Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

CHAVES

Olhares sobre a cidade de Chaves

Vivências - Sociedade Líquida

10.11.16 | Fer.Ribeiro

vivenvias

 

Sociedade líquida

 

Se lermos um pouco de História ou conversarmos com pessoas de uma geração anterior à nossa rapidamente percebemos o quanto uma sociedade muda no espaço de poucos anos. E esta evolução não é um fenómeno exclusivo dos tempos modernos. Contudo, nas últimas décadas, como consequência da conjugação de vários fatores (sendo a evolução tecnológica o principal) a mudança tem sido, sem dúvida, mais rápida, mais notória e mais profunda.

 

No passado (na verdade, até há 20 ou 30 anos talvez), a sociedade estava claramente alicerçada em valores sólidos, tradições, personalidades de referência em casa (o pai, a mãe, o avô…) e fora dela (na música, na literatura, na política, no desporto…). Hoje, a realidade é bem diferente. Os jovens não têm ídolos (eles sucedem-se mais ao menos ao ritmo dos programas de televisão ou do aparecimento e desaparecimento de uma qualquer banda de música) e os valores, tais como a boa educação, o respeito pelos mais velhos, a responsabilidade, a solidariedade ou outros, parecem muitas vezes completamente ausentes das suas vidas. Por outro lado, as tradições, os saberes, os usos e costumes que outrora passavam de geração em geração (todo um património) parecem ter perdido significado neste mundo cada vez mais virado para o consumo e para o imediato. Simultaneamente, não se consolidam quaisquer novas tradições ou costumes, pelo que caímos, assim, numa espécie de vazio…

 

Numa recente reunião de pais com filhos na catequese ouvi a expressão “sociedade líquida”. Fiquei intrigado e, pesquisando um pouco na Internet, descobri que o conceito é de um sociólogo polaco (Zygmunt Bauman) e define uma sociedade sem forma consistente, como se fosse um qualquer corpo líquido que, tal como a água, é incapaz de manter a sua forma. E é isso que me parece que, infelizmente, estamos a construir: uma sociedade onde cada vez mais tudo é volátil, efémero e nada ganha uma forma duradoura…

 

Luís dos Anjos