Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

CHAVES

Olhares sobre a cidade de Chaves

Vivências - 1 de maio de 1991

11.05.18 | Fer.Ribeiro

vivenvias

 

1 de maio de 1991

 

1 de maio de 1991. À semelhança dos anos anteriores foi organizada pelos grupos de jovens ligados à Igreja uma atividade para assinalar o início do mês de maio – o mês de Maria. O local escolhido foi o Santuário de Nossa Senhora da Aparecida, em Calvão, e o dia começou bem cedo com o ponto de partida marcado para o “Jardim do Bacalhau”. Aí nos encontramos, tendo já percorrido alguns quilómetros a pé, desde casa, e daí seguimos, igualmente a pé, até Soutelo, onde paramos no Lar Marista, uma casa bem nossa conhecida.

 

A partir de Soutelo, divididos em grupos mais pequenos e com algumas atividades para realizar ao longo da caminhada, seguimos até Calvão, onde chegamos por volta da hora de almoço, cansados mas cheios de entusiasmo e de boa disposição para o resto do dia.

 

O período da tarde foi preenchido com atividades de reflexão, de partilha e de convívio, próprias deste tipo de encontros, com a particularidade de nesse ano termos tido a presença de grupos de jovens de outras localidades.

 

No final do dia, muitos fizeram a viagem até casa de carro, com os pais, mas para muitos outros o regresso fez-se a pé, desta vez apanhando a estrada que vem do São Caetano (hoje, por curiosidade, marcando todo o percurso no Google Maps, espanto-me ao ver que nesse dia caminhamos 29 quilómetros…).

 

Foto (com tratamento).jpg

 

Esta caminhada do 1 de maio foi uma das muitas atividades em que participei enquanto estive ligado a este movimento de grupos de jovens e recordo-a como uma das mais marcantes. Mas recordo este dia também pelo frio, um frio como talvez não tenha voltado a sentir até aos dias de hoje (a verdade é que também fui um pouco de “corpo bem feito”, enganado pelo sol que parecia querer acompanhar-nos logo pela manhã). No regresso a casa, seguindo em fila pela berma da estrada, procuramos, pelo menos durante parte do percurso, enganar o frio com uma pequena estratégia: o último da fila deixava o seu lugar e tinha de ultrapassar todos os outros até chegar ao primeiro, e assim que lá chegasse era a vez do que tivesse ficado em último fazer o mesmo, até todos terem passado pelo primeiro lugar…

 

1 de maio de 1991. Já se passaram quase 30 anos…

 

Já não sinto o frio, apenas uma agradável recordação…

 

Luís dos Anjos