas fruto mais pequeno e em maduro mais escuro que a cereja.

 

1600-cerdeira (83)

 

Mas segundo a toponímia de Barroso não é bem assim, mas pelos visto também não sou o único a ser influenciado pelo atual significado do topónimo, além de se chegar até ele se falar muito em cerdeiras de cerejas. Então vejamos o que diz a Toponímia:

 

Cerdeira

“ Até a Senhora do Pranto se riu quando um minhoto, ao ouvir falar na pequenina povoação saltense, se ofereceu para criado de servir…”Ao menos no tempo das cerejas comeria o fruto pelo qual tantas bofetadas e fustigadas apanhou na sua aldeia”. Muitos continuam a ser os “minhotos” que se enganam paronimicamente com cerezaria e ceresaria (a que o povo há muito chama cerdeira sem que o seja!) O que temos aí deve ser  (tem de ser) uma toponímia devida a QUERCUS > CARVALHO. CERDEIRA, apesar de algumas dúvidas na evolução fonológica, começou e radica em QUERCARIA > CERCARIA > CERQUEIRA - CERCEIRA ou CERZEIRA > CERDEIRA pela dupla dissimilação do Q<D ou Z<D. O significado é, claramente, CARVALHEIRA, terreno de carvalhos e não de cerejeiras.

Para o presente estudo concorre a evidência das condições fito-climáticas que o topónimo exige e sempre exigiu.

O segundo caso – ceresaria, leva-nos a cereseira e a cerejeira. Mas cerejas na Cerdeira só se as fizermos de bugalhos.”

 

1600-cerdeira (64)

 

E tal como prevíamos as nossas pesquisas sobre a aldeia não deram em nada, para além da referência na Toponímia de Barroso, não encontrámos mais nada, o que é natural, pois Cerdeira embora seja maior do que aquilo que parece e pensávamos, não deixa de ser uma aldeia pequena, com pouca gente, quase um pequeno bairro de Salto.

 

1600-cerdeira (20)

 

Restam-nos  então as nossas impressões pessoais sobre a aldeia, que embora pequena é bem interessante, incluindo o seu casario que vai mantendo a sua traça original e testemunhámos com agrado que algumas reconstruções em curso vão obedecendo à traça e materiais originais, o que é sempre uma mais valia para esta pequenas aldeias, onde sem as desvirtuar  as torna mais interessantes.

 

1600-cerdeira (63)

 

Avistámos no meio da aldeia uma pequena construção que na ponta da cumeeira erguia uma cruz e que pelas suas características indicava ser uma pequena capela. Disseram-nos era para ser mas nunca chegou a ser, não foi autorizada, a “Igreja” não a aceitou porque tinha dois andares, ou seja, como a pretendida capela foi construída num terreno em declive bem acentuado, para atingir  a cota da entrada pretendida, teve de se construir um piso a uma cota inferior, com aproveitamento e o outro destinado a capela por cima. Que não, com dois pisos não podia ser capela e não foi. Coisas da “igreja” que em vez de acarinhar mais um lugar de culto e abrigo espiritual à pequena aldeia, preferiu ver o local transformado nuns arrumos, mas a cruz ficou.

 

1600-cerdeira (89)

 

O verde dos campos com vários matizes, ora mais claro e vivo nas pastagens, ora mais escuro no arvoredo, vai sendo uma constante nesta região do Barroso, bem diferente do outro Barroso encostado à Serra do Gerês ou à volta do Larouco. Verde que é também reflexo de pastagens excelentes para vacas felizes, tal como as açorianas, só que estas são barrosãs, em que uma das principais preocupações dos produtores é garantirem a qualidade das carnes da raça, para depois fazerem a delícia dos restaurantes da região. E somos testemunhas da sua excelência.

 

 

 1600-cerdeira (18)

 

Como a aldeia é pequena pouco mais há para apontar, a não ser os canastros (espigueiros) de grandes dimensões, sinal de grandes colheitas e se hoje é mais pastagens pela certa que tempo houve em que enchiam com espigas de milho para secar. Há também o casario que já atrás tínhamos referido, um relógio de sol e uma curiosa e singular escultura em ferro, de um galo que não canta, tipo catavento sem o ser, que num dos telhados sobressaía, principalmente pelo seu design. Não sei quem é o autor mas é uma autêntica obra de arte feita com a simplicidade das dobras de uns varões de ferro.

 

1600-cerdeira (101)

 

Mais uma vez é uma das aldeias que recomendamos para uma visita e quem sabe se têm a nossa sorte de assistir à refeição das crias barrosãs.

Faltam só as habituais referências às nossas consultas que hoje ficam reduzidas à Toponímia de Barroso, bem como os links para as anteriores abordagens ao Barroso. E como sempre (ou quase) no próximo domingo cá estaremos com mais uma aldeia, que nem nós sabemos ainda qual é, pois, e só para conhecimento, como nunca sabemos que aldeia escolher,  sorteamos uma e a que calhar, cá estará.

