Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

CHAVES

Olhares sobre o "Reino Maravilhoso"

08
Jun16

14 – Era uma vez um comboio

800-texas

 

“O Nosso Comboio”

 

Tudo é negro. Os edifícios têm veias escuras que lhe escorrem pelos alçados, as crianças têm rostos enegrecidos. Tudo é negro do fumo das fábricas, do ferro utilizado na cidade, da angústia iminente que a sufoca. O ar é tão denso que mal se respira, a poluição e desgraça entra-nos pelos pulmões como uma película viscosa que asfixia. Os sons da cidade misturam-se numa cacofonia irritante que eu já não consigo reconhecer. Mas no fundo, lá bem ao fundo eu ouço. Ouço um som que reconheço. Não me traz boas memórias mas, no meio da perdição, traz-me uma lembrança. Ouço os sons estridentes, metálicos, quase sofríveis. O fumo sai negro, tenebroso, expelido de forma violenta. À medida que me aproximo vejo a velha estação ferroviária, em ferro retorcido, onde o comboio engole impiedosamente aqueles que partem.

 

Algumas crianças riem, excitadas, ansiando pela viagem. Os adultos, esses, choram em silêncio pelos que ficam e pelo que deixam. Fazem-se promessas, que sabem que ninguém vai cumprir, dão-se beijos e abraçados, tentam-se aquecer corações já há muito gelados, destinados a estilhaçar.

 

r-cp0014.jpg

 

O comboio apita, estala e geme quase obscenamente no meio de tanta dor. Os revisores correm e gritam ordem, quase tão automaticamente quanto a velha máquina metálica ruge, desejosa de partir. De olhos vidrados, num rosto apagado pela angústia, já não se permitem ver o que se passa em redor, sentir o sofrimento dos passageiros. Tudo o que veem, tudo o que ouvem, perde-se nesse vazio sentimental que todos aprendemos a ter. E é assim que continuam, dia após dia, a encaminhar os passageiros para o comboio, como se de um carrasco se tratasse. Apáticos, tristes, miseráveis como todos nós.

 

Por fim, a maquineta maquiavélica já engoliu todos os seus passageiros. Contrastando com o metal enegrecido, veem-se bracinhos alvos de crianças a acenar, rostos lívidos de quem parte e já não volta. Rostos de revolta, de sofrimento, de uma saudade ainda precoce.

 

O comboio arranca, sacudindo as suas almas fervorosamente. A paisagem desvanece-se rapidamente pela janela, sem termos tempo de a absorver nos sentidos, para que, um dia mais tarde se nos for permitido, a possa recordar. Lembro-me de ter aberto uma janela e timidamente esticar-me para sentir o cheiro dos campos, o cheiro da chuva na terra acabada de plantar, o cheiro da minha cidade.

 

CP0009.jpg

 

Depois fiquei, junto a tantos outros, cabisbaixo a matutar, enquanto os soluços do comboio embalava o meu próprio choro e me roubava à minha vida.

 

 

PS: O texto pretende transmitir o ponto de vista de pessoas que tiveram de partir para outras cidades e outros países de comboio. Refere-se, sobretudo, às fugas consequentes da Segunda Guerra Mundial, altura em que o medo e a opressão sugavam a felicidade das pessoas. Esta visão, pesada e triste acerca de um comboio, pretende transmitir o lado negativo de uma invenção que trouxe muitas mais-valias. No entanto, como há sempre o reverso da medalha, há que evidenciar também as coisas más para que nunca nos esqueçamos que nem tudo é perfeito.

 

Numa visão claramente exagerada, pode-se também ilustrar um problema actual e cada vez mais comum – a emigração. Retrata aqueles que trabalharam para construir uma vida, num país que amam, junto aqueles que amam e têm de abandonar tudo porque já nada é certo.

Nordeste.AL.

 

 

In “Memórias de uma Linha – Linha do Corgo – Chaves”, Agosto de 2014

Edição Lumbudus – Associação de Fotografia e Gravura

 

Fotografias – Propriedade e direitos de autor de Humberto Ferreira (http://outeiroseco-aqi.blogs.sapo.pt)

Gentilmente cedidas para publicação neste post.

 

 

20
Mai16

12 - Era uma vez um comboio

800-texas

 

Comboio

 

Primeiro, o sonho, a ousadia, a vontade de unir terras e aproximar pessoas

- “Faça-se!”

E fez-se!

