Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

CHAVES

Olhares sobre o "Reino Maravilhoso"

08
Jan19

Momentos do Tabolado (Uma Espécie de Canção)

1600-(50062)

 

 

Acompanhe-se a leitura do texto e imagem com a música de Pedro Abrunhosa, da canção “ Momento (Uma Espécie de Céu)".

 

 

Momentos do Tabolado (Uma Espécie de Canção)

 

Um cão que se vai

Um homem que vem

A folha que cai

À beira do rio

O chapéu que sustém

Na cabeça com frio

Cachecol ao pescoço

A olhar para o lado

Num andar de moço

O Tâmega segue o seu fado

Num passear discreto

A rapariga debita

Sentimentos com os dedos

Quiçá de um amor secreto

Que nela habita

Ou serão outros enredos

Mais uma árvore despida

Dois bancos que esperam alguém

Com o azul do céu ainda acordado

A caminho da despedida

Com um sol já do dia cansado

E umas escadas que não sobem ninguém

Mais ao lado dois corações

Se as crianças atinarem no feitio

Em vez de dois serão três

E a mãe a fotografar as emoções

Da inocência a caminhar para o Estio

E assim foi um momento, uma vez

Ao fim da tarde, no Tabolado

De um domingo qualquer

Onde entram um Homem e um cão

Uma rapariga, duas crianças e uma mulher

Onde nem sequer falta o amor amarrado

Num cadeado e um

E com esta me bou

Tal como o cão, logo no início se foi

Nesta espécie de poema ou canção

Ou…

 

Até amanhã!

 

Mas antes, fiquem com o “Momento” de Pedro Abrunhosa

 

 

 

13
Nov18

Momentos da cidade de Chaves com o nosso nevoeiro...

1600-(41582)-p&b

 

Ora diz o nosso povo que depois da tempestade, vem a bonança, e se o nosso povo o diz, é porque é verdade, porque ele é sábio, e tudo indica que sim, que depois de um invernoso fim de semana, o sol vem aí, e talvez traga consigo o verão de S. Martinho de que o nosso povo também nos fala, e eu acredito que assim seja, mas diz-me também a experiência de ser flaviense há tantos anos, que o sol virá, mas de mansinho, primeiro o nosso Tâmega e a nossa veiga vão brindar-nos com o seu nevoeiro, para mim é um brinde, eu penso mesmo que nasci numa manhã de nevoeiro e que ele também me corre nas veias, aliás nem imagino esta cidade sem os seus dias de nevoeiro, seria no mínimo esquisito nunca sentir a ponta do nariz frio, e depois ficaria sem a magia de ver o sol a romper por entre o nevoeiro para finalmente se dar em toda a sua resplandecência, com o seu calorzinho a saber tão bem.

 

Mas sobretudo, em imagem, o nevoeiro tem o dom de nos proporcionar, ou deixar ver, a essência das coisas. Vejam lá a imagem que vos deixo! Seria a mesma coisa se não tivesse nevoeiro!?

 

 

 

24
Ago18

Um pouco de frescura virtual

1600-(44285)

 

Já que os dias reais nos massacram com o calor, pelo menos aqui, virtualmente e em imagem, podemos dar-lhe um pouco de frescura, e nem há como recorrer à frescura de uma árvore à beira rio.

 

Como há sempre pessoal que repara nos pormenores, fica a informação de que a imagem é de arquivo,  tirada no dia 27 de setembro de 2015, às 18:12:21.

 

 

 

07
Mar18

As poldras de Chaves e um Kentucky

1600-(48643)

 

 

Todos os dias vou ao meu arquivo fotográfico à procura de uma ou mais imagens para publicar. Aquilo que aparentemente deveria ser uma tarefa fácil, isto tendo em conta a quantidade de fotografias que tenho em arquivo, torna-se complicado à hora de fazer a seleção. Esta não que já publiquei uma idêntica, esta não por isto, esta não por aquilo, até que chegamos a uma imagem que nos faz parar nela. Porquê!? Pois, inicialmente não sabemos, mas logo estórias do nosso arquivo de memória dizem-nos qual a razão.

 

Hoje parei nas poldras do rio Tâmega numa imagem, ou melhor, numa série de imagens que registei há dias quando uns putos atravessavam as poldras correr. Parei nessas imagens quando o clique despertou na memória o tempo em que era assim que também eu as atravessava. Acreditem que estive mais de meia hora a relembrar a primeira vez que as atravessei, com 7 ou 8 anos de idade (a distância já não me permite ser exato), mas recordo que foi numa ida para a escola do Stº Amaro.