 

 

Bibliografia

BAPTISTA, José Dias, (2014), Toponímia de Barroso. Montalegre: Ecomuseu – Associação de Barroso

 

 

Links para anteriores abordagens ao Barroso:

A

A Água - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-a-agua-1371257

Algures no Barroso: http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-1533459

Amial - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-ameal-1484516

Amiar - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-amiar-1395724

Arcos - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-arcos-1543113

 

B

Bagulhão - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-bagulhao-1469670

Beçós - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-becos-1574048

Bustelo - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-bustelo-1505379

 

C

Cambezes do Rio - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-cambezes-do-1547875

Carvalhais - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-carvalhais-1550943

Castanheira da Chã - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-castanheira-1526991

Cepeda - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-cepeda-1406958

Cervos - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-cervos-1473196

Contim - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-contim-1546192

Cortiço - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-1490249

Corva - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-corva-1499531

 

D

Donões - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-donoes-1446125

 

F

Fervidelas - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-fervidelas-1429294

Fiães do Rio - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-fiaes-do-1432619

Fírvidas - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-firvidas-1466833

Frades do Rio - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-frades-do-1440288

 

G

Gralhas - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-gralhas-1374100

Gralhós - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-gralhos-1531210

 

L

Ladrugães - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-ladrugaes-1520004

Lapela   - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-lapela-1435209

Larouco - Um olhar sobre o Larouco - http://chaves.blogs.sapo.pt/2016/06/19/

 

M

Meixedo - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-meixedo-1377262

Meixide - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-meixide-1496229

 

N

Negrões - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-negroes-1511302

Nogeiró - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-nogueiro-1562925

 

O

O colorido selvagem da primavera http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-o-colorido-1390557

Olhando para e desde o Larouco - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-olhando-1426886

Ormeche - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-ormeche-1540443

 

P

Padornelos - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-padornelos-1381152

Padroso - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-padroso-1384428

Paio Afonso - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-paio-afonso-1451464

Parafita: http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-parafita-1443308

Pardieieros - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-pardieiros-1556192

Paredes - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-paredes-1448799

Pedrário - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-pedrario-1398344

Penedones -  http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-penedones-1571130

Pomar da Rainha - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-pomar-da-1415405

Ponteira - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-ponteira-1481696

 

R

Reboreda - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-reboreda-1566026

Roteiro para um dia de visita – 1ª paragem - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-roteiro-1104214

Roteiro para um dia de visita – 2ª paragem - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-roteiro-1104590

Roteiro para um dia de visita – 3ª paragem - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-roteiro-1105061

Roteiro para um dia de visita – 4ª paragem - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-roteiro-1105355

Roteiro para um dia de visita – 5ª paragem, ou não! - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-roteiro-1105510

 

S

São Ane - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-sao-ane-1461677

São Pedro - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-sao-pedro-1411974

Sarraquinhos - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-sarraquinhos-1560167

Sendim -  http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-sendim-1387765

Senhora de Vila Abril - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-senhora-de-1553325

Sezelhe - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-sezelhe-1514548

Solveira - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-solveira-1364977

Stº André - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-sto-andre-1368302

 

T

Tabuadela - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-tabuadela-1424376

Telhado - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-telhado-1403979

Travassos da Chã - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-travassos-1418417

 

V

Vilar de Perdizes - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilar-de-1360900

Vilar de Perdizes /Padre Fontes - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilar-de-1358489

Vilarinho de Arcos - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilarinho-1508489

Vilarinho de Negrões - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilarinho-1393643

Vilaça - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilaca-1493232

Vilar de Perdizes - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilar-de-1360900

Vilar de Perdizes /Padre Fontes - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilar-de-1358489

Vilarinho de Negrões - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilarinho-1393643

 

X

Xertelo - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-xertelo-1458784

 

Z

Zebral - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-zebral-1503453

 

 

 

Sobre mim

foto do autor

320-meokanal 895607.jpg

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

 

 

.17-anos

Links

As minhas páginas e blogs

  •  
  • FOTOGRAFIA

  •  
  • Flavienses Ilustres

  •  
  • Animação Sociocultural

  •  
  • Cidade de Chaves

  •  
  • De interesse

  •  
  • GALEGOS

  •  
  • Imprensa

  •  
  • Aldeias de Barroso

  •  
  • Páginas e Blogs

    A

    B

    C

    D

    E

    F

    G

    H

    I

    J

    L

    M

    N

    O

    P

    Q

    R

    S

    T

    U

    V

    X

    Z

    capa-livro-p-blog blog-logo

    Comentários recentes

    • Anónimo

      Obrigado pela leitura, pela reflexão e pela gentil...

    • Zé Onofre

      Boa tardeBelo texto.O mal não é só das cidades pe...

    • cid simoes

      É um bálsamo viver este dia entre poesia, música e...

    • FJR

      Ainda me lembro de apanhar bocados de metal para i...

    • FJR

      Tantas vezes ali joguei à bola. Era um dos nossos ...

    FB