Pás, picaretas, força de braços a rasgarem novos caminhos

Pontes, túneis, carris, estações e apeadeiros

Finalmente, a máquina, carruagens e vagões…

Milhares de viagens, milhares de sonhos

Histórias, peripécias, amores e desamores

Partidas e chegadas

Gente subindo, gente descendo…

Outro mundo para lá dos horizontes da terra de sempre…

A todos serviu, cruzando vales, rios e serpenteando montanhas

A todos encantou…

- “Feche-se!”

E fechou-se!

 

                                                                                               Luís dos Anjos

 

r-CP0040.jpg

CP0041 – Locomotiva: CP E202, Data: Não datado, Local: Chaves, Portugal, Slide 35 mm

 

 

In “Memórias de uma Linha – Linha do Corgo – Chaves”, Agosto de 2014

Edição Lumbudus – Associação de Fotografia e Gravura

 

Fotografias – Propriedade e direitos de autor de Humberto Ferreira (http://outeiroseco-aqi.blogs.sapo.pt)

Gentilmente cedidas para publicação neste post.

 

 

29
Abr16

10 - Chaves, era uma vez um comboio

800-texas

 

r-cp0026.jpg

 

Poema de José Carlos Barros

in O Uso dos Venenos,

edições Língua Morta,

Lisboa, Agosto de 2014

 

NO TEMPO DOS POEMAS

 

Deixávamos as moedas no carril e ficávamos à espera a

olhar com o fascínio de quem é surpreendido num fim de

tarde pela presença de naves alienígenas num espaço de

silêncio e rarefacção a ver as rodas metálicas do comboio a

espalmá-las até ficarem assim nas mãos em concha de um

de nós como se tivéssemos recolhido enfim a prova irrefu-

tável dos milagres. Foi/

há tantos anos/

a senhora da bandeirinha vermelha perguntava se nunca

tínhamos visto um comboio/

lembro-me era no tempo dos poemas/

um verso podia ser também a moeda espalmada nos carris

da estação do caminho de ferro de Vidago/

tudo se misturava na mesma nuvem volátil de irrealidade

e sobressalto.

 

 José Carlos Barros

 

r-CP0034.jpg

 

In “Memórias de uma Linha – Linha do Corgo – Chaves”, Agosto de 2014

Edição Lumbudus – Associação de Fotografia e Gravura

 

Fotografias – Propriedade e direitos de autor de Humberto Ferreira (http://outeiroseco-aqi.blogs.sapo.pt)

Gentilmente cedidas para publicação neste post.

 

 

29
Mar16

8 - Chaves, era uma vez um comboio…

800-texas

 

Texas  o comboio   kimvoio

 

Vi-o a primeira vez  ainda na penumbra dos amanheceres,  a passar no fundo do estradão, a minha mãe de futuro em riste, levava a Zé por volta das sete e tal da manhã  à estação das Pedras, para ir para o colégio de Vila Pouca estudar, grande feito à época, bem  admirado bem invejado  o andar, andar a estudar e andar de comboio.

 

Lembro-me da ternura da Sra. Albertina  que morava no figueiredo e dizia que a mãezinha, a d. Aninhas tinha ido buscar a Zeizinha ó Kimvoio… E era assim… Como se o comboio,  além das pernas rodas nos carris, tivesse também braços e desse às mães vindos de um abraço ou colo qualquer,  os filhos sempre em segurança, num devagar se vai ao longe…

 

Sempre me fascinaram as rodas nos carris, num movimento para mim espiral que quase me fazia trocar os olhos por conseguirem  ir todas ao mesmo tempo, a meu ver eram elas  a voz e o instrumento  da orquestra que geravam o som tac a tac a tac o tal pouca terra pouca terra pouca  terra, gerando nas carruagens um movimento de samba folclórico ou de risadinhas constantes por cócegas.

 

cp0029.jpg

 CP0029 – Locomotiva: Não identificada, Data: 1977, Local: Vidago, Portugal, Slide 35 mm

 

Depois das rodas, a máquina, ora altiva cheia de soberba por ir à frente e puxar as carruagens como quem traz de arrasto os filhos distraídos, ora histérica em guinchos ensurdecedores  a exigir atenção de algum incauto que saia desgarrado  e ocupe a sua linha. Fumadora compulsiva, na altura, creio, mata ratos ou definitivos,  carvão direto aos pulmões   deixando no percurso lufadas de fumo, ambulantes nuvenzinhas de sonho esvaído num implacável céu.

