Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

CHAVES

Olhares sobre a cidade de Chaves

Vivências

09.12.16 | Fer.Ribeiro

vivenvias

 

Natais de outros tempos

 

Dezembro. Os dias são frios e as noites nesta altura do ano chegam cedo. O dia de Natal aproxima-se, mas na televisão há já muito tempo que a publicidade nos começou a bombardear com sugestões de prendas para todos os gostos: brinquedos, perfumes, livros, smartphones, tablets, jogos… Lá fora, as ruas iluminam-se e as montras reinventam-se, procurando despertar o interesse de quem passa. Entretanto, o mês avança e quase sem darmos por isso depressa chegaremos à noite da consoada. Estaremos com a família, mas sempre atentos às mensagens que se vão trocar aos milhares no espaço virtual... É o Natal das prendas e das redes sociais, sem mais… E é assim todos os anos… ou não foi sempre?

 

Não, não foi sempre assim… Olhando para trás, recordo com nostalgia Natais de outros tempos, com outras vivências, sobretudo nos anos em que integrei o grupo de jovens da minha paróquia, no final da década de 80 e início da década de 90. Eram Natais sem e-mail’s, SMS’s ou redes sociais, mas em que nos desdobrávamos em diversas atividades concretas e que nos davam imensa satisfação: fazíamos cartazes e espalhávamo-los pelos bairros da paróquia; construíamos o presépio, ora na igreja de Santa Cruz, ora na igreja da Trindade (a igreja paroquial ainda não era mais do que um projeto); enviávamos postais de Boas Festas (sim, por correio, num envelope, com selo e tudo…) aos outros grupos de jovens e a algumas entidades oficiais da cidade animávamos a Missa do dia de Natal... Até houve um ano em que tivemos a ideia de fazer uma árvore de Natal na rotunda de Santa Cruz, junto à antiga escola primária... e fizemo-la mesmo! De machado às costas, fomos para os lados da zona industrial e trouxemos um pinheiro enorme que lá colocámos e que enfeitámos o melhor que pudemos, enquanto um vento frio nos gelava as mãos e a cara…

 

Menos tecnologias, mais calor humano…

 

Outros tempos, outros Natais, outras vivências…

 

Luís dos Anjos