 

kentucky-1.jpg

 

Embora a minha escola fosse a do Caneiro, esteve em obras durante uma temporada. Durante uns meses transferiram as aulas para a escola do Stº Amaro. Tal como no meu primeiro dia de escola no Caneiro, o meu pai percorreu o caminho a pé comigo desde casa até à escola para me mostrar o melhor trajeto. Quando me deixou lá recomendou-me que que fizesse o regresso pelo mesmo caminho. Pois no primeiro dia de aulas na escola do Stº Amaro, aconteceu o mesmo, lá foi o meu pai comigo, a pé, para mostra-me o novo caminho, ou melhor, o acréscimo, pois até à escola do Caneiro era o mesmo e a partir de aí foi ir até à rotunda do Raio X, depois a Ponte Nova, Rotunda do Brasil e logo a seguir a Escola. A mesma recomendação de no regresso tomar o mesmo caminho. E assim foi, geralmente em grupos de dois ou três outros colegas de escola e também vizinhos. E assim foi sendo até que um belo dia me toucou por companhia, na caminhada de casa até à escola, os gémeos “Caios” que me ensinaram um atalho. Então, ainda antes de chegarmos à escola do Caneiro, virámos para o Bairro do Caneiro, logo após uma taberna que ali existia (do Sr. Bernardino, se a memória não me atraiçoa). Chegados ao largo, virámos em direção ao rigueiro do Caneiro onde na sua margem existia um carreiro que nos levava direitinhos às poldras. Aí atravessámo-las para a margem direita do Tâmega, desaguámos no Tabolado que já era jardim recém inaugurado. Aí os gémeos fizeram uma pausa na caminhada, um deles tirou um maço de Kentucky do bolso, gesto ao qual eu respondi com espanto e medo, e recordo que disse uma coisa do género:  — “ai se a tua mãe sabe!” — Mas a resposta foi ainda mais surpreendente: “ Foi ela que nos os comprou. Compra dos grandes para o meu pai e destes pequeninos para nós”. Na minha inocência acreditei, e já que era com a permissão da mãe deles, a minha também não haveria de se importar muito se eu fumasse também um. E fumei. Foi o meu primeiro cigarro. Recordo que nesse dia cheguei todo “inchado de importância” à escola.  No intervalo apercebi-me de que as cosias não eram bem como eles tinham contado, que afinal eu tinha cometido um “crime” que guardei em segredo até hoje… prontos, sinto-me aliviado! E hoje já não levo umas lostras porque o crime já prescreveu.

 

 

Pois a aventura dos putos a atravessar as poldras levou-me até à minha primeira travessia de muitas, e é mesmo verdade que o atravessar se deve fazer com passo ligeiro sem hesitações.

 

Quanto à estória de irmos sozinhos para a escola, é assim que era naquele tempo, e diga-se que tirando uma ou outra peripécia, as caminhadas para e desde a escola, eram feitas com toda a responsabilidade que nos foi dando algum traquejo e autonomia, hoje raramente possível com o cerco cerrado que os pais fazem aos filhos.

 

 

Guardar

Sobre mim

foto do autor

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

 

 

Olhares de sempre

Links

As minhas páginas e blogs

  •  
  • FOTOGRAFIA

  •  
  • Animação Sociocultural

  •  
  • Cidade de Chaves

  •  
  • De interesse

  •  
  • GALEGOS

  •  
  • Imprensa

  •  
  • Aldeias de Barroso

  •  
  • Páginas e Blogs

    A

    B

    C

    D

    E

    F

    G

    H

    I

    J

    L

    M

    N

    O

    P

    Q

    R

    S

    T

    U

    V

    X

    Z

    capa-livro-p-blog blog-logo

    Comentários recentes

    • Anónimo

      Esta loja pertenceu ao meu falecido avo Venâncio (...

    • Anónimo

      De regresso à cidade!!! Frase linda que eu também ...

    • Fer.Ribeiro

      Obrigado!

    • Anónimo

      PARABENS PELO VOSSO TRABALHO

    • Fer.Ribeiro

      Obrigado meu caro AB pela sua companhia nestas via...