 

À conta da sua falta de pontualidade a Nélia a Kika e o Nelo ainda levaram uma boa reprimenda, a Nélia umas boas chineladas no rabo, por assustarem as pessoas nas madrugadas dentro de um lençol com uma pilha, além de colocarem cartazes escritos das caixas de papelão, nas portas das pessoas fazendo jus às suas alcunhas.

 

Ouvia falar dele com frequência sazonal aquando de passeios de grupos , algumas criticas à sua lassidão.

 

X-CP0005.jpg

 CP0005  – Locomotiva: CP E209, Data: Não datado, Local: Régua, Portugal, Slide 35 mm

 

Um dia aí para uns  35 anos , vim da régua  com ele, trouxe-me direitinha com calma que mais valia chegar tarde neste mundo, que mais cedo ao outro, cheguei  a casa meio fusca com algumas faúlhas que se escaparam para nos enfarruscarem à socapa, sabendo que só dávamos conta quando chegássemos a casa, pois não dispúnhamos de espelhinho ali à mão.O balanço foi positivo, gostei, mas naquele tempo eu não sabia ainda o seu valor acrescentado , eu só tinha pressa, ele não estava ara aí virado para as pressas.

 

Lembro-me sempre com um arrepio na espinha de um senhor desesperado que decidiu atirar-se à linha quando ele passou, além das sistemáticas ameaças de senhoras que no auge da deceção pensavam alto em matar-se com a ajuda dele do kimvoio , do texas.

 

Às vezes era o bode expiatório para justificar a presença de indigentes na cidade , dado ser  em Chaves o fim da linha, os viajantes peregrinos tinham de sair e ficar à espera ,surgindo por uns tempos como estranhos na cidade.

 

X-CP0037.jpg

 CP0037  – Locomotiva: CP E209, Data: 1973, Local: Não identificado, Portugal, Slide 35 mm

 

O Mestre Nadir a propósito do meu apelido Seixas contou-me que no seu tempo de estudante  de faculdade quando regressava do Porto, o revisor de nome Seixas mandava sair as pessoas nas subidas do comboio texas e pedia ajuda aos homens para empurrar, entrando  todos os passageiros novamente nas descidas. Foi sempre algo incompreendido, talvez por  deixar tempo aos passageiros para irem às frutas e  às vinhas do caminho  buscar uvas para comer, enquanto brincavam às corridinhas  com o texas que se deixava facilmente apanhar, ainda foi protagonista de excursões a Vidago levando miúdos e graúdos a ver a paisagem  numa alegria intemporal…

 

Depois com o tempo envelheceu, reformou-se e jaz nas memórias, além da carruagem atrás da antiga Estação e da máquina recuperada por algum saudosista perto da linha de Curalha.

 

E a nós deixou-nos  o  memorando  de o lembrar aos nossos filhos e netos se os tivermos…

 

Isabel  Seixas

 

In “Memórias de uma Linha – Linha do Corgo – Chaves”, Agosto de 2014

Edição Lumbudus – Associação de Fotografia e Gravura

 

Fotografias – Propriedade e direitos de autor de Humberto Ferreira (http://outeiroseco-aqi.blogs.sapo.pt)

Gentilmente cedidas para publicação neste post.

 

 

23
Fev16

5 - Chaves, era uma vez um comboio…

800-texas

 

Memórias

 

Em boa verdade, apenas no início da década de oitenta, altura em que completei dezoito anos e fui continuar os meus estudos para Coimbra é que, conscientemente, me apercebi da existência de comboios regionais, rápidos, foguete, intercidades, de linha férrea larga, etc., tendo então inferido que o comboio liderado pela sua máquina a vapor, e que servia a minha cidade natal, era uma autêntica relíquia.

 

cp0185.jpg

 CP0185 – Locomotiva: CP E207, Data: 1973, Local: Pedras Salgadas, Portugal, Slide 35 mm

 

1 - A primeira, e única vez, em que tive o privilégio de nele viajar, e da qual me lembro perfeitamente, tinha apenas cinco anos. Foi um dos dias da minha existência em que mais madruguei. Embora não possa precisar a hora exata, estimo-a entre as 4 e as 5 horas da madrugada.

 

Acompanhando a minha mãe, com o entusiasmo e excitação de menino pequeno que ia fazer uma longa viagem, para conhecer novas terras e novas gentes, apanhei o comboio na belíssima estação de caminhos-de-ferro de Chaves, ainda noite cerrada, rumo a Coimbra e à sua universidade, onde iria assistir à cerimónia (vulgo, rasganço) da formatura do meu pai na faculdade de direito.

 

Daquela viagem, desde Chaves até Peso da Régua (primeiro local de transbordo do comboio, sendo o segundo no Porto), recordo o cheiro a carvão, o apito estridente e o fumo lançado pela locomotiva, bem como o característico barulho que fazia de cada vez que, em qualquer estação ou apeadeiro, parava e arrancava, nalguns troços a velocidade muito lenta, e a beleza das paisagens que ia vislumbrando à medida que o dia clareava.

 

Da Régua em diante, lembro-me apenas que os comboios melhoravam gradualmente em rapidez e conforto, mas já não havia apito, cheiro a carvão, fumo, nem os lamentos de pouca-terra... pouca-terra...

 

Face à “idade dos porquês” que atravessava, comecei a disparar perguntas, tendo-me a minha mãe explicado que o comboio que partia de Chaves funcionava a carvão e a automotora que saía da Régua, e o comboio do Porto, funcionavam a eletricidade. Questão após questão, e respetivas respostas, com uma certeza fiquei: o comboio de Chaves era diferente dos outros.

 

Apreendi mais tarde, quando cheguei à idade de ver filmes de índios e cowboys no cineteatro, que o nosso comboio, por muitos apelidado de Texas, era um verdadeiro cavalo-de-ferro.

 

cp0032.jpg

 CP0032 – Locomotiva: CP E202, Data: Não datado, Local: Não identificado, Portugal, Slide 35 mm

 

2 - No ano de 1984, convidei dois condiscípulos, um natural de Coimbra e outro de Paços de Ferreira, para virem passar comigo uns dias de verão a Chaves, cidade que não conheciam. Optaram pelo comboio, meio de transporte que usavam habitualmente para se deslocarem, sem nunca suspeitarem que da Régua até Chaves iriam circular num com máquina a vapor.

 

Quando os fui esperar ao apeadeiro da Fonte Nova, perto da casa onde na altura habitava, apesar de cobertos de gotículas de suor vinham a rir-se a bandeiras despregadas. Contaram-me que tinham, inocentemente, perguntado ao revisor onde ficava o bar do comboio, e que este, julgando que estavam a mangar com ele, lhes terá respondido em tom azedo: “Bar? Deem-se por felizes se o comboio não empanar até Chaves, que ontem estivemos parados duas horas na linha devido a uma avaria”.

 

Confessaram-me que apreciaram a beleza da paisagem, que se sentiram noutro mundo ao viajarem naquele comboio e que não estavam arrependidos da opção que tomaram mas, dado o desconforto e morosidade da viagem, o regresso iria ser feito de autocarro.

 

Ainda hoje, quando esporadicamente nos encontramos, aqueles amigos relembram com saudade a viagem no comboio até Chaves que, com toda a certeza, não deixarão de contar aos seus netos.

 

cp0071.jpg

 CP0071 – Locomotiva: CP E211, Data: Não datado, Local: Não identificado, Portugal, Slide 35 mm

 

3 - Mas a lembrança que imediatamente me assalta quando se fala na extinta linha e comboio a vapor que serviram Chaves até 1990, que julgo ser a primeira recordação da qual tenho ainda uma ténue memória, e que pelo significado que tem para mim guardei deliberadamente para o fim, reporta-se ao momento em que, perto dos meus três anos de idade, conheci o meu pai.

 

Por imposição do regime fascista do Estado Novo, quase logo de seguida ao meu nascimento nesta cidade de Chaves, o meu pai, após ter aqui concluído o cumprimento do serviço militar, foi chamado, e obrigado, a partir para Moçambique, dizia-se que para defender as nossas colónias no ultramar.

 

Assim fui crescendo, aprendendo a caminhar e a falar, com a noção de que o meu pai estaria lá para um lugar chamado “tropa”.

 

Próximo dos meus três anos, recebi a notícia, dada pela minha mãe e pelos meus avós maternos, com quem vivia, que o meu pai ia, finalmente, chegar da tropa.

 

Chegou. Fomos todos esperá-lo às Pedras Salgadas.

 

Foi a primeira vez que vi o meu pai.

 

E o comboio.

 

Durante os vários anos da minha meninice, vá lá saber-se porquê, repetia a cada passo: “A tropa é má... o comboio é bom”.

Francisco Preto

 

 

In “Memórias de uma Linha – Linha do Corgo – Chaves”, Agosto de 2014

Edição Lumbudus – Associação de Fotografia e Gravura

 

Fotografias – Propriedade e direitos de autor de Humberto Ferreira (http:outeiroseco-aqi.blogs.sapo.pt)

Gentilmente cedidas para publicação neste post.

 

 

12
Jan16

2 - Chaves, era uma vez um comboio…

800-texas

 

Depois da apresentação desta crónica na semana passada, é tempo de passarmos aos textos que constam no livro “Memórias de uma Linha – Linha do Corgo – Chaves”, publicado em Agosto de 2014 pela Lumbudus, Associação de Fotografia e Gravura, bem como as fotografias que o ilustram. Hoje fica a introdução ao livro que, em resumo, conta um pouco da história dos caminhos de ferro em Portugal e em particular da Linha do Corgo, que iniciava na Régua e terminava em Chaves.

 

======================================================================

 

CHAVES

 

Cedo divulgado como meio de transporte de pessoas e bens o caminho de ferro surgiu em Portugal na segunda metade do século XIX pela necessidade de construção de vias de comunicação, tal como já vinha sucedendo em diversos países europeus.

 

Em 1844 surge a Companhia das Obras Públicas cujo principal objectivo era dotar o país de meios de comunicação capazes de ligar Portugal à Europa. O caminho de ferro foi o meio que obteve maior consenso por parte da sociedade política, económica e intelectual portuguesa.

 

É, em 1851 com Fontes Pereira de Melo, que se encontram reunidas as condições para o início deste modo de transporte em Portugal, cuja inauguração decorreu em 28 de Outubro de 1856, entre Lisboa e o Carregado, na distância de 36 km.

 

Em 1877, com a construção da Ponte Maria Pia pela Casa Eifell, o Porto e Lisboa ficaram ligados por comboio.

 

A rede ferroviária a norte do rio Douro, construída pelo Estado – Direcções do Minho e do Douro – iniciou-se em 1875, com a abertura das Linhas do Minho e do Douro.

 

A Linha do Corgo como complementar da Linha do Douro foi construída em via métrica. Em 1907, o comboio chega a Pedras Salgadas, em 1910 a Vidago e finalmente a Chaves, em Agosto de 1921.

 

cp0002.jpg

 CP0002 – Locomotiva: CP E205, Data:1972, Local: Chaves, Portugal, Slide 35mm

 

Recentemente, o Município de Chaves recuperou e valorizou o antigo espaço ferroviário local, transformando o antigo edifício da estação em espaço sócio-cultural e o cais de mercadorias em galeria de exposições.

 

O museu aqui integrado ocupa uma antiga cocheira de carruagens.

 

A estação de dois pisos, edifício emblemático da arquitectura ferroviária, é decorada com azulejos de motivos florais que contornam a base do edifício e enquadram a fachada da estação.

 

O visitante inicia o seu percurso no espaço exterior, tomando contacto com os componentes de via estreita e material circulante para mercadorias, dois vagões de bordas baixas.

 

No interior o visitante encontra material a vapor que circulou na linha do Corgo.

 

A locomotiva de via estreita E 161 construída em 1905 pela Henschel & Sohn que inaugurou o primeiro troço da Linha do Corgo entre Régua e Vila Real em Abril de 1906.

 

A Locomotiva E41 foi construída em 1904 por Hohenzollern que foi utilizada nos trabalhos de construção da Linha do Corgo. Podemos ver os vários componentes da locomotiva, bem como os instrumentos de lubrificação.

 

A Locomotiva E203 foi construída pela Henshel & Sohn, em 1911 adquirida pelos Caminhos de Ferro do Estado (Minho e Douro), e da qual podemos observar alguns pormenores.

 

Em 1927 a CP procede ao arrendamento das Linhas dos caminhos de Ferro do Estado - Minho e Douro e Sul e Sueste e subaluga a Linha do Corgo à Companhia Nacional dos Caminhos de Ferro.

 

Em 1947, num processo de gestão unificada do caminho de ferro nacional, todas as linhas passaram para a CP, com a excepção da Linha de Cascais, que continua alugada à Sociedade Estoril.

 

cp0001.jpg

CP0001 – Locomotiva: CP E205, Data:1972, Local: Não identificado, Portugal, Slide 35mm

 

Exemplo das múltiplas funcionalidades e contributos do caminho de ferro na vida das populações e do país, a Ambulância Postal, conhecida como comboio correio de 1954. Destinava-se ao transporte do correio. Durante a viagem os funcionários, que pertenciam aos CTT, procediam à separação do correio por localidades, funcionando este comboio como uma verdadeira estação de correios.

 

Intrínseca à circulação ferroviária, a inspecção da via é retratada no quadriciclo a motor fabricado na Alemanha no início da década de 30, utilizado pelo Inspector de Via.

 

Utensílios oficinais como uma bigorna, macaco fazem parte da colecção do museu e induzem no visitante o ambiente oficinal.

 

O chefe da estação e os utensílios a ele relacionados estão patentes na recriação de um gabinete.

 

A segurança, indissociável do modo de transporte ferroviário, é representada pela sinalização.

 

Armando Ginestal Machado, ferroviário que estará para sempre associado à museologia ferroviária, contribui para a preservação e valorização do património ferroviário nacional.

 

Por força da directiva comunitária 440/91, a infra-estrutura ferroviária e a exploração do transporte por caminho de ferro, passam a ter gestões separadas, invertendo-se o sentido da Lei 2005 - lei da Coordenação de Transportes de 1945.

 

Em 1997 a infra-estrutura passou a ser gerida pela REFER, e a exploração foi confiada à CP. Ao mesmo tempo, autonomizam-se várias actividades e surgem as Unidades de negócio.

 

É a abertura de um novo ciclo no caminho de ferro, numa época de globalização, que exige novas formas de gestão, de parcerias e de cultura, em que o passado é uma referência histórica e um cumular de experiências dignificado pela museologia.

 

No Museu, nós damos-lhe tempo… Um tempo histórico – referência cultural e afectiva do transporte do futuro que honra e preserva um passado que nos conduziu até hoje!

 

Texto cedido por Ana Sousa – Comboios de Portugal, E.P.E.

 

In “Memórias de uma Linha – Linha do Corgo – Chaves”, Agosto de 2014

Edição Lumbudus – Associação de Fotografia e Gravura

 

Fotografias – Propriedade e direitos de autor de Humberto Ferreira ( http:outeiroseco-aqi.blogs.sapo.pt )

Gentilmente cedidas para publicação neste post.

 

 

07
Jan16

1 - Chaves, era uma vez um comboio…

800-texas

 

1 - Chaves, era uma vez um comboio…

 

No sangue dos flavienses, para além do rio Tâmega, há outros rios que contribuem para a sua fluidez. Um que corre feito com um tantinho de nevoeiro e outro tanto de água das caldas, outro com um cheirinho do Brunheiro e os aromas de um pastel de Chaves, entre outros ingredientes q.b. para temperar o sangue deste vale. A contrariá-lo só mesmo os maus ventos, e não são aqueles que costumam andar na boca do povo: - “de Espanha, nem bons ventos, nem bons casamentos”. Esses são castelhanos. Os nossos, quando muito seriam galegos, que sim, fazem um frio de rachar quando à galega lhe dá para parir, os mesmos que ajudam a fazer a cura dos nossos presuntos e fumeiro, pelo que até devemos ficar agradecidos por esse frio de rachar, que, se chegassem até Lisboa, a capital entrada logo em estado de emergência de alerta VERMELHO, mas que nós suportamos por estarmos habituados. Não, nenhum desses ventos nos incomodam a têmpera, os únicos que incomodam são os que sopram de Sul, dos fecha a roda de Vila Real, tanto, que até o nosso Tâmega quando chega a Vidago começa a desviar-se para o Minho, só para não ter de passar por lá.

 

1-chaves - 1921.jpgChegada a Chaves do primeiro comboio – 28 de agosto de 1921

 

Mas o que é que todo este palavreado tem a ver com o comboio? – Calma que já lá vamos. Regressemos de novo aos fecha a roda. Quis o destino que quando fui mobilizado para o serviço militar obrigatório o meu destino fosse Vila Real. Como se não bastasse ser obrigado a ir à tropa, ter de interromper os estudos e abandonar a minha cidade, das largas dezenas de destinos possíveis, tinha de me calhar logo Vila Real. Azar o meu, mas por pouco tempo, pois havia um destino mal amado, onde só iam parar os castigados, contestatários e afins que por sinal aceitava voluntários – os Açores. A decisão não foi difícil de tomar, pois entre ter de ficar em Vila Real a 60 km de casa e a de ter de ir para o meio do Atlântico a 2000 km de casa, optei pelo mar, e lá fui eu de voluntário para Angra do Heroísmo, na Ilha Terceira.

 

2- 1600-texas (22)

 

Bom, direis vós outra vez, e o que é que isto tem a ver com o comboio? – Pois, além de ter ido de comboio de Vila Real até Lisboa para apanhar o avião para a Ilha Terceira, nada ou quase nada, porque os Açores nem sequer têm comboio e é aí que eu queria chegar. Então é assim: Um certo dia uma camarada meu de tropa, natural a ilha de S.Miguel foi mandado para o continente para tirar um curso qualquer, que não recordo, e que até nem tem importância para a história. Curso esse que era ministrado em Coimbra. Da Ilha Terceira a Lisboa a viagem de avião C-130 Hercules não era novidade nenhuma para quem entre ilhas estava habituado a viajar de avião, a novidade só chegou quando o meu camarada de tropa teve de apanhar o comboio de Lisboa para Coimbra e vice-versa, no regresso. Tanta foi a novidade que quando ele, no bar da tropa, se punha a falar do comboio do continente, havia logo uma roda de camaradas de tropa para ou ouvir falar dos encantos do comboio. – “Aquilo tem bar, corredores, casas de banho e vai a uma velocidade que se olharmos para fora até perdemos o tino e vemos tudo a andar…”. Para rematar, quando eu estava por perto, ainda acrescentava: - “ e eu, quando vou para a minha terra, costumo ir na varanda do comboio”. Embora fosse verdade, penso que nunca me levaram a sério. Ora finalmente chegamos ao comboio e ao que falta no primeiro parágrafo deste texto, é que para além do rio Tâmega, do nevoeiro, dos pasteis, do presunto e das águas das caldas, também o comboio fazia parte do nosso ser flaviense e, embora texas, sentíamos orgulho por termos comboio e fazermos parte da rede ferroviária nacional. Mas de pouco nos valeu, pois o comboio foi o primeiro roubo que Lisboa (Cavaco Silva) nos fez, e a linha do Corgo, em vez de ser modernizada como se pedia,  foi das primeiras a fechar para dar lugar ao negócio das autoestradas e outros negócios dos amigos dos transportes.

 

3-1600-4194

 

Hoje do comboio para além das saudades e das recordações, resta-nos um museu e a antiga Estação convertida em edifício municipal. Um museu que, pelo significado que o comboio teve para Chaves, merecia mais dignidade, mas, fiquemos agradecidos só por existir.

 

 

4 - CP-E-204--E-208-Dep_Chaves_1972_web.jpg

Chaves, oficinas, 1972

 

Com isto inicio aqui uma nova crónica no blog Chaves, que não irá ter dia marcado, antes, irá colmatar a ausência de uma ou outra crónica que não chegou até nós no dia marcado. Também não sei quanto tempo durará, mas pelo menos ficam garantidas 14 crónicas, tantas quantos os textos que constam do livro “Memórias de uma Linha – Linha do Corgo – Chaves”, publicado pela Lumbudus – Associação de Fotografia e Gravura em agosto de 2014, com fotografias cedidas por Humberto Ferreira, que detém os direitos de autor sobre as mesmas.

 

5-texas-matadouro.jpg

O comboio a passar junto ao antiga matadouro, com Chaves ao fundo

 

Pois então, quando menos esperarem, cá estarei de novo com mais comboio, o nosso velho e saudoso texas, e pela certa que iremos além daquilo que está publicado em livro.

 

 

 

26
Ago14

O Velho Texas está de regresso

O post de hoje fica para mais logo. Para já fica um convite para os amantes dos comboios, sobretudo do nosso comboio da linha do Corgo que desde 28 de agosto de 1921 a 1 de janeiro de 1990 percorria várias vezes ao dia o percurso entre a Régua e Chaves, e vice-versa.

 

É, a LUMBUDUS, Associação de Fotografia e Gravura aí está com mais uma exposição de fotografias, esta com várias composições do comboio que ao longo de 68 anos percorreu a Linha do Corgo. 50 fotografias mas também o lançamento de um livro com fotografias e textos de vários autores contando as suas memórias sobre o comboio. Mas não se fica por aí, pois também será lançada uma coleção de 12 postais e um crachá comemorativo, tudo a lançar no dia do aniversário da chegada do comboio pela primeira vez a Chaves.

 

A inauguração da exposição fotográfica “ Memórias de uma Linha – Linha do Corgo”, acontecerá na próxima quinta-feira, dia 28 de agosto, às 18 horas, na Sala Multiusos do Centro Cultural de Chaves, altura em que serão também lançados o livro, os postais e o crachá atrás mencionados.

 

A exposição só possível graças ao espólio de um Associado Lumbudus e é apoiada pelo Turismo de Portugal, pela Câmara Municipal de Chaves e pela Associação Chaves Viva.

 

 

Mas não é tudo, pois esta exposição estará em duas frentes, a segunda a acontecer também na próxima quinta-feira, no Restaurante – Pizzeria TESTAROSSA, na Rua do Sol, 51 em Chaves, com inauguração prevista para as 19H30, com uma mostra fotográfica, onde estarão também disponíveis alguns livros, postais e crachás.

 

Se gosta de comboios e tem saudades do nosso antigo texas não perca esta exposição, mas também o livro com muitas memórias contadas na primeira pessoa, uma interessante coleção de postais e o crachá comemorativo.

 

A LUMBUDUS conta com todos!

 

 

14
Abr12

Curalha - Chaves - Portugal

 

Sempre que posso dou um pulinho ao nosso mundo rural à caça de fotografias. Quando o tempo não é muito, tenho que me ficar pelas terras mais próximas de Chaves e que convidem sempre a uma fotografia.

 

 

O nosso Rio Tâmega, embora não com tanta saúde como desejaríamos, vai convidando sempre para umas imagens, mas se lhes juntarmos as quedas de água e os moinhos, então aí o convite terá que ser obrigatoriamente aceite, mas não só, pois também os pormenores da envolvência convidam sempre a um clique.

 

 

Claro que se falamos em Rio Tâmega e moinhos temos que obrigatoriamente ir para a Curalha, uma freguesia que está na lista negra das freguesias a abater com a reforma administrativa anunciada. Há dias, o PJ, dizia-me que tinha uma promessa de que Curalha estaria fora da lista, mas como a promessa era de político e eles (políticos) fazem questão de não as cumprir com toda a lata e desvergonha, mais vale que os de Curalha não baixem os braços na sua luta de manutenção de Freguesia.

 

 

Mas isto até são contas de outro rosário, porque hoje o que quero mesmo é deixar-vos as imagens e que sabe se não abrem o apetite a uma visita, daquilo que se vê da estrada mas que quase nunca se para se descer até ao rio para deleitação dos pormenores. Acreditem que por muito breve que seja a visita, vale a pena, claro, isto contando que é amante das coisas bonitas que a natureza oferece e a sua urbanidade lho permite. Mesmo se não permitir, contrarie-a e vá por aí.

 

 

Em Curalha temos ainda o extra de  um autêntico museu do nosso velho e saudoso “texas” que embora seja propriedade privada, porque felizmente ainda há gente que gosta e se preocupa com as nossas memórias e património, preservando-as e cuidando-as, podem ser vistas da estrada ou do caminho de acesso a um dos moinhos sem ter que invadir propriedade privada. É um regalo para o olhar e para a saudade, pena que não saia da estação a todo o vapor, porque, como já aqui foi contado, quem o poderia permitir não o quis e todos lamentamos, mas, infelizmente enfim, já lhe conhecemos a raça rafeira, e tal como diria o outro, sem ofensa para os cães.

 

Sobre mim

foto do autor

320-meokanal 895607.jpg

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

 

 

Links

As minhas páginas e blogs

  •  
  • FOTOGRAFIA

  •  
  • Flavienses Ilustres

  •  
  • Animação Sociocultural

  •  
  • Cidade de Chaves

  •  
  • De interesse

  •  
  • GALEGOS

  •  
  • Imprensa

  •  
  • Aldeias de Barroso

  •  
  • Páginas e Blogs

    A

    B

    C

    D

    E

    F

    G

    H

    I

    J

    L

    M

    N

    O

    P

    Q

    R

    S

    T

    U

    V

    X

    Z

    capa-livro-p-blog blog-logo

    Comentários recentes

    • Fer.Ribeiro

      Relatório só após a conclusão das obras, ainda a d...

    • Fer.Ribeiro

      Pois não sei, mas posso tentar saber.

    • Anónimo

      O post está muito bom. Já agora aproveito para per...

    • TELMO A.R.RODRIGUES

      Cara amigo Luis Sancho o meu é Telmo Afonso R. Rod...

    • Anónimo

      Parabéns pelo seu trabalho, que é de louvar. Sobre...

    FB